2016/07/30

Estudo sobre Levítico 14

Estudo sobre Levítico 14

Estudo sobre Levítico 14



Levítico 14
4) O ritual de purificação (14.1-57)
a) Para pessoas doentes (14.1-20)
v. 3. O sacerdote tinha de sair do acampamento porque o homem não podia ser admitido até que fosse declarado puro (cf. 13.46). v. 4. cedro [...]pano vermelho [...] ramo dehissopo também eram usados no ritual de purificação da novilha (Nm 19.6), sendo queimados com a novilha para produzir cinzas que eram acrescentadas à água da purificação. Acerca do hissopo em associação com a purificação, v. também SL 51.7. Na tradição judaica, a madeira de cedro era considerada um símbolo do orgulho humano, uma interpretação que foi aprovada por alguns tipologistas cristãos. E interessante observar que o pano vermelho (lit. “pano escarlata de um verme”) para os intérpretes judeus simbolizava a humildade (com ênfase no “verme”); intérpretes cristãos com tendências anagógicas semelhantes, mas sem se apoiarem no hebraico na maioria dos casos, consideraram que ela representa a grandeza aparente do homem (pois o que mais a “escarlata” poderia representar?)! v. 5. água da fonte é lit. “água viva”, água de uma nascente (fonte), e não de um poço ou cisterna (cf. Jr 2.13; 17.13). A água provavelmente estava na vasilha de barro quando a ave era morta sobre ela (assim NEB). v. 7. A soltura da ave viva simboliza a remoção da impureza da pessoa; cf o “bode vivo” no Dia da Expiação (16.21,22). v. 8,9. A restauração à comunidade antecede a restauração à vida completa da família. Os sete dias são principalmente um período de iniciação e, como na iniciação dos sacerdotes, são concluídos com uma cerimônia no oitavo dia (v. 10; cf. 9.1 lss). 3110 de efa (nota de rodapé da NVI): provavelmente um décimo de efa para cada um dos cordeiros sacrificados (cf. Nm 29.4). v. 12. Embora fosse necessário que se apresentassem quatro ofertas no total, é a oferta pela culpa que recebe mais atenção. Em 5.14—6.7, a exigência normal de uma oferta pela culpa é estabelecida como um ”carneiro sem defeito”. Um homem vivendo fora do acampamento por conta de impureza cerimonial não teria sido capaz de cumprir as suas obrigações com Deus no santuário; é nesse sentido que talvez fosse feita a restituição por meio da oferta pela culpa. V. discussão acerca da ideia de “oferta movida” em Ex 29.24. v. 14. Esse ritual singular também fazia parte da ordenação do sacerdote (8.23,24). v. 15ss. O óleo é aplicado da mesma maneira depois de ter sido aspergido sete vezes perante o Senhor, v. 18. Milgrom compara isso com uma cerimônia ugarítica de alforria; uma escrava era libertada quando um oficiante anunciava: “Eu derramei óleo sobre a sua cabeça e a declarei pura”, v. 19. Os estudiosos têm dedicado atenção especial aos rituais da oferta pela culpa e da unção em virtude de sua singularidade. Em contraste com isso, em lugar algum o texto nos diz qual dos animais restantes era apresentado como a oferta pelo pecado e qual como holocausto. Com base em 4.28,32, podemos pressupor que a cordeira (v. 10) era destinada para a oferta pelo pecado, v. 20. E possível que toda a oferta de cereal era apresentada junto com o holocausto (porém, v. comentário do v. 10); de qualquer forma, tudo era queimado sobre o altar (contraste com 2.2).
b) Concessões para os pobres (14.21-32)
v. 21,22. As concessões são as seguintes: uma redução na quantidade da farinha de três décimos para um décimo de um efa (hebraico; um jarro no texto da NVI) e a substituição dos animais para a oferta pelo pecado e o holocausto por duas rolinhas ou dois pombinhos, em concordância com 1.14-17 e 5.7-10. Não podia haver concessão alguma com relação aos elementos principais do ritual de purificação, ou seja, o cordeiro da oferta pela culpa e a caneca de óleo (v. 24). No mais, o ritual é realizado como indicado nos v. 11-20.
c)    O ritual por uma casa (14.33-53)
As manifestações da “lepra” e o ritual prescrito são bem semelhantes ao do caso das roupas (13.47-59). E mais uma vez uma questão de ação química ou desenvolvimento de fungos (cf. “infecção de fungos” da NEB no v. 34) que são semelhantes às doenças humanas definidas pelo termo “lepra”, v. 34. e eu puser, todos os aspectos da vida, bons ou maus, no final das contas são determinados por Deus, o criador da vida (v. Is 45.7; Am 3.6); o AT está muito distante de qualquer dualismo, v. 37. esverdeadas ou avermelhadas são as características distintivas como em 13.49. mais profundas do que a superfície da parede-. esse era o fator mais importante na determinação de se uma condição humana era de “lepra” (cf. 13.3 etc.), v. 45. Se existe a recorrência do problema após a implementação das medidas dos v. 38-42, então a casa deve ser destruída. Mas se não houver nova erupção dos sintomas, o sacerdote declarará pura a casa (v. 48). O ritual de purificação é semelhante ao realizado por uma pessoa enferma (cf. v. 4-7).
d) Resumo (14.54-57)

Nenhum comentário:

Postar um comentário