2019/09/02

Entenda Filipenses 1

Entenda Filipenses 1

Entenda de Filipenses 1



Filipenses 1

1. Saudação e Oração Apostólica de Paulo (1:1-11)
Os versículos de abertura das cartas de Paulo costumam introduzir os principais temas da epístola a seguir, e Filipenses não é exceção. Embora Paulo siga as convenções de escrever cartas de seu tempo, ele não é limitado por elas e as usa para promover seus propósitos por escrito. Assim, nas frases de abertura da Carta aos Filipenses, Paulo apresenta o grande tema da parceria dos Filipenses com ele no evangelho, que caracterizará toda a epístola. Ele também apresenta a ideia de serviço humilde em prol do evangelho, que é um aspecto da verdadeira parceria no evangelho.

A. Endereço e saudação (1:1-2). Paulo começa a carta com uma saudação epistolar padrão:ele se apresenta como escritor, nomeia os destinatários da carta e depois adiciona uma pequena nota pessoal. Mas mesmo nesta introdução padrão, Paulo consegue introduzir um forte senso de propósito cristão e um tom caloroso e alegre com sua bênção: Graça e paz para você de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo” (1:2).

Nesta introdução, Paulo lista Timóteo juntamente com ele mesmo, não como co-autor, mas como companheiro (ver Filipenses 2:19–23). Timóteo provavelmente estava com Paulo em Roma no momento em que esta carta foi escrita. Ao mencionar o nome de Timóteo com o seu, Paulo dá honra a Timóteo e mostra aos filipenses a importância deles para ele e a igreja em Roma. O próprio Paulo não apenas ama os filipenses, mas também está intimamente associado a outros que cuidam deles (ver Fil. 2:20). Paulo também menciona Timóteo e a si mesmo, porque ele pretende usar os dois como exemplos de verdadeiros obreiros do evangelho mais adiante nesta carta. Ao contrário da maioria de suas outras cartas às igrejas, Paulo não se refere a si mesmo como apóstolo, mas como “servo”. Aqui Paulo se apresenta e Timóteo como aqueles que são “servos de Cristo”, que se tornaram servos por causa de a igreja (ver Filipenses 2:6–11). Não há indicação nesta carta de que haja uma disputa sobre se Paulo é apóstolo ou se ele tem ou não autoridade para instruir e repreender a igreja filipina. Seu relacionamento com esta igreja e sua autoridade são assumidos. Ao chamar a si mesmo e a Timóteo de “servos”, Paulo também está chamando os filipenses de servos e preparando o terreno para seu chamado à humildade na igreja filipina. Esse é um chamado à unidade, que está enraizado no serviço a Cristo e mais tarde será demonstrado pelos exemplos de Cristo, Paulo, Timóteo e Epafrodito (2:6-3:21).

Paulo passa a dirigir-se à congregação, chamando-os de “santos [NVI” povo santo “] em Cristo Jesus” (1:1). Chamá-los de “santos” também os marca como povo de Deus. O uso de “em Cristo Jesus” os lembra que não foi por meio de sua própria força e santidade que eles se tornaram o povo de Deus, mas por causa do que Deus fez em Cristo. Paulo então se dirige a dois grupos de pessoas dentro da igreja filipina:os superintendentes e diáconos. Nenhum desses termos é exclusivamente cristão; Paulo os emprestou do mundo greco-romano e os redefiniu. O termo “superintendentes” é frequentemente traduzido como “bispos”. Esses “superintendentes” não eram bispos no sentido em que os conhecemos hoje. Havia vários “bispos” em cada igreja que funcionavam como líderes dentro da igreja. A palavra “diácono” era frequentemente usada no mundo greco-romano para se referir aos responsáveis pela distribuição de alimentos e mercadorias. Paulo usa o termo aqui para se referir às pessoas da congregação filipina que são responsáveis por administrar e distribuir alimentos e bens para os pobres e necessitados. É provável que Paulo esteja agradecendo a essas pessoas porque elas ajudaram a organizar o auxílio enviado a ele com Epafrodito (ver Filipenses 2:25).

Paulo conclui sua saudação desejando aos filipenses “graça” e “paz” (1:2). Ele primeiro deseja a eles “graça”, que é o favor imerecido de Deus, e depois “paz”, que é o resultado da graça de Deus em ação na vida dos crentes. A bênção de Paulo é um lembrete de que “graça” e “paz” não vêm dele, mas de Deus Pai por meio de Jesus Cristo.

