quarta-feira, julho 18, 2018

Livro de Salmos

Livro de Salmos

O Livro de Salmos é o 19° da ordem da Bíblia moderna. O primeiro livro da terceira divisão do cânon hebraico, os Escritos; uma coleção variada de oração, poesia e cânticos de fé. Na Bíblia hebraica, o livro é intitulado “louvores” ou “cânticos de louvor”.


Introdução

O livro de Salmos é o primeiro livro na terceira divisão da Bíblia hebraica. Conheci da como Kethubhim ou Escritos, essa terceira divisão era popularmente conhecida pelo nome do primeiro livro, isto é, “Os Salmos”. Deste modo, Jesus incluiu todo o Antigo Testamento no que tange às profecias a seu respeito “na Lei de Moisés, e nos Profetas, e nos Salmos” (Lc 24.44). O título em português vem da tradução grega, Septuaginta, concluída em cerca de 150 a.C. Psalmoi, o termo grego, significa “cânticos” ou “cânticos sagrados” e é derivado da raiz que significa “impulso, toque”, em cordas de um instrumento de cordas. O título hebraico é Tehillim, e significa “louvores” ou “cânticos de louvor”. Os Salmos têm uma importância especial na Bíblia. Lutero descreveu esse livro como “uma Bíblia em miniatura”. Calvino o descreveu como “uma anatomia de todas as partes da alma”, visto que, como explicou, “não existe emoção que não é representada aqui como em um espelho”. Johannes Arnd escreveu: “O que o coração é para o homem, os Salmos são para a Bíblia”. W. O. E. Oesterley descreve os Salmos como “a maior sinfonia de louvor a Deus que já foi escrita na terra”.

Theodore H. Robinson disse: “O Saltério hebraico detém uma posição singular na literatura religiosa da humanidade. Ele tem sido o hinário de duas grandes religiões e tem expressado a vida espiritual mais profunda dessas religiões ao longo dos séculos. Esse Saltério tem ministrado a homens e mulheres de raças, línguas e culturas muito diferentes. Ele tem trazido conforto e inspiração aos aflitos e abatidos de coração em todas as épocas. Suas palavras podem se adaptar às necessidades das pessoas que não têm conhecimento algum acerca de sua forma original e pouca compreensão a respeito das condições sob as quais foi formado. Nenhuma outra parte do Antigo Testamento tem exercido uma influência tão ampla, profunda e permanente na alma humana.”

O lugar que Salmos recebe no Novo Testamento claramente testifica sobre o valor desse importante livro. Dos aproximadamente 263 textos do Antigo Testamento citados no Novo Testamento, um pouco mais de um terço, ou seja, um total de 93 é tirado do livro de Salmos. Alguns deles, mais particularmente os Salmos 2 e 110, são citados diversas vezes. W. E. Barnes escreve: “Somente a existência de uma verdadeira continuidade espiritual entre os Salmos e o Evangelho pode explicar o profundo sentimento de afeição com que os cristãos de todas as épocas têm tratado o Saltério”.

Um dos valores mais importantes dos Salmos para o estudo do Antigo Testamento é a percepção que se recebe acerca da verdadeira natureza da religião do Antigo Testa mento. Infelizmente, temos, com bastante frequência, associado a religião do Antigo Testamento ao farisaísmo e legalismo descritos nos evangelhos e nos escritos de Paulo. Os Salmos mostram claramente que nos tempos do Antigo Testamento a piedade era uma fé viva, espiritual, alegre e intensamente pessoal. Os Salmos refletem um nível de espiritualidade que muitos da dispensação cristã mais favorecida não conseguem alcançar. Como A. F. Kirkpatrick observou: “Os Salmos representam o aspecto interior e espiritual da religião de Israel. Eles são a expressão múltipla da intensa devoção das almas piedosas a Deus, do sentimento de confiança, esperança e amor que alcançava um clímax em diversos Salmos como o 23; 42; 43; 63 e 84. Eles são a voz da oração de tonalidade múltipla no sentido mais amplo, à medida que a alma se dirige a Deus por meio da confissão, petição, intercessão, meditação, ações de graças, louvor, tanto em público como em particular. Eles oferecem a prova mais completa, se é que isso era necessário, de como é completamente falsa a noção de que a religião de Israel era um sistema formal de ritos e cerimoniais externos.”


