2021/10/03

Isaías 1:1-31 — Comentário à Literatura Profética

Isaías 1

PRÓLOGO: PARÊNTESE INTRODUTÓRIA, 1:1-31

Estrutura

I. Inscrição: título do livro de Isaías 1
II. Endereço parentético: gênero experimental 2-31

A. Discurso do acusador 2-20
1. Anúncio da acusação de YHWH contra Israel 2-3
2. Advertência contra a continuação de irregularidades 4-9
3. Torá profética sobre serviço adequado a YHWH 10-17
4. Recurso para iniciar o processo legal 18-20

B. Discurso do juiz: anúncio da redenção de Sião 21-31
1. Anúncio profético da reabilitação de Sião 21-26
2. Explicação: anúncio profético da redenção 27-31


Os limites desta unidade são marcados pela inscrição no v. 1, que desempenha um papel duplo como o título de todo o livro de Isaías, bem como a introdução do cap. 1. Este capítulo contém várias unidades originalmente independentes que serão discutidas individualmente em seções separadas do comentário abaixo. Mas várias características do texto demonstram que essas unidades foram combinadas editorialmente, suplementadas e organizadas de modo que o capítulo agora constitui um todo estrutural e retórico coerente que requer tratamento como um texto distinto.

Esses recursos incluem os links de palavras-chave entre as subunidades do capítulo, o padrão geral do gênero de teste e a estratégia retórica parentética que permeia todo o capítulo.

Por causa de seu caráter genérico distinto e sua função como a introdução que identifica o seguinte material, a inscrição no v. 1 constitui a primeira subunidade estrutural principal deste capítulo. Consequentemente, os vv. 2-31 constituem a segunda subunidade do capítulo.

É claro que o profeta é retratado como o orador em 1:2-31. Embora os discursos de YHWH apareçam nos vv. 2b-3, 11-17, 18-20, 24b-26, seus contextos, as várias fórmulas de fala de YHWH (vv. 2a, 11a, 18a, 20b) e a fórmula oracular no v. 24a indicam que o profeta é retratado citando YHWH no contexto de seu próprio discurso. Consequentemente, a estrutura deste capítulo não é constituída por mudanças no locutor, mas por outros fatores. Esses fatores incluem elementos do padrão do gênero julgamento, os objetos da discussão do profeta e outras características literárias, retóricas e temáticas do texto. Dentro de 1:2-31, a primeira subunidade textual principal é os vv. 2-20. Embora esta seção contenha quatro unidades genéricas distintas dirigidas aos “céus” e à “terra” (vv. 2-3) ou às pessoas (vv. 4-9, 10-17, 18-20), essas seções são unidas como uma unidade coerente por vários recursos. O primeiro é as conexões de palavras-chave.

Vv. 2-3 e vv. 4-9 são ligados pela aparência de bānîm, “filhos” (v. 2b), e bānîm mašhîtîm, “filhos corruptos” (v. 4a). Vv. 4-9 e vv. 10-17 estão ligados pela menção de “Sodoma e Gomorra” (vv. 9 e 10), pelo aparecimento de tôsîpû sārâ, “acrescenteis apostasia” (v. 5a) e lô ‘tôsîpû hābî’ minhat-šāw’, “não traga novamente uma falsa oferta de grão” (v. 13a), e pela menção de zera’ mērê’îm, “semente perversa” (v. 4a), e hidlû hārēa’, “cessai de fazer o mal” (v. 16b). 

Vv. 10-17 e vv. 18-20 estão ligados por imagens, e não por palavras de ordem. O v. 15b retrata as mãos cheias de sangue dos animais sacrificados abatidos no altar do templo, e o v. 18 enfatiza a “vermelhidão” dos pecados. Da mesma forma, o v. 16a exige que as pessoas se purifiquem e se purifiquem, e o v. 18 oferece a oportunidade de fazer isso. Ambos os v. 17 e v. 18 empregam terminologia legal em suas referências ao arrependimento do povo: diršû mišpāt, “buscar justiça”, no v. 17 e wēniwwâkēhâ, “e arbitraremos”, no v. 18. Finalmente, os vv. 2-20 são demarcados por um slogan inclusivo, kîyhwh dibber, “pois YHWH falou”, no v. 2 e kîpîyhwh dibbēr, “pois a boca de YHWH falou”, no v. 20. A segunda característica unificadora é a foco nas pessoas e na necessidade de mudar seus padrões de comportamento. Embora vv. 2-3 sejam lançados como um endereço direto aos céus e à terra, as declarações de YHWH nos vv. 2b-3 claramente diz respeito ao povo de Israel e ao fato de eles não compreenderem.

