2009/07/03

Evangelho de Mateus

Evangelho de Mateus
O Evangelho de Mateus é o primeiro dos evangelhos do Novo Testamento em ordem canônica. Ele foi composto durante as últimas décadas do século I, quando judeus e cristãos depararam-se com a tarefa de rearticular sua autocompreensão à luz da destruição do templo e da cidade santa, Jerusalém. Independentemente de onde o Evangelho de Mateus foi escrito (Antioquia da Síria ou um dos maiores assentamentos na Galileia, são os dois cenários mais frequentemente propostos), a história de Jesus que Mateus diz parece adequada para esclarecer a identidade, vocação e práticas de uma comunidade em transição e angústia. Mateus usa a tensão e a surpresa, tanto na forma como no conteúdo, para abordar essa situação, afirmando que Jesus Cristo, “Deus conosco”, é a figura definidora em torno da qual a autocompreensão, a imaginação e as relações sociais da comunidade devem ser formadas.

Autor

O anonimato dos evangelhos canônicos exige forte dependência de evidências externas como ponto de partida para estabelecer a autoria do evangelho. O testemunho externo do segundo século é praticamente unânime que Mateus, o coletor de impostos, escreveu o Evangelho atribuído a ele. Mesmo antes do testemunho patrístico explícito a respeito da autoria do Evangelho, há evidências convincentes de que nenhum Evangelho circulou sem um cabeçalho ou título apropriado (por exemplo, “de acordo” ΜΑΘΘΑΙΟΝ, “de acordo com Mateus”), identificando a pessoa que se acredita ser o autor. A suposição comum de que os Evangelhos circularam anonimamente até meados do segundo século, quando os títulos finalmente foram afixados a eles, foi seriamente desafiada por Martin Hengel. Embora certos detalhes da teoria de Hengel sobre as origens dos títulos do Evangelho tenham sido questionados, a falta de variação na tradição do segundo século, no que se refere à autoria de Mateus, poderia muito bem ter sua origem na época em que os evangelhos começaram a circular entre as comunidades cristãs.

A mais antiga fonte patrística que trata da autoria do evangelho vem de Papias, o bispo de Hierápolis (ca. 60–130), cujos comentários estão disponíveis apenas em citações preservadas por Eusébio, bispo de Cesareia (ca. 260–340, HE 3.39.14–16 ). A citação de Papias por Eusébio a respeito da autoria de mateana foi sujeita a várias interpretações dependendo da tradução de termos-chave. A citação diz: “Mateus coletou (συνετάξατο, synetaxato, “composto”, “compilou”, “organizou”) os oráculos (τὰ λόγια, ta logia, “ditos”, “evangelho”) no idioma hebraico (διαλέκτῳ, dialektō, “hebraico ou aramaico”, “Estilo semítico”) e cada um interpretou (ἡρμήνευσεν, hērmēneusen, “interpretou”, “traduziu”, “transmitiu”) o melhor que pôde”. (Eusébio, HE 3.39.16).

Parece que o testemunho patrístico posterior a Papias dependia de seu testemunho e assim perpetuou a tradição da autoria de Mateus junto com a noção de uma versão semítica original. Os testemunhos de Irineu (Adv. Haer. 3.1.1), Panteno (citado em HE 5.10.3), Orígenes (citado em HE 6.25.4), o próprio Eusébio (HE 3.24.6), Epifânio (citado em Adv. Haer 29.19; 30.3.7), Cirilo de Jerusalém (Catequese 14.15), Jerônimo (De Vir. III.3), assim como Gregório de Nazianzo (329-389), Crisóstomo (347-407), Agostinho (354-430), e as autoridades sírias e coptas são unânimes em afirmar que Mateus foi o autor do primeiro Evangelho originalmente em uma língua semítica. Entretanto, como a tradição parece basear-se na visão de Papias, como citado por Eusébio, a evidência do testemunho patrístico, na opinião de alguns, tem muito pouco valor independente. Especialmente desde que a ideia de um Mateus semítico original, da qual nosso Mateus Grego foi traduzido, tem sido contestada por motivos textuais e linguísticos. Mateus simplesmente não lê como o grego traduzido. Essas e outras dificuldades com a visão de Papias resultaram em muitos descartando todos os testemunhos patrísticos sobre a autoria de Mateus. 

Embora muita opinião crítica tenha assumido que a visão errônea de Papias de um Mateus semítico original desmentia seu testemunho de que Mateus era o autor, nos últimos tempos a evidência fornecida pelo testemunho de Papias foi reavaliada. Por um lado, alguns estudiosos argumentam que os termos Εβραΐδι διαλέκτῳ (Ebraidi dialektō) não se referem à língua hebraica ou aramaica, mas sim a um estilo judaico ou forma literária. Nesse ponto de vista, Papias estaria se referindo à propensão de Mateus para temas e dispositivos semíticos, não um evangelho semítico original. Outros rejeitaram tal interpretação como uma maneira não natural de ler a passagem de Papias, e preferem reconhecer que Papias estava simplesmente errado quando afirmou que Mateus foi originalmente escrito em uma língua semítica. No entanto, tal admissão não garante a completa dispensa do testemunho de Papias sobre a autoria de Mateus. É preciso ainda explicar como o nome de Mateus se ligou ao primeiro Evangelho. A obscuridade e a relativa falta de proeminência do apóstolo Mateus argumentam contra a visão de que a igreja primitiva atribuísse pseudonimamente o Evangelho a Mateus. Certamente, a tradição patrística tinha alguma base para atribuir o Evangelho a Mateus. Portanto, como observado por Davies e Allison, “a compreensão simplista de Papias, que o desconsidera de imediato, deve ser questionada, se não abandonada”.

Não há nada inerente ao próprio Evangelho que argumenta convincentemente contra a autoria de Mateus. Contrariamente à opinião de alguns, o decidido sabor judaico do Evangelho argumenta de forma decisiva para o autor do primeiro Evangelho como sendo um judeu. Outros estudiosos notaram que o histórico de Mateus e seu treinamento como “coletor de impostos”, juntamente com outras habilidades profissionais, oferecem uma explicação plausível para a sofisticada forma literária do Evangelho e a atenção aos detalhes. Certamente, o peso combinado de considerações externas e internas torna a visão tradicional da autoria de Mateus uma posição razoável, se não a mais plausível. Não apenas dados difíceis são difíceis de estabelecer para autoria de qualquer um dos Evangelhos, o que está disponível é frequentemente sujeito a explicações diversas, mas igualmente confiáveis. Segue-se que, embora a questão da autoria seja um problema histórico intrigante, é extremamente duvidoso que algum consenso possa emergir dada a natureza da evidência disponível.

