2009/07/06

Evangelho de Lucas

Evangelho de Lucas

O Evangelho de Lucas é o terceiro evangelho na ordem do Novo Testamento. O evangelho de Lucas é um relato que narra primariamente os eventos do ministério terrestre de Jesus. Seu objetivo era apresentar um registro exato em ordem lógica, comprovando a certeza do que Teófilo tinha sido ensinado oralmente. (Lucas 1:3, 4) Conforme sugerido por constar no cânon bíblico, este registro devia também beneficiar muitos outros, tanto judeus como não-judeus. Embora às vezes pareça predominar o arranjo tópico, este Evangelho, no seu esboço geral, segue uma ordem cronológica.

Título

“Lucas” é um nome latino popular usado por romanos proeminentes de Cícero ao imperador Marco Aurélio. Mencionado oito vezes no NT (Atos e várias Cartas; nunca nos Evangelhos), costuma nomear alguém que acompanhou os apóstolos Paulo e Pedro. No relato em Atos, um Marcos, de sobrenome João, era filho de uma mulher (Maria) em cuja casa em Jerusalém os cristãos do primeiro período se reuniam para orar, e para a qual Pedro foi, aparentemente como é óbvio, em sua liberação milagrosa da prisão (Atos 12:12). Marcos acompanhou Saulo (Paulo) e Barnabé em uma jornada de Antioquia a Jerusalém com auxílio de auxílio à fome (Atos 12:25), mas seu prematuro abandono de uma jornada missionária posterior na qual ele acompanhou Barnabé e Paulo (Atos 13:5, 13) precipitou uma disputa quando Barnabas propôs levar Marcos a outra jornada desse tipo. A oposição de Paulo a esse curso de ação levou a viagens missionárias independentes realizadas por Barnabé com Marcos e Paulo com Silas (Atos 15: 36-40). Essa é a última menção de João Marcos em Atos. Uma marca é mencionada por Paulo, no entanto, como um dos cinco cristãos que enviaram saudações a Filemom e alguns outros destinatários dessa carta (Filem 24). Se esta é a mesma marca, indica uma reconciliação posterior com Paulo. Os mesmos cinco cristãos também estão entre o grupo que envia saudações aos cristãos em Colossos (Col. 4:10), onde Marcos é identificado como o “primo de Barnabé”, uma aparente referência à marca mencionada em Atos. Uma marca também é identificada pelo autor de 2 Timóteo (4:11) como “muito útil em servir-me” e como “meu filho” em uma carta cujo autor é identificado como o apóstolo Pedro (1 Pe 5:13).

Tradições posteriores, assumindo que todas as referências NT eram para a mesma pessoa, identificaram este Marcos como o autor do segundo Evangelho, que, servindo como intérprete de Pedro em Roma, registrou, a pedido dos cristãos, o que ele poderia lembrar do apóstolo. pregação. Ainda tradições posteriores afirmam que o Evangelho, originalmente relatado como escrito após a morte de Pedro, foi escrito durante a vida do apóstolo, e eventualmente foi alegado que ele foi escrito a pedido de Pedro. Outras tradições marcam o primeiro a pregar no Egito e o fundador do cristianismo alexandrino. Lendas do século VI identificam Marcos como um dos setenta discípulos de Jesus (Lucas 10:1), aquele que carregou o pote de água (Marcos 14:13) e aquele em cuja casa ocorreram os eventos do Pentecostes (Atos 2:1-4). Lendas posteriores retratam a morte de seu mártir e seu enterro em Veneza. Que Marcos 14: 51-52 se refere ao autor do Evangelho é uma conjectura moderna.

Autor

A tradição sempre foi unânime em atribuir o terceiro Evangelho a Lucas, o “médico amado” (Cl 4:14). Embora o autor não seja identificado ou identificado dentro do livro, a tradição sobreviveu ao desafio crítico.

