2009/07/02

Livro de Gênesis

Livro de Gênesis
O Livro de Gênesis é o primeiro livro na Bíblia. O nome “Gênesis”, que significa “origem”, remonta à antiga tradução grega do Antigo Testamento, a chamada Septuaginta (LXX). Na Bíblia hebraica, o livro é chamado Bereshith seguindo a frase inicial “No princípio...”. É o primeiro dos cinco livros da Torá ou “Lei”. Um termo às vezes aplicado pelos judeus de língua grega à Torá era pentateuchos, que é um adjetivo que significa “(o livro) consistindo de cinco livros”. Daí vem o nome moderno Pentateuco usado pelos estudiosos. O título mais completo das Versões Padrão Autorizadas e Revisadas, “O primeiro livro de Moisés (comumente) chamado Gênesis”, não é mais antigo que a Bíblia Alemã de Lutero, embora reflita uma tradição antiga dos judeus de que toda a Torá havia sido escrito por Moisés. Essa tradição era corrente nos tempos do Novo Testamento (ver, por exemplo, Lucas 24:27), mas não é encontrada no próprio Antigo Testamento. O livro de Gênesis é, portanto e estritamente falando, anônimo.


Título

Tal como acontece com os outros livros do Pentateuco, o título hebraico é retirado da sua palavra de abertura בראשׁית (“No início”), enquanto o título em português “Gênesis” é uma transliteração, através da Vulgata, do título grego. Ambos os títulos descrevem adequadamente o conteúdo do livro: é um livro de origens. Γένεσις (“Gênesis”) em grego significa “origem, fonte, criação”. De fato, o termo é usado na LXX para traduzir תלדות “gerações, história familiar”, um termo usado repetidamente no título de cada nova seção do livro, por exemplo, 2:4; 5:1; 6:9; 11:27 etc. E o livro de Gênesis descreve a origem do universo, da humanidade e dos antepassados da nação de Israel. De fato, o foco se reduz progressivamente ao longo do livro.

Autor

De acordo com os estudiosos, nosso presente Gênesis foi composto de três documentos principais ou fontes escritas, aos quais eles atribuem os rótulos “J”, “E” e “P”. Cada uma dessas “mãos” tinha seu estilo distinto, que às vezes pode ser reconhecido até mesmo na tradução em português. E cada um tinha seus próprios interesses ou inclinação. Mas nenhum deles nos aponta para um autor em qualquer sentido completo. Antes, os homens responsáveis pelos documentos deveriam ser considerados como colecionadores e “recontadores” de tradições mais antigas que haviam sido trazidas para a Palestina pelas tribos hebreias. O “gênio” original do livro é o povo de Israel. Ou para ser um pouco mais exato, são os “bardos” desconhecidos ou “cantores de contos” profissionais que durante a Peregrinação no Deserto e no período dos Juízes deram forma literária às memórias, experiências, esperanças e medos da nação recém-nascida. O trabalho desses “cantores de contos” foi inteiramente oral e desapareceu, mas se alguém merece o título de “autor” de Gênesis, são eles.

Destinatários

Gênesis registra as histórias da Criação, a Queda do ser humano, o Dilúvio, o chamado de Abraão e as primitivas histórias dos ancestrais de Israel. As histórias de Gênesis provavelmente circulavam entre os israelitas que viviam no Egito, lembrando-os de sua herança familiar e espiritual e explicando a situação em que viviam. Gênesis preservou histórias individuais (como a de José) que podiam alimentar a esperança do escravizado povo de Deus. As promessas feitas a Abraão sobre o futuro de sua progênie (e.g., 15.1-7) também lhes poderia servir de encorajamento. Mais tarde, os israelitas que participaram do Êxodo, bem como as gerações que os sucederam, sem dúvida leram o livro de Gênesis com a finalidade de entender essa parte da grande saga da origem de sua nação. O cumprimento das promessas históricas de Deus feitas aos patriarcas dava testemunho da contínua fidelidade divina.