Data de Composição

O padrão da crítica bíblica no passado tem sido datar os salmos em época muito posterior ao reinado de Davi. Alguns estudiosos têm defendido a ideia de datas pós exílio, e mesmo da época dos macabeus, para a maioria dos salmos (e.g, 520-150 a.C.). Outras conclusões foram tiradas a partir de um suposto desenvolvimento evolucionário das formas de pensamento expressas nos salmos. O quadro, no entanto, tem mudado radicalmente com um estudo mais cuidadoso dos textos de Ras Shamra ou de Ugarite. O impacto completo dessas descobertas ainda não foi sentido. Ligado a isso está a evidência ainda mais recente dos textos de Qumrã (os Manuscritos do Mar Morto). Mitchell Dahood resume as tendências mais recentes nessa cronologia dos salmos: “Um exame do vocabulário desses salmos revela que virtualmente cada palavra, imagem e paralelismo são agora relatados nos textos cananeus da Idade do Bronze. [...] Se eles são poemas compostos pouco antes da LXX, por que então os tradutores judeus em Alexandria os entendiam tão imperfeitamente? As obras contemporâneas deveriam se sair melhor na tradução deles”. Dahood continua: “Embora não tenhamos evidências diretas que nos permitiriam datar a conclusão da coleção inteira, a grande diferença na linguagem e métrica entre o saltério canônico e o Hodayot de Qumrã torna impossível aceitar uma data do tempo dos macabeus para qualquer um dos salmos, posição essa que ainda é mantida por um número razoável de estudiosos. Uma data helenística também não é aceitável. O fato de os tradutores da LXX estarem perdidos diante de tantas palavras e frases arcaicas evidencia uma lacuna cronológica considerável entre eles e os salmistas originais”.

Formação e Divisão

Em sua presente forma canônica, o livro dos Salmos é o produto de uma longa história de uso, coleta, adaptação e reinterpretação da poesia litúrgica e devocional de Israel. Evidências da complexa história dessa antologia podem ser encontradas mesmo na superfície do texto canônico, mas a história das canções e sua coleção em Israel é mais antiga do que a representada pelo Saltério.

A. Origens da Salmodia 

Fora das canções antigas de Israel, os Salteadores estão embutidos em textos narrativos que descrevem o período formativo de Israel. Estudos recentes em poesia hebraica e comparável do antigo Oriente Próximo enfatizaram a antiguidade de composições como o Cântico do Mar (Êxodo 15:1-18), o Cântico de Moisés (Deuteronômio 32), o Cântico de Débora (Juízes 5) e o cântico de Ana (1 Sam. 2:1–10). A evidência de coleções iniciais de músicas é encontrada nas citações do “Livro das Guerras do Senhor” (Números 21:14) e do “Livro de Jasar” (Josué 10:13; 2 Samuel 1:18).

B. Compilação do Saltério 

Embora não seja possível detectar a história precisa da compilação do Saltério, certas coleções que foram incorporadas ao presente livro são evidentes.

Setenta e três salmos são considerados “de Davi” (Heb. leḏāwiḏ). A preposição hebraica le-, traduzida como “de”, é ambígua e sugere vários significados possíveis: “de Davi”, “por Davi”, “para Davi” (por exemplo, “dedicado a Davi”), “sobre Davi” e “ para o uso de Davi. “Embora se possa supor que Davi, conhecido por sua habilidade musical (1 Samuel 16:17-23; 18:10; 2 Samuel 1:17-27; 3:33-34; 23:1–7; Amós 6: 5), de fato compôs alguns dos salmos associados ao seu nome, não está claro que ele tenha escrito todos eles. Onze salmos (Sl 42, 44-49, 84-85, 87-88) estão associados aos filhos de Coré, uma família de cantores levitas do templo (Êxodo 6:24; 2 Cr 20:19). Doze salmos (Sl 50, 73-83) são atribuídos ao músico levita Asafe, que ministrou durante o reinado de Davi (1 Crônicas 15: 17-19; 16: 4-5), e cujos descendentes continuaram nesse papel no período pós-exílico (Esdras 2:41). Indivíduos associados com outros salmos são Salomão (Sl. 72, 127), Heman, o ezraíta (88), Etã, o ezraíta (89), Moisés (90) e Jedutum (se de fato um nome pessoal; 39, 62, 77). Se estas são introduzidas como reivindicações de autoria não é claro.