A questão deve ser levantada se a veracidade do primeiro Evangelho ou sua interpretação depende, em última análise, do veredicto de autoria. Enquanto um viés teológico sobre a autoria pode influenciar a forma como o texto é avaliado, os dois problemas não estão integralmente conectados. Como o primeiro Evangelho oferece muito pouca (ou nenhuma) visão da identidade de seu autor histórico, recriar a figura por trás do Evangelho não é relevante ou particularmente importante para entender a história de Mateus sobre Jesus. Assim, embora eu não veja nenhuma razão convincente para abandonar a atribuição tradicional da autoria de Mateus ao primeiro Evangelho, nenhuma preocupação exegética ou teológica significativa paira sobre o assunto.

Prioridade e Forma

Alguns estudiosos hoje argumentam que Mateus foi o primeiro Evangelho a ser escrito. A maioria dos estudiosos, no entanto, mantém a prioridade de Marcos e acredita que Mateus provavelmente usou duas outras fontes além de Marcos, uma que foi compartilhada com Lucas (comumente chamada de “Q”) e uma fonte que foi usada independentemente por Mateus. Enquanto gerações anteriores de estudiosos sustentavam que muitas das repetições encontradas em Mateus se deviam ao uso descuidado dessas fontes, estudos mais recentes afirmam que Mateus emprega a repetição intencionalmente como um meio de desenvolver personagens e avançar na trama. Mateus também se baseia em citações e alusões ao AT para guiar o leitor através da história e fornecer quadros interpretativos para os eventos narrados. Entre as mais proeminentes, estão as “citações de cumprimento” (Mateus 1:22–23; 2:15, 17–18, 23; 4:14–16; 8:17; 12:17–21; 13:35; 21:4–5; 27: 9–10), o que atrairá as audiências que estão familiarizadas com o AT, especialmente as profecias referentes ao Messias. No entanto, à medida que se encontram apelos às expectativas judaicas, também se encontram elementos nesta história que teriam surpreendido os leitores com o conhecimento do AT e estenderam suas noções sobre o Messias e Deus. A descrição de Jesus de um “escriba treinado para o reino dos céus” como alguém que “traz do seu tesouro o que é novo e o que é velho” (13:52) descreve bem o próprio trabalho desse evangelista.

A manipulação de Mateus das convenções do gênero também gera tensão e surpresa. O evangelho incorpora elementos que teriam levado o público antigo a associá-lo tanto a biografias de importantes filósofos e reis quanto à historiografia judaica. Assim, por um lado, a história de Mateus é sobre Jesus, o professor e curador, cujas ações e ensinamentos, incluindo sua morte e ressurreição, formam um todo coerente, congruente e convincente, digno de emulação pelos fiéis discípulos mesmo em meio a circunstâncias desconcertantes. Desta forma, funciona como uma antiga biografia. Por outro lado, a história de Mateus é sobre Jesus, o messias de Israel, cuja vocação e ministério, incluindo sua morte e ressurreição, resumem e realizam toda a história de Deus e do povo de Israel. Desta forma, o evangelho parece construir e completar os livros históricos encontrados no AT. Ao combinar a biografia com a história, o evangelho transcende as expectativas de ambos. O leitor percebe que Jesus é uma figura cuja vida e ensinamentos são importantes por direito próprio, mas também aquela cuja história resume e altera a história.

Mateus também mantém múltiplos padrões estruturais sobrepostos em tensão. O mais proeminente desses padrões organizacionais é a alternância de narrativa e discurso. Cinco vezes Mateus usa a fórmula “e quando Jesus terminou de dizer estas coisas”, sempre na transição de um dos cinco principais discursos de Jesus para uma seção da narrativa registrando seus atos (7:28-29; 11:1; 13:53; 19:1; 26:1). Alguns estudiosos detectam na correspondência aproximada de temas e motivos em meio a esses segmentos da narrativa e do discurso um arranjo quiástico abrangente (isto é, um paralelismo concêntrico invertido, baseado nas parábolas do cap. 13).

Duas vezes Mateus usa a fórmula “daquele tempo em que Jesus começou”, cada vez sugerindo uma mudança importante na narrativa: em 4:17 Jesus começa seu ministério e prega na Galileia, e em 16:21 ele se volta para Jerusalém, onde seu sofrimento, morte e ressurreição ocorrerão. De acordo com esse esquema, Mateus é organizado em três painéis, cada um representando um aspecto geográfico e, especialmente, cristológico diferente da história.

Mais recentemente, os estudiosos voltaram sua atenção para o desenvolvimento da trama em Mateus, e ofereceram uma variedade de propostas sobre a estrutura do Evangelho baseada em “cernes”, os pontos de inflexão que determinam as cadeias de causalidade em torno das quais a narrativa flui. Essa abordagem normalmente produz uma estrutura de seis partes, aproximadamente da seguinte maneira: 1) a vinda do Messias, 1:1–4:16 (sedimento 1:18–25); 2) o ministério do Messias para Israel, 4:17-11:1 (sedimento: 4:17-25); 3) conflito e crise no ministério do Messias, 11: 2-16: 20 (cerne: 11:2-6); 4) a jornada do Messias a Jerusalém, 16:21-20: 34 (cerne: 16:21-28); 5) a rejeição final e crucificação do Messias, 21:1-27: 66 (cerne: 21:1-27); e 6) ressurreição do Messias e comissionamento dos discípulos, 28:1-20 (cerne: 28:1-10).

Os leitores devem resistir à tentação de escolher entre essas alternativas, uma vez que elas são desenvolvidas com base em critérios diferentes, mas não necessariamente exclusivos. Leituras que ignoram os complexos padrões estruturais que se cruzam e se sobrepõem em ação nesse evangelho tendem a ser reducionistas. Além disso, o evangelista às vezes estabelece padrões e expectativas, apenas para quebrá-las. Por exemplo, na genealogia que abre o evangelho (e que molda as expectativas genéricas dos leitores), Mateus expõe a ascendência de Jesus de acordo com uma estruturação em três partes da história de Israel, levando de Abraão ao estabelecimento do reino davídico, de Salomão ao exílio babilônico, e do retorno do exílio ao Cristo. Mateus então diz ao leitor explicitamente que cada uma dessas três porções da história de Israel tem 14 gerações. Uma contagem cuidadosa, no entanto, produz apenas 13 gerações no último segmento. Mateus cometeu com um erro? Nós devemos contar Jesus duas vezes? O Espírito Santo conta como uma geração? Mateus não resolve essas questões, mas deixa aos leitores resolver o mistério e a tensão de uma estrutura cuidadosamente construída e (aparentemente) intencionalmente quebrada.