O autor escreve com notável precisão e habilidade literária; ele fica em segundo plano e apresenta Jesus como o Redentor. O Evangelho é dirigido ao “excelente Teófilo”, possivelmente um oficial romano que se tornou cristão. A comparação entre Lucas 1:1–4 e Atos 1:1–2 apoiam a opinião amplamente aceita de que o mesmo autor escreveu os dois livros, os dirigiu ao mesmo indivíduo e os destinou como volumes complementares. De acordo com 16:10–40, Lucas se uniu a Paulo em Trôade, em sua segunda viagem missionária, e o acompanhou a Filipos; ele então ficou em Filipos até depois da terceira viagem e depois foi com Paulo para Jerusalém (e Roma) (20: 5–21:18; 27:1-28). Lucas era o companheiro de Paulo (cf. Irineu Adv. Haer. III.1.l; 3.3; 14.1) e é mencionado como estando com ele quando Colossenses, Filemom e 2 Timóteo foram escritos (Col. 4:14; Flm. 24; 2 Tim. 4:11). Embora a perspectiva de Lucas sobre assuntos como o Conselho Apostólico difere da de Paulo (por exemplo, Atos 15; cf. Gál. 2), suas experiências únicas forneceram informações valiosas para escrever sua obra de dois volumes, que ele aparentemente escreveu com o Igreja helenística em mente. Ele foi o único autor gentio de um livro bíblico.

Fontes

A partir da análise altamente complexa das relações entre os Evangelhos, o presente texto de Lucas parece ter derivado essencialmente de duas fontes: o evangelho de Marcos (considerado pela maioria dos estudiosos como o Evangelho primário) e, um pouco menos, o documento hipotético P. A existência de Q é postulada pelos estudiosos como uma fonte plausível para cerca de duzentos versículos que Mateus e Lucas têm em comum; esses versos não são encontrados em Marcos.

Lucas omite material encontrado tanto em Marcos como em Mateus, e acrescenta material próprio que não é encontrado em nenhum deles. Ele também varia consideravelmente o arranjo do material. Quaisquer que sejam suas fontes exatas, Lucas teve acesso a informações pessoais sobre os pais de João Batista, o nascimento de Jesus e outros fatos não encontrados nos outros Evangelhos.

O prefácio do Evangelho menciona que muitos tinham “se comprometido a compilar uma narrativa” dos eventos do evangelho, e que tradições haviam sido proferidas por “testemunhas oculares e ministros da palavra”. Se Lucas considerou ou não tais escritos e tradições como suas fontes , ele parece ter tido considerável confiança em sua própria pesquisa cuidadosa e capacidade de organizar o material de modo a apresentar “a verdade” (Lucas 1:1–4).

Exclusividades

Como no caso dos outros três Evangelhos, o relato de Lucas fornece evidência abundante de que Jesus deveras é o Cristo, o Filho de Deus. Revela Jesus como homem de oração, que se estribava plenamente no seu Pai celestial. (Lu 3:21; 6:12-16; 11:1; 23:46) Contém numerosos pormenores suplementares, os quais, conjugados com o que se encontra nos outros três Evangelhos, oferecem um quadro mais completo dos acontecimentos associados com Cristo Jesus. Quase os inteiros capítulos 1 e 2 não têm paralelo nos outros Evangelhos. Pelo menos seis milagres específicos e mais de duas vezes este número, em ilustrações, são exclusivos deste livro. Os milagres são: Jesus fez com que seus discípulos tivessem uma pesca milagrosa (5:1-6), ressuscitou o filho duma viúva de Naim (7:11-15), e também curou uma mulher encurvada (13:11-13), um homem que padecia de hidropisia (14:1-4), dez leprosos (17:12-14) e a orelha do escravo do sumo sacerdote (22:50, 51). Entre as ilustrações há as seguintes: os dois devedores (7:41-47), o prestativo samaritano (10:30-35), a figueira estéril (13:6-9), a lauta refeição noturna (14:16-24), a moeda de dracma perdida (15:8, 9), o filho pródigo (15:11-32), o mordomo injusto (16:1-8), o rico e Lázaro (16:19-31), e a viúva e o juiz injusto (18:1-8).

A matéria cronológica que aparece neste Evangelho ajuda a determinar quando João, o Batizador, e Jesus nasceram e quando começaram seus respectivos ministérios (Lu 1:24-27; 2:1-7; 3:1, 2, 23).

