2009/06/26

Comentário de João 19:39

E veio também Nicodemos,... Para a cruz, ao mesmo tempo em que Joscomentario biblico, evangelho de joão, novo testamentoé veio; se eles eram irmãos, como algumas conjecturam, e se encontraram aqui por consentimento, uma vez que um preparou uma coisa e o outro o enterro de Cristo, não é certo. Este Nicodemos pensa-se que é o mesmo que Nicodemos ben Gorion, que os Talmudistas mencionam; eles dizem (u) que ele foi um dos três homens ricos em Jerusalém, uma vez que este parece ser um homem rico, a partir da grande quantidade de mirra e aloés que ele trouxe com ele, e que devia ser muito caro. Além disso, eles dizem (w) que ele tinha outro nome, que era Boni, e eles mesmos observam (x) que Boni era um dos discípulos de Jesus, como este Nicodemos era, mas em secreto, assim como José: Este é aquele...

Que, no princípio, veio a Jesus à noite;... Que, quando Cristo, no princípio, entrou em seu ministério, ou quando ele primeiro foi ter com ele, veio a ele de noite, para falar com ele sobre a sua Messianidade, doutrina, e milagres, João 3:1, pois sendo um dos Fariseus, um governante dos Judeus, e um rabino ou mestre em Israel, ele tinha vergonha ou medo de conversar com ele publicamente; porém, ele era um discípulo; e embora ele não professasse abertamente, ele o amou, e acreditava nele, e agora sendo ele morto, demonstrou seu respeito por ele:

E trouxe uma mistura de mirra e aloés, cerca de cem arráteis: Não ele mesmo, mas seus servos. Esta mistura de mirra e aloés juntos, que foi uma quantidade muito grande, era muito dispendiosa, e não foi concebida para o embalsamento do seu corpo, para preservá-lo de putrefação, pois ele não foi embalsamado, embora mirra e cássia e outros odores fossem utilizadas em embalsamento (y); mas para perfumá-lo, em símbolo de honra e respeito por ele: a mirra tinha um cheiro doce, e junto com especiarias aromáticas havia uma chamada “aloé” que ele trouxe, e não a aloé comum. Nonnus a chama de “aloé indiana”, que era de um cheiro doce, razão pela qual ela foi comprada. Ambos são contados como as principais especiarias, Cant. 4:14, a mirra era uma das principais especiarias no óleo de unção e perfumes, Exo. 30:23. É uma espécie de cola ou de resina chamada “stacte”, que é estraída por incisão, ou por si só, para fora do corpo ou ramos de uma árvore dessa espécie, que cresce na Arábia e Egito, e sendo de um agradável cheiro, foi utilizada nos funerais: daí as palavras de Martial (z) “ – & olentem funera myrrham”, e assim Nazianzen, falando de seu irmão Caesarius, diz (um):

“Ele jaz morto, sem amigos, desolado, miserável, σμυρνης ολιγης ηξιωμενος, “favorecido com pouca mirra”.”

E assim o aloés foi utilizado para perfumes, e para dar um bom cheiro, Pro. 7:17, e como se disse que o vestuário de Cristo teria cheiro da mirra, aloés e cássia, Sal. 45:8. Alguns têm pensado que este era uma mistura de suco de mirra, e do suco da aloé, e foi um líquido em que o corpo de Cristo foi colocado: mas isso não concorda com a colocação do corpo em linho, como no próximo versículo, onde eles são chamados de especiarias. Um judeu (b) objeta a este relato do evangelista como indigno de crença: ele afirma que este era o suficiente para duzentos corpos mortos, e que não poderia ser levado com menos do que a força de uma mula, e, portanto, não por Nicodemos. Em resposta ao que é observado pelo Bispo Kidder (c) que nós não temos nada, exceto a palavra do Judeu, dizendo que isso era suficiente para duzentos mortos, e que seria uma carga para uma mula; deve ser dito que foi o peso do λιτρα, ou arratéis, mencionados pelo evangelista, antes que a força da oposição possa ser vista, é uma coisa bem conhecida, que, entre os Judeus, os corpos de homens grandes foram enterrados com uma grande quantidade de especiarias: é dito de Asa, que “eles enterrado-no em seu próprio sepulcro que tinha feito para si mesmo, na cidade de Davi, e fixaram-no na cama, que estava cheia de doces cheiros e tipos de especiarias”, 2Crôn. 16:14. Para que possa ser adicionado, o que é observado antes, que este não foi levado por Nicodemos mesmo, mas pelos seus servos, e aquilo que eles fizeram por suas ordens, e como ele veio junto com eles, ele pode ser dito como tendo feito. Tal como foi dito de José retirando o corpo de Jesus da cruz, o vestindo em linho, e transportando-o para o seu túmulo, e então o sepultando-o; e isso sendo feito pelos seus servos, às suas ordens; e como Pilatos é dito colocando o título que ele escreveu sobre a cruz, embora não fosse feito por ele mesmo, mas por outros, às suas ordens.


__________
Notas

(u) T. Bab. Gittin, fol. 56. 1.
(w) T. Bab. Taanith, fol. 20. 1.
(x) T. Bab. Sanhedrin, fol. 43. 1.
(y) Herodotus in Euterpe, c. 86.
(z) L. 11. Epigr. 35.
(a) Epist. 18. p. 78l. Tom. I.
(b) Jacob Aben Amram, porta veritatis No. 1040. apud Kidder, Demonstration of the Messiah, part 3. p. 65, 66. Ed. fol.
(c) Ib.

Nenhum comentário:

Postar um comentário