A sensação de tensão e surpresa gerada pelo uso da estrutura de Mateus é acompanhada pelas tensões temáticas que percorrem esse Evangelho. O mais evidente deles, e o mais preocupante para os estudiosos, tem sido o problema colocado pela relação de Mateus com o judaísmo. Mateus é um dos documentos mais explicitamente judaicos do NT, mas também um dos mais críticos da liderança judaica. Mateus parece afirmar a continuidade da validade da Lei (por exemplo, 5:17-20), ao mesmo tempo em que limita parte de sua autoridade (por exemplo, 12:1-14). Isso reflete uma comunidade agora em grande parte gentia que (talvez há muito tempo) deixou suas raízes judaicas para trás, mas não se preocupou em cobrir os rastros de suas origens? Será que isso reflete uma comunidade predominantemente judaica que só recentemente emergiu de uma ruptura dolorosa e definitiva com as facções judaicas concorrentes? Ou Mateus é representante de uma comunidade cristã (ou “cristã judaica”) que, mesmo no seu empenho em missão às nações, entende-se como herdeira legítima e fiel personificação da vocação e das tradições de Israel e, portanto, em competição com expressões alternativas de Identidade judaica e liderança? Durante as últimas décadas, a maior parte da discussão centrou-se nas últimas alternativas, com um número crescente de vozes afirmando a última dessas propostas.

Essa linha de questionamento, em qualquer caso, tem suas raízes na aparente determinação de Mateus de localizar a história de Jesus na história de Israel ou, mais precisamente, estabelecer Jesus como o cumprimento da história de Israel, ao mesmo tempo afirmando que o Messias é o começo de algo. Novo. Em outras palavras, Mateus afirma tanto a continuidade quanto a descontinuidade entre Jesus e a vocação e as tradições de Israel. Assim, Jesus cumpre e revoga (e radicaliza) a lei. Ele representa para Israel, bem como para as nações, tanto o julgamento quanto a misericórdia. Ele é tanto o rei messiânico davídico (por exemplo, 12:23) quanto o humilde servo quebrado em quem as nações desejarão (12: 18-21). Mateus dá a esta representação tensa e paradoxal de Jesus uma expressão quase cômica na história da entrada triunfal em Jerusalém (21: 1-11), onde aparentemente Jesus não monta um, mas dois animais - um jumento, que os reis do AT tradicionalmente cavalgava até a coroação, e o potro de um animal de carga, a besta de carga que simboliza a identidade de Jesus como servo.

Desde o início do Evangelho, Mateus usa uma variedade de títulos e imagens para descrever Jesus. Jesus não é apenas o Messias e Filho de Davi, mas Filho de Deus, Filho do Homem e aquele que salvará o seu povo dos seus pecados (1:21). Em cada caso, Mateus distorce as expectativas associadas a cada título para dizer algo novo sobre Jesus. Mateus também nomeia explicitamente Jesus como Emanuel, “Deus conosco”, tanto no começo como no fim do Evangelho (1:23; 28:20). Por “suporte” ao Evangelho com essa identificação, Mateus sugere que toda a história pode ser lido como uma explicação do que significa essa designação. “Deus conosco” está presente na forma humana, na mansidão (12:18-21), bem como no poder (7:29; 9:8; 21:23ss; 28:18). As ações e ensinamentos de Jesus como “Deus conosco” obscurecem as fronteiras entre o humano e o divino (por exemplo, 9:1-8; 14:22-33) e entre o céu e a terra (6:10; 16:19; 18:18; 38:20). O efeito dessa redefinição constante de expectativas e confusão de fronteiras é um constante alongamento da imaginação e das práticas dos discípulos, bem como dos leitores.

Conforme a história de Mateus sobre Jesus se desdobra, os leitores ficam surpresos com a intriga e a violência que atendem a sua pessoa e ministério, desde as tentativas de Herodes de matar o bebê (2: 1-23) até os espasmos de violência que culminam em sua crucificação. De acordo com Mateus, a presença de Deus no mundo em Jesus é recebida com confusão, descrença e rejeição. Mateus retrata essa resposta com maior clareza com referência aos líderes religiosos e políticos, que percebem que Jesus possui poder transformador, mas acha seu ministério ameaçador ao seu próprio poder cuidadosamente cultivado, bem como à sua piedade. Em uma série de trocas de palavras, Jesus prende os líderes de Jerusalém em autocondenação (21:23-46); eles articulam sua própria condenação e julgamento (21: 31-32, 40-41). O Reino será tirado deles e dado a outros. A surpresa é que os piedosos e poderosos não são necessariamente os escolhidos de Deus.

No decorrer das interações de Jesus com os líderes judeus, Mateus deixa claro que uma das principais questões em jogo é a natureza da autoridade. Os líderes judeus possuem autoridade política, econômica e social, que exercem à custa daqueles a quem consideram menos justos. Seu poder é usado para o interesse próprio e para preservar os limites sociais e econômicos. Esse tipo de poder, de acordo com Mateus, é humano e não vindo de Deus. O poder de Jesus, pelo contrário, quebra as barreiras impostas pela classe, riqueza e piedade. Jesus usa essa autoridade para demonstrar a misericórdia de Deus. A decisão dos líderes de finalmente fazer com que Jesus seja morto deixa claro que o poder deles toma vida, enquanto o poder de Deus o restaura. Mateus, portanto, usa os eventos que levaram à crucificação de Jesus para destacar a questão de quem verdadeiramente representa e manifesta a autoridade de Deus. Aqui, novamente, o leitor pode se surpreender: o poder de Deus não se manifesta na ameaça da morte, mas na restauração da vida.

Em Mateus somente os que têm fé, os pequenos e os menores, os discípulos de crianças e mulheres - em outras palavras, aqueles cuja participação na atual ordem é mínima - são capazes de discernir a verdadeira identidade de Jesus, ainda que parcialmente. Com a Crucificação, o pleno significado e poder da vocação de Jesus são finalmente manifestados. Sua morte marca a culminação apocalíptica da história. A terra é abalada, rochas quebradas, tumbas abertas e os mortos ressuscitados. A surpresa não é apenas que Deus justifica a queda de Jesus da vontade mortal dos líderes, mas que a morte e ressurreição de Jesus é o ponto de virada da história.

Ainda outra tensão em Mateus gira em torno das implicações da morte de Jesus para o povo judeu. É claro em Mateus que a missão aos gentios depende da conclusão da missão de Jesus às ovelhas perdidas da casa de Israel. Mas a missão aos gentios acontece por causa do fracasso da missão a Israel? Deus agora se afastou de Israel e para as nações (isto é, para uma igreja gentia)? Ou a morte de Jesus é o meio de salvação mesmo para aqueles que rejeitaram e executaram Jesus? Mateus não responde diretamente a essas perguntas, mas deixa o leitor discernir as respostas nos caminhos do discipulado (28:16-20).

