2019/08/25

João 2 — Contexto Histórico Cultural

Contexto Histórico Cultural




João 2

2:1-11
Primeiro sinal de Jesus
Jesus valoriza a honra do noivo acima das exigências da pureza ritual.
2:1 — “Terceiro dia” aqui não se refere ao terceiro dia da semana, porque as virgens se casaram no quarto dia (quarta-feira) e as viúvas no quinto; nem parece se encaixar na contagem de dias em 1:29, 35, 43. Presumivelmente, significa simplesmente (como costumava fazer) “o terceiro dia após o evento apenas narrado” (contando os dias inclusive, de modo que era o dia após o dia seguinte). Mas escritores antigos muitas vezes excluíam segmentos de seus trabalhos começando e terminando na mesma nota (uma prática chamada inclusio); assim, João pode usar essa designação para apontar para 2:19 e relacionar essa história (2:1-11) com a previsão da morte e ressurreição de Jesus (ver em 2:4). “Cana” pode ser Kefar Kanna (mais de cinco quilômetros de Nazaré), mas a maioria dos estudiosos prefere Khirbet Kana (mais de oito milhas de Nazaré). Qualquer um dos locais seria uma longa caminhada, perto o suficiente de Nazaré para explicar como o anfitrião conhece a família de Jesus.

2:2 — Os casamentos duraram, idealmente, sete dias e os anfitriões convidaram o maior número possível de pessoas, especialmente convidados ilustres, como professores proeminentes. Muitos convidados vinham apenas parte do tempo, no entanto, tornando os recursos necessários mais difíceis de prever.

2:3 — Ficar sem vinho em um casamento era um faux pas social que poderia se tornar o tema dos gracejos desta vila por anos; o anfitrião era responsável por fornecer aos convidados vinho adequado, mesmo que a festa durasse sete dias.

As mulheres estavam frequentemente mais perto de onde o vinho e a comida eram preparados; assim, Maria aprende da falta de vinho antes que a palavra chegue a Jesus e aos outros homens. Suas palavras podem ser uma maneira educada do Oriente Médio de implicar que ele deveria fazer alguma coisa; os convidados deviam ajudar a cobrir as despesas do casamento com seus presentes, e parece que o amigo deles precisa de alguns presentes extras agora.

2:4 — “Mulher” era um endereço respeitoso (como “Ma’am”), mas dificilmente um endereço habitual para a mãe dela. A declaração de Jesus aqui estabelece uma distância ainda mais educada (embora “O que eu tenho a ver com você” seja geralmente uma expressão dura, não polida, na linguagem bíblica). A “hora” pode referir-se à hora da sua morte. Porque a “hora” de Jesus em João refere-se especialmente à cruz, aqui Jesus está dizendo: “Uma vez que eu comece a fazer milagres, eu começo o caminho para a cruz.”

2:5 — Como muitos buscadores de Deus no Antigo Testamento que não aceitavam um não como resposta (Gn 32:26-30; Êx 33:12-34:9; 1 Reis 18:36-37; 2 Reis 2:2, 4, 6, 9; 4:14-28), Maria age com confiança de que Jesus a ouvirá. Os antigos leitores judeus, que contavam histórias de milagres que insistiam em que Deus enviaria chuva, liam a ação de Maria como demonstrando uma fé forte. Suas palavras podem evocar palavras similares de Faraó a respeito de José, um provedor capacitado por Deus (Gn 41:55).

2:6 — A descrição dos jarros de pedra indica que eles continham água suficiente para encher uma piscina de imersão judaica usada para purificação cerimonial. Embora os fariseus proibissem armazenar essa água em jarros (e os essênios e os saduceus também evitavam isso), alguns judeus eram provavelmente menos rigorosos. O povo judeu também derramava água sobre as mãos para purificá-las, mas jarros tão grandes não seriam adequados para o derramamento direto, embora a água pudesse ser retirada deles. Em qualquer caso, esses grandes jarros estavam sendo reservados para fins rituais. Empregar reservatórios reservados para purificação para fins não-rituais violados; Jesus aqui valoriza a honra do anfitrião acima dos costumes de pureza ritual. Jarros de pedra eram comuns porque eram menos propensos a contrair a impureza ritual do que aqueles feitos de outras substâncias.

2:7 — Os frascos foram consagrados para uso sagrado; Jesus mostra mais preocupação pelo casamento de seu amigo do que pelo ritual contemporâneo.

