A Torá — a Instrução Divina




1. Durante o exílio babilônico a palavra profética tornou-se a fonte de conforto e de rejuvenescimento para o povo judeu. Agora, em seu lugar, Esdras, o escriba, fez o Livro da Lei de Moisés, o pivô sobre o qual toda a vida das pessoas devia gira. Através de leituras regulares dela pelos adoradores reunidos, ele tornou-a fonte de instrução comum. Em vez de a lei sacerdotal, que estava preocupada apenas com a regulamentação da vida ritual, a lei tornou-se livro de instrução das pessoas, a Torá para todos igualmente,[93] enquanto que os livros proféticos foram feitos secundários e foram empregados pelo pregador na conclusão do serviço como “palavras de consolo.”[94] Sobre o Pentateuco foi construído o serviço divino da sinagoga, bem como todo o sistema de vida comunitária, tanto quanto a sua lei e ética. Os profetas e outros livros sagrados eram vistos apenas como meios de “abertura” ou ilustrando o conteúdo da Torá. Essas outras partes do Mikra (“a coleção de livros para a leitura pública”) foi declarado inferior em santidade, de modo que, de acordo com a regra rabínica, não foram ainda autorizados a serem colocados na mesma linha do Pentateuco.[95] Além disso, nem o número de pedido, nem a divisão dos livros bíblicos foi fixado. O Talmudo dá 24, Josefo apenas 22.[96] Tradição reivindica uma origem completamente divina apenas para o Pentateuco ou Torá, enquanto os rabinos muitas vezes apontam o elemento humano nos outros dois grupos da coleção bíblica.[97]

2. A tradicional crença na origem divina da Torá inclui não só a cada palavra, mas também a interpretação aceita de cada letra, tanto para a lei escrita como para a oral, que é atribuída a revelação a Moisés no Mt. Sinai, sendo transmitida daí de geração para geração. Todo aquele que nega a origem divina de qualquer escrito, ou a lei oral, é declarado como sendo um incrédulo que não tem participação no mundo vindouro, de acordo com o código Tanaítico e, consequentemente, de acordo com Maimonides[98] também. Mas aqui surge uma questão de importância vital: O que acontece com a Torá como fundamento divino do judaísmo sob o estudo dos tempos modernos? Mesmo investigadores conservadores, como Frankel, Graetz e Isaac Hirsch Weiss, para não mencionar radicais tais como Zunz e Geiger, admitem o progresso gradual e crescimento desse mesmo sistema de direito, tanto oral como escrita. E se diferentes condições históricas produziram o desenvolvimento da própria lei, temos de assumir uma série de autores humanos, no lugar de um único ato de revelação divina.99

3. Mas outra questão de igual importância nos confronta aqui, o significado da Torá. Originalmente, sem dúvida, a Torá significou a instrução dada pelos sacerdotes em rituais ou assuntos jurídicos. Destas decisões surgiram as leis escritas (Toroth), que o sacerdócio no decorrer do tempo recolheram em códigos. Posterior a um processo de desenvolvimento, eles apareceram como vários livros de Moisés que foram finalmente unidos no Código ou Torá. Esta Torá era a fundação da nova comunidade judaica, a “herança da congregação de Jacob.”[100] A Torá sacerdotal, considerada levianamente durante o período profético, foi exaltada pelo judaísmo pós-exílico, de forma que o sacerdócio saduceu e seus sucessores, os rabinos, consideraram a estrita observância da forma legal como sendo a essência da religião. É esta, então, a verdadeira natureza do judaísmo? É, realmente — como os teólogos cristãos têm mantido desde os dias de Paulo, o grande antagonista do judaísmo — mero nomismo, uma religião de lei, que exigia o cumprimento formal, com os seus estatutos sem levar em conta o seu valor interior? Ou devemos, sim, seguir o rabino Simlai, o haggadista, que primeiro enumerou os 613 mandamentos da Torá (obrigatórios e proibitivos), considerando que o seu único objetivo é a lei moral mais elevada, em que todos eles são somados por alguns princípios éticos, que se encontra no Salmo 15, Isaías XXXIII, 15; Miquéias VI, 8, Isaías LVI, 1, e Amos V, 4 101?