Vv. 4-9 se dirigem diretamente às pessoas como indicado pela fórmula introdutória “ai” no v. 4 e a forma de endereço plural masculino da 2ª pessoa empregada ao longo destes versos. O ponto principal desta seção é que o sofrimento das pessoas foi causado por sua própria maldade e rejeição a YHWH.

Vv. 10-17 novamente se dirige ao povo como indicado pela fórmula de chamada à atenção dirigida aos “governantes de Sodoma” e ao “povo de Gomorra” no v. 10 e as formas de endereço da 2ª pessoa no plural masculino usadas em toda a seção. Novamente, ele se concentra nas más ações das pessoas, mas fornece instruções sobre como corrigir suas ações. Finalmente, vv. 18-20 dirija-se às pessoas conforme indicado pelo uso contínuo da forma masculina de endereço da 2ª pessoa. Esses versículos transmitem uma oferta de arrependimento ao povo. O terceiro diz respeito ao caráter legal da linguagem empregada nos vv. 2-20 e se relaciona ao enfoque nas pessoas e suas irregularidades mencionadas acima. Este texto é fortemente influenciado pelo padrão de gênero de julgamento e emprega uma sequência de elementos que aparecem neste gênero antes da ação judicial.

Vv. 2-3 contêm o apelo inicial ao céu e à terra para servir de testemunhas e declarar a acusação básica contra o povo. Vv. 4-9 substanciar a acusação de rebelião contra YHWH, apontando para o sofrimento atual do povo como prova de seus erros.

Vv. 10-17 apresentam instruções explícitas sobre atividades que são e não são aceitáveis ​​para YHWH. Finalmente, vv. 18-20 contém o recurso para iniciar o processo legal que determinará o destino do povo. A segunda subunidade estrutural principal nos vv. 2-31 é vv. 21-31. Tal como acontece com os vv. 2-20, esta seção contém uma série de entidades genéricas distintas (vv. 21-26,27-28, 29-31), mas aqui também elas estão ligadas como uma subunidade textual coerente por vários fatores. Novamente, o primeiro são as conexões de palavras-chave.

Vv. 21-26 e vv. 27-28 estão conectados pela aparência de mišpāt, “justiça” e sedeq/sedāqâ, “retidão”, nos vv. 21 e 27 (cf. v. 26). Da mesma forma, o aparecimento de yahdāw, “junto”, nos v. 28 e v. 31 fornece uma ligação entre os vv. 27-28 e vv. 29-31. O segundo diz respeito à semântica e sintaxe e pertence aos vv. 27-28 e vv. 29-31.

O v. 29 começa com a partícula M, “porque” ou “para”, que estabelece uma conexão semântica e sintática entre os v. 28 e v. 29, indicando que os pecadores que perecerão o farão por causa de seus “carvalhos” ou “terebintos “e seus” jardins, que os envergonham. Além disso, a leitura yēbāšû, “eles ficarão envergonhados”, fornece uma ligação adicional entre os v. 29 e v. 28. A forma pel masculina de filho de (seu verbo aparece fora de lugar no contexto dos vv. 29- 31, que emprega verbos da 2ª pessoa no plural masculino. Embora alguns MSS hebreus medievais e TJ mudem o verbo para uma forma da 2ª pessoa (tēbāšû, “terás vergonha”), em conformidade com os outros verbos governantes dos vv. 29 -31, o texto deve permanecer como está. A mudança não é feita em outras tradições MS, indicando a validade da leitura. Ele facilita a transição entre v. 28 e vv. 29-31 e aparentemente marca o trabalho de um editor que juntou os vv. 29-31 ao texto anterior. Por este meio, os vv. 29-31 foram estruturalmente incluídos nos vv. 27-28 onde funcionam como uma explicação do destino dos pecadores identificados nos v. 28. O terceiro fator unificador para os vv. 21-31 diz respeito ao tema e às imagens.

