2020/08/09

Apocalipse 11:1 — Comentário Exegético

Apocalipse 11 — Comentário Exegético

Apocalipse 11 — Comentário Exegético




João mede o templo e o altar (11:1–2)

Pela segunda vez (com 10:8-10), João é convidado a realizar uma ação profética semelhante a feita por Ezequiel e Jeremias. O primeiro envolveu seu serviço de comissionamento e disse à igreja que experimentaria a vitória por meio do sofrimento. Esta ação reitera o motivo do sofrimento, mas adiciona o tema da mão protetora de Deus sobre seu povo. Em 3:10 a igreja de Filadélfia foi informada de que Cristo iria “guardá-la da hora da prova”, e em 7:3-4 um anjo colocou “um selo na testa dos servos de nosso Deus”, significando propriedade divina e proteção. Como resultado, os gafanhotos foram informados de que eles poderiam “prejudicar apenas aqueles que não têm o selo de Deus em suas testas” (9:4), e 9:20 deixou claro que os mortos pelos cavaleiros demoníacos eram aqueles que recusaram arrepender-se. Este tema continua aqui. Court (1979:82-83) afirma que a abertura do primeiro interlúdio (o selamento dos santos em 7:1-8) e a abertura do segundo (a medição do templo em 11:1-2) são paralelas; o outro enfocando a proteção divina do povo de Deus.

 

Como muitos apontaram (Ladd, Mounce, Gregg, Beale), existem várias interpretações possíveis:(1) A visão preterista (Chilton, Roloff) vê isso como uma descrição da destruição de Jerusalém e preservação da igreja nos dias de João. Assim, o templo é o templo de Herodes e o átrio externo é o verdadeiro átrio dos gentios. Outros (Swete; Feuillet 1964:237-39; McNicol 1979) acreditam que esta é a oposição entre a sinagoga e a igreja / 144.000; o átrio interno é a igreja protegida e o átrio externo é o julgamento do Israel descrente. [1] (2) A visão idealista (Caird, Beale) acredita que isso retrata a oposição do mundo à igreja. O átrio interno refere-se à igreja como pertencente a Deus e o átrio externo à igreja como perseguida pelo mundo. Outros (R. Charles, Kiddle, Hendriksen) veem o pátio externo como a igreja apóstata que se volta contra o povo de Deus. (3) A visão dispensacionalista (Walvoord, Seiss, Thomas) vê isso como o templo reconstruído do período da tribulação, com os “adoradores” judeus convertidos (os 144.000 de 7:1-8) perseguidos pelos seguidores do Anticristo por “quarenta e dois meses” (a grande tribulação). (4) Uma visão futurista modificada afirma que isso ensina a preservação espiritual da igreja (Mounce, Michaels) ou do remanescente dos judeus crentes (Ladd 1972:152-53) neste período final de tribulação (os quarenta e dois meses). De maneira semelhante, Aune (1998a:598) acredita que o pátio interno é o deserto transformado no qual o remanescente encontra proteção e, portanto, sobrevive fisicamente à tribulação.

 

(1) Medindo o pátio interno (11:1)

(2) Excluindo o pátio externo (11:2)

 

Exegese e Exposição

1 E ele me deu uma cana de medição semelhante a uma vara, dizendo: “Levanta-te e meça o templo de Deus e o altar e os adoradores nele. 2 Mas exclua o pátio que está “fora” do templo. Não meça, porque Deus o deu aos gentios, e eles pisotearão a Cidade Santa por quarenta e dois meses.”

 

(1) Medindo o Tribunal Interno (11:1)

Com outro passivo divino, ἐδόθη (edothē, foi dado; ver 6:4, 8, 11; 7:2; 8:3; 9:1, 3, 5), João enfatiza novamente o ímpeto divino por trás desses eventos. Como Giesen (1997:241–42) aponta, é provavelmente Deus e Cristo que deram a João a medida de medição, uma vez que eles agem em comunhão um com o outro frequentemente no livro. João recebe κάλαμος ὅμοιος ῥάβδῳ (kalamos homoios rhabdō, uma palheta de medição semelhante a uma vara). Era uma palheta pequena, leve e oca, reta como uma “vara” (ῥάβδος) e frequentemente usada para medir o comprimento das coisas. Tinha cerca de dez pés e dez centímetros de comprimento. João é instruído a pegá-lo e μέτρησον (metrēson, medir) o templo e seus arredores. Isso é perto de Ez 40:3, 5 LXX, em que o “homem em aparência de bronze” tem κάλαμος τὸ μέτρον (kalamos para metron, uma régua de medição) em sua mão e a usa para medir o templo. É claro que pela segunda vez (com 10:8-10) João é instruído a recriar uma das visões de Ezequiel.