A arte literária de Mateus produz uma história que retribui uma leitura cuidadosa e atenta e que amplia nossa imaginação e aprofunda nossa percepção a cada nova leitura. Mateus aponta possíveis discípulos em direção a um Messias que cumpre esperanças e supera expectativas, e que promete estar presente na jornada através de tempos difíceis e confusos, não muito diferentes dos nossos.

Questões Preliminares

Mateus suscita tantos problemas mais amplos, aos quais precisam ser acrescenta dos outros que afetam os quatro evangelhos, que a exegese teve de ser mantida o mais breve possível. Sempre que for praticável, recomenda-se ao leitor que consulte o trata mento dado aos textos paralelos em outros evangelhos. Os autores são citados somente pelo nome; o título da obra será encontrado na bibliografia. Todos os aspectos da prática e do ensino judaicos foram verificados em Strack & Billerbeck (citado como SB) daí que as citações raramente serão necessárias.

Crítica Literária 

Estudiosos do século XIX e do início do século XX perguntando como historicamente os Evangelhos são confiáveis ​​primeiro se voltam para a crítica da fonte (para uma discussão mais detalhada, ver Carson, Moo e Morris 1992:26-38; France 1985:34-38). A crítica da fonte faz a pergunta: que fontes escritas o autor de um evangelho poderia ter usado? Embora várias teorias de fontes tenham surgido e desaparecido, a maioria dos estudiosos hoje concorda (embora uma minoria significativa e capaz dissuadir) que Mateus usou Marcos, Q (isto é, outra fonte compartilhada por Mateus e Lucas) e algum outro material não empregado por Marcos ou Lucas Os estudiosos geralmente chamam essa visão de “Hipótese de Duas Fontes”.

Onde podemos verificar seu trabalho, Mateus segue Marcos e Q de perto (pelos antigos padrões literários). Assim, é lógico supor que Mateus não é menos confiável onde não podemos controlá-lo. Sua edição basicamente conservadora, na maioria dos casos, impressionará aqueles que não começarem com um ceticismo profundo nem com um literalismo ingênuo, mas com os padrões dos textos antigos em geral. 

De qualquer forma, a audiência de Mateus certamente tinha outras tradições palestinas ao lado de Marcos e Q, e essas tradições sem dúvida interagiam com Marcos e Q muito antes de Mateus escrever seu Evangelho (Meier em Brown e Meier, 1983, p. 55). Mateus às vezes elimina ambiguidades em Marcos (por exemplo, Mt 12:3-4 par. Mc 2:25-26; Mt 3:3 par. Mc 1:2–3; Mt 14:1 par. Mc 6:14) e às vezes faz sua linguagem mais parecida com a maneira judaica palestina que Jesus pode ter falado (“reino dos céus/Deus”: Mt 19:3, 9 par. Mc 10:2, 11-12). Pelo menos em algumas ocasiões, Mateus faz suas mudanças por causa de tradições mais antigas que Marcos (Mt 12:28 par. Lucas 11:20, ausente em Marcos 3:23-29). 

Narrativa 

De muito maior importância do que decidir a identidade do autor, é uma avaliação da maneira como o autor decidiu apresentar sua história de Jesus. Em termos literários, o modo como uma história é contada é chamado de “ponto de vista”. Um contador de histórias pode contar sua história na primeira pessoa (ou seja, “eu”) e retratar a si mesmo como um dos personagens da história. Do ponto de vista de primeira pessoa, o contador de histórias seria necessariamente limitado ao que ele pessoalmente experimentou ou aprendeu com outros personagens. A história de Mateus é contada em uma narração em terceira pessoa, onde o contador de histórias não é um participante da história, mas se refere a personagens da história como “ele”, “ela” ou “eles”. De tal ponto vantajoso, o narrador mateano fornece ao leitor uma vantagem informacional sobre os personagens da história e, assim, situa o leitor em uma posição vantajosa para avaliar eventos e personagens da história.

Talvez a característica mais proeminente de uma narração em terceira pessoa seja a capacidade do contador de histórias de fornecer ao leitor insights que normalmente não estão disponíveis para um na vida real. Sua capacidade de mover-se dentro de seus personagens para revelar seus pensamentos, sentimentos, emoções e motivações mais íntimos, permite ao leitor usar esses insights para formar avaliações e opiniões sobre personagens e eventos dentro da história. Por exemplo, o narrador revela quando os discípulos ficam maravilhados (8:29; 21:20), temerosos (14:30; 17:6), tristes (26:22), cheios de tristeza (17:23) e indignados. (26:8) Ele sabe quando eles entendem (16:12; 17:13), e quando duvidam (28:17). O impacto geral desses insights permite ao leitor avaliar melhor os traços exibidos pelos discípulos.

Insights similares são fornecidos nos pensamentos, emoções e motivações de personagens secundários na história. Os pensamentos internos de José (1:19), Herodes (2:3), as multidões (7:28; 22:33; 9: 8; 12:13; 15:31), a mulher (9:21), Herodes, o tetrarca (14:59), Judas (27:3), Pilatos (27:14, 18), o centurião (27:54) e a reação das mulheres ao túmulo (28: 4, 8) são tudo acessível ao narrador de Mateus. O narrador até fornece ao leitor informações privilegiadas sobre os pensamentos e motivações dos líderes judeus (2:3; 9:3; 12:14; 21:45–46; 26:3-5; 12:10; 16:1; 19:3; 22:15). Essas percepções funcionam para estabelecer na mente do leitor o antagonista da história.

O narrador de Mateus também não está limitado pelo tempo ou espaço em sua cobertura da história. Mateus fornece ao leitor acesso a conversas privadas entre Herodes e os Magos (2:3–8), João e Jesus (3:13–15), Jesus e Satanás (4:1–11), os discípulos (16: 7). Pedro e Jesus (16:23), Judas e o sumo sacerdote (26:14-16; 26:40), e Pilatos e o sumo sacerdote (27:62-64). Ele dá a conhecer ao leitor as decisões privadas tomadas pelo sumo sacerdote e o Sinédrio (26:59-60), e o plano do sumo sacerdote e anciãos relativo ao desaparecimento do corpo (28:12-15). O narrador está presente quando Jesus ora sozinho e, ao mesmo tempo, conhece as dificuldades dos discípulos no mar (14:22-24). Ele facilmente leva o leitor do tribunal de Pilatos para o pátio da negação de Pedro (26:70s) e, finalmente, para a cena na cruz (27:45). Na maior parte, o narrador na história de Mateus fica perto de Jesus e visualiza eventos e personagens em termos de como eles afetam seu personagem principal.

