2019/09/19

Estudo sobre Êxodo 2

Estudo sobre Êxodo 2



Êxodo 2
2) O nascimento de Moisés (2.1-10)
O autor concentra sua atenção na criança que mais tarde vai ser o instrumento de libertação dos israelitas do Egito; os nomes dos pais não são informados. Somente é mencionada uma irmã mais velha por seu papel em salvar a vida da criança; Arão, três anos mais velho que Moisés (cf. 7.7), não aparece. Mais tarde, em 6.20, o nome do pai é dado como Anrão, e o da mãe como Joquebede (cf. Nm 26.59); para comparar com outra explicação, v. NBD, p. 795 (verbete “Moisés”, Ila). v. 2. At 7.20 descreve o menino Moisés como “bonito aos olhos de Deus” (nota de rodapé da NVI; cf. Hb 11.23). v. 3. Quanto mais se desenvolviam os pulmões do menino, mais difícil era escondê-lo. junco-, as tiras eram tecidas e vedadas com betume (cf. Gn
6.14) para formar um receptáculo à prova de água que fosse suficientemente seguro para manter acima da água aquela carga preciosa. Essa técnica de vedação era comum em grande parte do Oriente Médio (cf. Is 18.2: “barcos de papiro sobre as águas” que viajavam pelo Nilo em épocas posteriores). Que foi a mãe de Moisés que se encarregou de fazer o cesto e levá-lo para a beira do rio talvez possa ser explicado pelo fato de os homens estarem geralmente empenhados no trabalho escravo. Há semelhanças entre Ex 2.1-10 e as lendas do nascimento de outros heróis do mundo antigo. Conta a lenda que o grande Sargão de Acade (século XXIV a.C.) também foi colocado num pequeno cesto por sua mãe, uma sacerdotisa, e deixado a flutuar sobre o Eufrates. Esse tipo de coisa pode ter acontecido na vida real de tempos em tempos, pois a lenda tem relação com o comportamento normal e as circunstâncias do dia-a-dia do ser humano. Na história de Moisés, o episódio do rio está relacionado a eventos verdadeiros — a não ser que adotemos o ponto de vista de que a ordem do faraó em 1.22 é um artifício literário para dar credibilidade à “lenda” do nascimento — e o fato de a mãe colocar a criança no rio mostra que ela está se submetendo ao decreto real, mas desconsiderando o ponto central daquele decreto, v. 4. a irmã do menino-, provavelmente Miriã (cf. 15.20). v. 5. Gomo no caso da maioria dos protagonistas dessa seção, o nome da filha do faraó não é informado. A tradição posterior atribui-lhe vários nomes (e.g., Tharmuth em Jubileus 47.5). O uso do artigo definido não significa que a princesa era a única filha do faraó. Talvez tenha até sido uma princesa menos importante, nascida de uma concubina do faraó. v. 9. Talvez possamos detectar aqui um toque de humor; Joquebede está sendo paga pelo tesouro real para cuidar do seu próprio filho. v. 10. Em virtude de uma rara combinação de circunstâncias, Moisés foi “educado em toda a sabedoria dos egípcios” (At 7.22). Não sabemos quanto tempo ele permaneceu sob os cuidados de sua mãe; o desmame de uma criança podia acontecer até perto dos seus 3 anos de idade (cf. 2Macabeus 7.27 e ISm 1.24). O nome Moisés, como indica a nota explicativa no texto, está associado aqui à palavra hebraica mãshãh, “tirar”. Em hebraico, a expressão lhe deu o nome pode ter como sujeito a mãe de Moisés, mas é mais provável que seja a filha do faraó. Se esse for o caso, poderia ser considerado uma dificuldade o fato de ela ser apresentada como alguém proficiente em hebraico, ou em um dialeto semítico semelhante ao hebraico. Mas não há nada de improvável acerca da sugestão de que uma princesa vivendo na região do delta do Nilo, com longa tradição em contatos com asiáticos, tivesse conhecimento de um dialeto semítico. A exclamação de Hyatt acerca disso só pode ser considerada um sinal de ignorância. Uma das filhas de Ramsés tinha o nome inteiramente semítico de Bint-‘Anath! Uma explicação alternativa preferida pela maioria dos eruditos do AT é que a princesa na verdade deu à criança um nome egípcio de som semelhante (que aparece em combinações como Tuxmose, que em português deu Tutmés etc.), e que a explicação hebraica é feita via etimologia popular. Kitchen, no entanto, ressalta a dificuldade de que nesse caso o egípcio apareceria como sh (som de “ch” em português, como em “achar”) no hebraico Mõsheh (“Moisés”), mas como í nos nomes egípcios comparáveis Ramsés e Fineias (v. NBD, p. 794-5). [Filo e Josefo dão ao nome uma etimologia copta, considerando que significa “homem salvo da água” — etimologia que é de fato refletida na grafia grega].

