Estudo sobre Levítico 5

Estudo sobre Levítico 5

Estudo sobre Levítico 5




Levítico 5
(5) Delitos que exigem oferta pelo pecado (5.1-6). Quatro delitos que exigem propiciação por meio da oferta pelo pecado são alistados aqui em uma série de orações condicionais (v. 1-4) e depois são explicados os procedimentos (v. 5,6). v. 1. Era considerado um delito alguém manter silêncio se havia visto ou ouvido algo e tinha sido designado por juramento a ser testemunha. O hebraico reflete o aspecto de alguém ser chamado para servir de testemunha (ARA: “tendo ouvido a voz da imprecação”; cf. Jz 17.2; Mt 26.63,64. sofrerá as consequências: i.e., será considerado culpado de um delito. Porter pensa que o delito descrito nesse versículo não está na mesma categoria que aqueles dos v. 2-4, não sendo propiciáveis por sacrifício. Mas parece desnecessário levar o significado da frase tão longe assim. v. 2. Impureza proveniente do contato com cadáver de qualquer tipo de animal (cf. Gn 1.24) é culpável. Noth pensa que os v. 2-4 não se referem à pessoa culpada da infração original, mas a alguém que tinha conhecimento da infração e não esclareceu a pessoa interessada; esses versículos estariam então contemplando situações semelhantes à do v. 1. Embora o hebraico possa apoiar esse tipo de interpretação, não é o seu sentido mais natural, ainda que não tenha consciência disso é melhor do que “e é escondido por ele” da NEB (esta última expressão diz que o delito verdadeiro é o ato de esconder). A expressão hebraica tem um paralelo em 4.13, em que ”escondido de” é o único significado possível e está implícito no texto da NEB: “não conhecido da assembleia”, v. 6. pelo pecado que cometeu: a RSV traduz o hebraico ’ãsãm por “oferta pelo pecado”, que é o significado mais comum. Há, de fato, uma ligação estreita entre as ofertas pelo pecado e pela culpa, mas esta só é introduzida no v. 14. Visto que os delitos não são os mais sérios, um animal fêmea (ovelha ou cabra) são aceitos como oferta de reparação.
(6) Concessões para os pobres (5.7-13). Uma gradação no valor das ofertas pelo pecado, relacionada à importância da pessoa envolvida no caso, já se evidenciou no cap. 4. As concessões alistadas nessa seção visam o benefício das pessoas comuns (4.27-35) que talvez sejam pobres demais para trazer até mesmo uma ovelha (observe que a menção de uma ovelha no v. 7 retoma 4.32-35, e não
5.6). v. 7. Na expressão pela culpa do seu pecado está mais uma vez embutida a palavra hebraica ’ãsãm, como no v. 6. o outro como holocausto-, como “reconhecimento da gratidão pela concessão” (Snaith, PCB). A aceitação de uma das aves como holocausto mostrava que a pobreza não era barreira para a comunhão com Deus. v. 8,9. O ritual da ave como oferta pelo pecado difere daquele apresentado como holocausto de aves (1.14-17). Nesse caso, a cabeça da ave não deveria ser arrancada, e um pouco do seu sangue deveria ser aspergido no lado do altar. v. 10. de acordo corn a forma prescrita: de acordo com as prescrições em 1.14-17. v. 11. um jarro da melhor farinha', “exatamente a mesma quantidade de maná que era suficiente para o sustento de um dia” (Bonar) era exigida dos bem pobres. A ausência de óleo e de incenso diferenciava essa oferta da oferta de cereal (cf. 2.1). v. 12. porção memorial', ou “símbolo”; cf. comentário de 2.2. Embora não fosse uma oferta de sangue, essa porção era queimada em cima das ofertas dedicadas ao Senhor, preparadas no fogo, sugerindo que não era em nada menos eficaz que as ofertas de sangue (“ofertas no fogo” é “usado principalmente de ofertas de animais” (BDB). “Dessa forma, o que aparece como uma exceção ao princípio de que ‘sem derramamento de sangue não há perdão’ (Hb 9.22) de fato deixa de ser uma exceção, mas serve para ilustrar o princípio da substituição vicária, que é também o principal objetivo de ilustração e reforço do ritual do sacrifício” (O. T. Allis).
e) As ofertas pela culpa (5.14—6.7)
A oferta pela culpa tem muito em comum com a oferta pelo pecado, mas também inclui o princípio da compensação; ela era exigida em casos de prejuízo causado a um indivíduo e podia ser estimada em termos monetários. Se era impossível fazer restituição à pessoa prejudicada ou ao seu parente, então a compensação era destinada aos sacerdotes (Nm 5.8).
(1) Delitos em relação às coisas consagradas (5.14-16). v. 15. coisa sagrada-, a forma mais comum consistia na retenção das ofertas (dízimos, primeiros frutos etc.) ou na apresentação de ofertas não adequadas aos padrões. Em cada um desses casos, isso era sem intenção, avaliado em prata-, uma salvaguarda adequada em razão do tipo de infração que estava sendo retificada, peso padrão do santuário-, cf. comentário de Ex 30.13. O hebraico traz “siclo”, e esse siclo-padrão era mais pesado que o siclo comercial “leve”, v. 16. O infrator tinha de pagar também a compensação (resultando no valor do que havia sido retido mais um quinto) ao sacerdote porque os sacerdotes tiveram perdas, já que se havia negado a eles a sua porção designada das coisas consagradas ao Senhor (v. 15). (Acerca de detalhes dos direitos dos sacerdotes, v. Nm 18.8-32).
(2) Pecados por ignorância (5.17-19). v. 17. O princípio é ampliado para incluir o que é proibido em qualquer dos mandamentos do Senhor, embora estritamente no contexto de delitos cometidos por descuido, v. 18. Visto que podia bem ser que o infrator não tivesse condições de levantar o montante pelo qual se tornara responsável, não há menção de compensação. Foi isso que se tornou conhecido no judaísmo posterior como “oferta pelo pecado suspensa”, porque era trazida em casos em que a responsabilidade não podia ser provada com absoluta certeza.

Índice: Levítico 1 Levítico 2 Levítico 3 Levítico 4 Levítico 5 Levítico 6 Levítico 7 Levítico 8 Levítico 9 Levítico 10 Levítico 11 Levítico 12 Levítico 13 Levítico 14 Levítico 15 Levítico 16 Levítico 17 Levítico 18 Levítico 19 Levítico 20 Levítico 21 Levítico 22 Levítico 23 Levítico 24 Levítico 25 Levítico 26 Levítico 27