2018/03/31

Colossenses 1 — Contexto Histórico

Contexto Histórico de Colossenses 1

Contexto Histórico de Colossenses 1

Graças a Deus ou a deuses eram habituais nas aberturas de cartas antigas. Nas cartas de Paulo, eles frequentemente introduzem temas importantes, que estavam em sua mente desde o início da carta. Assim, eles frequentemente funcionam da maneira que exordia fez, introduzindo o que segue e começando a carta com uma relação positiva com os leitores.

1:3 Os tempos regulares de oração judaica incluíam muitas bênçãos, e os momentos de oração de Paulo incluem claramente muitas ações de graças a Deus; daí não se trata apenas de uma expressão convencional de agradecimento pelos propósitos da carta.

1:4 A condição espiritual dos Colossenses foi relatada a Paulo por Epafras, aparentemente o estudante de Paulo trabalhando entre eles (1:7; cf. Atos 19:10), que era originalmente de sua cidade (Cl 4:12).

1:5 Textos judaicos falavam de recompensas futuras já reservadas para os justos, portanto, os primeiros leitores cristãos estariam familiarizados com a idéia.

1:6 A imagem da mensagem de Deus produzindo frutos pode remontar aos ensinamentos de Jesus (Lc 8:11); o Antigo Testamento frequentemente compara Israel com uma videira ou outra planta e os convoca a produzir frutos para Deus (por exemplo, Os 10:1; 14:7-8; cf. Gn 1:28).

1:7–8 “Epafras” era um nome comum; este pode bem ser o mesmo Epafras de Filemom 23. Mas Filipos e Colossos estão muito distantes geograficamente para pensarmos que esta é a mesma pessoa que Epafrodito em Filipenses 2:25, embora esse nome pudesse ser legitimamente contratado como “Epafras”.

1:9 Para oração incessante veja Êxodo 28:30 e 1 Samuel 12:23. Embora os filósofos procurassem “sabedoria” e “conhecimento”, Paulo enfatiza aqui o sentido moral do Antigo Testamento dos termos (por exemplo, Provérbios 1:2-7).

1:10–11 Sobre a produção de frutos e o crescimento, veja Gênesis 1:28 (“crescer” aparece especialmente na LXX); e veja o comentário sobre Colossenses 1:6. Em “andar” (literalmente; KJV, NASB) ou “viver” (NIV, TEV), ver comentário em Gálatas 5:16. Os templos gregos esperavam que os padres agissem de maneira apropriada ao seu sacerdócio, “dignos do deus” em cujo templo eles serviam, embora não esteja claro que Paulo alude a essa língua aqui. Na tradição judaica, “digno” poderia significar “apropriado para” (2 Mac 6:23-24, 27), “merecedor de (recompensa)” (2 Macc 15:21); A sabedoria buscava os dignos dela (Sabedoria de Salomão 6:16), e os justos que perseveravam seriam “dignos de Deus”, como uma oferta aceitável (Sabedoria de Salomão 3:5).

1:12–13 No Antigo Testamento, os “santos” ou “santos” ou “separados” eram Israel. A “herança” de Israel era antes de tudo a Terra Prometida, mas na tradição judaica apontava para a posse definitiva do mundo por vir. Os cristãos se tornam herdeiros dessas promessas em Cristo. “Luz” e “escuridão” eram regularmente contrastadas como boas e ruins, respectivamente (por exemplo, Sl 27:1; Is 9:2; 42:6; 49:6; 58:8–10; 59:9; 60:1) e isso era frequentemente aplicado ao conflito entre os reinos bons e maus (nos Manuscritos do Mar Morto e muitas vezes na literatura antiga). (Visto que muitos povos do antigo Oriente Próximo foram arrancados por governantes poderosos e estabelecidos em outros lugares, alguns estudiosos sugeriram que essa imagem está por trás da transferência de um reino para outro aqui. Mas a imagem de um provincial alcançando a cidadania romana ou gentios aceitar o jugo do reino de Deus no judaísmo pode ter sido uma imagem mais natural para os leitores de Paulo; ver também comentar em 1:14.)

1:14–23 Alguns dos que estão em erro em Colossos querem enfatizar as formas de espiritualidade humana rigorosa encontradas em sua cultura (ver comentário em 2:16-23); Paulo insiste que Cristo é suficiente (cf. 2:6-15) e descreve-o na língua judaica normalmente reservada à Sabedoria personificada. Essa imagem era natural para os primeiros cristãos descreverem Cristo; O judaísmo personificava a sabedoria de Deus como divina, e as raízes da imagem na tradição judaica remontam pelo menos a Provérbios 8. (É possível, como alguns sugeriram, que Paulo cite um hino cristão de duas estrofes em 1:15– 20; tais citações ocorrem sem aviso prévio em outras literaturas antigas. Mas, apesar das evidências e do consenso acadêmico que a favorecem, a teoria fica aquém da prova a favor ou contra.)

