terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Posted by Eduardo G. Junior In , | No comments

Teologia do Livro de Isaías

Craig L. Blomberg

Teologia do Livro do Profeta Isaías
Isaías, filho de Amoz, foi um profeta do século VIII a.C que apareceu em um momento crítico na história de Judá, proclamando uma mensagem de julgamento. No entanto, Isaías, aparentemente, sempre evidenciou a esperança de que a nação se voltaria para Deus e seria poupada da punição severa. Como Isaías estava começando seu ministério, os assírios estavam em processo de construção de um império que ameaçava engolir Israel a menos que Javé livrasse Seu povo. É por isso que a decisão que Acaz foi forçado a fazer em Isaías 7 era tão crucial. Ele teve que escolher entre colocar a sua confiança na sabedoria humana ou em Javé para livrar a nação da guerra. O próprio Deus graciosamente ofereceu para dar um sinal para Acaz reforçar sua fé, mas Acaz não compromete-se com confiança em Javé. O resultado foi a guerra Sírio-Efraemita (734-732 a.C) e a perda de independência política de Judá (que se tornaram vassalos, sucessivamente, para a Assíria, Babilônia, Medo-Pérsia, Grécia e Roma). Apesar disto, Javé prometeu um dia para restaurar o Seu povo, não a nação inteira, como tinha feito no passado, mas apenas um remanescente. Isaías foi um dos primeiros a profetizar que Javé não foi limitado pela incredulidade do povo, mas que Ele poderia levantar e livrar um remanescente ainda crente. Este remanescente seria composto por aquelas pessoas justas de Judá, que voltariam para Javé, e, assim, passariam de forma bem sucedida pela crise.

A base para essa libertação, embora raramente mencionada (54:10, 55:3-5, 56:4-5, 59:21, 61:8), está fundamentada sobre o Concerto que Javé originalmente havia feito com Abraão. Em diversas ocasiões no livro de Isaías, Javé intervêm para livrar o restante da nação, para que a Aliança pudesse continuar. Uma dessas ocasiões foi quando a Assíria, liderada por Senaqueribe, em 701 aC, marchou em direção a Judá com o principal objetivo de a aniquilar (10:7). Eles haviam destruído todos de Judá, exceto Jerusalém, e na noite antes de Senaqueribe começar o cerco da cidade, o texto diz que “o anjo do Senhor” desceu e matou 185.000 soldados assírios. Os assírios, posteriormente, voltaram a Nínive sem capturar a cidade. Em outra ocasião, Javé utilizou Ciro como Seu servo para livrar a nação do cativeiro na Babilônia e permitir o seu regresso a Jerusalém (44:28-45:13).

No início de seu ministério, Isaías foi avisado de que sua mensagem seria ignorada pela grande maioria da nação (6:9-13), no entanto, o seu apelo, no ano da morte do Rei Uzias (6:1-8; aproximadamente 740 aC) encorajou a continuar a proclamar a sua mensagem impopular. Foi-lhe dada uma visão da santidade de Deus que coloriram o resto de seu ministério. Assim, não é de admirar que o título chave para Javé, “o Santo de Israel”, é usado doze vezes nos primeiros trinta e nove capítulos e quatorze vezes depois disso. Infelizmente, Isaías foi uma das poucas pessoas em Judá que compreendeu a extensão de sua iniquidade (6:5); se mais da nação tivesse uma perspectiva semelhante, eles poderiam ter vivido de forma diferente. Deus deu à nação amplas possibilidades de se arrepender e voltar para Ele, assim o castigo divino poderia ser evitado, mas a mensagem nunca pareceu penetrar o coração do povo endurecido.


_____________
Nota
Esse artigo é muito extenso, dividiremos em seções. A segunda seção é sobre a Introdução e Conteúdo do Livro de Isaías. N do T.


Fonte: Baker's Evangelical Dictionary of Biblical Theology. Editado por Walter A. Elwell.

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Bookmark Us

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos