2019/09/19

Estudo sobre Ester 3

Estudo sobre Ester 3

Estudo sobre Ester 3 



Ester 3

II. A TRAMA DE HAMÃ É REVELADA E FRUSTRADA (3.1—7/10)
1) Hamã trama tirar a vida dos judeus (3.1-15)
Com o cenário preparado, a conspiração contra os judeus é agora descrita. Hamã sobe ao poder, mas Mardoqueu o despreza. Em vingança, Hamã estende a sua briga pessoal contra Mardoqueu a todo o povo judeu e consegue o consentimento do rei para a destruição dos judeus.

a) Mardoqueu despreza Hamã (3.1-6)
v. 1. depois desses acontecimentos. não dá indicação de quanto tempo depois. Ester foi feita rainha em 479, e a conspiração de Hamã foi em 474. Provavelmente não houve um intervalo muito longo entre a promoção de Hamã e o desprezo subseqüente por parte de Mardoqueu que conduziu à trama de Hamã, de forma que a promoção de Hamã pode ter ocorrido em 475. filho de Hamedata\ nada sabemos desses nomes. Hamã era descendente de Agague, rei dos amalequitas. Os amalequitas e os israelitas eram inimigos irreconciliáveis; cf. Dt 25.17-19. posição mais elevada do que a de todos os demais nobres\ Hamã tornou-se primeiro-ministro, v. 2. curvavam-se e prostravam-se: prestar homenagem diante de oficiais de alta patente era algo normal na corte, de forma que a ordem do rei não surpreende. Por que Mardoqueu se negou a se curvar? Em outras situações, os judeus se curvaram diante de governantes, e.g., Davi diante de Saul (1Sm 24.8; cf. 2Sm 14.4; lRs 1.16); Abraão diante dos hititas (Gn 23.7); Jacó diante de Esaú (Gn 33.3). Mais tarde, quando Mardoqueu era primeiro-ministro, provavelmente teve de se curvar diante de Xerxes. Aqui possivelmente tenha se negado porque Hamã era um agaguita e, portanto, um inimigo. A sua conduta pode ser vista como determinada por orgulho nacionalista, e não por alguma convicção religiosa. Não há nada que indique que Mardoqueu estava certo ou errado nessa atitude. Que a sua atitude foi também enigmática para judeus mais tarde, talvez possa ser deduzido do fato de que se achou necessário justificar a recusa de Mardoqueu nos acréscimos ao livro.
v. 3. os oficiais estavam preocupados, pois Mardoqueu estava desobedecendo ao rei. Estariam usando esse caso como um teste para ver se os judeus eram isentos? Ou será que não aceitavam estrangeiros que desobedeciam ao rei? v. 5 .ficou muito irado\ não importa a razão para o desprezo de Mardoqueu, a reação violenta de Hamã é indesculpável, v. 6. exterminar, significando “eliminar completamente” ocorre 25 vezes em dez capítulos. todos os judeus: Hamã estende o seu ódio por um indivíduo a todo o povo.

b) Hamã obtém o consentimento do rei (3.7-15)
v. 7. lançaram o pur. o sujeito do verbo hebraico não é especificado, referindo-se a alguém na terceira pessoa do singular. Provavelmente um astrólogo ou mago lançou a sorte para descobrir o dia propício para o extermínio dos judeus. É improvável que a sorte tenha sido lançada todos os dias por 11 meses; o dia deve ter sido escolhido de uma vez. no primeiro mês: a escolha do dia para lançar a sorte pode ter sido propositada, visto que, de acordo com a religião babilônica, os deuses se encontravam no início de cada ano para decidir o destino dos homens. nisã\ o equivalente babilônico ao abibe judaico, i.e., março-abril. adar. fevereiro-março, 11 meses depois.
v. 8. certo povo: Hamã não os chama pelo nome, nem conta ao rei a sua briga pessoal. E de grande benefício para o império livrar-se desse povo. Hamã faz três acusações contra os judeus: (1) disperso e espalhado: não são simples sinônimos. O primeiro particípio se refere à sua dispersão geográfica por todo o império, e o segundo ao fato de estarem separados — não assimilados seria uma boa tradução. (2) cujos costumes são diferentes: isso não era incomum no império persa, que incluía e era tolerante em relação a muitos grupos minoritários. (3) que não obedecem às leis do rei: essa era a acusação condenatória e inverídica. v. 9. trezentas e cinqüenta toneladas de prata [heb.: 10.000 talentos]: para o grande benefício do império, Hamã acrescenta uma grande quantia financeira, muito persuasiva por sinal, para ajudar a convencer o rei; 10.000 talentos de prata era de fato uma grande quantia. Pode-se obter uma idéia do tamanho dessa quantia por meio da comparação com outras somas mencionadas em Heródoto; e.g., a receita anual total do Império Persa era de 14.560 talentos (Heródoto iii. 95). Estrabão afirma que o saque de Susã por parte de Alexandre rendeu 49.000 talentos. Isso mostra que ou Hamã era muito rico ou, o que é mais provável, que esperava lucrar muito com o saque resultante da destruição dos judeus. Depois da campanha grega que tinha sido muito cara, essa oferta muito atraente venceu toda hesitação que o rei pudesse ter contra a destruição de um grande número de seus súditos.
v. 10. seu anel-selo: usado para selar os documentos oficiais do rei, deu, assim, total autoridade a Hamã para elaborar o decreto.
v. 11. “fique com a prata”: talvez se possa traduzir isso melhor por “bem, o dinheiro é seu”. É improvável que o rei tenha recusado o dinheiro. Antes, parece uma barganha oriental; cf. Abraão e Efrom (Gn 23.7-18). Mardoqueu em 4.7 afirma que Hamã vai pagar. Ester usa o termo “vendido” em 7.4.
v. 12. ordenou: a decisão foi registrada num decreto legal, enviado a todo o império. Secretários eram estenógrafos, e não os escribas profissionais, v. 13. mensageiros: lit. corredores, mas eles usavam um sistema bem elaborado de cavalos, posicionados em intervalos adequados, como mencionado em 8.10,14. Esse sistema fazia as mensagens serem enviadas a grandes distâncias rapidamente. exterminar e aniquilar completamente todos os judeus, jovens e idosos, mulheres e crianças: observe a inclusão legal de todas as categorias. Essa destruição tinha paralelos nos tempos antigos; cf. o massacre que os persas impuseram aos citas, ou, em tempos modernos, o extermínio de 6 milhões de judeus por parte de Hitler. v. 15. saíram às pressas: por que Hamã enviaria o édito com tanta pressa 11 meses antes da matança continua um mistério. Talvez não queria correr o risco de o rei mudar de idéia, e quando começou a negociar com o rei não tinha previsto que a sorte cairia numa época tão tardia do ano. assentaram-se para beber [...] confusão: beber após um dia de trabalho ou após concluir uma tarefa parece ter sido um costume persa. Aqui a atividade proporciona um contraste dramático: enquanto reis e príncipes celebram, cidadãos comuns estão em grande confusão.



Nenhum comentário:

Postar um comentário