Data e Lugar

A atribuição de uma data exata para a escrita de Lucas é difícil, mas desde que o evangelho de Marcos foi a fonte primária usada por Lucas, o trabalho deve ter sido escrito depois de Marcos. É para ser assumido que o Evangelho foi escrito antes de Atos (cf. Atos 1: 1). Dentro desses limites, os eruditos atribuíram datas entre os graus 63 e 80. Várias previsões precisas parecem descrever o que realmente aconteceu na destruição de Jerusalém (70 AD) e, assim, ser mais facilmente explicadas se foram escritas depois dessa data. Da mesma forma, estudiosos críticos em sua maioria datam o livro dos anos 80 a 85, antes da coleta e distribuição das cartas de Paulo (ca. 90). Isso concordaria com a indicação de Lucas de que ele não era ele mesmo uma testemunha ocular dos eventos registrados no Evangelho (Lucas 1: 2). Estudiosos conservadores, no entanto, afirmam que as predições de Jesus sobre a destruição de Jerusalém (cf. 19:41-44; 21:20-24) podem ser entendidas como profecias sobrenaturais antes do evento real, e assim argumentam por uma data em torno de AD 70

De acordo com o prólogo anti-marcionita, o Evangelho foi escrito na Acaia (cf. Gregory of Nazianzus Orations xxiii.11), mas a visão tem pouco apoio convincente. Lugares de origem mais prováveis ​​são Roma ou Antioquia.

Escritor e Tempo da Escrita

Embora não seja mencionado nele, em geral tem-se atribuído ao médico Lucas (Col 4:14) a escrita deste relato. Existe evidência escrita neste sentido já desde o segundo século EC, sendo o Evangelho atribuído a Lucas no Fragmento Muratoriano (c. 170 EC). Certos aspectos deste Evangelho também podem ser encarados como indicando um médico bem instruído como seu escritor. O vocabulário encontrado nele é mais extenso do que o dos três outros Evangelhos em conjunto. Às vezes, as descrições dos padecimentos curados por Jesus são mais específicos do que nos outros relatos. — Veja Mt 8:14; Mr 1:30; Lu 4:38; Mt 8:2; Mr 1:40; Lu 5:12.

Evidentemente, foi antes de escrever o livro de Atos que Lucas completou o seu Evangelho. (At 1:1, 2) Visto que havia acompanhado Paulo a Jerusalém no fim da terceira viagem missionária do apóstolo (At 21:15-17), ele teria boas condições para rebuscar com exatidão as coisas referentes a Jesus Cristo, na própria terra em que o Filho de Deus havia realizado sua atividade. Depois da prisão de Paulo em Jerusalém e durante o posterior encarceramento de Paulo em Cesareia, Lucas deve ter tido muitas oportunidades para entrevistar testemunhas oculares e consultar registros escritos. De modo que é razoável concluir que este Evangelho talvez fosse escrito em Cesareia, algum tempo durante a detenção de Paulo ali por cerca de dois anos (c. 56-58 EC). — At 21:30-33; 23:26-35; 24:27.

Propósito

O propósito do evangelho é dado no próprio prefácio de Lucas (1:1–4). Lucas pretendia escrever “um relato ordenado”, uma narração literária baseada em pesquisa cuidadosa, em vez de uma carta casual. Em Atos 1: 1, Lucas resume o que foi realizado neste primeiro volume como o começo do que “Jesus começou a fazer e ensinar”, enquanto o segundo volume pretendia continuar o registro da obra de Jesus através de seus apóstolos após a ressurreição. A preocupação de Lucas é que Teófilo (e muitos mais no mundo gentio que se tornaram cristãos) pode conhecer a “verdade” ou a confiabilidade dos fatos do evangelho. “As coisas de que você foi informado” são os fatos básicos do evangelho, e essa frase indica que os leitores são membros da Igreja que foram catequizados. O propósito é então escrever um relato básico, bem organizado, autêntico e confirmador dos feitos e palavras de Jesus.

Característica e Conteúdo

O evangelho de Lucas reflete seu interesse missionário. É uma obra de alegria e salvação, e reflete tanto um profundo respeito pelo aspecto do cumprimento da profecia em Jesus e uma profunda gratidão pelo fato de que Jesus veio “para buscar e salvar os perdidos” (19:10). Lucas expressa sincero interesse pelo sentimento e emoção humanos em relação ao cumprimento das Escrituras no evento de Cristo. Ele entende totalmente a emoção das experiências de Zacarias e Isabel no nascimento de João Batista e as de Maria no nascimento de Jesus. Essas emoções são expressas poeticamente no Magnificat (1:46–55) e no Benedictus (vv. 68–79). A capacidade de empatia de Lucas também é retratada graficamente na história do coletor de impostos que “nem sequer olhava para o céu, mas batia no peito, dizendo: 'Deus, tenha misericórdia de mim um pecador'” (18:13).