Os Cânticos da Ascensão são um grupo de quinze salmos (120-134), variados em conteúdo e forma, mas todos aparentemente associados à peregrinação a Jerusalém, talvez para a Festa dos Tabernáculos. Um grupo de cinco salmos (146-150), cada um distinguido por um grito de abertura e fechamento de “Louvado seja o Senhor” (halelûyāh), pode ter originalmente formado uma coleção separada. Um grupo de salmos que se sobrepõem a várias das categorias mencionadas anteriormente é o chamado “Saltério Elohístico” de Sal. 42–83, que se distinguem pelo uso frequente do nome divino ˒elōhîm “Deus” em vez de YHWH “Yahweh” ou “Senhor”, sugerindo uma coleta feita durante um período em que o nome da aliança Yahweh foi usado com cautela (cf. a duplicata salmos, 14 e 53).

O(s) editor(es) final(ais) do(a) Saltério apresentou a coleção em cinco livros, cada um terminando com uma doxologia, o salmo final (150) servindo como uma doxologia de encerramento para toda a coleção. Esta divisão quíntupla (1–41; 42–72; 73–89; 90–106; 107–150) levou à hipótese de que o(s) redatora(s) podem ter tido em mente a analogia dos cinco livros de Moisés, a Torá (Sl. 1), servindo como um prefácio para toda a coleção, ressalta a importância da meditação sobre a Torá de Deus para aqueles no caminho da justiça.

C. Superscrições 

As superscrições ou “títulos” encontrados na cabeça do número 116 dos salmos são geralmente considerados como tendo sido adicionados em um estágio posterior na compilação do Saltério. No entanto, a presença de notações que acompanham salmos fora do Saltério (2Sm 22:1; Is 38: 9; Hab. 3: 1, 19) sugere que algumas das superscrições podem ter acompanhado os salmos desde um estágio inicial de seus salmos.

Cinco tipos de informação são encontrados nas superscrições, muitas das quais são obscuras. (1) O salmo pode ser identificado com uma pessoa ou pessoas. (2) Uma nota sobre o cenário histórico do salmo pode aparecer. Treze dos salmos relacionados a Davi têm essas notas. A precisão histórica dessas anotações e seu papel no cânone são questionadas pelos estudiosos modernos. (3) Alguns salmos são classificados de acordo com o seu tipo: salmo (mizmôr), canto (šîr), oração (tep̱illâ), instrução (maśkîl) ou louvor (te-hillâ). A distinção entre esses termos é obscura, assim como o significado de outros tipos (miḵtām, šiggāyôn). (4) Alguns salmos têm notações indicando o uso litúrgico. Sal. 30 é “Uma canção na dedicação do templo”, Sl. 70 é “para a oferta memorial”, Sl. 92 “para o sábado”, e Sl. 100 “pela oferta de gratidão”. (5) As notações musicais que acompanham alguns salmos são as menos compreendidas. Enquanto certas instruções relativas ao acompanhamento musical são razoavelmente claras (por exemplo, bineg̱îôôṯ “com instrumentos de cordas”, el-hanneḥîlôṯ “para a flauta”), outras incluindo o frequente “Selah” (selâ), continuam a iludir a definição.


