Mateus 28 — Explicação e Aplicação Devocional

Mateus 28

28:1 A outra Maria não era a mãe de Jesus. Ela poderia ter sido a esposa de Cléofas (João 19:25). Ou ela pode ter sido tia de Jesus, a mãe de Tiago e João (Mateus 27:56).

28:2 A pedra não foi rolada para o lado para que Jesus pudesse sair, mas para que outros pudessem entrar e ver que Jesus havia de fato ressuscitado dos mortos, assim como havia prometido.

28:5-7 O anjo que anunciou as boas novas da Ressurreição às mulheres deu-lhes quatro mensagens: (1) Não tema. A realidade da Ressurreição traz alegria, não medo. Quando você estiver com medo, lembre-se do túmulo vazio. (2) Ele não está aqui. Jesus não está morto e não deve ser procurado entre os mortos. Ele está vivo, com seu povo. (3) Venha, veja. As mulheres poderiam verificar as evidências elas mesmas. O túmulo estava vazio então e está vazio hoje. A ressurreição é um fato histórico. (4) Vá rápido e diga. Eles deveriam espalhar a alegria da Ressurreição. Nós também devemos espalhar as boas novas sobre a ressurreição de Jesus.

28:6 A ressurreição de Jesus é a chave para a fé cristã. Por quê? (1) Assim como ele prometeu, Jesus ressuscitou dos mortos. Podemos ter certeza, portanto, de que ele cumprirá tudo o que prometeu. (2) A ressurreição corporal de Jesus nos mostra que o Cristo vivo é o governante do Reino eterno de Deus, não um falso profeta ou impostor. (3) Podemos ter certeza de nossa ressurreição porque ele ressuscitou. A morte não é o fim - existe vida futura. (4) O poder que trouxe Jesus de volta à vida está disponível para nós para trazer de volta à vida nosso eu espiritualmente morto. (5) A ressurreição é a base para o testemunho da igreja ao mundo. Jesus é mais do que apenas um líder humano; ele é o Filho de Deus.

28:10 Por “irmãos”, Jesus provavelmente se referia a seus discípulos. Isso mostrou que ele os perdoou, mesmo depois que o negaram e o abandonaram. Jesus disse às mulheres para passarem uma mensagem aos discípulos - que ele os encontraria na Galileia, como ele havia dito anteriormente (Marcos 14:28). Mas os discípulos, com medo dos líderes religiosos, ficaram escondidos atrás de portas trancadas em Jerusalém (João 20:19). Então Jesus os encontrou primeiro lá (Lucas 24:36) e depois na Galileia (João 21).

28:11-15 A ressurreição de Jesus já estava causando um grande rebuliço em Jerusalém. Um grupo de mulheres se movia rapidamente pelas ruas, procurando os discípulos para lhes contar a incrível notícia de que Jesus estava vivo. Ao mesmo tempo, um grupo de líderes religiosos planejava como encobrir a Ressurreição.

Hoje ainda há uma grande agitação sobre a Ressurreição, e ainda há apenas duas escolhas: acreditar que Jesus ressuscitou dos mortos, ou se fechar para a verdade - negando-a, ignorando-a ou tentando explicá-la.

28:18 Deus deu a Jesus autoridade sobre o céu e a terra. Com base nessa autoridade, Jesus disse a seus discípulos para fazerem mais discípulos à medida que pregassem, batizassem e ensinassem. Com essa mesma autoridade, Jesus ainda nos ordena a contar o evangelho a outros e torná-los discípulos do Reino.

28:18-20 Quando alguém está morrendo ou nos deixando, suas últimas palavras são muito importantes. Jesus deixou os discípulos com estas últimas palavras de instrução: Eles estavam sob sua autoridade; eles deveriam fazer mais discípulos; eles deveriam batizar e ensinar esses novos discípulos a obedecer a Cristo; Cristo estaria com eles sempre. Considerando que nas missões anteriores Jesus havia enviado seus discípulos apenas aos judeus (10:5, 6), a missão de agora em diante seria mundial. Jesus é o Senhor da terra e morreu pelos pecados de pessoas de todas as nações.

Devemos ir - seja ao lado ou para outro país - e fazer discípulos. Não é uma opção, mas um comando para todos os que chamam Jesus de “Senhor”. Nem todos somos evangelistas no sentido formal, mas todos recebemos dons que podemos usar para ajudar a cumprir a grande comissão. Ao obedecermos, temos conforto em saber que Jesus está sempre conosco.

28:19 As palavras de Jesus afirmam a realidade da Trindade. Algumas pessoas acusam os teólogos de inventar o conceito da Trindade e lê-lo nas Escrituras. Como vemos aqui, o conceito vem diretamente do próprio Jesus. Ele não disse para batizá-los nos nomes, mas em nome do Pai, Filho e Espírito Santo. A palavra Trindade não ocorre nas Escrituras, mas descreve bem a natureza três-em-um do Pai, Filho e Espírito Santo.

28:19 Os discípulos deveriam batizar as pessoas porque o batismo une os crentes a Jesus Cristo em sua morte para o pecado e sua ressurreição para uma nova vida. O batismo simboliza a submissão a Cristo, a disposição de viver da maneira de Deus e a identificação com o povo da aliança de Deus.

28:20 Como Jesus está “conosco”? Jesus estava com os discípulos fisicamente até subir ao céu e então espiritualmente por meio do Espírito Santo (Atos 1:4). O Espírito Santo seria a presença de Jesus que nunca os deixaria (João 14:26). Jesus continua conosco hoje por meio de seu Espírito.

28:20 As profecias e genealogias do Velho Testamento no livro de Mateus apresentam as credenciais de Jesus como Rei do mundo - não um líder militar ou político, como os discípulos esperavam originalmente, mas um Rei espiritual que pode vencer todo o mal e governar no coração de cada pessoa. Se nos recusarmos a servir ao Rei fielmente, seremos súditos desleais, dignos apenas de ser banidos do Reino. Devemos fazer de Jesus o Rei de nossas vidas e adorá-lo como nosso Salvador, Rei e Senhor.

Índice: Mateus 1 Mateus 2 Mateus 3 Mateus 4 Mateus 5 Mateus 6 Mateus 7 Mateus 8 Mateus 9 Mateus 10 Mateus 11 Mateus 12 Mateus 13 Mateus 14 Mateus 15 Mateus 16 Mateus 17 Mateus 18 Mateus 19 Mateus 20 Mateus 21 Mateus 22 Mateus 23 Mateus 24 Mateus 25 Mateus 26 Mateus 27 Mateus 28