O interesse genuíno de Lucas pelas pessoas é evidente em seus relatos do Bom Samaritano, do Filho Pródigo e do pecador perdoado que lavou os pés do Salvador com suas lágrimas (7:36-50). Lucas é o Evangelho mais claramente universal; o perdão, a redenção e a alegria da salvação são para toda a humanidade - pagãos e samaritanos, publicanos e pecadores.

Este Evangelho parece também ser o mais abrangente. A genealogia de Jesus (3:23-38) é rastreada através de Adão até Deus, e Lucas é o único Evangelho a descrever a Ascensão (24:13-51). A assim chamada grande inserção (9:51-19:27) contém principalmente material não encontrado nos outros Evangelhos; inclui os relatos bem conhecidos do envio dos setenta discípulos, Maria e Marta, o Tolo Rico, a Ovelha Perdida, Zaqueu e a Parábola das Libras.

Lucas é o evangelho do amor. Retrata a grande compaixão de Jesus e mostra sua preocupação pela única moeda perdida (15:8-10; cf. 3–7, 11–32). Mostra como o pai ideal que dá bons presentes a seus filhos é um símbolo do Pai celestial que “dará o Espírito Santo àqueles que o pedirem” (11:13). Lucas encoraja seus seguidores a mostrar o mesmo amor, bondade e perdão aos outros: “Ame seus inimigos,… abençoe aqueles que o amaldiçoam… Dê a todos que implorarem de você” (6:27-30).

Autenticidade

Um indício da autenticidade do Evangelho de Lucas e da harmonia entre este e os outros livros bíblicos são as numerosas referências às Escrituras Hebraicas contidas nele e as citações feitas delas. (Veja Lu 2:22-24; Êx 13:2; Le 12:8; Lu 3:3-6; Is 40:3-5; Lu 7:27; Mal 3:1; Lu 4:4, 8, 12; De 8:3; 6:13, 16; Lu 4:18, 19; Is 61:1, 2.) O que confirma ainda mais a autenticidade deste livro é o cumprimento da profecia de Jesus a respeito da destruição de Jerusalém e do templo dela (Lu 19:41-44; 21:5, 6).

Teologia

O plano de Deus é um dos principais temas de Lucas. Numerosos textos exclusivos de Lucas discutem esse conceito (1:14–17, 31–35, 46–55, 68–79; 2:9–14, 30–32, 34–35; 4:16–30; 13:31 –35; 24:44–49). O agrupamento de tais textos na seção infantil de Lucas mostra como o tema é uma importante nota introdutória no Evangelho, fato que destaca sua importância.

A estrutura temporal básica por trás desse tema é o padrão de promessa e realização. A era da promessa durou desde a época do Antigo Testamento até João Batista (7:28; 16:16-17). A era do cumprimento começa com o ministério de Jesus e continua até o retorno (17:21-37; 21:5–38; 24:43–49; Atos 2:14–39; 3:14–26). Embora Jesus traga a era do cumprimento, os gentios são mais abertos à mensagem do que os judeus, embora haja aqueles na nação que respondem, um remanescente fiel (Lc 2:34; 3:4–6; 4:25–27; 7:1–10; 10:25–37; 11:49–51; 13:7–9, 23–35; 14:16–24; 17:12–19; 19:41–44). A ênfase de Lucas no cumprimento explica por que tantos textos destacam o que está acontecendo “hoje” ao anunciar a chegada da salvação de Deus (2:11; 4:21; 5:26; 13:32–33; 19:5, 9, 42; 23:42-43). João Batista é a ponte entre as eras. Ele anuncia que ele não é o Cristo, mas aquele que traz o Espírito será o Cristo, visto que o Espírito é o sinal do cumprimento (3:15–18).

Então o plano tem uma missão. Jesus pregará boas novas aos pobres (4:16-30). Ele veio para curar “os doentes” chamando os pecadores ao arrependimento (5:30–32). Ele comissionou representantes para levar a mensagem ao exterior (9:1–6; 10:1–24; 24:43–49). Ele veio para buscar e salvar os perdidos (19:10). Mesmo sua traição e a oferta de si mesmo na cruz não são nenhuma surpresa (9:21-27; 18:31-34; Atos 2:22-24). “É necessário” que certas coisas aconteçam. Jesus deve estar na casa do Pai (Lc 2:41–52). Ele deve pregar o reino (4:43). Ele deve ser contado entre os transgressores (23:37). Não há surpresas nos eventos que cercam Jesus; eles são parte do plano de Deus e da missão de Jesus.