4. Todas estas perguntas têm uma única resposta, uma que é reconciliadora, o judaísmo tem os dois fatores, o sacerdote com o seu respeito pela lei e o profeta com o seu ensinamento ético; e a Torá judaica encarna ambos os aspectos, da lei e da doutrina. Estes dois elementos se tornaram mais e mais correlacionados, como as diferentes partes do Pentateuco, que incorporados, foram moldados juntos em um rolo da Lei. Na verdade, o profeta Jeremias, ao denunciar o sacerdócio por sua negligência dos princípios de justiça, e repreender severamente o povo pela sua iniquidade, apontou para o direito divino de justiça, como aquele que deve ser escrito no coração dos homens.[102] Da mesma forma, no livro de Deuteronômio, que foi o produto da atividade conjunta de profeta e sacerdote, a lei foi construída sobre o mais elevado princípio moral, o amor de Deus e do homem. Em um sentido ainda maior, o Pentateuco como um todo contém a lei sacerdotal e religião universal interligados. Nela, as verdades eternas da fé judaica, a onipotência de Deus, onisciência e governo moral do mundo, são transmitidos nas narrativas históricas como uma introdução à lei.

5. Assim, a Torá como a expressão do judaísmo, nunca se limitou a um mero sistema de direito. No início, ela serviu como um livro de instrução a respeito de Deus e do mundo e tornou-se cada vez mais rico como fonte de conhecimento e de especulação, porque todo o conhecimento de outras fontes foram postos em relação com ela através de novos modos de interpretação. Vários sistemas de filosofia e teologia foram construídos com base nele. Mais ainda, a Torá tornou-se a Sabedoria divina,[103], o arquiteto do Criador, o início e o fim da criação.[104]

Embora o termo Torá, assim, recebesse um significado cada vez mais abrangente, os rabinos, como expoentes do judaísmo ortodoxo, chegou a considerar o Pentateuco como o único livro da revelação, cada letra emanava diretamente de Deus. Os outros livros da Bíblia eles consideravam apenas como habitação do Espírito Santo, ou à presença de Deus, a Shekinah. Além disso, eles consideraram que as mudanças, pelos profetas e outros escritores sagrados, foram antecipadas, no essencial, na própria Torá, e, portanto, apenas suas expansões e interpretações. Assim, eles são frequentemente citados como partes da Torá, ou como “palavras de tradição”.105

6. O Judaísmo ortodoxo, então, aceitou como uma doutrina fundamental a visão de que tanto a Lei de Moisés e sua interpretação rabínica foram dadas por Deus a Moisés no Monte Sinai. Esse ponto de vista é contrariado por todo o nosso conhecimento e todo o nosso modo de pensar e, assim, tanto a nossa consciência histórica e religiosa restringir-nos a tomar a posição dos profetas. Para eles e para nós a verdadeira Torá é a lei moral não escrita que subjaz os preceitos tanto da lei escrita e sua interpretação oral. Deste ponto de vista, Moisés, como o primeiro dos profetas, torna-se o primeiro mediador da legislação divina, e o Decálogo original é visto como o ponto de partida de um longo processo de desenvolvimento, a partir do qual se originaram as leis da justiça e santidade que deviam reger a vida de Israel e da humanidade.106

7. O tempo da composição das diversas partes do Pentateuco, incluindo o Decálogo, deve ser decidido pela pesquisa histórica e crítica independente. É suficiente para nós saber que desde o tempo de Esdras, o fundamento do judaísmo foi a Torá completa, com seu duplo aspecto, como direito e como doutrina.

Como a lei contribuiu para a resistência maravilhosa e resistência do povo judeu, na medida em que imbuíu-os com a consciência orgulhosa de possuir uma lei superior à de outras nações, uma que iria perdurar enquanto o céu e a terra existisse.[107] Além disso, permeou o Judaísmo com um grande senso de dever e imprimiu o ideal de santidade sobre a totalidade da vida. Ao mesmo tempo, deu origem também à piedade ritualística, que, embora tenazmente agarrado à prática tradicional da lei, promoveu casuística rígida e causou a petrificação da religião no Halakah codificado. Como doutrina que impressionou seu idealismo ético e humano sobre o povo, levantando-os muito acima dos estreitos limites da nacionalidade, e tornando-se uma nação de pensadores. Daí, a sua ânsia de sua missão de transmitir a sabedoria armazenada em seus escritos para toda a humanidade como sua maior benção e da própria essência da sabedoria divina.


Fonte: Teologia Judaica de kaufmann kohler

A Torá — a Instrução Divina A Torá — a Instrução Divina Reviewed by Biblioteca Bíblica on sábado, julho 29, 2017 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.