segunda-feira, janeiro 21, 2019

Bebidas nos Tempos Bíblicos

Bebidas nos Tempos Bíblicos

A bebida comum dos judeus era a água, que era extraída dos poços e fontes públicas (Jo 4:6-7), e que não deveria ser recusada a ninguém (Mt 25:35). A água também era a bebida habitual dos egípcios. Viajantes modernos atestam que a água do Nilo, depois de ter sido depositada em jarros para assentar, é particularmente saudável e agradável, e é consumida em grandes quantidades; enquanto que dos poucos poços a serem encontrados naquele país raramente é palatável, sendo desagradável e insalubre. Quando os habitantes modernos do Egito partem dali a qualquer hora, eles não falam de nada além do prazer que encontrarão ao voltar ao beber a água do Nilo. O conhecimento desta circunstância dá uma energia peculiar às palavras de Moisés, quando ele anunciou ao Faraó que as águas do Nilo seriam transformadas em sangue, mesmo nos vasos muito filtrantes; e que os egípcios deveriam “detestar beber da água do rio” (Êxodo 7:17-19); isto é, eles deveriam detestar beber daquela água que eles preferiam e ansiosamente ansiar por isso. As pessoas comuns entre os maometanos bebem água; os ricos e nobres bebem uma bebida chamada sherbet, que antigamente era usada no Egito (Gênesis 40:11), onde também se usava algo como nossa cerveja, denominado vinho de cevada, embora provavelmente não tão antiga quanto o tempo de Moisés. .

A bebida forte, שֵׁכָר, shekar’, ou σίκερα, de Luc 1:15, mencionou Lev 10:9, significa qualquer tipo de licores fermentados, seja preparado a partir de milho, tâmaras, maçãs ou qualquer outro tipo de frutas e sementes. Depois do estabelecimento dos israelitas em Canaã, eles beberam vinho de diferentes tipos, que era preservado em peles. O vinho tinto parece ter sido o mais estimado (Pro 23:31). No tempo de Salomão foram usados vinhos condimentados, misturados com o suco da romã (Son 8:2), e também com mirra. O vinho também foi diluído com água e dada ao comprador em vez de bom vinho, e consequentemente foi usado figurativamente para qualquer tipo de adulteração (Is 1:22). O vinho no Oriente foi freqüentemente diluído depois que foi comprado, como pode ser inferido a partir de dois verbos árabes, que ainda permanecem a indicar sua diluição. Do vinho puro foi feita uma bebida artificial chamets’, que era tomada em refeições com legumes e pão. Também era uma bebida comum (Num 6:3) e era usada pelos soldados romanos (Mat 27:48). Vinhos medicinais, ao que parece, foram dados àqueles que deveriam ser crucificados, a fim de atenuar o limite da dor e diminuir a agudeza da sensibilidade, o que pode explicar a passagem em Mat 27:34.

Os vasos usados para beber entre os judeus eram a princípio chifres; mas estes foram posteriormente usados apenas para o propósito de realizar a cerimônia da unção. Os outros vasos de beber eram copos e taças. A taça era de latão coberto com estanho, em forma parecida com um lírio, embora às vezes circular; ele é usado pelos viajantes até hoje e pode ser visto nas duas formas nas ruínas de Persépolis. A tigela em forma geralmente se assemelhava a um lírio (Êx 25:33), embora possa ter variado, pois tinha muitos nomes. Alguns não tinham cobertura e eram provavelmente de forma circular, como os nomes hebraicos parecem indicar. Taças deste tipo que pertenciam aos ricos eram, no tempo de Moisés, feitas de prata e ouro, como aparece em Num 7:84. Os vasos maiores, dos quais o vinho era despejado em xícaras, eram chamados de urnas, garrafas, pequenas garrafas e uma garrafa de concha, kad, com um pequeno orifício. - Jahn, Arqueologia, § 144.


Fonte: Cyclopedia of Biblical, Theological and Ecclesiastical Literature, preparado pelo Rev. John McClintock e James Strong, 1895

Nenhum comentário:

Postar um comentário