2019/08/16

Estudo sobre Jeremias 51

Estudo sobre Jeremias 51

Estudo sobre Jeremias 51



Jeremias 51

Os planos de Deus para a Babilônia (51.1-19). A profecia contra a Babilônia continua por meio do destaque de diversas formas literárias (cf. a metáfora mais intensa dos v. 20-23 e o cântico de escárnio dos v. 41-43). Aqui é usado o artifício em que as expressões têm duplo sentido, em parte por meio do uso de um criptograma invertido em que se usam letras alternadas (v. a explanação em 25.26). Assim, o povo de (v. 1), lit. “o coração daqueles que vêm contra”, como na VA, está no lugar de “caldeus” (heb. kasdim)-, peneira [-los\, no lugar de “estrangeiros” (raiz heb. semelhante), e Sesaque (VA, RV, cf. NEB), no lugar de “Babel” (v. 41), Babilônia. A lição é clara. A antes gloriosa Babilônia agora está incuravelmente enferma. Nada e ninguém pode curá-la (v. 8,9; cf. 8.22; 46.11). O final virá repentinamente antes que alguém tenha tempo de levantar o arco ou de pôr a armadura (v. 3). Isso de fato aconteceu na queda da cidade, e a leitura “para” (W) é preferível a “não” ('al)\ “Que o arqueiro saque...” (J. Bright). A única esperança de escapar do juízo é fugir (v. 6). Isso está na base da profecia posterior de Ap 17.2-4; 18.2,3, em que o espírito da Babilônia, ao afetar todas as nações e conduzi-las à loucura (v. 7,8), é aplicado ao sistema do mundo dos últimos dias. Os propósitos morais de Deus precisam ser vistos na história. É o Senhor que põe em andamento o ataque final dos medo-persas, e a Babilônia é advertida por ele (um ato de misericórdia) para se preparar para o fim (v. 11-14). Os textos babilônicos (Nabonido) mostram que o título “rei dos medos” (v. 11) era de fato usado em 544 a.C. (provavelmente em referência a Ciro), v. 13. muitas águas-, do rio Eufrates (cf. Ap 17.1). Em Apocalipse, a Babilônia é a noiva ilegítima. A noiva do Cordeiro permanece nas águas que dão vida. O poder soberano do Senhor dos Exércitos, e não o dos ídolos, governa sobre a natureza e as questões dos homens. Isso é destacado por meio da repetição de 10.12-16 (v. 15,16). O Senhor vivo, em contraste com os ídolos mortos (v. 15-18), é a nossa herança, e nós somos dele (v. 19).
O instrumento de Deus (51.20-24).
A Babilônia não vai cair por acaso ou por meras mudanças das circunstâncias políticas e econômicas. O próprio Senhor está se posicionando contra a cidade e gira o eixo da batalha contra ela. Este é Ciro, que seguiu a Nabucodonosor II da Babilônia como o ”martelo” das nações (cf. 50.23). Por sua vez, Nabucodonosor tinha somente seguido à Assíria nessa função (Is 10.5). Os que interpretam isso como Israel precisam fazê-lo no sentido espiritual, pois de outra forma essa ação nunca se cumpriu literalmente. v. 23. governadores e oficiais-, ambos os termos são designações comuns no acadiano (assírio-babilônio) de oficiais das províncias.
Os agentes contra a Babilônia (51.25-33). A completa devastação da Babilônia é destacada novamente (v. 26,29) e descrita como a retribuição pelo pecado passado (Dt 32.35; Rm 12.19). v. 25. montanha destruidora aparentemente é um epíteto da Babilônia: montanha é usado tanto como referência à força quanto ao templo e contrasta com a montanha do Senhor (Is 2.2). A Babilônia vai se tornar tão ineficiente quanto um vulcão extinto. O v. 26 contrasta com Is 28.16 e a pedra fundamental duradoura (IPe 2.6-8). Os agentes usados por Deus vão incluir muitos aliados dos medos (v. 28; cf. v. 11), Urartu (Ararate — mais tarde, a Armênia) e os seus vizinhos, o reino de Mini e de Asquenaz (cf. Gn 10.3) entre o lago Van e o lago Urumiyeh no noroeste da Pérsia — todos mencionados em inscrições assírias. Sob o comandante deles (heb. tipsar, cf. Na 3.17; assírio dupsar, ”escriba”, como um alto oficial militar), vão se unir como num enxame no ataque contra a outrora fértil Babilônia (v. 27). O famoso sistema postal da cidade (v. 31) ajuda a espalhar o medo e o pânico do fim (cf. Lc 21.26). Ciro, o “rei dos medos” (v. 28; assim a LXX; além disso, os verbos estão no singular), tramou um ataque surpresa noturno pelo leito seco do rio, depois de desviar a água do Eufrates e as defesas de água (v. 32; cf. v. 36) ou os ”pântanos” (heb. ’agammlm, “tanques”) que, de acordo com Daniel (cap. 5), Heródoto e inscrições de Giro, fizeram a Babilônia cair rápida e dramaticamente. O rei que foi informado (v. 31) provavelmente era Nabonido; ele foi preso e exilado na Garmânia, ou o seu co-regente Belsazar que foi morto. O retrato da devastação por meio do fogo se espalhando entre os pântanos de juncos (assim a VA, “juncos”, v. 32) para envolver os refugiados é comparado a uma colheita em que a própria Babilônia é ceifada numa eira bem pisada (cf. Is 17.3).