No centro do plano está o Cristo. Lucas constrói sua cristologia da terra. Começando com um nascimento miraculoso, o retrato de Jesus de Lucas mostra que ele é especial desde o começo. Jesus é visto como um professor (6:20-48), um profeta (4:21-30), o Cristo (9:18-20), o Filho do Homem (5:17-26; 9:21-27), e o Senhor (20:41-44; 22:69; Atos 2:30-36).

Observe a progressão da ênfase. O Evangelho começa seu retrato de Jesus em categorias que são familiares aos leitores de Lucas e, em seguida, se move em aspectos mais profundos e mais elevados, como a história se desenrola, da mesma forma que uma pessoa experimenta Jesus. Isso permite que os leitores cresçam em sua compreensão de quem é Jesus. Lucas faz seu caso para Jesus um passo de cada vez.

Cristo vem para estabelecer o reino. O governo e a promessa de Deus são manifestados na terra em cumprimento da promessa anterior (Lc 4:18, 43; 7:22; 8:1; 9:6; 10:11). Alguns textos associam o reino como já presente na atividade de Jesus com sua autoridade representada no poder que ele exerce (10:9, 18-19; 11:14-23; 17:21). A atividade milagrosa de Jesus sublinha a totalidade dessa autoridade. Outros aspectos da promessa do reino ainda não chegaram e aguardam o cumprimento no futuro (17:22–39; 21:5–38; Atos 3:20–21). Como Atos 3 argumenta, o que ainda está por vir na promessa do reino cumprirá o restante do que o Antigo Testamento prometeu que aconteceria no Messias.

O principal indicador da chegada da promessa é o Espírito (Lc 3:15–18; 24:49; Atos 1:8; 2:1–39). O evento chave que permite a distribuição do Espírito é a ascensão-ressurreição de Jesus. Este evento representa um cumprimento fundamental do Salmo 110:1 (Lc 20:41-44; 22:69; Atos 2:30-36). Como esse texto indica, Jesus governa do lado do Pai em cumprimento da promessa messiânica do Antigo Testamento. Sua regra é indicada por sua autoridade para distribuir os benefícios prometidos da Nova Aliança.

Então, Jesus traz promessa e salvação. A salvação envolve compartilhar a esperança, experimentar a bênção do governo de Jesus do lado do Pai e compartilhar o perdão dos pecados e o dom da habitação do Espírito. Também aguarda a conclusão gloriosa do que Jesus começou ao vir à terra. O Espírito nos capacita para a missão de proclamar Jesus e também para viver uma vida ética e honrada por Deus. Embora Lucas não enfatize isso, a base para tal bênção é a cruz, que permite que a Nova Aliança seja ativada (22:20; Atos 20:28). Para descrever a bênção recebedora, Lucas usa três termos para a mesma ação básica:“arrependa-se” (Lc 11:32), “volta” (1:17; 22:32) e “fé” (5:20; 7:47– 50). Crer em Cristo é descansar em seu cuidado espiritual e começar uma jornada que deve durar até que a promessa de salvação seja plenamente realizada. Aqueles que compartilham essa fé formaram uma nova comunidade, não porque procurassem se separar de Israel e dos judeus, mas porque foram forçados a se tornar uma nova comunidade.

A natureza da nova vida comunitária é vista em várias ênfases, incluindo o chamado ao amor (6:20–48), a oração (11:1–13; 18:1–14), o chamado para ser persistente (8:13–15 9:23; 18:8; 21:19) e a necessidade de evitar obstáculos ao discipulado, como o apego excessivo à riqueza (8:14; 12:13–21; 16:1–15, 19–31; 18:18-25). Lucas escreve não apenas para tranquilizar Teófilo, mas também para encorajá-lo a refletir essas características pela capacitação do Espírito, a viver em fidelidade diante de Deus.

Cristologia

Por causa do papel central que Jesus desempenhou em todos os quatro Evangelhos, é evidente que cada Evangelho tem uma ênfase cristológica. O Evangelho de Lucas não é exceção, visto que Jesus Cristo está no centro do duplo trabalho de Lucas. Isto não é apenas evidente no Evangelho, onde Jesus é o tema principal do cap. 1 ao cap. 24, mas também nos primeiros sermões em Atos. Se omitirmos o sermão de Estevão no cap. 7, descobrimos que o conteúdo cristológico domina os primeiros sermões. Claramente, os primeiros sermões de Atos são orientados cristologicamente. Ao longo do Evangelho, o leitor encontra a questão crucial e decisiva: “Quem é este?” 56 Lucas até relatou que o nome dado aos primeiros crentes era “cristãos” (Atos 11:26).