Qualquer que seja o autor histórico real, fica claro que o contador de histórias de Mateus narra seu evangelho de modo a guiar seus leitores de maneira confiável ao longo da história, a fim de avaliar adequadamente os eventos e os personagens. Ocasionalmente, o narrador interromperá o fluxo da história para fornecer ao leitor um comentário ou uma explicação explícita. Essas intrusões podem assumir a forma de vários tipos de descrições (por exemplo, 3: 4; 17:2; 28: 3–4; 27:28–31), resumos (por exemplo, 4: 23–25; 9: 35–38 12: 15-16; 14:14; 15: 29–31) ou explícito comentário interpretativo (1:22–23, 2:15, 17–18, 23; 4:15–16; 8:17; 12:17–21; 13:35; 21:4–5; 27:9–10). Detectar a voz do narrador na história permite que o leitor seja sensível à maneira pela qual Mateus instrui, lidera e encoraja o leitor a adotar um ponto de vista particular.

Interpretação Cristã

Mas o passo final na interpretação vai além das opções acadêmicas tradicionais. Alguns intérpretes contemporâneos falam de “comunidades de interpretação”; em sua linguagem, reconhecemos a igreja como uma comunidade distinta de interpretação. A academia secular pode fazer perguntas sobre a história, sobre a estrutura literária, sobre temas em um determinado livro ou sobre como as pessoas em determinadas tradições religiosas interpretam um livro, mas como cristãos também lemos cada livro da Bíblia como uma mensagem de Deus. Fazemos uma pergunta final: "Tendo em vista o que Deus inspirou o autor a dizer ao primeiro público do livro, como essa mensagem aborda as pessoas de Deus e nossa sociedade hoje?"

Quando pastores e missionários lêem os problemas que Paulo enfrentou como pastor e missionário, podemos nos identificar com suas lutas. Quando os cristãos nos países pobres ou no centro da cidade lêem como os primeiros cristãos enfrentaram a pobreza e a violência, eles podem ressoar com as necessidades e a fé daqueles primeiros cristãos. Quando um ente querido está morrendo, podemos nos identificar com aquelas pessoas que se reuniram em busca de Jesus, buscando desesperadamente a cura. (De fato, aqueles de nós que experimentaram ou testemunharam o poder contínuo de Jesus são tão céticos quanto o preconceito iluminista contra os milagres como muitos intelectuais seculares são de milagres.) Repetidamente os autores inspirados nos confrontam em situações em que precisamos ouvir de Deus. e nessas situações humanas comuns nos entregam uma mensagem de Deus.

Acima de tudo, os textos bíblicos nos revelam o caráter de Jesus e assim nos revelam o coração de Deus. Quando recebemos uma comunicação de alguém que conhecemos bem, lemos essa comunicação no contexto do que sabemos sobre essa pessoa e nosso relacionamento com ela. A Bíblia sempre expande nosso conhecimento de Deus mostrando-nos como ele se relaciona com pessoas diferentes em várias situações, mas também a lemos de maneira especial porque estamos chegando a conhecer melhor e melhor o personagem principal da Bíblia à medida que o seguimos em nossas lutas. , alegrias, orações e testemunho. Para nós, a Bíblia é história e literatura, mas é muito mais: é uma mensagem de Deus pela qual vivemos. “Quem ouvir com ouvidos!” (Mt 13:9 NRSV).

Narrativa Literária

Visto que o texto de Mateus teria sido manuscrito sem pontuação sistemática ou técnicas modernas para delinear características estruturais tais como negrito, sublinhado, parágrafo ou cabeçalhos, qualquer pista para discernir a estrutura e natureza da composição depende de “pistas verbais” a narrativa em si. Tanto nas tradições hebraicas quanto nas tradições clássicas, a comunicação em nível literário assumia um nível de competência nas técnicas convencionais de comunicação. Embora os autores do NT possam não ter sido formalmente treinados em retórica, uma troca efetiva de ideias exige alguma consciência dos padrões convencionais de comunicação. Um estudo do estilo literário de Mateus enfatiza os recursos literários que ele emprega para levar o leitor a experimentar sua história de uma certa maneira.

A leitura da história de Mateus (seja oralmente perante uma audiência ou em particular) teria exigido que o leitor atendesse às várias características estruturais que poderiam iluminar o significado e o fluxo da narrativa. Algumas dessas estratégias literárias funcionam em um nível estrutural mais amplo, proporcionando ao texto um senso de progressão e coesão (por exemplo, ver as frases estereotipadas em 7:28; 11:1; 13:53; 19:1; 26:1; e 4:17; 16:21). No entanto, a maioria das características estruturais contribui principalmente para um senso de coesão dentro de unidades textuais menores. Esses recursos podem destacar ou enquadrar temas unificadores abrindo e fechando unidades distintas com palavras ou frases semelhantes (ver, por exemplo, 4:23–24 e 9:35); construir antecipação antecipando eventos subsequentes (por exemplo, o cap. 2 prenuncia a narrativa da paixão); ou estimular a reflexão e um sentido de desenvolvimento na história pela repetição verbal e semelhanças episódicas (cf. 8:23-27/14:22-33; 9:27-31/20:29-34; 9:32-34/12:22–34; 14:13–21 / 15: 32–38). Esses elementos, juntamente com o gosto de Mateus por agrupar materiais de acordo com um esquema temático ou mesmo numérico, 16 são indicativos de um ambiente amplamente educado por meio da proclamação oral e não da palavra escrita.17 O esquema composicional de Mateus facilitou muito o aprendizado fornecendo ao ouvinte (ou leitor), com uma apresentação coerente e ordenada que auxiliou na compreensão e memorização.

As meticulosas preocupações estruturais, tanto no conjunto quanto nos pequenos detalhes de Mateus, foram amplamente reconhecidas pelos acadêmicos. No entanto, como veremos na próxima seção, há grande diversidade no que diz respeito ao padrão estrutural geral do primeiro Evangelho. A dificuldade está em ir de características estruturais claramente delineadas nas unidades de texto menores, até o uso dos mesmos dispositivos para explicar a composição total. Muitas vezes a análise parece forçada e incapaz de encaixar os detalhes em um único padrão coerente. Nem sempre é fácil identificar a contribuição precisa que um determinado dispositivo literário faz para a composição geral de uma obra literária, e certamente sempre existe o perigo de ler demais em um texto impondo artificialmente padrões simétricos onde eles não existem. No entanto, esses problemas são superados por uma maior sensibilidade à natureza e função dos dispositivos literários, e não por ignorar essas características de um texto. A questão permanece sobre quais recursos podem fornecer pistas para a estrutura geral do Evangelho de Mateus.