Gênero Literário e Contexto

A pesquisa sobre Salmos no século XX voltou sua atenção de questões históricas de autoria, data, lugar de origem e fontes para uma investigação das formas literárias ou gêneros dentro do Saltério e seu lugar no culto e piedade de Israel. Na premissa de que a literatura religiosa tende a assumir características formais que são resistentes à mudança, e que formas de padrões semelhantes foram usadas em contextos semelhantes, H. Gunkel (seus estudos foram publicados entre 1926 e 1933) colocou os salmos em categorias que continuam, com alguns refinamentos, para guiar a pesquisa do salmo.

A. Salmos de Lamentação 

Aproximadamente cinquenta e oito salmos podem ser classificados como lamentos. Destes, quarenta e dois são lamentos de um indivíduo, enquanto o restante são lamentos da comunidade. Surgindo de experiências corporativas ou individuais de desorientação, esses salmos contêm as expressões mais pungentes da dor humana e da esperança no Saltério. Lamentos comunais (por exemplo, 12, 44, 58, 60, 74, 80, 83, 85, 90) foram usados em tempos de angústia nacional, como a derrota na batalha, a dominação estrangeira, a peste e a fome (cf. o lamento sumário de Joel 2:17b, uma versão abreviada dos lamentos mais longos encontrados no Saltério e precedidos pela assembléia do povo [vv. 15-17a] e seguido por um oráculo de salvação [vv. 18-20] e uma canção de agradecimento [vv. 21–24]). Tais salmos de lamento, como a maioria dos salmos, perderam sua especificidade histórica através do uso repetido e da aplicação em contextos mutáveis. Os lamentos individuais (por exemplo, Sl. 3–4, 13, 22, 31, 39, 57, 69, 88, 139) surgiram de experiências individuais de sofrimento em situações de doença, injustiça, opressão ou conseqüências do pecado pessoal. “Salmos penitenciais” (6, 38, 51, 102, 130, 143) pertencem a esta categoria.

Aprofunde-se mais!

A forma dos lamentos comunitários e individuais é aproximadamente a mesma, embora uma grande quantidade de variação possa ser observada em ordem e ênfase: (1) um discurso a Deus com um grito de ajuda introdutório; (2) uma queixa na qual a natureza do sofrimento é indicada e a inocência ou culpa da parte é declarada; (3) uma confissão de confiança no poder de Deus para entregar; (4) uma petição pedindo a intervenção de Deus, às vezes acompanhada de motivações para que Deus aja; (5) uma garantia de ser ouvido por Deus, talvez ecoando as palavras de um sacerdote ou profeta; e (6) um voto de louvor em que o suplicante promete dar louvor público a Javé quando a libertação chegar. Todos os lamentos incluem o reconhecimento de que Deus é o único capaz de transformar a situação, e o louvor pela intervenção de Deus é antecipado.

B. Salmos de Ação de Graças 

O salmo de ação de graças (tôḏâ “louvor”) começa onde o lamento termina. Além da experiência de desorientação, depois da intervenção de Deus, o salmista canta graças a Deus e oferece seu sacrifício de ação de graças. Dois tipos de louvor podem ser discernidos nos Salmos, um louvando a Deus por quem ele é (descritivo) e o outro louvando a Deus pelo que ele fez em circunstâncias concretas, como uma colheita abundante ou livramento de inimigos (narrativa). Entre os vizinhos de Israel, canções narrativas de ação de graças eram reservadas a deuses pessoais e familiares e hinos de altos deuses, mas Yahweh mostrara-se soberano e pessoal. Assim, nos salmos de Israel, a distinção entre louvor narrativo (ação de graças) e louvor descritivo (hino) não foi dura e rápida.

Poucos salmos comunitários de ação de graças sobreviveram no Saltério (65, 67, 75, 107, 124), embora os salmos da história da salvação (78, 105-6, 135-36) com suas características narrativas tenham uma grande semelhança. O canto individual de ação de graças é melhor representado (18, 30, 32, 34, 92, 116, 118, 138; também 40:1-10 [MT 2–11]; 66:13-20), e uma estrutura geral pode ser discernido: (1) um anúncio de louvor e endereço ao Senhor; (2) uma seção central reiterando o lamento, o pedido de ajuda e a intervenção de Deus; e (3) uma conclusão de forma variada, muitas vezes renovando o voto de louvor e invocando a Deus para ajuda futura.