B. Ação de graças e confiança de Paulo (1:3-8). Paulo muda de sua habitual saudação para um tempo de ação de graças e oração. Ele não apenas agradece a Deus quando pensa nos filipenses, mas ora por eles com alegria, apesar de sua posição na prisão. Paulo alega que a razão de sua alegre oração e graças a Deus é que a igreja de Filipos fez parceria com Paulo na obra do evangelho (1:5). Essa “parceria” é melhor compreendida em termos de comunhão com Paulo em sua proclamação do evangelho. Os filipenses se uniram a Paulo na missão do evangelho com suas palavras, seus corações e suas obras. Assim, Paulo é grato por seu amor e por seu apoio financeiro em sua prisão. Essa comunhão que Paulo compartilha com os filipenses tem sido longa e proveitosa. De fato, Paulo afirma que eles estavam em comunhão desde o primeiro dia.

Enquanto Paulo ainda está acorrentado e em julgamento, ele está confiante sobre o futuro da congregação filipina. Ele está confiante não apenas pelo desejo de proclamar o evangelho, mas também porque nem a igreja em todo o mundo nem a igreja em Filipos dependem apenas de Paulo. Eles fazem parte da igreja de Deus, e Paulo está confiante de que Deus, que é fiel, continuará a trabalhar nos corações dos Filipenses e os transformará, independentemente de Paulo estar ou não presente. Desde que Deus “começou uma boa obra” (1:6), Paulo confia na fidelidade de Deus para continuar a obra. Essa atitude é uma expressão clara da humildade de Paulo diante de sua situação. Ele não se destaca como importante e insubstituível na missão do evangelho. Ele é, acima de tudo, confiante no plano de Deus e no poder de Deus, não em sua própria importância no plano de Deus. A obra de Deus na igreja das Filipinas continuará até que seja concluída no dia em que Cristo retornar (1:6); porque Deus está no controle, ele tem um plano e é sempre fiel.

Paulo continua a abrir seu coração aos filipenses, dizendo a eles o quanto ele se importa e como os mantém profundamente dentro de seu coração (1:7). Não apenas ele se sente assim, mas sua afeição por eles é compreensível porque eles estão compartilhando a graça de Deus com ele. Este versículo é uma referência aos presentes de auxílio que a igreja de Filipos enviou a Paulo. Paulo está preso em Roma, mas os filipenses estão compartilhando seu sofrimento através de suas orações, amor e ajuda financeira. Ao compartilhar o sofrimento de Paulo, eles também compartilham da graça que Paulo está recebendo de Deus como resultado desse sofrimento. Aqui Paulo começa a se oferecer como um exemplo para os filipenses, um exemplo que ele delineará completamente em 3:1–21. A vida e a palavra de Paulo proclamam o evangelho, mesmo atrás das grades, enquanto ele continua “defendendo e confirmando o evangelho” (1:7). Paulo está lutando pelo bem do evangelho quando está sendo julgado; mas, independentemente do que ele esteja fazendo, os filipenses estiveram lá por ele, e ele os mantém em seu coração, independentemente da distância física entre eles. Paulo termina com um juramento atestando sua compaixão e desejo de estar presente com a congregação (1:8).

C. A oração apostólica de Paulo (1:9–11). Depois de falar de seu amor pelos filipenses e de sua gratidão por sua generosidade, Paulo passa a orar por eles. Embora essas orações sejam características padrão das cartas do primeiro século, Paulo usa essa oração para promover suas preocupações pastorais pelos filipenses. Ele começa sua oração pelos filipenses com uma súplica para que a congregação cresça em amor e discernimento e depois declara o propósito desse amor:uma vida de santidade. Ele primeiro ora para que os filipenses sejam abundantes em amor e na verdade do evangelho (1:9). Amor e discernimento andam juntos por Paulo. Ele chama os filipenses a amarem de tal maneira que o amor deles se funda na verdade e no entendimento. Paulo deseja que os filipenses tenham esse amor e discernimento para que possam viver uma vida de santidade e obediência a Deus, para que “sejam puros e irrepreensíveis para o dia de Cristo” (1:10). Essa vida de santidade é ela mesma uma proclamação da verdade do evangelho, e Paulo chama os filipenses a cumprir esse chamado. Na parte final de sua oração, Paulo nos diz as características desta vida santa. É antes de mais nada preenchido com o “fruto da justiça” (1:11). Esse fruto é a realização do amor, que encontra sua fonte última em comunhão com Jesus Cristo. Ele é a fonte do fruto que se mostrará na vida dos filipenses, se eles abundam em amor. Mais do que isso, Cristo é o exemplo supremo a seguir no caminho para a vida santa. Uma característica da vida santa é que ela dá glória e louvor a Deus (1:11). Louvor e glorificação de Deus é o objetivo do discernimento correto e da conduta correta.