Estrutura de Enredo

A consideração da habilidade de Mateus nas pequenas porções de seu texto estimulou numerosos esforços para localizar indicações estruturais que podem fornecer o padrão organizador para todo o Evangelho. As avaliações estruturais do Evangelho de Mateus geralmente começam com a descoberta de um dispositivo literário ou expressão estereotipada que parece ser exclusivo para o evangelista. No entanto, enquanto os estudiosos podem concordar com a existência de um dispositivo literário ou fórmula, eles podem divergir amplamente sobre a função ou significado teológico de uma característica literária. Por exemplo, embora as expressões καὶ ἐγένετο ὅτε ἐτέλεσεν ὁ Ι̣ησου̂ς (kai egeneto hote etelesen ho ēsous, “e quando Jesus acabou”; 7:28; 11:1; 13:53; 19:1; 26:1), e ἀπὸ τότε ἤρξατο ὁ Ι̣ησου̂ς (apo tote erxato ho ēsous, “desde a época em que Jesus começou”, 4:17; 16:21) são reconhecidos como estruturalmente significativos, é difícil estabelecer que Mateus adotou conscientemente essas expressões como a chave organizacional de sua vida. Evangelho inteiro. Por mais úteis que sejam essas frases para marcar os principais discursos de Jesus ou destacar novos desenvolvimentos importantes na história, esquemas estruturais puros baseados em fórmulas repetidas não podem fazer justiça às reviravoltas sutis do fluxo dramático da história de Mateus.

Vários estudiosos se concentraram no uso que Mateus faz de Marcos para determinar a estrutura de seu evangelho. Atenção tem sido chamada para a peculiar organização Mateus de 4:12-13:58 em contraste com o fiel seguimento da ordem de Marcos em 14:1-28:20. Certamente, um estudo crítico de Mateus sobre as fontes deve explicar a forma e a sequência aparentemente independentes da primeira metade do Evangelho, em oposição à segunda metade. No entanto, é duvidoso que Mateus pretendesse que os seus leitores comparassem o seu Evangelho com Marcos, a fim de compreender o seu esquema estrutural. Se Mateus pudesse estruturar claramente padrões em uma escala menor, independente de Mark, por que não em maior escala? Além disso, existem muitas peculiaridades estruturais, mesmo na segunda metade do Evangelho, para presumir que Mateus simplesmente sucumbiu à reprodução escrava de Marcos na segunda metade de seu Evangelho.

Investigações mais recentes delinearam a estrutura do Evangelho em termos de como os eventos individuais ou episódios se conectam sequencialmente para formar um enredo discernível.18 É o princípio organizador do enredo que determina os incidentes selecionados, seu arranjo e como a sequência de eventos ou episódios são impactar o leitor. Dado o sabor episódico e temático da narrativa de Mateus, o desenvolvimento de sua trama não exibe uma rigidez linear ou o talento para o drama encontrado em outras narrativas (cf. Marcos). No entanto, Mateus conta uma história e, portanto, os vários episódios são cuidadosamente inter-relacionados por desenvolvimentos causais e temáticos. Há linhas principais e menores definidas e desenvolvimento de personagens, com certos episódios marcando pontos-chave no desenrolar do drama. Uma análise da trama tem a vantagem de afastar a discussão de dispositivos literários isolados ou padrões simétricos inventados, para considerar como a sequência de eventos e a representação de personagens se conectam de maneira significativa para contar uma história contínua e coerente.

A história de Mateus é organizada em torno de vários blocos narrativos compostos por eventos interconectados de acordo com uma ênfase ou tema particular. O fator unificador que dá coerência à seqüência geral dos eventos é a presença explícita e implícita do personagem central Jesus em praticamente todos os episódios. Dentro dessa forma narrativa, eventos de natureza semelhante são freqüentemente agrupados ou repetidos por seu impacto acumulativo, à medida que vários temas são reforçados e desenvolvidos. Uma análise da sequência e função dos principais blocos narrativos de Mateus permite ao leitor discernir uma progressão geral dos eventos de acordo com um enredo conscientemente construído.

Composição

Algumas questões e questões que podem ser extremamente importantes para a compreensão de uma categoria de literatura podem contribuir pouco para a compreensão de outra. Por exemplo, uma interpretação informada das cartas de Paulo exige uma reconstrução do mundo que produziu o texto. O leitor moderno precisaria saber o máximo possível sobre o autor, o destino da carta e os fatores que deram origem ao texto. A carta em si constituirá uma fonte primordial para adquirir tal informação.

No entanto, quando alguém aborda as narrativas do evangelho com as mesmas preocupações, o problema é complicado pela falta de informação proporcionada pelo texto. O anonimato dos Evangelhos, juntamente com o silêncio sobre o lugar, o tempo e as circunstâncias que podem ter gerado seus escritos, exige que tais investigações históricas sejam respondidas em termos de probabilidade. O que isto significa é que não há acesso direto, através do texto, ao autor histórico ou aos principais destinatários de seu documento. A dificuldade está centrada no fato de que o texto não é projetado primariamente para funcionar como uma “janela” através da qual se pode acessar a mente e o ambiente do autor e dos leitores originais. O autor não pretende contar sua própria história ou a de seus leitores, mas a história de Jesus de Nazaré. Felizmente, seguir o desenvolvimento sequencial e o sentido da história de Mateus sobre Jesus não depende de identificar com certeza o autor ou a matriz histórica e social que possa ter estimulado sua escrita.

A seguir, questões introdutórias tradicionais serão brevemente discutidas, juntamente com importantes insights fornecidos por teóricos literários que focalizam os Evangelhos como narrativas.

Contexto e Tema

Mateus era jovem quando Jesus o chamou. Judeu de nascença, sua profissão era a de cobrador de impostos, e ele abandonou tudo para seguir a Cris to. Uma de suas muitas recompensas foi que ele se tornou um dos doze apóstolos. Outra é que ele foi escolhido como o escritor do que conhecemos como o primeiro evangelho. É aceito de forma geral que Mateus também era conhecido como Levi (Mc 2:14; Lc 5:27). No seu evangelho, Mateus dispõe-se a mostrar que Jesus é o Messias de Israel que o povo tanto aguar dava, o único que poderia reivindicar legalmente o trono de Davi. O livro não professa ser uma narrativa completa da vida de Cristo. Começa com sua genealogia e seus primeiros anos, e então passa para o início do seu ministério público quando ele tinha aproximadamente trinta anos. Guiado pelo Espírito Santo, Mateus seleciona esses aspectos da vida e do ministério do Salvador que comprovam sua condição de Ungido de Deus (é justamente isso o que significa Messias e Cris to). O livro vai até o ponto mais alto: o julgamento, a morte, o sepultamento, a ressurreição e a ascensão do Senhor Jesus. E nesse ápice, é óbvio, foi assentado o fundamento da salvação do homem. É por essa razão que o livro é chamado de evangelho — não tanto porque ele mostra o caminho pelo qual pessoas pecaminosas podem receber a salvação, mas, pelo contrário, porque descreve a obra sacrificial de Cristo pela qual a salvação se tornou possível. Não é a intenção do CBP ser exaustivo nem técnico; pelo contrário, é estimular o estudo e a meditação individual. Acima de tudo, o alvo é criar no coração dos leitores um. desejo intenso pela volta do Rei. Portanto, até eu, com um coração mais ardente, Portanto, até eu, com uma esperança mais doce, Suspiro, ó Cristo, por tua vinda, Desfaleço pelo ardor do advento de teus pés.