C. Hinos 

O hino de louvor descritivo tem seu cenário na adoração congregacional e não estava ligado a um evento específico. O hino louva a Deus em seu relacionamento com o universo, os reinos da terra e Israel em particular. A essência desses salmos pode ser melhor descrita como uma exposição dos temas duais da exaltada majestade de Deus como criador e Senhor e seu gracioso envolvimento com os humildes e fracos. A estrutura do hino é relativamente simples: (1) um chamado introdutório ao elogio dado no imperativo; (2) a parte principal do salmo, frequentemente introduzida por “para” ou “quem”, desenvolvendo os temas da majestade e graça de Deus; e (3) uma conclusão, freqüentemente renovando o chamado para louvar.

Os hinos podem ser categorizados de acordo com suas ênfases; Deus pode ser louvado como o criador de Israel (66:1-12; 100; 111; 149), o criador do mundo (8; 19:1-6 [MT 2-7]; 104; 148), ou o criador e governante da história (33, 113, 145-147).

D. Salmos de entronização 

Além das categorias básicas de lamento, agradecimento e hino estão várias classificações de salmos que são híbridas em forma e são classificadas de acordo com as características do assunto ou uso litúrgico. As primeiras canções de Israel eram canções narrativas de vitória, nas quais Yahweh era descrito como o guerreiro divino que libertara seu povo. Muitas vezes incorporando imagens emprestadas da mitologia dos vizinhos de Israel, tais salmos são encontrados também fora do Saltério (Êx 15; Deut. 33:2-5, 26-29; Jz 5; Êx 3:3-15), e pode ser representado em Sl. 18: 6–19 (MT 7–20) (par. 2 Sam. 22:7–20; 29; 68)

Intimamente relacionado com o tema de Deus como um guerreiro é a afirmação do seu reinado sobre Israel e as nações. Os salmos que afirmam o reinado de Deus com as palavras características YHWH mālāḵ “Yahweh é/se tornou rei” (47, 93, 96-99; RSV “o Senhor reina”) foram rotulados como salmos de entronização.

Um debate digno de nota ocorreu sobre o possível uso desses salmos em Israel. S. Mowinckel propôs a existência de um festival de Ano Novo de outono estabelecido durante a Monarquia, ao longo das linhas de celebrações semelhantes nos cultos reais babilônicos e canaanitas. Neste festival, a vitória anual de Yahweh sobre os poderes cósmicos e históricos foi reencenada, junto com sua entronização mais uma vez como rei sobre toda a criação. Isso foi celebrado com o grito: “Yahweh se tornou rei”. A. Weiser, por outro lado, defendeu um festival de aliança de outono baseado nas tradições históricas de Israel e na renovação de seu pacto com Yahweh. Essas e outras abordagens têm sido amplamente discutidas nos estudos de Salmos. Parece improvável que Israel tivesse adotado a visão cíclica da história de seus vizinhos, como sugeriu Mowinckel, ou implicaria que seu rei eterno (93: 2) precisa novamente ser entronizado. A possibilidade de uma celebração da realeza de Yahweh na festa de Outono dos Tabernáculos não deve ser descartada, no entanto. Olhando para trás nas vitórias passadas de Yahweh (96: 2–3), Israel teria louvado a Deus como seu atual rei (vv. 7–10) e antecipado o futuro estabelecimento de seu governo entre as nações (v. 13).


E. Salmos Reais 

Intimamente relacionados com a confissão do reinado de Yahweh são os salmos associados com a dinastia davídica, todos os quais têm alguma referência ao rei, embora sejam diversos em declaração e uso. Pss. 2, 72, 101, 110 podem ter sido usados em cerimônias de coroação. Em 20, 89, 144 é pedido a Deus que dê ao rei a vitória na batalha, e em 18, 21 o rei agradece a Deus pela vitória. Ps. 45 parece ter sido composto por um casamento real e reflete aspectos da cerimônia.

