2019/09/18

Estudo sobre João 10

Estudo sobre João 10

Estudo sobre João 10


O bom pastor (10.1-21)
Essa seção é um desenvolvimento das questões suscitadas no cap. 9. Os pastores de Israel tinham fracassado; agora o Bom Pastor assume. O trecho é uma longa parábola (gr. paroimia, v. 6), e a alternância entre simbolismo e realidade precisa ser seguida cuidadosamente pelo leitor, v. 2. Aquele que entra pela porta é o pastor das ovelhas: Aqui está uma referência direta a algo que a maioria dos judeus via diariamente; mas, mais tarde, tanto a porta (v. 7) quanto o pastor (v. 10,14 etc.) simbolizam diferentes aspectos do próprio Jesus. A formulação sugere que o porteiro era alguém pago por um grupo de pastores coletivamente para cuidar de suas ovelhas em um aprisco, visto que Jesus se refere por inferência a diversos pastores (v. 16) e repete a expressão suas ovelhas em diversas ocasiões (v. 3,4,12,14). v. 6. comparação (gr. paroimia) é usado somente por João entre os autores dos Evangelhos (cf. 2Pe 2.22 e Pv 1.1, LXX) e parece significar uma “expressão velada” em contraste com a fala direta (cf. 16.25,29). 
v. 7. Eu sou a porta das ovelhas'. Ele não diz ”do aprisco”, pois está interessado nas ovelhas; assim, talvez a ideia seria: “Eu sou a porta para as ovelhas”, v. 8. Todos os que vieram antes de mim\ A ênfase aqui é diferente do v. 7. Cristo é o único caminho para a segurança do aprisco de Deus. Mas, uma vez que entram, as ovelhas desfrutam de liberdade completa, v. 11. Eu sou o bom pastor. Deus é retratado como o Pastor de Israel no AT (cf. SI 23.1; Is 40.11; Jr 31.9; Ez 34 et alia). O grego kalos aqui sugere a beleza da perfeita competência como também de bondade moral. O verdadeiro cuidado das ovelhas é gerado pelo direito de propriedade. Os que não têm direito sobre as ovelhas fogem quando há perigo, mas Jesus, em virtude do relacionamento que tem com o seu Pai (cf. v. 15), entrega sua vida pelas ovelhas, v. 16. outras ovelhas'. São os gentios. Eles já são suas ovelhas, embora ainda precise trazê-los para se juntar às outras; assim, vão constituir um rebanho — não “um aprisco” (VA) — em virtude de sua ligação com aquele que é um só pastor. Esses versículos têm influência evidente sobre os métodos de se buscar a unidade cristã (cf. Ef 2.11-22; Ez 34.23); como em 11.52, é o próprio Cristo que ajunta os “filhos de Deus que estão espalhados, para reuni-los num povo”,
v. 17. Por isso é que meu Pai me ama\ A perfeita conformidade da vontade entre Filho e Pai é mostrada, diz Jesus, no fato de ele dar a sua vida. para retomá-la\ A ressurreição de Cristo no NT é sistematicamente tratada como um ato de Deus. Aqui, no entanto, Jesus mostra que é algo de que ele vai participar com a ação de dar a vida (gr. labo), recebendo-a novamente. v. 18. Tenho autoridade-. Isto é, a liberdade soberana é a prerrogativa de Jesus na sua encarnação. Mas ele dá a sua vida em virtude da ordem do Pai, o que fala tanto da autoridade do Pai como da capacidade do Filho de saber o que é a vontade do Pai. Os v. 19-21 seguem muito bem o trecho que termina em 9.41, e alguns estudiosos os transferem para essa posição; mas, visto que não há evidência textual para isso, a justificativa é insuficiente.

5) O último encontro com os judeus (10.22-42)
v. 22. a festa da Dedicação (heb. hanukkah)'. Essa festa celebrava a rededicação do templo em 164 a.C., por Judas Macabeu, depois da sua profanação por Antíoco Epifânio. Uma característica proeminente dessa festa era a iluminação gerada pelas lâmpadas que eram acesas no templo e nas casas em torno dele. v. 24. Se é você o Cristo, diga-nos abertamente'. Esse não era um desejo sincero de saber, mas uma pergunta feita por aborrecimento pelos judeus que até então não tinham conseguido pegar Jesus nos seus próprios argumentos. Mas Jesus não pode lhes dizer abertamente, pois, com seus pontos de vista errados, tanto um “sim” quanto um “não” teriam sido interpretados incorretamente. Ou ele precisa mostrar sinais messiânicos de acordo com as Escrituras, ou então precisa se tornar o tipo de Messias que eles querem, v. 26. vocês não crêem, porque não são minhas ovelhas-. As ovelhas reconhecem o seu pastor naquilo que faz. Mas o simples fato de que esses judeus fizeram essa pergunta os coloca total e verdadeiramente fora do rebanho de Deus. v. 27. Aliás, o segui-lo por parte das ovelhas e o conhecê-las por parte do pastor são mútuos,
 v. 30. Eu e o Pai somos um (gr. Aen): O gênero neutro descarta qualquer ideia de que isso signifique “uma Pessoa”. Esse não é um comentário acerca da Trindade. Antes, tendo falado da segurança das ovelhas tanto nele quanto no Pai, Jesus ressalta o que ele disse, ao indicar que, na ação, o Pai e ele podem ser considerados uma única entidade, pois suas vontades são uma só. v. 33. blasfêmia: A tradição legal judaica, fundamentada na Mishná e em outros textos rabínicos, declarava como blasfêmia qualquer afirmação em que um homem pronunciasse o Nome Inefável. Mas a acusação deles é uma consequência trágica da sua cegueira. Jesus é de fato tanto Homem quanto Deus. v. 34. Não está escrito [...] ‘Eu disse: Vocês são deuses’?'. Essa resposta, com seu apelo a SI 82.6, é um argumento tipicamente rabínico. Parece sugerir: “Eu lhes dei a verdade de forma alegórica. Vocês não conseguem aceitar isso. Muito bem, agora vou ao encontro de vocês com o tipo de argumento de que vocês gostam” (cf. 7.15-24; Mc 12.35ss). O salmo é uma referência aos juízes de Israel — às vezes chamados “príncipes” — que, embora falhassem, eram chamados “deuses” porque administravam a justiça como parte de sua comissão divina. Como, então, eles podem acusar Jesus de blasfêmia se ele foi evidentemente enviado por Deus (v. 36)? v. 38. o Pai está em mim, e eu no Pai\ Essas palavras vão ocorrer mais uma vez na grande oração do Senhor (cf. 17.21) e vão ser discutidas aí. v. 40. Jesus retorna ao lugar em que começou o seu ministério. As associações com João Batista são fortes aqui, como sugere Temple. Jesus pode ter lembrado novamente toda a história do seu surgimento em público. João, de fato, falou a verdade. Isso é evidente. E, com base nessa evidência, muitos crêem nele (v. 42).

Índice: João 1 João 2 João 3 João 4 João 5 João 6 João 7 João 8 João 9 João 10 João 11 João 12 João 13 João 14 João 15 João 16 João 17 João 18 João 19 João 20 João 21

Nenhum comentário:

Postar um comentário