Posição Singular no Cânon

O evangelho de Mateus é a ponte perfeita entre o Antigo e o Novo Testamento. Suas primeiras palavras nos levam de volta a Abraão, o patriarca do povo de Deus do AT, e a Davi, o primeiro grande rei de Israel. Devido à sua ênfase, ao acentuado teor judaico, às inúmeras citações das Escrituras hebraicas e por ser o livro que encabeça o NT, Mateus está na posição lógica para a apresentação da mensagem cristã ao mundo. Mateus tem mantido essa primeira posição na sequência dos quatro evangelhos por muito tempo. Isso se deve ao seguinte fato: até os tempos modernos, aceitava-se universalmente que Mateus havia sido o primeiro evangelho a ser escrito. O estilo organizado e claro de Mateus também fez dele o mais apropriado para a leitura em público. Portanto, era o evangelho mais popular, às vezes até disputando esse lugar com o evangelho de João. Para sermos ortodoxos não é necessário acreditar que Mateus foi o primeiro evangelho a ser escrito. Porém, os cristãos mais antigos eram quase na totalidade de procedência judaica, e havia milhares e milhares deles. Ir ao encontro das necessidades desses primeiros cristãos se torna bem lógico. 

Data 

Esforços para recuperar o cenário ambiental que melhor explica a forma e o conteúdo do Evangelho de Mateus não resultaram em um consenso acadêmico. No que diz respeito à data da composição do Evangelho, os estudiosos são divididos em duas propostas amplas. A visão da maioria é que Mateus foi escrito depois de Marcos em algum momento entre as datas de a.d. 80-100. Entretanto, os argumentos apresentados para estabelecer tal esquema de datação são amplamente baseados em juízos prévios concernentes à ordem da composição do Evangelho ou reconstruções hipotéticas de desenvolvimentos no primeiro século. Importante para a datação pós-70 de Mateus é a afirmação de que Mateus conhecia e usava Marcos como uma fonte importante para a escrita de seu Evangelho. Uma vez que o consenso do julgamento acadêmico data Marcos nos anos 60, é, portanto, provável que Mateus tenha composto seu evangelho algum tempo depois de a.d. 70. É claro que, se rejeitarmos a prioridade marcana ou a data sugerida para a composição marcana, o argumento não será convincente.

Uma data posterior a 70 também foi assumida com base na linguagem explícita de Mateus sobre a destruição de Jerusalém e suas referências à “igreja” (16:18; 18:17). Essa linguagem é considerada anacrônica e, portanto, indicativa de uma composição pós-70. A referência a um “rei” na parábola da festa de casamento que “enviou seu exército e destruiu aqueles assassinos e queimou sua cidade” (22: 7), parece refletir o conhecimento histórico da destruição de Jerusalém retrocedida no ministério de Jesus como profecia. Contudo, além do fato de se Jesus poderia prever a queda de Jerusalém, o texto de 22:7, como a França observa, “é precisamente o tipo de linguagem que se poderia esperar em uma previsão genuína de aniquilação política no contexto judaico, e não dependem de um conhecimento específico de como as coisas de fato resultaram em anúncios 70. ”13 Também não há necessidade de ler uma eclesiologia desenvolvida nas referências de Jesus à“ igreja ”. O termo ἐκκλησία (ekklēsia) em Mateus não diz nada sobre a ordem da igreja, e com a imagem comunitária ligada ao termo em judaica. círculos (cf. Qumran), torna-se inteiramente crível que Jesus pudesse falar de seus discípulos como constituindo um ekklēsia.

Talvez o mais fidedigno argumento para datar Mateus nas últimas décadas do primeiro século seja a decidida polêmica judaica que aparentemente domina o primeiro Evangelho. Acredita-se que o judaísmo formativo no período pós-70 forneça a base mais adequada para o retrato de Mateus dos líderes judeus e sua visão subjacente de Israel. Após a destruição do templo em a.d. 70 foi o movimento farisaico que surgiu como a forma normativa do judaísmo. O farisaísmo era particularmente adequado para trazer estabilidade e um senso renovado de identidade judaica após a tragédia de a.d. 70. Os fariseus viam a si mesmos como “os intérpretes mais precisos da lei” (ver Josefo, GJ 1.5.1; 2.8.14; Vida 38.191) e definidores dos limites sociais e cúlticos que delimitavam o povo de Deus da aliança. Acredita-se que a comunidade abordada pelo Evangelho de Mateus seja rival de um judaísmo pós-70, tendo sofrido severa hostilidade e rejeição pelo judaísmo oficial.

No entanto, a evidência não garante a suposição de que a comunidade de Mateus tenha interrompido todo o contato com a comunidade judaica. Além disso, não se sabe o suficiente sobre o farisaísmo pré-70 para negar enfaticamente um cenário para o Evangelho de Mateus antes da destruição de Jerusalém. De fato, uma impressionante lista de estudiosos argumentou convincentemente para uma datação pré-70 de Mateus.14 Essa visão não só tem sólidas evidências patrísticas, como algumas passagens em Mateus podem ter a intenção de sugerir que o templo ainda estava de pé naquele tempo. dos escritos do Evangelho (cf. 5:23-29; 12:5-7; 17:23; 16:22; 26:60-61). Parece que a evidência não é suficientemente decisiva para desacreditar completamente todas as visões competitivas. Felizmente, compreender a história de Mateus sobre Jesus não depende da reconstrução do contexto histórico do qual o Evangelho surgiu.

Lugar

Ainda menos importante para uma leitura competente do primeiro Evangelho envolve o esforço para decidir o lugar preciso de origem do Evangelho. Por causa de sua grande comunidade judaica e papel estratégico na missão gentia, os estudiosos da Matemática escolheram Antioquia da Síria como o lugar de origem do Evangelho. Outras propostas incluíram Jerusalém, Alexandria, Cesaréia, Fenícia e simplesmente "leste do Jordão". Embora certas evidências possam tender a favorecer uma proveniência em detrimento de outra, na análise final não podemos ter certeza de onde o Evangelho de Mateus foi composto. No entanto, como observado pela França, decidindo “a localização geográfica na qual o Evangelho se originou é provavelmente a menos significativa para uma sólida compreensão do texto.” 15 Muito mais relevante para a interpretação do evangelho é a dimensão dada à discussão de “ ambientação ”por uma leitura literária do primeiro Evangelho.