A cristologia de Lucas-Atos é rica e variada. Numerosos títulos e atributos são dados a Jesus, e estes não devem ser isolados uns dos outros. Jesus é Profeta, Cristo/Messias, Filho de Deus/Filho, Senhor, Filho do Homem, Servo (Atos 3:13, 26; 4:30), Rei dos Judeus, Filho de Davi, Santo e/ou Justo, Autor da Vida (Atos 3:15), Líder (Atos 3:15; 5:31), Salvador, e Juiz (Atos 10:42; 17:31). Lucas não fez nenhuma referência específica à preexistência em sua descrição cristológica de Jesus. Pode ser, no entanto, que a designação “Deus” seja aplicada a Jesus em Lucas 8:39; 9:43; Atos 20:28, embora isso seja incerto.

Como todos esses títulos se aplicam a Jesus, não é de surpreender que às vezes eles sejam usados ​​de forma intercambiável. Podemos notar Lucas 2:11 (Salvador-Cristo-Senhor; cf. também as implicações de seu nascimento na cidade de Davi); 1:32–33 (Filho-Rei dos Judeus [cf. “o trono de seu pai Davi”]); 4:34, 41 (Santo de Deus-Filho de Deus-Cristo); 22:67-70 (Cristo-Filho do Homem-Filho de Deus); 23:35-37 (Cristo Rei Escolhido dos Judeus). Todos esses títulos, naturalmente, referem-se à mesma pessoa - Jesus. Como a mesma pessoa possui todos esses títulos, não é de surpreender que alguns títulos, cuja plena realização está no futuro, sejam atribuídos de forma proléptica a Jesus durante seu ministério. Assim, enquanto Jesus foi “feito Senhor e Cristo” no sentido mais completo após a ressurreição (Atos 2:36; cf. Rm 1:4; Fp 2:9-11), no seu nascimento ele já era Cristo e Senhor ( Lucas 2:11), e ele foi crucificado como o Cristo (Atos 23:3; 24:26; 3:18). Já que para Lucas o primeiro Jesus e o Senhor ressuscitado são uma e a mesma pessoa, todos os títulos acima mencionados podem ser usados ​​de Jesus de Nazaré desde o começo, mesmo que seu significado completo esteja no futuro.

A cristologia de Lucas envolve muito mais do que apenas os títulos aplicados a Jesus em Lucas-Atos. Devemos também incluir a maneira única como ele agiu e falou. Jesus reivindicou e manifestou uma autoridade única (Lucas 20: 1–8; 6:1-5) sobre a natureza (8:25; 9:10–16), sobre a doença (4:38–40; 7:22) e sobre Satanás (4:36, 41; 10:17-20). Jesus também falou com uma autoridade única e fez o que só pode ser chamado de reivindicações finais (12:8-9; 7:23; 9:23-26). A cristologia geral de Lucas, como a dos outros escritores dos Evangelhos, era de alguém que não apenas era maior que todos os outros homens (ou seja, ele não era apenas quantitativamente diferente), mas também qualitativamente diferente, alegando prerrogativas divinas (5:20– 26; 7:48–49; 24:52).

