2019/09/19

Estudo sobre Êxodo 29

Estudo sobre Êxodo 29

Estudo sobre Êxodo 29




Êxodo 29
b) Orientações acerca da consagração dos sacerdotes (29.1-46)
Purificação, vestimentas e unção (29.1-9)
v. lss. Primeiramente, são apresentados os detalhes do que vai ser exigido para os diferentes sacrifícios, v. 2. São três tipos de ofertas de cereais (cf. comentário de Lv 2.10). v. 4. Enquanto Arão e seus filhos não tiverem sido lavados e não se tiver feito um sacrifício por eles, não podem entrar na Tenda do Encontro. As instruções acerca da bacia são dadas somente em 30.17-21. Nesse texto (v. 20,21), é ordenado que sejam lavados regularmente mãos e pés antes do serviço no tabernáculo ou no pátio. Provavelmente devemos entender que o corpo inteiro deve ser lavado nessa ocasião (cf. Hb 10.22). Os v. 5,6 parecem mencionar a ordem em que os diversos elementos deveriam ser vestidos (cf. Lv 8.7ss). v. 6. A coroa sagrada é a placa de ouro puro descrita em 28.36ss. A NEB diz: ”o símbolo da santa dedicação”, v. 7. Aqui, só Arão foi ungido, mas v. 28.41; 30.30; 40.15. v. 9. Depois de cinturões, falta a expressão ”em Arão e em seus filhos” na LXX (embora esteja em Lv 8.7); as palavras talvez tenham sido incluídas no hebraico para compensar a omissão nos versículos anteriores, dedicará: como em 28.41, a expressão hebraica é literalmente “encher a mão”. Essa expressão ocorre nos textos acadianos de Mari (segundo milênio a.C.) com referência ao pagamento de taxas por serviços prestados (cf. Noth). No AT, a expressão pode significar ou a colocação de um objeto sagrado nas mãos dos sacerdotes como um símbolo da sua função (Stalker) ou o preenchimento das mãos dos sacerdotes com o seu primeiro sacrifício (Driver, comparando com o v. 24). Mas é possível também que as palavras tivessem perdido o seu significado original nessa época e simplesmente significassem “consagrar”.

Sacrifícios pelos sacerdotes (29.10-28)
v. 10. O novilho era sacrificado como “oferta pelo pecado” (v. 14). Ao colocar as suas mãos sobre a cabeça do novilho, Arão e seus filhos se identificavam com o animal, v. 12. Em Lv 4.7, fazendo menção dos pecados cometidos por um sacerdote no cumprimento da sua tarefa, o sangue da oferta pelo pecado é colocado nas pontas do altar do incenso. Aqui a referência é ao altar de holocaustos; “os sacerdotes, antes de se completar a sua consagração, são tratados como leigos” (Driver), v. 13. V. comentário de Lv 3.3,4. v. 14. Esse era o procedimento normal para a oferta pelo pecado de um sacerdote (cf. Lv 4.11,12). v. 15. O segundo sacrifício era um cordeiro como oferta queimada (cf. v. 18). Diferentemente do novilho usado como oferta pelo pecado, este era queimado totalmente, de acordo com Lv 1.10-13. v. 18. A versão ”oferta de alimentos” da NEB pressupõe que a palavra traduzida por preparada no fogo tem ligação com um homônimo que significa “alimento”. O v. 19 introduz o cordeiro da oferta da ordenação (cf. v. 22). v. 20. Na aplicação do sangue na orelha, polegar e direitos dos sacerdotes, era simbolizada a sua total consagração a Deus. A existência de um ritual semelhante em conjunção com a purificação dos leprosos (Lv 14.14-17) não excluiria esse significado no caso dos sacerdotes no dia da sua consagração. O elo sagrado entre o sacerdote e o altar era representado pelo derramar do resto do sangue nas paredes do altar, v. 22. Para fazer provisão correta para a ocasião, o cordeiro da oferta de ordenação era de fato uma oferta de comunhão (cf. Lv 3.3ss). coxa está correto, e não “ombro”, como em algumas versões, v. 24. e apresente-os como oferta ritualmente movida perante o Senhor: a explanação tradicional é apresentada por Stalker: ”A cerimônia da oferta ‘movida’ significava que algumas partes do sacrifício eram movidas ou alçadas para o altar, dando o sentido de que eram dadas a Deus, e depois movidas de volta novamente, indicando que estavam sendo devolvidas por Deus aos sacerdotes para que estes as comessem”. Uma explicação totalmente diferente foi proposta por sir Godfrey Driver em JSS (I, 1956, p. 97-105); ela está claramente representada na versão da NTLH: “e faça com que eles os separem para mim como oferta especial”. Assim, a chamada “oferta movida” é considerada uma porção especial do animal do sacrifício que foi removida para ser apresentada a Deus, e qualquer ideia de movimento ritual está excluída. Em apoio a essa nova teoria, tem sido destacado que a ideia de movimento ritual não se encaixa bem com a descrição dos levitas como “oferta movida” em Nm 8.11. v. 26. Moisés estava agindo como sacerdote nessa ocasião e, por isso, estava autorizado a compartilhar do sacrifício animal, em concordância com as regras da oferta de comunhão (Lv 7.31). v. 27,28. De acordo com os v. 2225, a coxa era queimada no altar. A entrega tanto do peito quanto da coxa aos sacerdotes é uma característica das ofertas de comunhão regulares (v. 28; Lv 7.31,32). Essas partes sempre serão dadas...', é preferível pensar aqui em ”contribuições” (NEB) regulares a “ofertas alçadas” (VA). A ideia de movimento ritual certamente deveria ser abandonada nesse caso (cf. comentário acerca de “ofertas movidas” no v. 24.).

Regulamentações diversas (29.29-46).
v. 29. As vestes sagradas de Arão deveriam ser passadas a seus sucessores, e, assim como a sua consagração deveria durar sete dias (v. 30; cf. v. 35), também os seus sucessores deveriam ter o mesmo período de iniciação, v. 31ss. A carne restante do cordeiro da ordenação deveria ser cozida e então comida junto com o pão que ainda restava na cesta (cf. v. 2,3,23); somente os sacerdotes podiam participar dessa refeição (v. 33). v. 36. Feito por mãos humanas e, por isso, impuro, o altar foi dedicado para o uso sagrado por meio de uma oferta pelo pecado (propiciação). v. 37. Em cada um dos sete dias da ordenação, deveria ser feita uma oferta pelo pecado. Depois de o altar se tomar santíssimo, a sua santidade seria transmissível; tudo o que (“todo aquele que” seria melhor; v. NTLH: “qualquer pessoa ou coisa...”) nele tocar passa ao domínio do sagrado e está à disposição de Deus. v. 38. As instruções agora se aplicam aos sacrifícios regulares diários (cf. Nm 28.3-8). A palavra tãmid é traduzida por regularmente e se tornou a forma aceita para “oferta contínua (i.e., ‘diária’)”, v. 39. ao entardecer, lit. “entre os dois anoiteceres” (v. comentário de Lv 23.5). v. 40. Ofertas de cereais (cf. v. 41) podiam ser sacrifícios independentes ou, como aqui, suplementares, v. 43. será consagrado pela minha glória', o tabernáculo será santificado pela presença divina (cf. 40.34).

Nenhum comentário:

Postar um comentário