Os vv. 21-26 enfatizam um expurgo de Jerusalém em que os elementos corruptos da liderança da cidade irão ser removido por YHWH como se remove a escória ao fundir metal. O resultado, é claro, será uma cidade purificada restaurada à sua retidão anterior. 

Vv. 27-28 constroem sobre este tema, enfatizando a distinção de caráter e destino entre aqueles que “se arrependem” ou retornam a YHWH e aqueles que continuam seus caminhos rebeldes. Ao descrever a redenção de Sião, o v. 27 enfatiza a “justiça” e a “retidão” que anteriormente caracterizavam a cidade de acordo com o v. 21. Os pecadores perecerão de acordo com o v. 28 bem como a escória.

Vv. 29-31 também se baseiam nos temas e imagens do material anterior, enfocando a destruição dos “carvalhos” ou “terebintos” e os “jardins” nos quais os pecadores se deleitavam. Esses terebintos e jardins simbolizam o culto da natureza cananeia e representam o abandono de YHWH. A esse respeito, vv. 29-31 baseiam-se no tema da prostituição de Jerusalém mencionado no início do v. 21, na medida em que a prostituição e a busca da religião da natureza cananeia são frequentemente empregadas como metáforas para o abandono de YHWH. A destruição dos ‘terebintos e jardins’ nos vv. 29-31 corresponde à destruição dos pecadores no v. 28. O quarto fator unificador é o foco na cidade e seu destino, em oposição ao povo nos vv. 2-20. 

Vv. 21-26 empregam a linguagem feminina da 3ª pessoa do singular e formas de endereço direto femininas da 2ª pessoa no singular em referência à cidade de Jerusalém para discutir o estado de corrupção da cidade e o expurgo que ocorrerá. Da mesma forma, v. 27, o versículo dominante dos vv. 27-31, emprega formas gramaticais femininas singulares da terceira pessoa em referência a Sião. Nenhuma escolha é oferecida à cidade, embora esteja claro a partir da referência a “seus arrependidos” no v. 27 que as pessoas que residem lá devem escolher o arrependimento ou enfrentar a destruição. Finalmente, um número de fatores adicionais indicam que os vv. 2-20 e vv. 21-31 funcionam juntos para formar a unidade maior do texto.

Novamente, o primeiro são as conexões de palavras-chave. A acusação de que os juízes não julgam as viúvas e órfãos de forma justa no v. 23 contrasta diretamente com as ordens para “julgar o órfão” e “pleitear a viúva” no v. 17. O aparecimento de mēlē’àtî mišpāt, “completo de justiça”, no v. 21 contrasta com yēdêkem dāmîm mâlē’û, “suas mãos estão cheias de sangue”, no v. 15. Da mesma forma, mišpāt nos vv. 21 e 27 aponta de volta para o comando diršû mišpāt, “buscar justiça”, no v. 17. Finalmente, a menção de pōše‘îm, “rebeldes,” hattaîm, “pecadores” e ‘ôzébê yhwh, “abandonadores de YHWH, “no v. 28 corresponde a terminologia semelhante para os ímpios no v. 2 (wēhēm pāšêû bî, “e eles se rebelaram contra mim”) e no v. 4 (gôy hôte, nação pecadora” e ’āzêbû ‘et- yhwh, “eles abandonaram YHWH”). O segundo é temático. 

Vv. 2-20 acusar o povo de pecar contra YHWH e oferecer perdão àqueles que se arrependerem e se conformarem com as instruções de YHWH. 

Vv. 21-31 anuncia uma purificação geral dos iníquos em Sião e a redenção da cidade junto com aqueles que se arrependem. A terceira se relaciona ao padrão do gênero ensaio neste capítulo.

Vv. 2-20 enfoca uma acusação contra os ímpios entre as pessoas e outras facetas do processo legal antes do julgamento final. 