Gênero Literário

Segue-se do que acaba de ser dito que Gênesis é essencialmente uma literatura folclórica. A maior parte dele consiste em histórias que ainda carregam sobre eles as marcas de ter sido composto para entreter e instruir pessoas comuns. Temos que nos lembrar disso o tempo todo enquanto estudamos. Não é dirigido a pessoas sofisticadas e modernas como nós, que perderam o gosto pela simples narração de histórias e que fazem nossa teologia de maneira filosófica. Não diz nada sobre doutrinas abstratas ou sobre as descobertas da ciência moderna, e não deve colocar questões que pressuponham tais questões. Estamos muito mais propensos a transmitir sua mensagem se tentarmos, em nossa imaginação, ficar ao lado de seus primeiros públicos hebreus e escutá-lo com seus ouvidos. Deus está falando conosco em Gênesis, mas devemos ser humildes o suficiente para perceber que ele não está falando diretamente para nós, mas somente para nós através deles. Podemos desejar mais tarde redigir a mensagem em termos que a tornem mais relevante para nossa geração. Isso é apenas como deveria ser. Mas não há dúvida de onde devemos começar.

A tensão entre Gênesis e a ciência moderna sobre as origens do universo e dos seres vivos é, em grande parte, resolvida quando se reconhece que ambas as partes falam a partir de perspectivas diferentes. Gênesis preocupa-se com quem criou e por quê, não com o como e quando. A ciência não pode responder àquelas questões e Gênesis, em grande parte, mantém silêncio quanto a estas (1.2,5-6,11). Por cerca de um século, os estudiosos adeptos da “hipótese documentária” têm declarado que Gênesis é uma composição de documentos conflitantes: J (de Yahweh, “Javé”), E (de Elohim, “Deus”), D (de Deuteronomista) e P (de escritor sacerdotal). Muito embora esse esquema ainda seja amplamente aceito, poucos ainda acreditam que esses documentos possam ser usados para reconstruir a história de Israel, uma vez que todos os supostos documentos contêm o que se considera matérias “antigas” e “recentes”. Em outras palavras, os quatro alegados documentos de fato compartilham elementos e características que supunha-se pertencerem a apenas uma dessas fontes hipotéticas (p. ex.. J contém matéria que supostamente seria encontrada somente em E). É certo que na composição dos documentos no antigo Oriente Próximo era comum a combinação de documentos escritos mais antigos, e é provável que o próprio Moisés tenha feito uso delas. Além do mais, muitos estudiosos hoje questionam os critérios usados para identificar essas supostas fontes e enfatizam, ao contrário, a unidade do texto tal como o temos. Por exemplo, o relato do dilúvio, antes apontado como um exemplo clássico da hipótese documentária, é visto hoje como portador de excepcional integridade (6.9-9 29). Ver “Introdução ao Pentateuco”.

Propósito

Gênesis esboça a origem de muitas coisas: o universo, a terra, plantas, animais e a humanidade. Dá o início de instituições, profissões e ofícios humanos. Descreve a origem do pecado e da morte e ilustra o trabalho insidioso de Satanás na vida humana. Acima de tudo, Gênesis relata o início da história da redenção com o anúncio do Redentor que havia de vir (Gn 3.15). Ele nomeia os primeiros progenitores na linhagem do Messias e o começo do povo hebreu, através do qual a Bíblia e o Salvador vieram. O Gênesis também fornece uma história seletiva de pessoas e eventos, conforme vista dos propósitos de Deus.

Temas

Gênesis, o livro dos princípios, inclui os seguintes temas:

1. Criação.

Deus criou o mundo “muito bom” (1.31). Havia integridade e harmonia entre Deus e a humanidade, entre os humanos e entre estes e o restante da ordem criada.

2. Pecado.

O pecado entrou no mundo através de um homem: Adão (3.1-19; Rm 5.12), resultando em incredulidade, conflitos humanos, enfermidade e degradação ambiental.

3. A imagem de Deus.

Todos os seres humanos são criados à imagem de Deus. Cada pessoa é uma semelhança de Deus na condição de ser pessoal, racional, criativo e moral. Homens e mulheres foram criados como iguais.

4. O plano divino da redenção global.

Embora Deus tenha decidido trabalhar com um grupo étnico no AT, o propósito divino era que todas as nações viessem a conhecê-lo por meio dos descendentes de Abraão (12.1-3). Abraão foi escolhido por causa de sua fé, fazendo-se o pai de todos os que se aproximaram de Deus dessa maneira.