Esboço

I. O Prólogo (1:1–4)
II. A narrativa da infância (1:5–2:52)
1. O nascimento de João Baptista é anunciado (1:5–25)
2. Nascimento de Jesus anunciado (1:26-38)
3. O Encontro de João Batista e Jesus (1:39–56)
4. O nascimento de João Batista (1:57–80)
5. O Nascimento de Jesus (2:1–52)
(1) O nascimento adequado (2:1-20)
(2) A circuncisão e os profetas, Simeão e Ana (2:21-40)
(3) O Menino Jesus no Templo (2:41–52)
III A Preparação do Ministério de Jesus (3:1-4:15)
1. João Batista (3:1-20)
(1) A Pessoa de João Batista - O Profeta Escatológico (3:1-6)
(2) A missão de João Batista (3:7-20)
2. Jesus (3:21–4:15)
(1) A pessoa de Jesus - o filho de Deus (3:21-38)
(2) O Prelúdio da Missão de Jesus (4:1–15)
IV. O ministério de Jesus na Galileia (4:16–9:50)
1. O começo do ministério de Jesus (4:16–5:16)
(1) O Sermão de Jesus em Nazaré - uma explicação temática sobre o ministério de Jesus (4:16–30)
(2) Curas de Jesus em Cafarnaum (4:31-44)
(3) O Chamado dos Primeiros Discípulos (5:1–11)
(4) Cura de Jesus de um leproso (5:12-16)
2. O começo da controvérsia (5:17-6:11)
(1) Conflito sobre o perdão de pecados de Jesus (5:17-26)
(2) Conflito sobre a Associação de Jesus com Coletores de Impostos e Pecadores (5:27-32)
(3) Conflito sobre os discípulos de Jesus 'não jejuar (5:33–39)
(4) Conflito sobre a atitude de Jesus em relação ao sábado (6:1-11)
3. O Ensino dos Discípulos:O Sermão na Planície (6:12–49)
(1) Escolhendo os Doze Discípulos (6:12–16)
(2) Ministério para as multidões (6:17-19)
(3) Bem-aventuranças e aflições (6:20-26)
(4) Amor dos Inimigos (6:27-36)
(5) Julgar os outros (6:37–42)
(6) Duas Fundações (6:43–49)
4. Quem é esse Jesus? (7:1–50)
(1) Jesus Cura o Servo do Centurião (7:1-10)
(2) Jesus Ergue a Viúva do Filho de Nain (7:11–17)
(3) Jesus se revela a João Batista (7:18–23)
(4) Jesus presta testemunho de João Batista como seu precursor (7:24-30)
(5) Jesus Experiências Rejeição (7:31-35)
(6) Jesus perdoa pecados (7:36–50)
5. Jesus ensina em parábolas (8:1-21)
(1) Um resumo do ministério de Jesus (8:1–3)
(2) A parábola dos solos (8:4-15)
(3) A parábola da lâmpada (8:16-18)
(4) a verdadeira família de Jesus (8:19-21)
6. Jesus revela seu domínio sobre o mundo, o diabo e a carne (8:22-56)
(1) Jesus acalma o mar (8:22-25)
(2) Jesus expulsa um demônio (8:26-39)
(3) Jesus Cura a Mulher que Hemorragia e Levanta a Filha de Jairo (8:40-56)
7. Jesus e os Doze (9:1–50)
(1) A Missão dos Doze (9:1–6)
(2) A pergunta de Herodes sobre Jesus (9:7–9)
(3) Alimentando os Cinco Mil (9:10–17)
(4) Confissão de Pedro e Ensinamentos sobre a Paixão e Discipulado (9:18-27)
(5) A Transfiguração (9:28-36)
(6) A Cura do Menino com um Espírito Imundo (9:37–43a)
(7) O Segundo Anúncio da Paixão (9:43b-45)
(8) Humildade e abertura (9:46–50)
V. Jornada de Jesus a Jerusalém (9:51-19:27)
1. Primeira Menção da Jornada a Jerusalém (9:51–13:21)
(1) A missão a Samaria (9:51-56)
(2) Ensinamentos sobre Discipulado (9:57–62)
(3) A Missão dos Setenta (dois) (10:1-16)
(4) O Retorno dos Setenta (-10) (10:17-20)
(5) A bem-aventurança dos discípulos (10.21-24)
(6) A parábola do bom samaritano (10:25-37)
(7) Marta e Maria (10:38-42)
(8) O ensinamento de Jesus sobre a oração (11:1–13)
(9) A controvérsia de Belzebu (11:14-23)
(10) O Retorno do Espírito Imundo e da Bem-Aventurança (11:24-28)
(11) O sinal de Jonas (11:29-32)
(12) Provérbios sobre a Luz (11:33-36)
(13) A denúncia dos fariseus e escribas (11.37-54)
(14) Advertências e Exortações (12:1–12)
(15) A parábola do rico tolo (12:13–21)
