segunda-feira, julho 16, 2018

Livro de Ezequiel

O Livro de Ezequiel é o terceiro livro atribuído aos Profetas Maiores, o trabalho do exilado profeta Ezequiel. No cânon da LXX segue as Lamentações. Livro que contém mensagens de Deus dirigidas aos judeus que estavam na Babilônia e também aos que moravam em Jerusalém. Nele há pregações, visões e atos simbólicos. Ezequiel ensinou que cada pessoa é responsável pelos seus próprios pecados e que todos devem se renovar no seu íntimo, no seu coração. Ele esperava que a nação de Israel começasse a viver uma vida nova diante de Deus. Sendo ao mesmo tempo profeta e sacerdote, Ezequiel mostrou interesse pelo Templo de Jerusalém e ensinou que Deus exige que os seus adoradores vivam uma vida dedicada a ele.


Autor

O nome Ezequiel significa “aquele que Deus sustenta”. Ele foi levado cativo para a Babilônia por Nabucodonosor1 em 597 a.C. (1 Rs 24.14). Tinha sido sacerdote em Jerusalém (1.3). Talvez ele tenha ministrado no Templo, visto que seus escritos demonstram ter ele amplo conhecimento daquele santuário. Durante o quinto ano (1.2) do seu cativeiro, em 592 a.C., foi chamado pelo Senhor para ser profeta, e exerceu esse ofício durante ao menos 22 anos (29.17). Junto com Ezequiel na primeira grande deportação, Nabucodonosor tinha levado 10.000 dos homens mais proeminentes do país — incluindo os operários qualificados, a nobreza e o rei Joaquim. Nabucodonosor achava que, com os líderes de Judá na Babilônia, ele pode ria melhor subjugar a população mais simples de Jerusalém e Judá. (Veja Quadro B). No exílio, embora o rei Joaquim estivesse preso, os israelitas em geral tinham uma liberdade considerável. Ezequiel tinha sua própria casa (3:24; 20:1) e era casado (24:13). Ele vivia confortavelmente em Tel-Abibe, perto do rio Quebar. Enquanto Daniel participou dos 70 anos de cativeiro, Ezequiel deve ter morrido antes do seu fim. Ezequiel era uma sentinela para advertir os infiéis e um homem com bálsamo para os fiéis. Diferentemente dos falsos profetas, que não haviam recebido mensagem alguma mas mesmo assim pregavam (Jr 29.31), Ezequiel recebeu seus oráculos do próprio Senhor. Talvez mais do que qualquer outro profeta, o que tinha a dizer ele sentia-se compelido a dizer.


Contexto 

O chamado do profeta é colocado na Babilônia durante o quinto ano do exílio do rei Zedequias (593 a.C.; Ezequiel 1:2-3), implicando que Ezequiel estava entre os moradores de Jerusalém deportados após a rendição do rei a Nabucodonosor em 598 a.C. Vários eruditos desafiaram este local tradicional do ministério de Ezequiel, argumentando, por exemplo, que o conteúdo e alusões de caps. 1–24 exige a presença do profeta em Jerusalém. Assim, eles argumentam que Ezequiel nunca deixou Jerusalém (por exemplo, V. Herntrich) ou que permaneceu lá até que a cidade caiu em 587 a.C. e foi então exilado para a Babilônia (por exemplo, A. Bertholet, W. A. Irwin). Outros localizam o profeta em 8:1-4; 11:24-25 como indicação de que ele retornou temporariamente a Jerusalém. No entanto, a maioria dos estudiosos apóia o local da Babilônia, notando, por exemplo, que tanto o profeta quanto o público estavam familiarizados com Jerusalém e permaneciam cientes das condições ali, e que sem dúvida continuavam a se ver como a personificação daquela comunidade.