2. A ambição e a alegria de Paulo são o evangelho de Cristo (1:12–26)
Nesta seção, Paulo aborda a ansiedade dos filipenses em seu nome. Ele sabe que eles cuidam dele, como evidenciado por sua ajuda e pela mensagem enviada por Epafrodito (2:25). Paulo também sabe que sua prisão é angustiante para eles e que eles consideram isso um prejuízo para o avanço do evangelho. Paulo deseja dissipar suas preocupações e corrigir seus pensamentos errados sobre o que constitui a verdadeira proclamação do evangelho.

A. A condição e a missão do evangelho (1:12–18a). Em primeiro lugar, Paulo quer ajudar os filipenses a entender que sua condição não prejudicará a missão do evangelho, mas a beneficiará (1:12). Embora possa parecer que sua condição física e a possibilidade de sua execução sejam a preocupação mais premente, Paulo se concentra primeiro no que é mais importante para ele:o evangelho de Jesus Cristo. As boas novas da vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo e sua proclamação foram o elemento central sobre o qual Paulo pendurou todas as suas esperanças e às quais dedicou sua vida. Pode parecer que, como prisioneiro em Roma, Paulo não estava em uma situação em que pudesse cumprir a missão de sua vida e, portanto, estivesse em profundo desespero. No entanto, Paulo diz aos filipenses que o oposto se provou de duas maneiras. Primeiro, as pessoas estão começando a entender o motivo da prisão de Paulo e, portanto, o evangelho está sendo “pregado” por causa de sua prisão. O modo como Paulo expressa sua condição, “acorrentado a Cristo”, denota algo além da razão legal de sua prisão. Paulo está acorrentado não apenas por causa de Cristo, mas por Cristo (1:13). Os que estão ao redor de Paulo veem que ele está na prisão como um serviço a Cristo. Como resultado, eles estão curiosos sobre o evangelho pelo qual Paulo sofre de boa vontade. Segundo, o sofrimento de Paulo por Cristo inspirou muitos na igreja de Roma a pregar a Palavra de Deus com ousadia e destemor (1:14). Paulo é uma inspiração e um exemplo para eles. Seu sofrimento acabou tendo o resultado exatamente oposto ao que se esperaria. Em vez de seu encarceramento incitar o medo nos cristãos e provocar nojo de seus guardas, a igreja foi inspirada a pregar mais, e os guardas foram expostos à verdade do evangelho na vida de Paulo.

Em seguida, enquanto ainda discute a missão do evangelho, Paulo antecipa uma objeção. Ele afirma que seu testemunho está inspirando a igreja romana a pregar o evangelho, mas e aqueles na igreja que não gostam dele? Ele reconhece que as pessoas da comunidade romana podem estar pregando o evangelho por razões menos que nobres (1:15), razões que ele considera incompatíveis com a verdadeira humildade cristã, pois ele a identifica em 2:4. Mas aqui Paulo não se preocupa com os motivos das pessoas; ele simplesmente se alegra na proclamação do evangelho. Aqueles que proclamam o evangelho “por inveja e rivalidade” (1:15) ainda estão pregando o evangelho, e isso é realmente tudo o que importa para Paulo (1:18). Esta declaração é o centro de toda essa seção e reflete a posição de Paulo em sua prisão. Não importa se Paulo é amado ou não, se ele está sofrendo ou não; importa apenas que a obra de Deus esteja sendo realizada e que a causa do evangelho esteja avançando. No início da epístola, Paulo fala sobre ver a obra de Deus sendo feita na vida dos filipenses e se alegra (1:3–6). Paulo reconhece que o sucesso do evangelho e a obra de Deus não depende dele. Nesta humildade, Paulo reconhece que, estando ou não com os filipenses, Deus é fiel e continuará a trabalhar. Se Paulo está na prisão ou livre, Deus é fiel, e a mensagem do evangelho continuará a se espalhar.

B. A própria condição de Paulo (1:18b-26). Depois de afirmar a condição triunfante do evangelho, Paulo passa a discutir sua própria condição. Embora os filipenses estejam preocupados com Paulo, ele se alegra porque não está sem ajuda. Ele é apoiado pelas orações dos filipenses e pela ajuda do Espírito Santo. Assim, Paulo está confiante de que sua condição resultará não apenas para o benefício do evangelho, mas também para o seu próprio benefício (1:19). Ele afirma que, com a ajuda que recebeu, ele será entregue. Em 1:20, Paulo detalha como ele foi ajudado e a natureza de sua libertação. Por fim, o objetivo de Paulo para sua vida é exaltar continuamente Cristo em seu corpo (1:20). Ele deseja a coragem de glorificar a Deus, independentemente das circunstâncias. Assim como Paulo reconheceu seu papel como exemplo para os filipenses, ele os lembra que sua vida é o resultado de seguir o exemplo supremo de Jesus Cristo.