Vv. 21-31 anuncia o julgamento contra os ímpios. O gênero d eIsaías 1 é constituído por várias entidades genéricas. Isso se deve em parte à composição editorial deste texto e à natureza dos padrões genéricos dominantes que constituem sua forma final: o padrão do GÊNERO DE JULGAMENTO e PARÊNTESES. Devido aos vários cenários em que aparecem, nenhum desses gêneros tem uma estrutura - forma absolutamente fixa, e ambos empregam uma variedade de outras formas genéricas em seus exemplos individuais. No caso de Isaías 1, o GÊNERO DE JULGAMENTO constitui a estrutura básica do texto e o PARÊNTESE constitui a sua função primária. Seguindo a INSCRIÇÃO no v. 1, vv. 2-31 são organizados de acordo com o padrão de um procedimento legal no qual YHWH é o autor e Israel é o réu. 

Vv. 2-20 constituem o DISCURSO DE ACUSAÇÃO na medida em que o profeta atua como porta-voz em nome de YHWH.

Todos os elementos deste discurso pertencem a esse aspecto do processo antes do julgamento final. O CHAMADO À ATENÇÃO introdutório dirigido ao céu e à terra no v. 2a é uma característica comum do JULGAMENTO GENRE que estabelece as duas testemunhas necessárias para o processo. A acusação de YHWH contra Israel, a saber, que Israel se rebelou contra YHWH, aparece nos vv. 2b-3 na forma de um LAMENTO. 

VV. 4-9 empregam uma DECLARAÇÃO DE ESPANTO, uma QUESTÃO RETÓRICA e uma descrição do estado desolado da terra para admoestar o povo contra a continuação de transgressões. A TORÁ PROFÉTICA nos vv. 10-17 fornece instruções sobre o que YHWH exige do povo. Finalmente, vv. 18-20 contém o APELO de YHWH para iniciar o processo. 

Vv. 21-31 então constituem a DISCURSO do juiz. Ele começa com vv. 21-26, que se baseiam no padrão de ANÚNCIO DE JULGAMENTO, mas constituem um ANÚNCIO da reabilitação ou expurgo de Sião. 

Vv. 27-31 explicam o significado deste anúncio, enfatizando uma distinção clara entre os respectivos destinos dos “arrependidos” de Sião e aqueles que persistem na rebelião contra YHWH.

Embora o GÊNERO DE JULGAMENTO defina a estrutura básica deste capítulo, várias características do texto indicam que o GÊNERO DE JULGAMENTO não constitui totalmente a função genérica de seu texto. Em vez disso, a função primária deste capítulo é constituída por seu caráter parentético. O objetivo principal não parece ser a condenação e punição do réu, mas uma tentativa de persuadir o povo a mudar seu comportamento e, assim, evitar a punição. Nenhum discurso de defesa aparece neste capítulo, aparentemente porque as ações das pessoas são consideradas indefensáveis da perspectiva do texto. Em vez disso, as pessoas têm a oportunidade de responder (ele acusa, mudando seu comportamento. Isso é evidente na aparência da pergunta retórica do v. 5 (“Por que ficarias ainda mais ferido por continuares na apostasia?”), as instruções para um comportamento justo nos vv. 16-17 e a oferta de YHWH de limpar os pecados daqueles que estão dispostos a mudar nos vv. 18-20. Também é aparente que não estão no “Discurso do Juiz”, na medida em que os vv. 27-31 oferecem redenção para os arrependidos e destruição para os rebeldes.

A este respeito, o cap. 1 contém os elementos positivos de EXORTAÇÃO e os elementos negativos de ADMOESTAÇÃO como aspectos de seu caráter parentético. 

A configuração do cap. 1 deve ser considerada em relação à natureza composta deste texto. Embora este capítulo inclua uma grande quantidade de material derivado do profeta do século VIII, várias de suas características indicam que sua forma final é o produto de uma redação do meio ao final do século V. Consequentemente, os ajustes das subunidades individuais diferem marcadamente daqueles da forma final. Uma grande quantidade de tensão e inconsistência indica a natureza composta do cap. 1. Nem todas as suas subunidades constituintes foram compostas em relação umas às outras. Alguns foram compostos independentemente e mais tarde combinados e organizados em herdeiro da forma atual. Tais tensões existem claramente nos vv. 2-20. 