Paralelos Tipológicos

Os paralelos do Oriente Médio antigos que são mais propensos a serem cognatos incluem: o contraste simbólico de cultura e natureza na rivalidade entre Jacó e Esaú e na rivalidade mesopotâmica entre Gilgamesh e Enkidu, a rivalidade egípcia entre Hórus e Sete e a rivalidade fenícia entre Hypsouranios e Ousoos (Hendel 1987b:111-31); o uso de roupas para simbolizar os ritos de passagem na narrativa de José (ver acima, C.5.) e no épico de Gilgamesh (Moran Enc Rel 5:559). O misterioso encontro de luta de Jacó com Deus em Gn 32:23–33 e o sonho de Gilgamesh de uma luta livre com seu deus patrono Shamash no épico de Gilgamesh (Hendel 1987b:103–9). Existem muitos paralelos tipológicos de outras culturas para histórias sobre trapaceiros como Jacó (Hendel 1987b:123, 128-29; Niditch 1987:95-118), heróis sábios como José (Niditch 1987:110-14), heróis que lutam com deuses (de Pury 1979), inundações primitivas (Dundes 1988), e muitos outros temas em Gênesis (Frazer 1918; Gaster 1950). Existem também paralelos tipológicos para a estrutura geral do livro de Gênesis, começando com os mitos das origens e estendendo-se pela vida dos ancestrais, por exemplo, o povo maia Popul Vuh (Pitt-Rivers 1977:149-50).

Fatos Culturais

Gênesis registra o nascimento e a história primitiva da humanidade. Deus não se limitou a criar o mundo físico: ele também formou o homem e a mulher à sua imagem e dotou-os com o dom do livre-arbítrio. Com o tempo, ocorreram grandes mudanças, como a Queda da humanidade no pecado e, por esse motivo, o grande Dilúvio.

Tribos, cidades e civilizações enfraqueceram e floresceram, ergueram-se e ruíram num ritmo que desde então caracterizou a história humana. Vários séculos se passaram e, em algum momento, Deus decidiu concentrar sua atenção particular num indivíduo de uma família comum, adoradora de ídolos, alguém que optou por ouvir e obedecer. De raízes tão inexpressivas começou a triunfante — e quase sempre trágica — saga da história da redenção.

Desafio de Interpretação

Compreender as mensagens individuais de Gênesis, que compõem o plano e propósito maior do livro, não apresenta nenhum desafio simples, já que tanto os relatos individuais quanto a mensagem geral do livro oferecem lições importantes para a fé e obra. Gênesis apresenta a criação por decreto divino, ex nihilo, ou seja, “do nada”. Três eventos traumáticos de proporções épicas, a saber, a Queda, o Dilúvio universal e a Dispersão das nações são apresentados como pano de fundo histórico para entender a história mundial. De Abraão em diante, o padrão é se concentrar na redenção e benção de Deus.

Os costumes do Gênesis frequentemente diferem consideravelmente daqueles do nossos dias modernos. Eles devem ser explicados em relação ao antigo contexto do Oriente Próximo. Cada costume deve ser tratado de acordo com o contexto imediato da passagem antes que qualquer tentativa seja feita para explicá-lo com base nos costumes registrados em fontes extrabíblicas ou mesmo em outro lugar nas Escrituras.

Problema Crítico-Teológico

Os principais problemas deste primeiro livro do cânon hebraico e da Torá são os mesmos que os do Pentateuco como um todo. Elas dizem respeito à identificação e datação de fontes (documentos) juntamente com sua origem e as peculiaridades do material redigido. Um amplo consenso reconhece a presença de uma escrita básica sacerdotal, datada do exílio ou do período pós-exílico (principalmente 1:1–2:4a; partes da narrativa da inundação, especialmente 9:1-17; 17:1– 27; 23:1-20), em que materiais de fontes mais antigas (J e E; história primordial e o principal corpus das narrativas patriarcais) foram trabalhados. O peso teológico do Gênesis é considerável, e seus motivos virtualmente inesgotáveis incluem a Criação, a Queda, a Maldição, a Promessa de bênção e a Orientação divina na fé.

Arqueologia

Os sumérios foram evidentemente o primeiro povo do Oriente Próximo a escrever e fazer história. Eles tinham uma apreciação dinâmica pela vida e mantinham registros de todos os tipos de acontecimentos no passado e no presente. Algumas dessas fontes sobreviveram sob a forma de listas de reis, inscrições oficiais comemorando a construção de palácios e templos, anais da corte, crônicas, composições épicas (muitas vezes baseadas em personagens históricos e eventos, que posteriormente foram sobrepostos com lendas e mitos), e várias outras fontes não-literárias. Como a maioria dos antigos povos do Oriente Próximo, os sumérios eram profundamente supersticiosos, e seu grande senso de inferioridade praticamente exigia que o curso dos acontecimentos no cosmos fosse governado por decisões que vinham de seres sobre-humanos. Essa característica foi um elemento proeminente em seus mitos e lendas e indicou que, para eles, a história era principalmente teocrática. As divindades veneradas pelos sumérios eram originalmente as forças da natureza experimentadas pessoalmente; assim, a força metafísica que ativava a história tinha um caráter distintamente elementar e participava da realidade dessa maneira especial.