3. O grande exemplo de Cristo e da vida vivida de acordo com a verdade do evangelho (1:27–2:18) Confiante na parceria dos filipenses no evangelho, Paulo agora os chama a levar uma vida digna do evangelho e coloca o grande exemplo de Cristo diante deles. Somente modelando suas vidas na vida de Cristo é que uma comunidade cristã espera alcançar a verdadeira unidade e proclamar o evangelho em humildade e retidão. O grande hino de Cristo em Filipenses 2:6–11 é uma das passagens mais famosas do Novo Testamento, e mais foi escrito sobre ele do que qualquer outra parte de Filipenses. Mas é importante vê-lo em seu contexto na epístola. O exemplo supremo de Cristo faz parte da exortação pastoral de Paulo à igreja das Filipinas, e ele espera que aqueles que seguem a Cristo incorporem as mesmas características do Senhor a quem servem. Quaisquer conclusões teológicas baseadas neste hino precisam ser entendidas neste contexto pastoral. Esta seção é principalmente uma exortação à unidade e humildade cristã no serviço de outras pessoas, seguindo o exemplo de Cristo. Quando os filipenses viverem dessa maneira, eles se tornarão os verdadeiros parceiros de Paulo no serviço do evangelho.

A. Uma exortação a uma vida digna do evangelho (1:27–30). Embora Paulo esteja confiante de que verá os filipenses novamente, essa confiança vem do amor de Paulo pela congregação e do fato de que ele sabe que eles ainda precisam dele como pastor, não de qualquer certeza profética. Assim, Paulo começa sua seção de instruções pastorais com “O que quer que aconteça. . . “(1:27). Paulo reconhece que não está no controle da situação, mas humildemente reconhece a soberania de Deus. Paulo reconhece que ele pode vir vê-los ou ouvir apenas sobre eles (na prisão ou na morte), mas, mesmo assim, deseja que eles vivam vidas dignas do evangelho de Cristo (1:27). Uma vida modelada após o evangelho de Cristo tem manifestações internas e externas. O aspecto interno desta vida evangélica é declarado aqui como unidade, mas também contém a importante virtude da humildade. Paulo chama os filipenses para permanecerem em um espírito e como um corpo (1:27). Eles devem permanecer em unidade como o corpo de Cristo, a igreja. Esta é a importante evidência interna de uma vida digna do evangelho. O aspecto externo desta vida é visto no efeito que uma verdadeira comunidade cristã tem no mundo pagão ao seu redor. Paulo está chamando os filipenses para defender a fé no evangelho (1:27). Contudo, esse efeito no mundo fora da igreja só pode ocorrer quando a igreja é fiel ao seu chamado à unidade e fé no evangelho.

Em 1:27–30, Paulo sugere as semelhanças entre a situação dos Filipenses e a sua própria situação em Roma. A igreja filipina está enfrentando oposição em Filipos e está sendo testada e provada. Embora alguns membros da congregação tenham ficado com medo, Paulo os chama a lembrar que a salvação deles é encontrada em Deus (1:29). Não apenas eles têm a promessa de salvação e a destruição daqueles que os perseguem, mas sua situação é um presente de Deus. Embora a maioria dos cristãos tenha fé suficiente para crer em Cristo, os filipenses receberam a honra de sofrer por causa de Cristo, mesmo passando pela mesma situação que o próprio Paulo. Paulo chama a luta deles de “o mesmo” para lembrá-los do que ele disse em 1:7, a saber, que ao compartilhar seu sofrimento, eles compartilham a graça que Deus está derramando sobre ele. Ao equiparar o sofrimento deles ao dele, Paulo lembra aos filipenses a graça de Deus que os fortalecerá através de qualquer provação.



Bibliografia
Barth, Karl. The Epistle to the Philippians. Translated by James W. Leitch. London: SCM, 1962.
Craddock, Fred B. Philippians. Interpretation. Atlanta: John Knox, 1985.
Fee, Gordon D. Paul’s Letter to the Philippians. New International Commentary on the New Testament. Grand Rapids: Eerdmans, 1995.
Martin, Ralph P. The Epistle of Paul to the Philippians. Tyndale New Testament Commentaries. Grand Rapids: Eerdmans, 1959.
Motyer, J. A. The Message of Philippians: Jesus Our Joy. The Bible Speaks Today. Downers Grove, IL: InterVarsity, 1991.
Osiek, Carolyn. Philippians, Philemon. Abingdon New Testament Commentaries. Nashville: Abingdon, 2000.
Silva, Moisés. Philippians. Baker Exegetical Commentary on the New Testament. Grand Rapids: Baker Academic, 2005.
Thurston, Bonnie B. Philippians. Sacra Pagina 10. Collegeville, MN: Liturgical Press, 2005.
Witherington, Ben, III. Friendship and Finances in Philippi: The Letter of Paul to the Philippians. Valley Forge, PA: Trinity Press International, 1994.

Nenhum comentário:

Postar um comentário