Vv. 4-9 pressupõem uma invasão estrangeira da terra de Judá, presumivelmente por Senaqueribe em 701. Embora Willis afirmou (hat nos vv. 10-17 deve ser entendido em relação à invasão de Senaqueribe, na medida em que as ofertas de sacrifícios tendem a aumentar em um momento de emergência, a natureza rotineira das festas mencionadas nos vv. 13-14 indica que vv. 10-17 pressupõem um tempo de relativa paz. Os únicos indícios de violência aparecem nos vv. 4-9 e vv. 18-20. Assim, um editor aparentemente associou os vv. 10-17 à invasão de Senaqueribe e colocou esses versículos em relação às outras passagens no contexto dos vv. 2-20. Também há evidências de tal tensão entre os vv. 2-20 e os vv. 21-31. A purificação da cidade mencionada nestes versículos pode muito bem refletir ou antecipar a invasão assíria de Judá, na medida em que como os assírios eram conhecidos por deportar o governo oficiais e outras figuras importantes de inimigos conquistados. Na verdade, Senaqueribe relata tal deportação de judeus após sua invasão de 701 (ANET, 288). No entanto, é impressionante que os vv. 21-31 enfoca apenas a cidade de Jerusalém, enquanto os vv. 2-20 parecem referir-se a todo o povo de Israel (cf. v. 2). Da mesma forma, vv. 21-26 enfocam apenas os líderes da cidade, enquanto os vv. 2-20 especifica toda a nação (vv. 3,4) ou os líderes junto com o povo (v. 10). Claramente, o capítulo estreita progressivamente seu foco de todo o Israel para a cidade de Jerusalém e de todo o povo para apenas os líderes, mas as tensões neste texto sugerem que este é um esquema editorial alcançado colocando textos díspares juntos. Também há tensão nos vv. 21-31.

Considerando que vv. 21-26 falam de um expurgo dos líderes de Sião, vv. 27-28 falam em termos muito mais gerais dos “arrependidos” e “rebeldes”, sem levar em consideração sua posição de liderança. Além do mais, como observado acima, vv. 29-31 foram editorialmente anexados ao v. 28 como uma explicação do destino dos ímpios. Na verdade, vv. 27-28 desempenham um papel particularmente importante na organização e interpretação dos vários componentes deste capítulo. Muito de seu vocabulário reflete o de outras passagens, como mišpāt, “justiça” (cf. vv. 17, 21); wêšābêhā, “seus arrependidos” (cf. v. 26); bisdāqâ, “em retidão” (cf. vv. 21, 26); pōše‘îm, “rebeldes” (cf. v. 2); wēhattâlm, e pecadores “(cf. vv. 4,18); yahdāw, “juntos” (cf. v. 31); e wē’ôzēbê yhwh, “e aqueles que abandonam YHWH” (cf. v. 4). Tais conexões lexicais habilitam os vv. 27-28 a extrair os principais temas do material anterior, a saber, a punição da maldade e rebelião contra YHWH e a necessidade de justiça e justiça. É notável a este respeito que os vv. 27-28 distinguem entre a redenção dos justos e a destruição dos ímpios. Embora a punição do povo seja pressuposta em todo o capítulo, tal distinção clara aparece em outros lugares apenas em vv. 19-20. Muitos estudiosos veem esses versículos como uma expansão secundária do v. 18 por causa de sua introdução de violência em uma passagem que enfatiza a oferta de perdão de YHWH ao povo enquanto se baseia no vocabulário e conceitos deuteronomistas (cf. Dt 1:26; 1 Sm 12:14-15). A este respeito, é importante notar que o conceito de arrependimento expresso pelo verbo šûb no v. 27 também é uma característica importante da literatura deuteronomista. Além disso, vv. 19-20 retoma o vocabulário e os temas do material precedente, incluindo a fórmula de fala YHWH do v. 20b (cf. v. 2a) e o jogo de palavras com a raiz verbal ‘kl, “comer”, nos vv. 19 e 20a (cf. v. 7b). Como observado antes, eles são fundamentais para associar os vv. 10-17 com vv. 4-9. Essas considerações indicam que os vv. 27-28 e vv. 19-20 desempenham um papel constitutivo na redação (seu capítulo. Eles organizam e desenham os principais temas e conceitos do material anterior deste texto. Mas, ao fazer isso, eles mudam seu caráter e adicionam algo novo ao enfatizar um conceito dualístico de recompensa ou redenção para os arrependidos e punição ou destruição para aqueles que se recusam (cf. v. 20a) a se arrepender. Há uma série de indicações de que essa redação ocorreu em meados do século 5. O primeiro é a preocupação com o esquema de recompensa e punição, que é típico da literatura deuteronomista dos períodos exílico e persa inicial (por exemplo, DtrH; Jeremias).