A causa de Jerusalém contra a Babilônia (51.34-44). Os habitantes de Sião relatam os atos terríveis que Nabucodonosor havia feito a eles e que devem ser vingados (v. 34,35). Os mesmos horrores infligidos a Jerusalém agora cairiam sobre Babilônia. Ela será uma ruína infestada de chacais, uma maldição, em vez de louvor (v. 37-41). Mas aqui, diferentemente de Jerusalém, não há profecia de restauração. O retrato é de uma serpente (BJ, “dragão”; heb. tannin, usado com referência a grandes animais ou criaturas do rio ou do mar, como o crocodilo, SL 74.13) que engoliu o povo de Deus (cf. Ap 12.4), mas agora é ela mesma destruída e forçada a vomitar sua presa, assim como o peixe fez com Jonas. A linguagem também lembra o sacrifício, cf. v. 35,40; heb. “a minha ofensa e a minha carne”, i.e., meu espinho e meu corpo ferido. A ideia do sangue estar sobre alguém tem o significado de assumir completa responsabilidade (cf. 2Sm 1.6; lRs 2.37; Mt 27.25). O v. 39 talvez reflita a festa de Belsazar na noite em que caiu a cidade. Os v. 41-43 são um cântico de escárnio. Acerca de Sesa-que = Babel, cf. 25.26; 51.1. O mar(y. 42) é o irresistível invasor inimigo (cf. 46.7; 47.2).
Mais castigo sobre a Babilônia (51.45-53). O povo de Deus não tem lugar na cidade condenada e, por isso, deve sair (v. 45-50). Eles precisam permanecer calmos diante da violência, dos rumores e da revolução (v. 46; Mt 24.16). Embora pareça que o mal está vencendo (v. 51) e as defesas de Babilônia alcancem o céu de tão fortes que são (v. 53, um eco dos construtores de Babel), as suas “altas torres” (NEB — talvez os tem-plos-torre em forma de zigurates) não são invencíveis, e Deus terá a última palavra (v. 51-58) e vai condenar Babilônia e as suas imagens (v. 47,52). Embora a profecia tenha se cumprido em alguns anos, a mensagem dos “últimos dias” é especialmente aplicável aos nossos dias. Como os exilados (v. 50), sempre precisamos lembrar do Senhor e da sua palavra. Mesmo que a lembrança esteja tingida de vergonha, como a deles em relação ao templo (v. 51), podemos descansar seguros de que vai haver retribuição (v. 56). O v. 49 pode ser traduzido de diversas formas: “Até a Babilônia precisa cair pelos mortos de Israel, assim como os mortos de toda a terra caíram pela Babilônia” (Harrison; cf. NEB); ou melhor: “Babilônia deve cair, ó traspassados de Israel, da mesma maneira que pela Babilônia caíram os traspassados de toda a terra” (BJ).
A queda da Babilônia (51.54-58). Agora a queda é considerada completa e talvez reflita os acontecimentos da noite da captura (e.g., v. 27 e a festa de Belsazar). Observe a repetição do nome do conquistador como Senhor dos Exércitos (v. 57,58). A muralha dupla de 12 metros de espessura conhecida das escavações e de Heródoto (I.178ss) foi de fato demolida por Xerxes em 485 a.C. Toda a obra da Babilônia havia sido em vão, e os esforços do seu povo desapareceram num momento, como uma baforada de fumaça (cf. Hc 2.13).
As ações empreendidas com as profecias escritas (51.59-64). Gomo no caso de profecias anteriores (e.g., 18.1-17), essa é reforçada pela ação e pela palavra (v. 63,64; cf. Ap 18.21). O rolo (ou cópia) escrito em 594/3 a.C. por Jeremias provavelmente se refere ao livro todo (e não somente aos caps. 50 e 51), e o seu propósito era que fosse lido em voz alta (v. 63) e servisse de conforto para os exilados (o livro de Apocalipse tem um propósito semelhante). Acerca disso, cf. E. W. Nicholson, Preachingto the Exiles (Oxford, 1970).
Jeremias aproveitou a oportunidade da viagem para a Babilônia feita por Seratas (v. 59), que era irmão do seu amigo e escriba Baruque (32.2) e responsável pelo acampamento (assim a NVI; e não “príncipe pacífico”, VA). A LXX faz dele o “comissário dos tributos” enviado por Zedequias, cuja viagem à Babilônia só é conhecida desse texto. O ato simbólico e a palavra ritual (v. 64) ressaltam a destruição perpétua que Deus realizou desse grande poderio da época do ATOS e de sua capital às margens do rio Eufrates. v. 62. “eles se cansarão” (ARA; TM é um eco do v. 58; a LXX, BJ e NVI omitem), v. 64. “Até aqui...” (ARA) é um colofão ou nota editorial para distinguir as palavras de Jeremias do apêndice (cap. 52) que foi extraído de outras fontes históricas (2Rs 24 e 25).

Índice: Jeremias 1 Jeremias 2 Jeremias 3 Jeremias 4 Jeremias 5 Jeremias 6 Jeremias 7 Jeremias 8 Jeremias 9 Jeremias 10 Jeremias 11 Jeremias 12 Jeremias 13 Jeremias 14 Jeremias 15 Jeremias 16 Jeremias 17 Jeremias 18 Jeremias 19 Jeremias 20 Jeremias 21 Jeremias 22 Jeremias 23 Jeremias 24 Jeremias 25 Jeremias 26 Jeremias 27 Jeremias 28 Jeremias 29 Jeremias 30 Jeremias 31 Jeremias 32 Jeremias 33 Jeremias 34 Jeremias 35 Jeremias 36 Jeremias 37 Jeremias 38 Jeremias 39 Jeremias 40 Jeremias 41 Jeremias 42 Jeremias 43 Jeremias 44 Jeremias 45 Jeremias 46 Jeremias 47 Jeremias 48 Jeremias 49 Jeremias 50 Jeremias 51 Jeremias 52

Nenhum comentário:

Postar um comentário