Estes salmos, que enfatizam a estreita associação do rei davídico com o rei celestial como filho deste último (2:7), como o senhor, à direita de Deus (110:1), e como “o ungido” (mãsíáh, 18:50 [MT 51]; 20: 6 [MT 7]), foram entendidos pela igreja primitiva para falar de Cristo. Seu cumprimento em Cristo é justamente enfatizado pelos cristãos, mas não às custas de negligenciar sua origem e uso na teologia e cerimônias reais de Israel.

F. Salmos Litúrgicos 

Vários salmos podem ser ligados à atividade litúrgica por meio de seu diálogo antifônico ou alusões a ações litúrgicas. Sl. 15, 24 são liturgias de entrada no templo, com o Sl. 24 sugerindo uma procissão com a arca. Sl. 115 é litúrgico em seu formato de pergunta e resposta, endereço e resposta. Dos Cânticos da Ascensão (120-134), apenas 122 parece ter sido originalmente composto por uma peregrinação, enquanto 134 reflete o ponto alto da adoração no templo em seu chamado ao louvor e bênção sacerdotal. Os Cânticos de Sião (46, 48, 76, 84, 87, 122) concentram-se na glória de Jerusalém e no monte santo, Sião, que Deus escolheu para sua morada.

G. Salmos da Sabedoria e da Torá 

Um punhado de salmos não pode ser classificado como cânticos ou orações, mas são literários em composição e distinguem-se por suas instruções dadas na forma de sabedoria. Embora os estudiosos difiram em relação à classificação, Sl. 36–37, 49, 73, 112, 127–28, 133 parecem ter características dos ensinamentos de sabedoria de Israel. Intimamente relacionado a esses salmos no assunto estão os três salmos de Torá (1; 19:7–14 [MT 8–15]; 119), que exaltam as glórias da lei de Deus ou inspiram o leitor à obediência justa.

Aprofunde-se mais!

Teologia

Nas orações, lamentos e louvores de Israel, a profundidade do conhecimento das pessoas sobre Deus recebeu sua expressão mais certa, pois na presença e até mesmo na sentida ausência de Deus, os poetas de Israel foram capazes de forjar novas expressões de fé até então inexploradas. Teologia era doxologia, e sobre os louvores de seu povo Yahweh foi entronizado (Sl 22:3 [MT 4]).

A majestade e a graça de Deus não foram reduzidas a uma abstração, mas foram refratadas através das imagens concretas da cultura e das instituições de Israel. Deus não era para ser conhecido em si mesmo, mas em relação ao seu povo. Ele governou como rei, salvou como guerreiro, fez justiça como juiz e se importava como pastor. Israel podia registrar sua reverência diante de sua majestade e graça, e ainda expressar intimidade e ousadia nas provações e desafios do lamento. Os Salmos prestam testemunho da força do vínculo da aliança entre Deus e o povo, bem como com o caráter do Deus que o sustentou.

Da criação à recriação, nenhum tema teológico de significância está faltando no Saltério. No entanto, sua força e propósito não é como um texto teológico, mas como um guia ricamente variado para a percepção, experiência e adoração a Deus. A resposta de Israel ao seu criador e redentor foi uma resposta autorizada por Deus, e a natureza atemporal dessa resposta é testemunhada na longa história do Saltério, a reaplicação de sua mensagem pela Igreja primitiva (particularmente Sl. 2, 22, 110, 118), e seu uso continuado e interpretação por judeus e cristãos ao longo dos séculos. Em suas imagens concretas e profundidade de expressão, os Salmos formaram a base da fé e da adoração.



Bibliografia
L. C. Allen, Psalms 101–150. WBC (1983); A. A. Anderson, Psalms, 2 vols. NCBC (1972; repr. 1981); P C. Craigie, Psalms 1–50. WBC (1983); S. Mowinckel, The Psalms in Israel’s Worship (Nashville: 1962); A. Weiser, The Psalms. OTL (1962); C. Westermann, Praise and Lament in the Psalms, rev. ed. (Atlanta: 1981).