(16) Cuidado e Ansiedade (12:22-34)
(17) Os Servos Vigilantes (12:35–48)
(18) Jesus - o grande divisor (12:49-53)
(19) Sinais do Tempo e Estabelecer-se com os Oponentes (12:54–59)
(20) A necessidade de se arrepender (13:1-9)
(21) A cura da mulher aleijada no sábado (13:10-17)
(22) As parábolas da semente de mostarda e fermento (13:18-21)
2. Segunda Menção da Jornada a Jerusalém (13:22–17:10)
(1) A porta estreita (13:22-30)
(2) Aviso sobre Herodes e o Lamento sobre Jerusalém (13:31-35)
(3) Cura do homem com lepra (14:1-6)
(4) Provérbios sobre Comportamento de Banquete (14.7-14)
(5) A parábola do grande banquete (14.15-24)
(6) Condições do Discipulado (14:25-35)
(7) As Parábolas da Ovelha Perdida, Moeda Perdida e Pai Gracioso (15.1-32)
(8) A parábola do administrador desonesto (16:1-8)
(9) Provérbios sobre Mordomia (16:9–18)
(10) A parábola do rico e de Lázaro (16:19-31)
(11) Ensinamentos dirigidos aos discípulos (17:1–10)
3. A terceira menção da viagem a Jerusalém (17:11-19:27)
(1) O Samaritano Grato (17:11-19)
(2) A vinda do reino de Deus (17:20-37)
(3) A parábola do juiz injusto (18:1-8)
(4) A parábola do fariseu e do coletor de impostos (18:9-14)
(5) Jesus abençoando os filhos (18:15-17)
(6) O Rico Governante (18:18-30)
(7) O Terceiro Anúncio da Paixão (18:31–34)
(8) A Cura do Cego em Jericó (18:35–43)
(9) Zaqueu, o cobrador de impostos (19:1-10)
(10) A parábola das dez Minas (19:11–27)
VI. Ministério de Jesus em Jerusalém (19:28-21:38)
1. A entrada messiânica em Jerusalém (19:28-40)
2. Lamento sobre Jerusalém e a limpeza do templo (19:41-48)
3. Uma questão da autoridade de Jesus (20:1-8)
4. A parábola dos iníquos inquilinos (20:9-19)
5. Uma pergunta sobre o tributo a César (20:20-26)
6. Uma pergunta sobre a ressurreição (20.27-40)
7. Uma pergunta sobre o filho de Davi (20:41-44)
8. Advertências relativas aos escribas (20:45–47)
9. A oferta da viúva (21:1–4)
10. A Destruição do Templo (21:5–6)
11. Sinais antes do fim (21:7-11)
12. A Próxima Perseguição dos Discípulos (21:12-19)
13. A desolação que vem sobre Jerusalém (21:20-24)
14. A vinda do Filho do Homem (21:25-28)
15. A parábola da figueira (21:29-33)
16. Exortação à Vigilância (21:34-36)
17. O Ministério de Jesus no Templo (21:37-38)
VII. Paixão de Jesus (22:1–23:56)
1. A Última Ceia (22:1–38)
(1) O plano para matar Jesus (22:1–6)
(2) Preparação da Refeição da Páscoa (22.7-13)
(3) A Páscoa - a Ceia do Senhor (22:14-20)
(4) Traição de Jesus Predita (22:21-23)
(5) Grandeza no Reino de Deus (22:24-30)
(6) A negação de Pedro predita (22:31-34)
(7) Duas Espadas (22:35–38)
2. Prisão e Julgamento (22:39–23:56)
(1) A oração de Jesus (22:39-46)
(2) A prisão de Jesus (22:47–53)
(3) A negação de Pedro (22:54–62)
(4) A zombaria de Jesus (22:63–65)
(5) Jesus diante do Sinédrio (22:66-71)
(6) Jesus antes de Pilatos (23:1-5)
(7) Jesus antes de Herodes (23:6-12)
(8) Frase de Pilatos (23:13-16)
(9) Jesus entregue para ser crucificado (23:18-25)
(10) O caminho para a cruz (23:26-32)
(11) A Crucificação (23:33-38)
(12) Os dois criminosos (23:39-43)
(13) A morte de Jesus 23:44–49)
(14) O Enterro de Jesus (23:50-56)
VIII. A ressurreição e ascensão de Jesus (24:1–53)
1. As mulheres no túmulo vazio (24:1-12)
2. Aparição de Jesus no Caminho de Emaús (24:13-35)
3. Aparição de Jesus aos discípulos em Jerusalém (24:36-43)
4. Comissão de Jesus aos Discípulos (24:44–49)
5. A Ascensão (24:50-53)

Um comentário:

rodrigo bastos 19 disse...

Deus abençoe a vida deste site, muito bom cada estudo

Postar um comentário