 

Em Ez 40-42 a medição do templo significa a propriedade de Deus e a proteção de seu povo. Deus está presente com seu povo e eles pertencem a ele. Além disso, em Zac. 2:1-5 um homem com uma linha de medição sai para medir Jerusalém a fim de indicar a proteção de Deus da Cidade Santa. [2] Portanto, ele restauraria o templo para seu povo. Ford (1975b:176) lista quatro interpretações possíveis da medição aqui:(1) reconstruir ou restaurar a igreja (cf. Ezequiel 40:3-5); (2) destruição de apóstatas (Amós 7:7-9); (3) preservar o povo de Deus de danos físicos; e (4) preservar os santos do dano espiritual. A segunda é improvável porque a ênfase não está no julgamento de Deus, mas na perseguição pelos gentios neste contexto. A terceira é problemática porque em 11:2 os gentios podem perseguir os santos. A primeira é possível, mas não parece ser essa a ênfase aqui. Em vez disso, a ênfase está na preservação dos santos espiritualmente na grande perseguição que se aproxima (então, Swete, Prigent, Joãoson, Harrington, Talbert, Mounce, Aune).

 

João é solicitado a “medir” três coisas: τὸν ναὸν τοῦ θεοῦ καὶ τὸ θυσιαστήριον καὶ τοὺς προσκυνοῦντας ἐν αὐτῷ (ton naon tou theou kai a thysiastous τος καὶ τοὺς προσκυνοῦντας ἐν αὐτῷ (ton naon tou theou kai para thysiastous τος altar). Ναός é o único termo usado para designar o templo neste livro (ver em 3:12; 7:15) e se refere ao edifício em si, e não a toda a área do templo. Além disso, ao longo do livro ele conota o templo celestial em vez dos templos salomônicos ou herodianos na terra. Bachmann (1994:476-79) argumenta fortemente que este deve ser o templo celestial em vez de terrestre em motivos diacrônicos (AT e paralelos judaicos primitivos como o templo ideal de Ez 40:3-42:20; 4QFlor 1,2-6; Josefo, Ant. 3.6.4 §123; 3.7.7 §181) e sincrônicos (a ênfase no próprio Apocalipse, por exemplo, “adoração” em 4:10; 5:14; 19:4). Isso se encaixa no contexto do templo escatológico de Ezequiel. O θυσιαστήριον então pode muito bem ser principalmente o altar de incenso de acordo com seu uso em 6:9 e 8:3. [3] Com a combinação de “templo e altar” aqui, também é provável que se refira ao “santuário” interno (o significado básico de ναός) em vez de todo o complexo de edifícios. Além disso, 11:2 separa o “átrio externo” do “templo” aqui, então este deve ser o santuário na parte interna da área do templo. O grande debate é se devemos interpretar isso literalmente como um templo reconstituído nos últimos dias (com Seiss, Walvoord, Thomas) ou figurativamente da igreja neste período final (Ladd, Mounce, Aune) ou ao longo da história da igreja (Caird, P . Hughes, Beale). Visto que as imagens ao longo do livro são de um templo celestial, é difícil conceber como isso poderia se referir a um templo literal na terra. Portanto, esta é a igreja, principalmente os santos deste período final, mas secundariamente a igreja de todas as eras (como argumentado ao longo deste comentário). Holwerda (1999:155-56, com base em Aune 1998a:630) vê isso como a proteção corporativa da igreja semelhante à promessa (Mat. 16:18) de que os portões do Hades não prevalecerão contra ela. Frequentemente no NT, o “templo” significa a igreja; cf. 1 Cor. 3:16-17, “vocês mesmos são o templo de Deus” e 2 Coríntios 6:16, “nós somos o templo do Deus vivo” (cf. também Ef. 2:19-22; Heb. 3:6; 1 Pedro 2:5). Isso segue essa tradição. Como alguns apontaram (Krodel 1989:219; Beale 1999:563), Qumran também se via como o verdadeiro “templo de Deus”, a comunidade dos últimos dias. Alguns acreditam que o pátio interno se refere especialmente ao tribunal dos sacerdotes e que a comunidade crente é vista mais uma vez como “um reino e sacerdotes” (Apocalipse 1:6; 5:10; 20:6; cf. 1 Ped. 2:5).