2:8 — “Mestre do banquete” era uma posição de honra (Sirach 32:1-2); Um de seus principais deveres era regular a distribuição de vinho para evitar o excesso que arruinaria o partido (especialmente em um contexto judaico). Pelo menos nos banquetes gregos, os convidados às vezes elegiam essa pessoa; outras vezes, o anfitrião o selecionava ou ele seria escolhido por sorteio. Seu papel incluía presidir o entretenimento e controlar o nível de diluição do vinho; assim, alguns observadores poderiam tê-lo responsabilizado em parte pelo término prematuro do vinho do anfitrião.

2:9-10 — Logo após a colheita da uva, todo o vinho conteria algum álcool (nem a refrigeração nem o selamento hermético existiam). Mas o nível de álcool do vinho não aumentou artificialmente (a destilação não estava em uso); em vez disso, o vinho foi diluído, com (em média) duas a três partes de água para uma parte de vinho. Às vezes, nos partidos gregos, a embriaguez era induzida por menos diluição ou pela adição de toxinas herbáceas, mas os professores judeus desaprovavam tais práticas; que a embriaguez faz parte da celebração em Caná é improvável. No entanto, normalmente fazia sentido servir primeiro o melhor vinho, porque, bêbados ou não, os sentidos dos convidados se tornavam mais entorpecidos à medida que os sete dias de banquetes prosseguiam.

2:11 — Deus frequentemente manifestou sua glória fazendo sinais (Êx 16:7; Nm 14:22; para glória, cf. comentário sobre João 1:14). O primeiro sinal público de Moisés foi transformar água em sangue (Êx 7:20; cf. Apocalipse 8:8); O primeiro sinal de Jesus é transformar a água em vinho.

2:12-25
A criação de um novo templo
Especialmente no rastro devastador da recente destruição do templo (70 d.C.), as advertências anteriores de Jesus sobre o antigo templo e o anúncio de um novo seriam bastante relevantes para os ouvintes de João.

2:12-13 — Judeus piedosos que podiam participar da Páscoa em Jerusalém costumavam fazê-lo; Diferentemente do povo judeu em terras distantes, os galileus podiam fazer a peregrinação regularmente. Os galileus subiram a Jerusalém (por causa da elevação mais alta de Jerusalém).

2:14 — As ovelhas e as pombas (e, em menor grau, o gado; cf. Lv 1:3-9; 4:2-21; 8:2; 22:21) eram necessárias para os sacrifícios das pessoas; cambistas foram necessários para padronizar as moedas estrangeiras e galileanas em moedas úteis para os vendedores dos animais sacrificiais.

2:15-16 — Jesus insiste em uma prioridade diferente para a atividade no templo; cf. talvez Malaquias 3:1-6.

2:17  — Os discípulos lembram o Salmo 69:9, um salmo de um justo sofredor. Salmo 69:21 fala de vinagre sendo dado a ele para beber (cf. Jo 19:29). No contexto de João, o zelo de Jesus “o consome, trazendo sua morte para o mundo” (cf. 6:51).

2:18 — Alguns judeus esperavam que os líderes proféticos validassem sua autoridade com sinais. (Alguns, por exemplo, afirmaram ser capazes de separar o Jordão ou derrubar os muros de Jerusalém, como um novo Moisés ou Josué.)

2:19-20 — Muitos grupos no judaísmo esperavam um templo novo ou transformado. Mas o antigo templo era um dos edifícios mais magníficos da antiguidade, o símbolo ao qual o resto do judaísmo parecia. Para a maioria dos judeus, e especialmente para a aristocracia que controlava o templo de Jerusalém, falar da morte do templo soava como se opor a Deus. Herodes, o Grande, começou a trabalhar no templo entre 20 e 19 a.C. e o trabalho continuou até o ano 64 dC; seu quadragésimo sexto ano mencionado aqui coloca as palavras de Jesus em 27 dC

2:21-22 — Uma palavra profética era frequentemente entendida apenas retrospectivamente (por exemplo, 2 Reis 9:36-37; as palavras do oráculo de Delfos para Creso). Muitos intérpretes judeus (atestados especialmente nos Manuscritos do Mar Morto) interpretaram as Escrituras dessa maneira.

2:23-25 Frequentemente, pensava-se que os milagrosos conheciam alguns corações, mas acreditava-se que apenas Deus, que era chamado de “pesquisador dos corações”, conhecia os corações de todas as pessoas.

Índice: João 1 João 2 João 3 João 4 João 5 João 6 João 7 João 8 João 9 João 10 João 11 João 12 João 13 João 14 João 15 João 16 João 17 João 18 João 19 João 20 João 21

Nenhum comentário:

Postar um comentário