2016/09/14

Estudo sobre Isaías 1

Estudo sobre Neemias 2

Estudo sobre Isaías 1 


Isaías
I. ORÁCULOS PARA JUDÁ E JERUSALÉM
(1.1—12.6)
Os primeiros 12 capítulos de Isaías contêm tanto um registro dos seus ensinos quanto uma espécie de relato de um período da sua vida; a maior parte do material é datada do período inicial do seu ministério. O tema central é a condição moral e religiosa de Jerusalém; o profeta oferece uma análise penetrante da Jerusalém em que ele vivia e contrasta a realidade sombria contemporânea com as glórias futuras que Deus planejou para a cidade. Muitos oráculos breves foram compilados e colocados em ordem para apresentar esse contraste de forma completa e eficaz.

1) Jerusalém, presente e futuro (1.1—5.30)
Os caps. 1—5 não apresentam nenhum material biográfico; eles servem como prefácio do livro, e chamam atenção para a seriedade da situação em Judá e Jerusalém. O que o profeta queria inculcar na mente dos seus contemporâneos de diversas formas e em diferentes ocasiões é apresentado como um todo ao leitor, dando-nos um retrato impressionante da sociedade em que Isaías vivia. Para essa sociedade, o profeta predisse primeiro o castigo e depois a transformação.

a) O título (1.1)
O versículo inicial apresenta ao leitor o profeta — a sua família, a esfera do seu ministério e a sua época (v. Introdução). O termo Visão, em vista do seu escopo, significa algo como “revelação”, em vez de uma única experiência visionária; é um termo que autentica o profeta e a sua profecia. E provável que esse título esteja relacionado aos caps. 1—12 somente, em virtude da frase a respeito de Judá e Jerusalém; os caps. 13—23 são oráculos, que têm títulos individuais, a respeito de nações estrangeiras.

b) A enfermidade de Judá (1.2-31)
O capítulo apresenta ao leitor a situação que defrontou Isaías durante todo o seu longo ministério; um retrato sombrio dos pecados e deficiências de Judá é pintado por meio do uso de breves parágrafos da pregação do profeta. Os v. 7,8 estão relacionados à situação que seguiu a invasão de Senaqueribe durante o reinado de Ezequias em 701 a.C.; mas não podemos datar a maioria dos breves oráculos compilados nesse capítulo. Eles são expressos numa variedade de formas. Os v. 2,3 lembram o tribunal (os céus e a terra são chamados como testemunhas) e assim também os v. 18ss (vamos refletir— i.e., apresentem argumentos). Outras partes do capítulo são lamentos (v. 4-9,21ss); o Ah do v. 4 e a expressão Vejam como do v. 21 são a linguagem da lamentação. Em terceiro lugar, há oráculos de desafio direto à nação (v. 10-17,24-31).
O retrato sombrio não é impessoal nem totalmente sem esperança; repetidamente o profeta faz um apelo direto a seu povo, para que mudem de atitude e comportamento. Enquanto a situação exata deixada pelos exércitos de Senaqueribe era transitória, o futuro político geral para Judá ainda seria de fraqueza e perigo, invasão e conquista, durante os séculos seguintes; e a apostasia e as injustiças sociais de Judá também duraram um longo período. Por isso, a palavra do profeta teve função e relevância em Judá muito tempo depois do seu contexto original; e, aliás, as suas palavras constituem um desafio a qualquer comunidade em qualquer época.
v. 2-23. Com o intuito de ampliar a metáfora do profeta, poderíamos descrever os v. 2-9 como o diagnóstico da enfermidade da nação, os v. 10-23 como a receita para a cura, e os v. 24-31 como o prognóstico. A enfermidade é dupla: é moral e religiosa (v. 2ss) e também psicológica (v. 5-9). O relacionamento de amor entre Deus e o seu povo foi rompido por causa da estupidez e desobediência voluntária do povo. Isaías ressalta desde o início a santidade de Deus; o Santo de Israel (v. 4) é uma expressão-chave em todo o livro. O desastre físico, por outro lado, deve ter sido muito óbvio a todos; Jerusalém tinha escapado de ser capturada, mas o restante de Judá fora devastado pelos exércitos assírios. Por meio de comparações muito hábeis, o profeta retrata de forma muito vívida essa situação (v. 8) e sutilmente realça a causa moral do desastre com a referência às cidades ímpias de Sodoma e Gomorra (v. 9,10). Muitos judeus provavelmente consideraram essa comparação censurável; a nação não estava observando de forma meticulosa as exigências rituais da adoração a Deus? E verdade, responde Isaías; mas Deus rejeita toda essa parafernália de observância exterior, a não ser que seja acompanhada de justiça social e de consideração pelos desprivilegiados (v. 17). Esse foi um tema constante de todos os profetas do século VIII (e.g., Os 6.6-10; Am 4.1-5; Mq 3.19ss). É notável que a acusação de infidelidade total a Deus (prostituta, v. 21) — mais típica de Oseias do que de Isaías — esteja fundamentada mais na injustiça social do que na idolatria mencionada anteriormente no v. 29.
O profeta oferece uma escolha à nação (v. 18ss). Jerusalém e Judá podem ser libertos dos seus pecados e podem usufruir a prosperidade se (e somente se) a nação escolher o caminho da obediência (Se vocês estiverem dispostos a obedecer). Se não, nada além de guerra e invasão pode ser esperado.
v. 24-31. Nesse parágrafo, não há nada condicional; as intenções definitivas e inabaláveis de Deus para com a sua cidade santa são afirmadas claramente. Os verdadeiros inimigos (v. 24) de Jerusalém não são externos, mas aqueles dentro da capital que a esvaziaram de justiça e de procedimentos corretos. Por isso, a necessidade da cidade não é de paz mas de justiça e de retidão (v. 27); ela precisa de purgação e purificação, para que possa ser chamada verdadeiramente de cidade fiel (v. 26). No contexto, redimida (v. 27) é aproximadamente equivalente a “purificada”. Finalmente faz-se a acusação de idolatria (v. 29ss); os detalhes mencionados estão relacionados às práticas cultuais de fertilidade dos cananeus. (O sentido desses versículos fica ainda mais claro na NTLH.) Isaías não dá indicação alguma de quando essa transformação deve ocorrer; de fato, suas palavras são um apelo a seus contemporâneos para que iniciem a transformação.

Índice: Isaías 1 Isaías 2 Isaías 3 Isaías 4 Isaías 5 Isaías 6 Isaías 7 Isaías 8 Isaías 9 Isaías 10 Isaías 11 Isaías 12 Isaías 13 Isaías 14 Isaías 15 Isaías 16 Isaías 17 Isaías 18 Isaías 19 Isaías 20 Isaías 21 Isaías 22 Isaías 23 Isaías 24 Isaías 25 Isaías 26 Isaías 27 Isaías 28 Isaías 29 Isaías 30 Isaías 31 Isaías 32 Isaías 33 Isaías 34 Isaías 35 Isaías 36 Isaías 37 Isaías 38 Isaías 39 Isaías 40 Isaías 41 Isaías 42 Isaías 43 Isaías 44 Isaías 45 Isaías 46 Isaías 47 Isaías 48 Isaías 49 Isaías 50 Isaías 51 Isaías 52 Isaías 53 Isaías 54 Isaías 55 Isaías 56 Isaías 57 Isaías 58 Isaías 59 Isaías 60 Isaías 61 Isaías 62 Isaías 63 Isaías 64 Isaías 65 Isaías 66



Nenhum comentário:

Postar um comentário