1:14 “Redenção” significava libertar um escravo pagando um preço por esse escravo; no Antigo Testamento, Deus redimiu Israel de sua escravidão no Egito pelo sangue do primogênito e do cordeiro. Isso se encaixaria na imagem de transferir um povo cativo de um reino para outro (1:13). Filo também acreditava que o Logos, a Palavra de Deus, participava da redenção; mas esse pano de fundo pode ser mais relevante se for mencionado como parte de 1:15–17.

1:15 Aqui Paulo descreve Cristo em termos do judaísmo reservado para a Sabedoria divina, que foi retratada como a imagem arquetípica de Deus pela qual ele criou o resto do mundo. Filo descreve o Logos de Deus, sua Palavra, como sua imagem e primogênito.

“Primogênito” poderia se referir à posição de autoridade e preeminência dada ao primogênito no Antigo Testamento (Gn 49:3–4). (Uma palavra relacionada para “primogênito” poderia traduzir a palavra hebraica para “chefe” em 1 Cron 5:12 LXX. Textos judaicos mais comumente aplicavam o termo a Israel. Textos do Antigo Oriente Próximo aplicavam termos equivalentes a outras divindades, por exemplo, Amon-Re no Egito, e os reis eram às vezes aclamados como filhos de deuses em suas entronizações.) Este termo também pode se referir ao papel redentor do primogênito (cf. Cl 1,14) ou ser outro título para o “Filho” de Deus (1:18; veja Sl 89:27, embora Davi fosse o mais novo de oito filhos). Tanto a religião grega como a judaica descrevem Deus ou divindades supremos como “Primeiro”.

1:16 As criações “invisíveis” de Deus referem-se especialmente aos anjos no céu que correspondem aos governantes terrestres (ver comentário em Efésios 1:19–23). O judaísmo antigo aceitou que Deus criou mundos visíveis e invisíveis. Muitos escritores judeus, incluindo Filo, davam aos anjos ou subordinavam poderes divinos um papel na criação; outros escritores judeus e cristãos (como Paulo) estão preparados para combater essa visão, como aqui.

Muitos pensadores greco-romanos disseram que todas as coisas derivadas eram mantidas juntas e retornariam ao Logos ou à natureza ou ao fogo primitivo. Na tradição judaica, todas as coisas foram criadas através e pela Palavra ou Sabedoria de Deus. (Em variantes dessa tradição, eles foram criados para os justos que mantiveram sua palavra na prática.)

1:17 Muitos filósofos greco-romanos disseram que todas as coisas eram mantidas juntas por Zeus ou pelo Logos, a razão divina; por isso eles queriam enfatizar a unidade do cosmos. Escritores judeus de fala grega, como Filo, também enfatizaram que o Logos de Deus mantinha a criação unida, identificando ainda mais o Logos com a Sabedoria divina. No pensamento estoico, o Logos deu forma ao fogo primitivo; no judaísmo, a sabedoria existia antes de todas as coisas e, por meio dela, Deus criou e depois moldou o mundo.

1:18 “Cabeça” pode significar “autoridade” (2:10), “parte mais respeitada ou honrada” ou “fonte” (2:19); em “corpo”, veja comentário sobre Romanos 12:3–5 ou 1 Coríntios 12:12–26. Às vezes, Deus era chamado de “princípio” na tradição judaica, e o termo era ainda mais aplicado à Sabedoria e ao Logos; era um termo natural para aquele de quem tudo começou. (No v. 18, pode ser aplicado ao começo da nova criação, no entanto, como no caso do “primogênito” aqui.) Sobre “primogênito”, ver comentário em 1:15. A ressurreição dos mortos era esperada no final da era; A ressurreição de Jesus antes daquele tempo foi vista como o começo ou a inauguração proléptica desse evento futuro (1 Coríntios 15:23).

1:19 O Antigo Testamento fala de Deus escolher um lugar para seu nome habitar, e se deleitar em habitar entre seu povo, morar em Sião e assim por diante. “Plenitude” pode se referir à sabedoria ou glória de Deus preenchendo o mundo (como no Antigo Testamento e tradição judaica), ou à plenitude da presença ou dos atributos de Deus (como em Filo e outras fontes judaicas).