3) A fuga de Moisés para Midiã (2.11-25)
v. 11. sendo Moisés já adulto-, ele tinha agora 40 anos, de acordo com At 7.23. Por isso é mais extraordinário ainda o fato de que tão prontamente se identificou com os israelitas oprimidos. A afirmação e descobriu como era pesado o trabalho que realizavam transmite a ideia de uma profunda emparia para com o seu povo; é o primeiro ato registrado acerca desse homem de Deus em formação, e é muito significativo. Ainda mais importante foi o fato de que Deus viu os israelitas na sua aflição (v. 25). espancar é a palavra traduzida por matou no v. 12, mas é mais sábio manter as diferentes nuanças, v. 12. Moisés, Davi, Pedro e muitos outros extraordinários servos de Deus tiveram sérios defeitos de caráter. Moisés recuperou-se desse início nada promissor (v. Nm 12.3). v. 14. A relutância posterior de Moisés em assumir a responsabilidade de conduzir o povo de Israel provavelmente tinha alguma relação com a experiência de ingratidão por parte deles nessa ocasião, v. 15. A sua fuga foi motivada tanto por prudência quanto por medo. Hb 11.27 parece fazer menção da sua partida do Egito na época do êxodo. Midiã-, os midianitas, de acordo com Gn 25.1-6, eram descendentes de Abraão e Quetura. Eram um povo nômade familiarizado com as condições do deserto (Nm 10.29-32). Na época dos juízes eles aparecem como cameleiros beduínos que travaram uma guerra contra os israelitas (Jz 6—8) Visto que as relações entre os israelitas e os midianitas nunca foram cordiais nos séculos que se seguiram, podemos estar certos de que esse relato da associação de Moisés com eles preserva uma tradição antiga e confiável. Embora uma localização a leste do golfo de Acaba possa ser correta no período posterior, talvez os midianitas estivessem ocupando parte da península do Sinai quando Moisés teve o primeiro contato com eles; a localização tradicional do Sinai-Horebe depende dessa pressuposição (cf. 3.1). v. 17. A água era preciosa e deve ter sido objeto de disputa com frequência (cf. Gn 26.17-22). As pastoras aparentemente tinham se esforçado para tirar água do poço quando os seus descorteses rivais se intrometeram. O v. 18 indica que isso não era algo incomum. veio em auxílio delas-, lit. ”libertou”; visto que essa palavra na maioria das vezes é usada ao se falar de Deus ou de libertadores nacionais chamados por Deus, podemos considerar esse uso aqui como programático, uma indicação do que estava por vir. v. 18. Reuel. Jetro em 3.1; 4.18. Se Jetro não tinha dois nomes pessoais, as opções parecem ser: (1) que Reuel representa uma tradição variante (Noth, Childs), ou (2) que Reuel é uma glosa equivocada baseada na compreensão errônea de Nm 10.29 (Stalker), ou (3) que é o nome do clã (Hyatt, Clements, seguindo Albright). v. 19. Moisés supostamente ainda estava vestido como egípcio, v. 22. Jônatas, filho de Gérson, é mencionado em conjunção com o santuário em Dã, em Jz 18.30. v. 23. Muito tempo passou e ainda não havia alívio à vista para os abatidos israelitas; nem mesmo a mudança de governante trouxe melhoria das condições deles. Se a morte do rei é considerada uma referência cronológica séria e o êxodo ocorreu durante o reinado de Ramsés II, então é à morte de Seti I que se faz alusão aqui. Os v. 24,25 sugerem uma mudança decisiva no rumo dos acontecimentos.

Índice: Êxodo 1 Êxodo 2 Êxodo 3 Êxodo 4 Êxodo 5 Êxodo 6 Êxodo 7 Êxodo 8 Êxodo 9 Êxodo 10 Êxodo 11 Êxodo 12 Êxodo 13 Êxodo 14 Êxodo 15 Êxodo 16 Êxodo 17 Êxodo 18 Êxodo 19 Êxodo 20 Êxodo 21 Êxodo 22 Êxodo 23 Êxodo 24 Êxodo 25 Êxodo 26 Êxodo 27 Êxodo 28 Êxodo 29 Êxodo 30 Êxodo 31 Êxodo 32 Êxodo 33 Êxodo 34 Êxodo 35 Êxodo 36 Êxodo 37 Êxodo 38 Êxodo 39 Êxodo 40

Nenhum comentário:

Postar um comentário