Isso não requer que Isaías seja o produto literário de uma escola Deuteronomista, como Vermeylen sustenta (Du prophète, 37-111; cf. Kaiser, Isaías 1-12, passim); em vez disso, indica simplesmente uma preocupação com recompensa e punição (ver Brekelmans). O segundo é o interesse em fazer distinções claras entre os justos e os ímpios, o que é típico da literatura apocalíptica inicial que começa a surgir no século V. Além disso, a aplicação do esquema de recompensa-punição a esses dois grupos é especialmente característica de Trito-Isaías (cf. caps. 65-66) e das reformas de Esdras e Neemias. Da mesma forma, o interesse na redenção de Sião e “seus retornantes”, sejam entendidos como “aqueles que se arrependem” ou “aqueles que retornam [do exílio]”, é característico do início do período persa, particularmente na época de Esdras e Neemias (meados de ao final do século V). Embora muito deste texto tenha sido composto no final do século 8, número de características assume um significado especial quando lido em relação ao período de Esdras e Neemias, e sugere as razões para o interesse em editar e reapresentar os oráculos de Isaías durante a metade ao final do século V. O estado desolado de Jerusalém e a terra de Judá correspondem à situação deste período, assim como a imagem de uma cidade isolada (vv. 4-9). Certamente, os trabalhadores de Neemias compreenderam as recompensas de comer o bem da terra ou a ameaça de morrer pela espada enquanto trabalhavam para reconstruir a cidade e se proteger ao mesmo tempo (Ne 4:9-13). Da mesma forma, purgar a cidade dos ímpios, incluindo liderança corrupta (vv. 21-26) e sincretistas religiosos (vv. 29-31), e restabelecer uma compreensão correta do sacrifício do templo em relação às preocupações morais da Torá de YHWH (vv. 10-17) foram focos especiais das reformas de Esdras e Neemias. A forma parenética e as preocupações deuteronômicas são características do ensino e pregação levítica, que certamente desempenhou um papel importante no programa de Esdras para restabelecer a aliança (cf. Ne 8:9-12). Finalmente, a sequência “Judá e Jerusalém”, que aparece no sobrescrito no v. 1, é uma designação característica da terra neste período.

Finalmente, um grande número de palavras-chave conectam cap. 1 e caps. 65-66 (ver Liebreich, “Compilation”; Lack, 139-41; Sweeney, Isaiah l-4, 21-24; cf. Conrad, Reading Isaiah, 83-116). Caps. 65-66 extraem alguns dos temas característicos do cap. 1, incluindo abuso de culto, a separação dos justos e injustos, e a punição dos apóstatas e triunfo dos eleitos. Essas conexões indicam que os capítulos 65-66 foram compostos em relação ao capítulo 1, e que esses dois blocos de material formar um envelope redacional para a edição final do livro de Isaías do século V. Intenção Com base em sua estrutura e características genéricas, a intenção deste texto é claramente motivar uma mudança básica no comportamento de seu público. Afirma que os padrões atuais de comportamento são imorais e contrários à Torá de YHWH, e que tal imoralidade é a causa das dificuldades atuais sofridas pelo público, ou seja, uma terra desolada e uma Jerusalém isolada e sitiada. O texto continua oferecendo ao público a oportunidade de conformar seu comportamento aos requisitos de YHWH para fazer justiça e retidão e, assim, aceitar a oferta de perdão e vida de YHWH em uma Sião redimida. Os elementos-chave nesta oferta incluem a pergunta retórica no v. 5 que pergunta por que o povo deveria sofrer mais punições por continuar sua apostasia, vv. 16-17 que define os requisitos de YHWH para justiça e retidão, vv. 18-20 que apresenta a oferta de YHWH, e v. 27 que descreve a recompensa para aqueles que aceitam. O texto também deixa claro, entretanto, que aqueles que recusarem a oferta de YHWH sofrerão mais punição e destruição final quando YHWH expurgar Jerusalém de seus malfeitores (cf. vv. 19-20, 28-31).