1:20-22 A reconciliação até mesmo dos poderes invisíveis (1:16) refere-se à sua subordinação em vez de sua salvação (2:15), “paz” sendo um fim para as hostilidades. Paulo não nega a atividade contínua deles no mundo (2:8), mas seu real poder para desafiar o reino de Cristo. (Pode-se comparar a missão de Enoque de proclamar o julgamento contra os anjos caídos em algumas primeiras histórias judaicas.)

1:23 Paulo pode pretender a declaração de que o evangelho foi anunciado em toda a criação para combater os falsos mestres que reivindicam revelações esotéricas secretas (2:18). Se “toda a criação” se refere literalmente, pode se referir ao testemunho da criação (Sl 8:1; 19:1; 89:37; 97:6; cf. Rm 10:18). Mas aqui é quase certamente um modo cósmico (Is 51:16) de retratar que o evangelho de Cristo é para todos os povos (Rm 1:8, 13; Mt 24:14). O povo judeu geralmente acreditava que uma pessoa que rejeitasse o pacto seria cortada de Deus; Paulo requer a perseverança de quem professa a Cristo.

1:24–2:5 Como Paulo pode descrever seu trabalho em termos de conflito adequado a uma competição atlética (1:29), é significativo que os atletas gregos tradicionalmente lutassem em competições pan-gregas não apenas para sua própria honra, mas também para as cidades que representavam. Os sofrimentos de Paulo são assim em nome da igreja (1:24; 2:1).

1:24 Muitos judeus acreditavam que algum sofrimento tinha que ser cumprido antes que o fim chegasse. Muitos estudiosos leram 1:24 dizendo que Paulo estava tomando uma parte extra dessas aflições, às vezes chamadas de “dores do parto do Messias”, porque pressagiavam a era messiânica. (Ele sofre “por causa deles”, aparentemente significando como seu representante, porque eles são parte da igreja; certamente não é sofrimento vicário, porque Paulo claramente acredita que o sofrimento de Cristo foi suficiente a esse respeito; cf. 1:14, 2:8-10, 14)

1:25 “Mordomos” (cf. NASB) eram gerentes de grandes propriedades familiares; eles eram frequentemente escravos ou libertos de alto status. A frase “cumprir a palavra de Deus” (KJV, literalmente) às vezes era usada para obedecer a palavra de Deus, às vezes por ser um instrumento para fazê-lo acontecer; Paulo aqui obedece e cumpre a palavra de Deus, tornando-a disponível aos gentios.

1:26 Os Manuscritos do Mar Morto e outros textos falam de “mistérios” nas Escrituras que somente os espiritualmente iluminados podem entender; para Paulo, os cristãos são agora iluminados (1:9, 12). Esta declaração iria refutar os místicos que reivindicaram revelações especiais de elite que pertencem apenas a eles mesmos (2:18).

1:26 Os Manuscritos do Mar Morto e outros textos falam de “mistérios” nas Escrituras que somente os espiritualmente iluminados podem entender; para Paulo, os cristãos são agora iluminados (1:9, 12). Essa declaração refutaria os místicos que reivindicavam revelações especiais de elite pertencentes apenas a si mesmos (2:18).

1:27 Que este mistério seria conhecido entre os gentios havia sido profetizado (por exemplo, Is 66:19) e agora estava sendo cumprido (1:25). Os escritores do Antigo Testamento frequentemente diziam que Deus habitava “entre” seu povo Israel (Nm 35:34) e, em um nível pessoal, “dentro” de alguns deles (Gn 41:38; Nm 27:18; Dn 4:8, 18 5:11, 14; 1 Pd 1:11, mais frequentemente, “cheio”, “descansado”. Mas ninguém esperava que ele morasse entre os gentios - de fato, no nível pessoal, dentro deles (Cl 2:12; 3:4, 16).

1:28 Esse ensinamento leva a sua maturidade ou conclusão; cf. 1:22, 2 Coríntios 11:2 e comente sobre Filipenses 3:12–13. Assim, ensinar Cristo levaria os ouvintes a se prepararem para o dia final (1:22–23). “Nós” inclui Epafras (1:7) e outros proclamadores, assim como Paulo; “Toda pessoa” novamente enfatiza a inclusão gratuita de gentios no plano de Deus (1:27).

1:29 Filósofos comumente usados metáforas da competição atlética, como “esforçar” (KJV, NASB) aqui (a imagem é muito mais rara no Antigo Testamento, por exemplo, Jer 12:5). O fortalecimento divino “dentro” (NASB, NRSV) tem poucos paralelos antigos, além dos textos do Antigo Testamento sobre a permissão do Espírito aos servos de Deus; A linguagem de Paulo aqui teria impressionado leitores antigos de uma maneira especial (ver introdução a Rm 8:1–11).


Nenhum comentário:

Postar um comentário