2019/08/19

Interpretação de Deuteronômio 26

Interpretação de Deuteronômio 26

Interpretação de Deuteronômio 26



Deuteronômio 26


d) Santidade do Indivíduo. 25:1-19.
Os versículos de 1 a 12, as leis finais sobre a santidade do reino (23:1 – 25:12), resguardavam a santidade do homem como portador individual da imagem de Deus. Os versículos 13-19 concluem as leis do respeito pelas ordens da natureza, da família e da teocracia (vs. 22-25), tal como foram começadas (cons. 22:1-4), com o princípio da regra de ouro.
1-12. O justo castigo dos culpados devia sei dispensado de maneira a preservar a dignidade humana individual (vs. 1-3). O princípio da santidade da criatura individual à semelhança divina foi assim reforçado nos pontos onde esse respeito poderia mais plausivelmente ser prejudicado. Contrariando a divisão de sentenças da E.R.A. e E.R.C., a conclusão não começa antes do versículo 2. Degradação pública inconveniente devia sei evitada através de medidas severas de precaução. O castigo do criminoso devia ser precedido por um julgamento e sentença, e devia sei pessoalmente supervisionado pelo juiz.
3. Quarenta açoites lhe fará dar, não más. Os açoites deviam ser escrupulosamente contados – e não deviam ser aplicados ao acaso, como se fora em um animal, ou sob o descontrole da ira, esquecido de que o juízo pertencia ao Senhor. A severidade dos açoites deviam ser proporcionados de acordo com a gravidade da ofensa, mas nunca exceder a quarenta golpes.
4. Não atarás a boca do boi. . . O complemento positivo da proibição de se desonrar um homem apesar de seus erros é a exigência de que ele devia receber toda a honra devida por suas boas obras. Este versículo, provavelmente, uma expressão proverbial, parece mesmo aqui ter a força que lhe deu Paulo em I Co. 9:9 e I Tm. 5:18.
O servo da aliança é um ser imortal com uma participação, mesmo depois da morte e sepultura, na bem-aventurança futura do reino de Deus que foi prometido na Aliança da Redenção aos crentes e seus descendentes depois deles (vs. 5-10).
6. Para que o nome deste não se apague em Israel. Devia-se suscitai testemunha da dignidade do filho-servo de Deus por intermédio de um descendente da aliança que habitava em sua herança, dentro do reino típico do V.T. Como aplicação disso, a Aliança Deuteronômica adotou uma forma de prática muito difundida do casamento em levirato, por meio do qual tocava ao irmão do homem que morrera sem lhes a responsabilidade de suscitar-lhe um herdeiro através da viúva – o primogênito . . . será sucessor do nome do seu irmão. Esta exigência constituía uma exceção à proibição de Lv. 18:16; 20:21. Para ver exemplos bíblicos desta ou semelhante prática, veja Gênesis 38 e o Livro de Rute. A obrigação do levirato limitava-se em Deuteronômio às situações nas quais os irmãos partilhavam da mesma propriedade (25:5a) e mesmo então não era compulsória – Meu cunhado recusa (v. 7). Deixar de agir de acordo, contudo, traía falta de afeição fraternal e era publicamente estigmatizada (vs. 8-10). Sobre o uso da sandália para confirmar transferência legal de propriedade, veja Rute 4:7.
À vista da provisão de Nm. 27:4 e segs., não havia necessidade do casamento em levirato se o falecido tivesse filhas. Por isso a E.R.A. parece preferível à E.R.C. na tradução de Dt. 25:5 – sem filhos em lugar de sem filho. Os versículos 11, 12, também se relacionam com a dignidade do indivíduo e precisamente com sua dignidade de servo da aliança de Deus, que através da circuncisão trazia no seu corpo o sinal da aliança. A referência ao órgão da reprodução poderia ser explicada pela imediata associação desta proibição com a lei do casamento em levirato. Que o ato proibido incluía desprezo pelo sinal da aliança e não simples indecência fica sugerido pela aparente semelhança na natureza do castigo e do sinal, ambos envolvendo mutilação do corpo. Esta interpretação é reforçada pelo fato de que, fora deste caso, só a lex talionis (19:21) exigia tal mutilação penal.
15. Terás peso integral e justo. O próximo devia ser amado como a pessoa a si mesmo se ama (vs. 13-16); portanto, os negócios com o próximo não deviam sei feitos com dois padrões de medidas, o grande para receber, o pequeno para pagar (cons. Amós 8:5). Esta lei desenvolve um pouco Lv. 19:35, 36, especialmente pelas bênçãos e maldições adicional da aliança. Enquanto esta lei do amor resume as exigências para o relacionamento inter-teocrático que foram tratadas nas seções de estipulações precedentes, não se tem a intenção de repudiar o mandato da conquista (cons. Dt. 7; 20:16, 17; 25:17-19). Nem há alguma contradição entre os dois. Pois embora Deus exija amor ao próximo, aqueles que se dispõem a destruir o povo do típico reino teocrático do V.T., excluíam-se da categoria de próximos, exatamente como aqueles que, juntamente com Satanás, estão destinados à eterna perdição não são os próximos dos habitantes da teocracia celestial. Sobre a ordem de exterminar Amaleque, veja Êx. 17:8-16. Tomadas juntas, as leis do amor e ódio resumem-se na única exigência de amar a Deus, e conseqüentemente amar a quem Ele ama e odiar a quem Ele odeia. 


Índice: Deuteronômio 1 Deuteronômio 2 Deuteronômio 3 Deuteronômio 4 Deuteronômio 5 Deuteronômio 6 Deuteronômio 7 Deuteronômio 8 Deuteronômio 9 Deuteronômio 10 Deuteronômio 11 Deuteronômio 12 Deuteronômio 13 Deuteronômio 14 Deuteronômio 15 Deuteronômio 16 Deuteronômio 17 Deuteronômio 18 Deuteronômio 19 Deuteronômio 20 Deuteronômio 21 Deuteronômio 22 Deuteronômio 23 Deuteronômio 24 Deuteronômio 25 Deuteronômio 26 Deuteronômio 27 Deuteronômio 28 Deuteronômio 29 Deuteronômio 30 Deuteronômio 31 Deuteronômio 32 Deuteronômio 33 Deuteronômio 34

Nenhum comentário:

Postar um comentário