2009/05/25

Comentário de João 5:24

Eclesiastes 8:6-7 — Comentário de John Gill



João 5:24

Em verdade, em verdade, eu vos digo:... Aquele que é o amém, a testemunha fiel e verdadeira:

Aquele que ouve a minha palavra;... Pela qual é significado o Evangelho, e é chamado assim, tanto porque é falado por Cristo, e que foi primeiro iniciado por ele; e porque ele é falado no Evangelho; a sua pessoa, ofício, e trabalho, paz, perdão, retidão, vida, e salvação por ele, sendo a soma e substância disso: e “ouvindo”, isto é significado, não uma mera audição externa disso; porque a palavra pode ser ouvida, e não ser entendida; e pode ser entendida de um modo apenas intelectual e especulativa, e ainda as consequências mencionadas não serem realizadas: mas uma audição interna, que é projetada aqui, para entendê-la espiritualmente, ou ter um conhecimento experimental dela; para distingui-lo do que não é a sua doutrina, e sentir o seu poder no coração, e rende-se a obediência de fé para com ele: porque a fé em Cristo, que é a soma e substância da palavra do Evangelho, é expressa por este meio; para a qual é unida a fé em Deus, o seu Pai; eles que são igualmente o objeto da fé aqui; e que é introduzido como uma prova adicional da igualdade em natureza que está neles; veja João 14:1;

E acredita naquele que me enviou;... Ele não diz que acredita em mim, o que pode ser esperado dele; mas que acredita naquele que o enviou, ou seja, no Pai; porque assim com aquele que rejeita Cristo, e não recebe suas palavras, também não recebe Aquele que o enviou; de forma que, aquele que ouve as palavras de Cristo e o recebe, e acredita nele, recebe e acredita Naquele que o enviou; e os mesmos efeitos e consequências seguem, tanto de um como do outro, sobre ouvir a palavra de Cristo, quanto como acreditar no Pai de Cristo; e que não é prova inconsiderável da perfeita igualdade deles: porque aquele que ouve um, acredita no outro.

Tem vida eterna;... Não apenas no propósito de Deus, e na aliança de sua graça, e nas mãos de Cristo e na fé e esperança; mas ele tem um direito a isso, de acordo com a declaração do Evangelho; e, além disso, tem um princípio de si mesmo, a graça de Deus, que surge disso, é o princípio da vida eterna; ele tem também isso como um penhor, uma antecipação, o Espírito de Deus, e certamente usufruirá:

E não entrará em condenação;... Nem pelo pecado original, embora o julgamento tenha sido passado em todos os homens em condenação por isto; nem por pecados atuais e transgressões: porque, embora todo o mundo mereça a condenação, contudo, há muitas sentenças de condenação emitidas como pecados cometidos, nenhum deles poderia ser executado em tal pessoa que está em Cristo Jesus, como aquele que acredita nele está aberta e manifestadamente nele: a razão é porque a morte de Cristo é uma segurança contra toda a condenação; e quem acredita nele não será condenado, mas salvo; e, embora ele possa entrar em julgamento, contudo, não em condenação: ele se levantará em julgamento, e seja absolvido pela retidão de Cristo que ele, por fé, recebe como a retidão justificadora dele.

Mas tem passado da morte para a vida;... Tanto de uma morte moral como uma vida espiritual, sendo vivificado, quem antes estava morto em transgressões e pecados; e de debaixo de uma sentença de condenação, e morte eterna que como um descendente de Adão, e de acordo com o teor da lei de obras, ele estava sujeito, para um estado aberto de justificação, de acordo com o teor da convenção da graça; a retidão de Cristo que é revelada a ele, e recebida por fé, e a oração de justificação passada na consciência dele pelo Espírito; de forma que ele, que antes, na própria apreensão dele, era um homem morto em um sentido da lei, está agora vivo para com Deus, e protegido da segunda morte.

Um comentário:

Postar um comentário