Conteúdo

As profecias de Ezequiel, embora não apresentadas em estrita ordem cronológica, são agrupadas tematicamente, dividindo o livro em quatro seções principais. Caps. 1–24 compreendem oráculos da condenação, profecias advertindo Judá do julgamento iminente que data antes da queda de Jerusalém em 587 a.C. Após o chamado de Ezequiel e sua visão inaugural da glória de Deus (1:1–28a), ele recebe cinco comissões para profetizar para a “casa rebelde” de Israel (1:28b-3:27). Empregando várias ações simbólicas (4:1–5:17), o profeta descreve a queda vindoura de Jerusalém como retaliação pela idolatria do povo (capítulo 6) e pecados sociais (cap. 7). As visões do templo dos caps. 8–11, em que Ezequiel se sente transportado em êxtase para Jerusalém, fornece mais evidências de abominações de culto e prediz o massacre dos iníquos e a destruição ígnea da cidade, culminando na partida de Yahweh de seu templo. Segue-se uma série de oráculos sobre Jerusalém (caps. 12-19), incluindo símbolos do Exílio, denúncia de falsos profetas, médiuns e sincretistas, alegorias (madeira inútil da videira, esposa infiel, duas águias [Nabucodonosor e Psamético II]. ]), um discurso sobre responsabilidade individual, e lamenta por Judá. A seção conclui com oráculos de julgamento contra a nação (caps. 20-24). Primeiro, relatando a história da apostasia de Israel no Egito, no deserto e em Canaã, o profeta descreve o exílio como um tempo de purificação e oferece esperança de um novo Êxodo e restauração do povo a Sião (20:1–44). Quatro oráculos de “espada” reiteram o julgamento iminente (20:45–21:32), seguido por um catálogo dos pecados de Jerusalém (cap. 22). As alianças políticas de Judá são denunciadas no cap. 23; a alegoria das irmãs Oholah (Samaria) e Oholibah (Jerusalém). Outra alegoria retrata Jerusalém como um caldeirão muito corroído (24:1-14). Finalmente, a morte súbita da esposa de Ezequiel torna-se um oráculo dos últimos dias de Jerusalém (vv. 15-27).

Uma coleção de oráculos contra nações estrangeiras (caps. 25-32) proclama a sentença por sua malícia demonstrada na queda de Jerusalém em 587 a.C. Os oráculos são organizados geograficamente e não cronologicamente, procedentes dos vizinhos imediatos de Judá (Amon, Moabe, Edom, Filistia). Tiro, Sidon) para o Egito, simbólico da escravidão israelita antes do Êxodo.

Oráculos de restauração e esperança, destinados a consolar os exilados após a destruição de Jerusalém, compreendem uma terceira seção maior (caps. 33-39). Tendo reiterado as profecias anteriores (cap. 33; cf. 3:16-21; 14:12-23; 18:5–32), o profeta anuncia o julgamento de Javé sobre os pastores iníquos (reis) de Israel (34:1-10) e seu desejo de distinguir entre boas e más ovelhas (vv. 11-22). Um oráculo anunciando a vitória de Deus sobre Edom (cap. 35) contrasta com a prometida restauração de Israel, tanto a terra (36:1-15) como o povo (vv. 16-38). Na visão do vale dos ossos secos (37.1-14), os exilados são trazidos de volta à vida pelo espírito (hebr.: ruach) de Deus. O oráculo das duas varas (vv. 15-28) descreve um Israel reunificado sob um rei davídico. Esta nação restaurada derrotará um poderoso inimigo do norte, Gog, rei de Magog, com o resultado de que todas as nações reconhecerão a supremacia de Javé (caps. 38-39).

A visão de Ezequiel do templo restaurado e da cidade de Deus (caps. 40-48) retrata um culto purificado funcionando dentro de uma comunidade purificada. As dimensões, arranjos e decoração do templo, incluindo seus portões e quadras, são descritos em caps. 40–42. O templo purificado é reconsagrado pela presença retornada de Deus (43:1–12) e o altar do holocausto é rededicado (v. 13–26). As ordenanças que regem as pessoas do culto e os serviços do templo são registradas em caps. 44–46. O sagrado rio da vida sairá do templo, transformando as águas do Mar Morto e criando um novo Paraíso para o povo de Deus (47:1–12). A futura glória de Israel é retratada em termos de uma terra ideal que se concentra em uma cidade ideal onde o Senhor viverá eternamente (47:13–18:35).


A Profecia

A profecia de Ezequiel forma um dos maiores livros proféticos do Antigo Testamento. Ele foi dividido em 48 capítulos, provavelmente no terceiro século d.C. Os primeiros 24 capítulos tratam do chamado de Ezequiel para ser profeta e das suas profecias em relação à queda de Jerusalém — a destruição final pela Babilônia, que ocorreu no décimo primeiro ano do reinado de Zedequias. Os capítulos 25—33 contêm as profecias de juízo contra sete nações pagãs — Amom (25.1-7), Moabe (25.8-11), Edom (25.12-14), Filístia (25.15-17), Tiro (26.1—28.19), Sidom (28.20-23) e Egito (29—32). A última seção, capítulos 33—48, contém profecias acerca da restauração de Jerusalém e profecias de esperança para o futuro de Israel. Ezequiel deixa claro que ele era exilado na Babilônia quando foi chamado para se tomar profeta. Ele profetizou da Babilônia contra seus companheiros exilados e contra aqueles que ainda moravam em Jerusalém, antes da queda final na revolta de Zedequias (1.3; 3.11,15, 23; 10.15, 20, 22; 11.24-25). Alguns têm sugerido que Ezequiel não escreveu os capítulos 40—48. Outros também incluiriam os capítulos 38—39 como sendo de outro autor. Há estudiosos que sugerem que um redator acrescentou outros materiais, como os versículos que posicionam o profeta na Babilônia enquanto escreve. Mas não há evidência séria contra a visão tradicional de que a profecia como um todo vem do destemido vigia e admoestador, conhecido ao longo dos séculos como Ezequiel. O estilo da profecia é de difícil compreensão por causa do simbolismo poético que a adorna. Esse estilo fez com que o antigo Jerônimo entrasse em desespero na sua busca pela verdade desse livro. Talvez por isso João Calvino tenha escrito um comentário somente acerca dos primeiros doze capítulos de Ezequiel, e tenha sido o motivo de Martinho Lutero ter dado tão pouca atenção a esse livro. Howie diz: “A profecia de Ezequiel, escrita num estilo apocalíptico e repleto de obscuridades em relação ao texto e ao significado, tem desconcertado um grande número de estudiosos e dado vazão a uma série de ideias estranhas, talvez mais do que qualquer outro livro da Bíblia”. Apesar do mistério simbólico do livro, ele apresenta verdades de grande valor espiritual para aqueles que conseguem reduzir seu passo acelerado a fim de tirar lições preciosas desse livro.


Composição

O arranjo do livro em agrupamentos distintos de profecia levou os estudiosos a atribuir um papel significativo em sua formação a um ou mais editores. Embora evidências aparentes de amplificação editorial de algumas das profecias não desacreditem significativamente a visão tradicional do livro como produto de Ezequiel ou seus discípulos, alguns críticos extremos (por exemplo, G. Hölscher, CC Torrey, WA Irwin) descartaram a originalidade. de grandes porções do trabalho. Assim, alguns identificariam várias passagens como acréscimos editoriais que datam da época das reformas de Neemias (final do quinto século) ou posteriores (por exemplo, algumas datas 38-39 até a época de Alexandre, o Grande). Embora essa redação extrema não tenha sido amplamente aceita, um grau significativo de corrupção textual e infelicidades estilísticas pode ser atribuído aos editores.

A unidade básica do livro é confirmada pela recorrência de certas características de estilo. O título “Filho do Homem” é aplicado a Ezequiel por Javé cerca de noventa e três vezes ao longo do livro, enfatizando a humanidade do agente. Também é característica a frase “Eu sou o Senhor”, que ocorre cerca de sessenta vezes, geralmente como uma fórmula de reconhecimento ressaltando o papel do divino. Os oráculos são frequentemente introduzidos pela fórmula de despacho “dirija teu rosto”, direcionando o profeta para um povo ou local específico (por exemplo, 13:17; 21:2; 25:2). Outras semelhanças formais nos oráculos de Ezequiel incluem fórmulas introdutórias como “a mão do Senhor veio sobre mim” (por exemplo, 8:1) ou “a palavra do Senhor veio a mim” (por exemplo, 6:1) ou as ordens “ouçam a palavra do Senhor” (por exemplo, 36:1, 4).


