2019/08/19

Interpretação de Deuteronômio 13

Interpretação de Números 1

Interpretação de Deuteronômio 13


Deuteronômio 13

Resistência à Apostasia. 13:1-18.
Nos antigos tratados de suserania requeria-se do vassalo que ele não tivesse conivência com quem falasse mal do suserano, quer se tratasse de uma afronta ou uma conspiração. O vassalo devia transmitir o insulto ou a fomentação da revolta. Em caso de rebelião ativa, devia tomar medidas militares contra os ofensores. Mais ainda, devia manifestar fidelidade ao seu senhor em tais casos, fosse quem fosse o rebelde, um príncipe ou parente próximo. Tudo isto encontra seu correlativo formal em Deuteronômio
13. Quanto ao estilo o capítulo foi moldado na forma casuística, característica dos antigos códigos legais, mas também de algumas estipulações pactuais. Três casos de rebelião contra o Senhor são examinados. Os dois primeiros se relacionam com a instigação, as partes culpadas sendo reivindicantes de terem recebido revelação com sinais (vs. 1-5) e o parente mais próximo ou amigo do vassalo (vs. 6-11). O terceiro caso se relaciona com uma cidade que foi engodada a rebelar-se contra o Senhor e é culpada de estar servindo a ídolos (vs. 12-18).
1-5. (Bíblia Heb., vs. 2-6).
1. Profeta ou sonhador. Insinuação da instituição profética a ser estabelecida em Israel já fora dada. A auto-revelação de Deus aos profetas seria por meio de visão e sonho (Nm. 12:5; cons. Dt. 18:15 e segs.). Mesmo se alguém com impressionantes credenciais comprovando que era um canal da revelação (1b, 2a) incitasse Israel a declarar fidelidade e tributo a outros deuses (2b; cons. 3b, 5b), seu conselho devia ser desprezado (3a; cons. Gl. 1:8, 9).
2. E suceder o tal sinal ou prodígio. Ambos os termos podem se referir a um acontecimento que é, em si mesmo, normal ou extraordinário. Aqui eles se referem, ao que parece, a um acontecimento predito, não necessariamente milagroso, que se realizou. O cumprimento da predição é então proclamado como um sinal de genuína vocação e autoridade profética. E disser (v. 2) deve ser tomado junto com quando . . . se levantar (v. 1). O padrão de vida e culto de Israel era revelação de Deus através de Moisés, escrita ou falada; a exigência fundamental, portanto, era fidelidade exclusiva ao senhor – andareis após o Senhor (v. 4). A fim de testar a obediência de Israel com referência a esta estipulação suprema, Deus permitiria que o friso profeta se apresentasse (v. 3b). E já que este último aconselhada Israel a repudiar aquela exigência, a própria essência da aliança (cons. 6:4, 5; Êx. 20:3), a penalidade máxima lhe era prescrita – esse profeta . . . será morto (v. 5). Observe as citações do preâmbulo de prólogo histórico das tábuas da aliança (cons. Êx. 20:2). A execução do instigador à traição “eliminaria” o mal do meio de Israel, o qual, se permanecesse e se alastrasse, resultaria na eliminação de muitos em Israel (cons. Dt. 13:12 e segs. esp. v. 16; 17:12; 19:11-13; 21:18-21; 22:21-24; 24:7).
6-11. (Bíblia Heb. 7-12). Tão eficiente como o maravilhoso sinal da serpente falante, com suas declarações oraculares, no caso da sedução de Eva foi a coação pela qual Eva subseqüentemente tentou Adão por causa do seu afeto por ela, a esposa do seu amor, a amada de sua alma.
6. Se teu irmão. . . te incitar em segredo. A sutilidade da tentação neste caso contrasta com o convite público do falso profeta (cons. v. l e segs.) e tornaria fácil esconder o pecado da pessoa amada fugindo à responsabilidade judicial sem revelação. Mas, como no caso dos tratados internacionais, qualquer omissão em denunciar “as más palavras” e as conspirações rebeldes seda uma brecha na aliança de Deus.
8. Não o olharás com piedade. A reivindicação da aliança é amar o Senhor nosso Deus, embora rito signifique odiar os pais e os irmãos, a esposa e os filhos, e até a própria vida (cons. Lc. 14:26). Portanto, aquele que mais querido fosse ao servo da aliança, devia ser tão severamente julgado quanto o falso profeta, se ele ou ela pretendesse ser desleal ao Senhor.
9. Certamente o matarás. Para o procedimento judicial em vista, veja 17:7. Um benefício importante na execução da sentença divina seda o impacto admoestativo sobre Israel, impedindo futura apostasia (v. 11; cons. 17:13; 19: 20; 21:21).
12-18. (Bíblia Heb., 13-19). Se as estipulações dos versículos precedentes não fossem vigorosamente executadas, a rebelião se espalharia do indivíduo para a comunidade, uma situação que exigiria uma decisão e ação judicial ainda mais difícil do que a prescrita aqui.
13. Homens malignos (E.R.A.) e filhos de Belial (E.R.C.) são traduções de uma expressão diversamente entendida como filhos da inutilidade, ou desordem, ou maldade, ou Sheol. É assim que Deus vê aqueles sedutores à idolatria que se colocam diante dos homens como profetas impressionantes ou parentes mais queridos. Caso houvesse o veredito de culpa (v.14), a sentença seda a aplicação do anátema (v. 15 e segs.; cons. comentários sobre 7:1-5).
15. Ferirás. . . os moradores daquela cidade. Aceitando a abominação de Canaã, a cidade israelita se tomaria uma abominação; ficaria igual à Jericó cananita e devia partilhar de seu destino maldito pelo fogo e pela espada. O divino Suserano, como os senhores humanos em seus tratados antigos, impôs regulamentos relativamente ao despojo que viria cair nas mãos dos seus vassalos em uma campanha punitiva. No presente exemplo, foi feita a incomum exigência de que todo o despojo fosse acrescentado ao holocausto através do qual a cidade amaldiçoada se tornaria uma perfeita oferta queimada para louvor da justiça e ira de Deus.
16. Montão perpétuo. O hebraico tel indica um monte abandonado produzido pela acumulação de entulhos em sucessivas ocupações de um sítio. A experiência de Israel no caso de Acã (Js. 7; 8) exemplificou ambos, o perigo de violar a lei dos despojos em Dt. 13:16,17 e a fidelidade do Senhor na promessa dos versículos 17b, 18.

Índice: Deuteronômio 1 Deuteronômio 2 Deuteronômio 3 Deuteronômio 4 Deuteronômio 5 Deuteronômio 6 Deuteronômio 7 Deuteronômio 8 Deuteronômio 9 Deuteronômio 10 Deuteronômio 11 Deuteronômio 12 Deuteronômio 13 Deuteronômio 14 Deuteronômio 15 Deuteronômio 16 Deuteronômio 17 Deuteronômio 18 Deuteronômio 19 Deuteronômio 20 Deuteronômio 21 Deuteronômio 22 Deuteronômio 23 Deuteronômio 24 Deuteronômio 25 Deuteronômio 26 Deuteronômio 27 Deuteronômio 28 Deuteronômio 29 Deuteronômio 30 Deuteronômio 31 Deuteronômio 32 Deuteronômio 33 Deuteronômio 34


Nenhum comentário:

Postar um comentário