Consequentemente, ele emprega uma combinação de exortação positiva e admoestação negativa para atingir seu propósito. Quando se considera este texto em relação à sua configuração do meio ao final do século V, também fica claro que se deve ver o propósito da forma final do texto em relação à reforma e ao programa de restauração de Esdras e Neemias. Is 1:10 exorta o povo a “dar ouvidos à Torá de nosso Deus”, indicando que Isaías 1 e o livro de Isaías como um todo parecem ter sido compostos para apoiar a reforma de Esdras com base na Torá Mosaica (Neemias 8-10) Conforme indicado na introdução a este comentário, não há indicação de que “Torá” em Is 1:10 e em outros lugares se refere à Torá Mosaica (contra Sheppard, “Livro de Isaías”, especialmente 578-82), mas 56:1-8 e 66:18-21 não contradizem a exclusão de Esdras de gentios e outras pessoas proibidas da comunidade judaica. Em vez disso, o livro de Isaías parece oferecer uma compreensão alternativa da Torá como revelação profética. Isaías 1 aponta para as circunstâncias desesperadoras de Judá e Jerusalém naquela época, e a ameaça de novas dificuldades que Esdras e Neemias enfrentaram. Ao apresentar as alternativas recompensa para os arrependidos e destruição para os rebeldes, tenta-se persuadir o povo de que a compreensão da Torá apresentada em Isaías oferece os meios para alcançar uma Jerusalém segura e justa ou qiryâ ne’ēmânâ, “fiel/seguro cidade” (vv. 21, 26). Finalmente, deve-se notar que, em sua posição atual, o cap. 1 serve como prólogo do livro de Isaías. Os oráculos contidos neste capítulo resumem os principais temas e mensagens do livro: a punição de Israel e Judá e a restauração do povo ao redor de Jerusalém por YHWH.



Bibliografia em “Introduction to the Prophetic Literature.” K. Budde, “Zu Jesaja 1-5,” ZAW 49 (1931) pp. 16-40. 182-211: 50 (1932) pp. 38-72; G. Fohrer. “Jesaja 1 als Zusammenfassung der Verkündigung Jesajas,” em Studien zur alttestamentlichen Prophetie (1949-1965) (BZAW 99; Berlin: Töpelmann, 1967) pp. 148-66 (repr. tara ZAW ΊΑ [1962] pp. 251-68); Y. Gitay, “Reflections on the Study of Prophetic Discourse: The Question of Isaiah I 2-20,” VT 33 (1983) 207-21; B. Gosse, “Isaïe 1 dans la rédaction du livre d’Isaïe,” ZAW 104 (1992) pp. 52-66; A. Luc, “Isaiah 1 as Structural Introduction,” ZAW 101 (1989) p. 115; A. Mattioli, “Due schemi letterari negli oracoli d’introduzione al libro d’Isaia: Is. 1.1-31,” RivB 14 (1966) pp. 345-64; S. Niditch, “The Composition of Isaiah 1,” Bib 61 (1980) 509-29; L. G. Rignell, “Isaiah Chapter I,” ST 11 (1957) pp. 140-58; J. J. M. Roberts, “Form, Syntax, and Redaction in Isaiah 1:2-20,” PSB 3 (1982) pp. 293-306; E. Robertson, “Isaiah Chapter I,” ZAW 52 (1934) pp. 231-36; J. D. W. Watts, “The Formation of Isaiah 1: Its Context in Chapters 1-4,” em SBL 1978 Seminar Papers, vol. 1 (ed. P. Achtemeier; Missoula: Scholars Press, 1978) pp. 109-19; J. T. Willis, “The First Pericope in the Book of Isaiah,” VT34 (1984) pp. 63-77.



Fonte: SWEENEY, Marvin A. Isaiah 1-39: with an Introduction to Prophetic Literature, da série The Forms of the Old Testament Literature, vol. XVI, editores Rolf P. Knierim e Gene M. Tucker. Wm. Β. Eerdmans Publishing Co., Grand Rapids, Michigan, 1996, pp. 63-66.

Nenhum comentário:

Postar um comentário