 

O que significa “medir” os προσκυνοῦντας e como os separamos da “igreja”? Aqui, os adoradores são descritos como ἐν αὐτῷ (en autō, nele), [4] então isso se refere aos crentes individuais na igreja. [5] Quando são “medidos”, são identificados como pertencentes a Deus e sob sua proteção. Isso representa os santos dentro do recinto do templo/igreja, adorando a Deus e “vencendo” o mundo (veja os capítulos 2-3). Eles não têm parte com o mundo, mas “o conquistam” “pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho” (12:11).

 

No entanto, é importante entender o que a proteção de Deus significa neste contexto. Sabemos por 6:9-11 que muitos serão martirizados e por 13:7 que Deus dará à besta “poder para fazer guerra contra os santos e vencê-los”. Portanto, está claro que Deus protegerá seu povo não de danos físicos, mas sim de danos espirituais. Esta é de fato a conotação nos paralelos com relação à proteção de Deus ao seu povo (3:10; 7:3-4; 9:4; 12:6, 14, 16). Como Beale (1999:562) aponta, isso está de acordo com o padrão de cumprimento em Ez 40–42. Lá, a medição protegeu o templo da abominação da adoração idólatra em seus arredores. Aqui, significa que Deus protegeria espiritualmente seu povo da “contaminação com influências idólatras” (um grande problema devido ao culto nicolaíta; cf. 2:2, 6, 14-15, 20-24). Embora a igreja passe por um terrível sofrimento nas mãos de seus inimigos (11:2; também 6:9-11), Deus estará com aqueles que “vencerem” e eles sairão vitoriosos. A vitória é vista no paralelo 21:15-21, onde um anjo “mede” a Nova Jerusalém - “a cidade, seus portões e seus muros”. No capítulo 21 não há pátio externo excluído, pois o tempo de perseguição acabou, e Deus estará presente com seu povo por toda a eternidade. Assim, a medição do santuário aqui é uma “antecipação profética” (então Krodel 1989:220) da vitória final da igreja.

 

 

Notas:

[1] Court (1979: 88-90) acredita que isso simboliza a igreja que testemunha e morre e argumenta que isso fornece um grande passo à frente no desenvolvimento de μάρτυς em direção ao seu significado de “mártir” no segundo século. Considine (1946: 391-92) considera estes os "poderes civis e religiosos" da igreja, os pregadores e professores que combatem os inimigos do povo de Deus. Strand (1981) acredita que isso se refere à fórmula básica do livro, “a palavra de Deus” e “o testemunho de Jesus” (1: 2, 9; 6: 9; 12:17). Para ele, isso significa as mensagens do AT e do NT. Essas interpretações são alegóricas demais; enquanto as conotações se ajustam a todo o cap. 11, são inadequadas como interpretações das próprias duas testemunhas. 


[2] Strand (1984:322-24) defende fortemente um terceiro texto como pano de fundo principal por trás de Apo. 11:1-2, Lev. 16, onde os mesmos três grupos (o templo, o altar e os adoradores; cf. Lev. 16:16–17, 18–19, 20–22) são “medidos” ou expiados. Mas o problema com isso é que não há imagens reais de “medição” em Lev. 16, e Strand lê muito os paralelos.

 

[3] É possível (com Beale 1999:563) ver isso não como o altar do incenso, mas como o altar da oferta queimada, apontando assim para o “sacrifício” dos mártires (6:9-11), talvez em um ato sacerdotal de se sacrificar para a glória de Deus (cf. 1:6; 5:10). Isso é desnecessário, entretanto, pois como eu disse em 6:9, o “altar” celestial combina tanto a imagem do sacrifício da oferta queimada (6:9) e a imagem de adoração do incenso (8:3). Aqui, novamente, João pode estar combinando os dois altares, com o sacrifício dos santos (o altar do holocausto) parte da maneira como eles “adoram” a Deus (o altar do incenso). 


Índice: Apocalipse 11:1 Apocalipse 11:2 Apocalipse 11:3-6 Apocalipse 11:7-13 Apocalipse 11:14-15 Apocalipse 11:16-18 Apocalipse 11:19



Nenhum comentário:

Postar um comentário