2016/07/30

Estudo sobre Levítico 19

Estudo sobre Levítico 19

Estudo sobre Levítico 19



Levítico 19

Regras e regulamentações (19.1-37)
Uma grande variedade de atividades humanas recebe atenção nesse capítulo. Não há um elo óbvio de ligação, a não ser o refrão: Eu sou o Senhor (o Deus de vocês)” (v. 3,4,10 etc.), v. 2. Cf. 11.44,45. v. 3,4. Diversos dos dez mandamentos encontram os seus paralelos aqui; cf. Êx 20.3,4,8,12. respeite'. Iit. “tema”; Êx 20.12 traz: “honra”, a sua mãe e o seu pai: a sequência é incomum no AT, sendo encontrada somente nesses capítulos (Porter; v. 20.19; 21.2). deuses de metal: cf. Êx 34.17; Êx 20.4 traz: “imagem”, i.e., de madeira ou pedra, e não de metal. Os v. 5ss tratam da participação do ofertante na sua oferta de comunhão, v. 6. De acordo com
7.15-18, a estipulação acerca de comer no dia seguinte aplicava-se a ofertas resultantes de voto ou ofertas voluntárias, mas não a ofertas de gratidão. Os v. 9,10 ordenam a consideração pelo necessitado e pelo estrangeiro na época da colheita; cf. 23.22; Dt 24.19-22; Rt 2.1-23. É possível que a prática tenha se originado em épocas pré-israelitas e tratasse dos direitos à colheita dos espíritos da fertilidade. Se for esse o caso, a instituição estava sendo reformada agora para se tornar irreconhecível. Os v. 11,12 correspondem, em parte, a Êx 20.7,15. v. 12. falsamente: NEB: ”com intenção de enganar”, v. 13. O pagamento do diarista tinha de ser feito no dia em que ele havia trabalhado (cf. Dt 24.14,15; Mt 20.8). v. 14. “O surdo não pode ouvir a maldição, e o cego não pode ver o obstáculo. Assim, os dois são indefesos e desamparados e, por isso, recebem atenção especial de Deus (SL 10.14; 72.12)” (Snaith, NCentB). v. 15. Parcialidade em relação aos pobres pode interferir no curso da justiça tanto quanto o agrado indevido aos grandes. O v. 16b proíbe qualquer pessoa de dar falso testemunho contra um homem em julgamento que envolva pena de morte; a NEB traz: “nem tome partido contra o seu próximo numa acusação de pena capital”, v. 18. mas ame cada um o seu próximo como a Sl mesmo: cf. ISm 18.1. Acerca das citações neotestamentárias desse segundo dos ”grandes” mandamentos v. Mt 22.39 (e paralelos); Rm 13.9; G1 5.14; Tg 2.8. A versão da NEB, “como um homem como você mesmo”, é um pouco diferente e tem a intenção de representar o idioma hebraico com mais precisão, v. 19. As distinções da natureza devem ser preservadas. Mas a origem exata dessas regras contra esses cruzamentos não é conhecida. Milgrom sugere que, no caso de roupas, a proibição surgiu do fato de que as cortinas do tabernáculo e as vestes sacerdotais eram feitas dessa mistura; por isso a mistura de materiais era proibida na esfera secular, v. 20. Se a mulher fosse livre, Dt 22.23,24 seria executada. Nesse caso, a mulher ainda é propriedade do seu senhor, e o noivo não pode exercer os seus direitos normais de contrato de casamento, prometida é lit. “designada”, de forma que a situação pode, ao contrário, ser que a mulher-escrava, tendo sido designada ao concubinato, ainda não foi reivindicada (assim Snaith, NCentB). v. 21,22. Em virtude de sua posição modesta, a mulher-escrava não é considerada responsável (contraste com Dt 22.24), mas o homem deve trazer um carneiro como oferta pela culpa (cf. 5.15). v. 23. considerem proibidas as suas frutas'. o hebraico fala das árvores como se fossem “incircuncisas” durante três anos. v. 24. uma oferta de louvor traduz a mesma palavra que é traduzida por “festa” no contexto da colheita em Jz 9.27. A versão samaritana tem uma variante que é adotada pela NEB: “e isso a libera para o uso”. Mas a NEB depende de uma pequena modificação na ordem das palavras, e provavelmente seja mais sábio seguir a NVI. v. 25. A bênção de Deus estaria sobre a colheita como resposta ao reconhecimento do povo da prioridade que Deus tinha sobre as frutas das árvores. O v. 26a resume 7.10-14. A LXX traz: “sobre as montanhas”, em vez de com sangue (lit. “sobre o sangue”) — uma diferença mais compreensível em termos de palavras hebraicas do que de suas correspondentes em português. O grego estaria se referindo a comer em santuários pagãos (cf. Ez 18.6,11,15). v. 27,28. Esses são rituais de luto e lamento pelos mortos (cf. Dt 14.1; Is 15.2; Jr 9.26; 25.23; 48.37). v. 28. Cortar o corpo era uma característica da adoração a Melqart (Baal no AT); v. lRs 28.28. Diversas explicações dessa automutilação têm sido propostas: prover sangue para um espírito que partiu, tornar lamentadores irreconhecíveis aos espíritos que partiram, afastar e expulsar os espíritos por meio da força da vida presente no sangue, e outras mais. No Carmelo, no entanto, os sacerdotes de Melqart não estavam realizando rituais de luto. O v. 29 incluiria também prostituição cultual como a que era comum entre os cananeus. v. 31. médiuns-, necromantes como a médium de En-Dor (ISm 28.7). Os v. 32,33 exigem respeito pelos idosos (e, pelo mesmo princípio, por Deus) e pelo estrangeiro (cf. Ex 22.21; 23.9). v. 34. O princípio do v. 18 é ampliado para cobrir a atitude dos israelitas para com os estrangeiros. O nosso Senhor deu a ele uma aplicação ainda mais ampla (Lc 10.25-37). v. 35,36. Cp. com Am 8.5 acerca dos abusos que tão facilmente surgiam numa sociedade em que até o dinheiro, na ausência de uma cunhagem adequada, tinha de ser pesado, efa honesto (nota de rodapé da NVI): o efa era uma medida para secos; him honesto', o him era uma medida para líquidos.

Índice: Levítico 1 Levítico 2 Levítico 3 Levítico 4 Levítico 5 Levítico 6 Levítico 7 Levítico 8 Levítico 9 Levítico 10 Levítico 11 Levítico 12 Levítico 13 Levítico 14 Levítico 15 Levítico 16 Levítico 17 Levítico 18 Levítico 19 Levítico 20 Levítico 21 Levítico 22 Levítico 23 Levítico 24 Levítico 25 Levítico 26 Levítico 27

Nenhum comentário:

Postar um comentário