Bibliografia 
D. C. Allison, Jr., The New Moses: A Matthean Typology (Minneapolis, 1993); D. L. Balch, ed., Social History of the Matthean Community (Minneapolis, 1991); D. R. Bauer and M. A. Powell, eds., Treasures New and Old: Recent Contributions to Matthean Studies. SBL Symposium Series 1 (Atlanta, 1996); M. H. Crosby, House of Disciples: Church, Economics, and Justice in Matthew (Maryknoll, 1988); A. J. Saldarini, Matthew’s Christian-Jewish Community (Chicago, 1994); G. N. Stanton, A Gospel for New People: Studies in Matthew (Louisville, 1993) Albright, W.F. and C.S. Mann. Matthew. AB. Garden City: Doubleday, 1971.
Beare, Francis Wright. The Gospel According to Matthew. San Francisco: Harper and Row, 1981.
Blomberg, Craig L. Matthew. New American Commentary 22. Nashville: Broadman, 1992.
Carson, D.A. “Matthew.” em The Expositor’s Bible Commentary, 8:3-599. Edited by Frank Gaebelein. 12 vols. Grand Rapids: Zondervan, 1984.
Davies, Margaret. Matthew Readings: A New Biblical Commentary. Sheffield, U.K.: JSOT Press/Sheffield Academic Press, 1993.
Davies, W.D. and Dale C. Allison. Introduction and Commentary on the Gospel According to Saint Matthew I-VII. Vol. 1 de A Critical and Exegetical Commentary on the Gospel According to Saint Matthew. International Critical Commentaries. 3 vols. Edinburgh: T&T Clark, 1988.
________. Introduction and Commentary on Matthew VIII-XVIII. Vol. 2 of A Critical and Exegetical Commentary on the Gospel According to Saint Matthew. International Critical Commentaries. 3 vols. Edinburgh: T&T Clark, 1991.
France, R.T. Matthew. Tyndale New Testament Commentaries. Grand Rapids: Eerdmans, 1985.
Gardner, Richard B. Matthew. Believers Church Bible Commentary. Scottdale, PA: Herald Press, 1991.
Garland, David. Reading Matthew: A Literary and Theological Commentary on the First Gospel. New York: Crossroad, 1993.
Gundry, Robert. Matthew: A Commentary on His Literary and Theological Art. Grand Rapids: Eerdmans, 1982.
Hagner, Donald. Matthew 1–13. Word Biblical Commentary 33A. Dallas: Word, 1993.
________. Matthew 14–28. Word Biblical Commentary 33B. Dallas: Word, 1995.
Harrington, D.J. The Gospel of Matthew. Sacra Pagina 1. Collegeville, MN: Liturgical, 1991.
Hill, David. The Gospel of Matthew. New Century Bible. Grand Rapids: Eerdmans, 1972.
Keener, Craig S. Matthew. The IVP New Testament Commentary Series. Ed. Grant R. Osborne. Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 1997.
Luz, U. Matthew 1–7. Minneapolis: Fortress, 1989.
Malina, Bruce J. and Richard L. Rohrbaugh. Social Science Commentary on the Synoptic Gospels. Minneapolis: Augsburg Fortress, 1992.
Meier, J.P. The Vision of Matthew. New York: Crossroad, 1979, 1991.
Morris, Leon. The Gospel According to Matthew. Grand Rapids: Eerdmans, 1992.
Patte, Daniel. The Gospel According to Matthew: A Structural Commentary on Matthew’s Faith. Philadelphia: Fortress, 1987.
Schweizer, Eduard. The Good News According to Matthew. Translated by David E. Green. Atlanta: John Knox Press, 1975.

Estudos selecionados:
Allison, Dale C. The New Moses: A Matthean Typology. Minneapolis: Fortress, 1993.
Bauer, D.R. The Structure of Matthew’s Gospel: A Study in Literary Design. JSNTSup 31. Sheffield: Almond, 1988.
Borg, Marcus. Conflict, Holiness, and Politics in the Teachings of Jesus. New York: Edwin Mellen Press, 1984.
France, R.T. Matthew: Evangelist and Teacher. Grand Rapids:Zondervan, 1989.
Hill, David. “Son and Servant: An Essay on Matthean Christology.” JSNT 6 (1980) 2–16.
Kingsbury, Jack D. Matthew As Story. 2d ed. Philadelphia: Fortress, 1988.
Lohr, C. “Oral Techniques in the Gospel of Matthew.” CBQ 23 (1961): 339–352.
Luz, U. The Theology of the Gospel of Matthew. Translated by J. Bradford Robinson. Cambridge: Cambridge University Press, 1995.
Matera, Frank. “The Plot of Matthew’s Gospel.” CBQ 49 (1987): 233–253.
________. Passion Narratives and Gospel Theologies. New York: Paulist, 1986.
Powell, M.A. God With Us: A Pastoral Theology of Matthew’s Gospel. Minneapolis: Fortress, 1995.
Senior, D. The Passion of Jesus in the Gospel of Matthew. Wilmington: Michael Glazier, 1985.
________. What Are They Saying About Matthew? Revised and Expanded Edition. New York: Paulist Press, 1996.
Stanton, Graham. A Gospel For a New People: Studies in Matthew. Edinburgh: T&T Clark, 1992.
________. “The Origin and Purpose of Matthew’s Gospel: Matthean Scholarship from 1945 to 1980.” Em ANRW II.25.3. Edited by W.Haase. Pages 1889-1895. Berlin and New York: Walter de Gruyter, 1985.
Verseput, Donald J. “The Title Son of God in Matthew’s Gospel.” NTS 33 (1987): 532–556.
Westerholm, Stephen. Jesus and Scribal Authority. ConNT 10. Lund, Sweden: CWK Gleerup, 1978.
Wilkens, M.J. The Concept of Discipleship in Matthew’s Gospel as Reflected in the Use of the Term Mathētēs. Leiden: E.J. Brill, 1988.
Witherup, Ronald D. “The Death of Jesus and the Rising of the Saints: Matthew 27:51–54 in Context.” SBLASP. Pages 574-585. Atlanta: Scholars Press, 1987.
Wright, N.T. Jesus and the Victory of God. Minneapolis: Fortress Press, 1996.
________. The New Testament and the People of God. Minneapolis: Fortress Press, 1992

4 comentários:

Anônimo disse...

Esta é uma das formas bem interessante de todos nós lermos e interpretarmos a palavra de Deus.Parabéns..........................

Biblioteca Bíblica disse...

Olá amado! Muito obg pela visita e pelas palavras....!

Anônimo disse...

Ô glória a DEUS!!! Parabéns!!! JESUS vos abençoe!

Anônimo disse...

exelente!!!

Postar um comentário