Avaliação

A intensidade da profecia de Ezequiel é particularmente evidente em suas visões extáticas. Tomado por uma geração anterior de estudiosos como indicação da saúde psicológica anormal do profeta, tais exemplos de êxtase total, bem como os períodos contrastantes de mudez ou afasia (3:26; 24:27; 33:22) são típicos de experiências semelhantes ao transe de profetas e místicos atestados em outras partes do mundo antigo. Particularmente característico de Ezequiel é sua imagem vívida (por exemplo, a glória de Deus, cap. 1); de fato, várias de suas visões podem ser classificadas como apocalípticas (cf. o vale dos ossos secos, 37:1-14; Gog e Magog, caps. 38-39; o templo e a cidade ideais, caps. 40-48). O uso extensivo da alegoria pelo profeta envolve não apenas discursos literários, mas também várias ações simbólicas (por exemplo, o mapeamento de tijolos do cerco de Jerusalém, 4:1–3; deitar-se de lado e comer rações de exílio, vv. 4-17), raspar a cabeça, 5:1-17; cavar através da parede de sua casa, 12:1-16.

A influência da herança sacerdotal do profeta é aparente ao longo do livro, incluindo sua condenação da aceitação de Israel das práticas pagãs (6:1-7; 8:1-18; 20:27-31) e sua visão do templo restaurado e culto ( caps. 40-48). Ainda por causa da alegada divergência do livro dos ensinamentos da Torá, e porque muitos temiam que o cap. 1 fosse mal interpretado pelos leigos que pudessem ouvi-lo ler na sinagoga, e alguns dos primeiros rabinos encontraram razões para impedir sua aceitação como canônicos. No entanto, Ezequiel chegou a tempo de ser considerado o “pai do judaísmo”. De fato, em muitos aspectos, sua profecia representa uma transição do pensamento hebraico preexílico para o judaísmo pós-exílico. Como os primeiros profetas do século VI, Ezequiel interpreta o Exílio e a destruição de Jerusalém como punição divina contra Israel por quebra de aliança (cap. 16, 22). Mas em vez de permitir que o povo culpe seu destino pelos pecados de seus ancestrais, Ezequiel afirma que cada indivíduo é responsável por seus próprios atos (14:12-23; cap. 18; 33:10-20); isso ele demonstra pela execução conscienciosa de seu ofício como “vigia” (3:16–21; 33:1–9). A vibrante esperança que ele oferece aos exilados se concentra em um novo Israel - um povo renovado de dentro para fora, trazendo um novo coração e um novo espírito (36:26). Para este profeta do exílio, o “pastor” que governaria a nação restaurada (“meu servo Davi”; 34:23-24; 37:24) indica uma figura humana, cujo domínio justo e correto manteria o caráter davídico divinamente sancionado. No entanto, não apenas Israel reconheceria a autoridade de Deus; todas as nações reconheceriam sua magnificência (38:23).

A visão escatológica de Ezequiel é reinterpretada pelo autor do livro do Novo Testamento, Apocalipse. Particularmente evidentes são as imagens apocalípticas de uma nova Jerusalém (Apocalipse 21:15-27; Eze. 48:30-35; porém, cf. 40:1-48:29) e o rio sagrado que flui do trono de Deus (Apoc. 22:1–2; Ez 47:1–12).



Bibliografia
W. Eichrodt, Ezekiel. OTL (1970); M. Greenberg, Ezekiel. AB 22 (1983); J. W. Wevers, Ezekiel. NCBC (1982); W. Zimmerli, Ezekiel. Hermeneia (Philadelphia:1979, 1983).