Os sumérios começaram a tradição mesopotâmica de escrever história contra um fundo cósmico, apresentando em suas narrativas o que melhor pode ser descrito como uma visão do mundo. Em seu material cosmológico, eles se representavam como um grupo de membros da raça humana que habitava uma das quatro regiões em que haviam dividido o mundo. Os sumérios tiveram uma “idade de ouro” em sua história, quando “não havia medo, nem terror. O homem não tinha rival” (S. N. Kramer, The Sumerians [1970], p. 262). Mas como os deuses haviam planejado um comportamento antiético, imoral e criminoso como parte da conduta humana, esse estado de felicidade foi de curta duração. Uma composição suméria chegou a falar da criação de uma mulher contra o pano de fundo da terra paradisíaca de Dilmun, localizada em E da Suméria. Na história, uma deusa curou um dos órgãos doentes do deus Enki, que provou ser uma costela. Consequentemente, a deusa passou a ser conhecida como “a dama da costela”, ou, como uma tradução alternativa, “a dama que faz viver”. Embora essa narrativa claramente tenha pouco em comum com a de Gênesis 2, ela faz a última muito mais inteligível se imaginado contra um passado literário sumério do que envolvendo o segundo templo e uma data pós-exílica, como a crítica literária do século XIX teria feito seus adeptos imaginar.

Quando os deuses da Suméria, enfurecidos pelo clamor humano, planejaram engoli-los por meio de um dilúvio devastador, eles provocaram um dilúvio que de fato destruiu o mundo sumério. Esse evento cataclísmico foi perpetuado na tradição babilônica subsequente, ainda que seu escopo estivesse confinado ao sul da Mesopotâmia. Novamente, não é de surpreender que o relato bíblico de um dilúvio similar descrevesse uma ocorrência de proporções “mundiais”, particularmente se essa narrativa também viesse de um meio cultural da Mesopotâmia. Uma vez que isso seja entendido, será evidente que a inundação de Noé envolveu apenas o mundo da Mesopotâmia, e não a Terra inteira.

Composições existentes indicam que os sumérios estavam muito mais interessados em compor épicos religiosos e textos mitológicos do que na historiografia. Apesar disso, eles criaram esquemas de datação para seus registros históricos, e esse procedimento envolveu a nomeação dos anos em relação a importantes eventos políticos e religiosos. Mais precisamente, os escribas sumérios começaram a listar todos os nomes do ano em um determinado período de reinado, ou em uma sucessão de tais reinos. Os compiladores da célebre lista de reis (cf. SN Kramer, The Sumerians, pp. 328-331) aparentemente usaram esse sistema de fórmulas de datas, contendo como registrou a maioria dos governantes sumérios com a duração calculada de seus reinados. Enquanto o material apresenta certos problemas para o historiador, é de interesse para a compreensão do Gênesis por causa do grande número creditado aos anos de reinado de muitos governantes nas dinastias anteriores. Alguns estudiosos acusaram tanto os antigos escribas sumérios como seus colegas do Gênesis de misturar fato e fantasia ao exagerar a longevidade de indivíduos específicos. Parece, no entanto, que uma tradição numérica comum subjaz ambos os tipos de material e, portanto, é importante que os estudiosos modernos tentem descobrir a base sobre a qual os cálculos foram feitos. É possível que um precursor do método chinês tradicional de contagem de idades tenha sido usado, ou alternativamente, que os números fossem de caráter pictórico e descrevessem a importância relativa do indivíduo para os autores. No que diz respeito a Gênesis, a referência a José (50:26) se enquadra nesta última categoria, como observado acima, embora esta, é claro, seja egípcia, não mesopotâmica, em providência (cf. JW Wenham, Tyndale House Bulletin, n 18 [1967], 2-36). Como os problemas literários e outros apresentados pelas seis primeiras propostas de tabuleiros subjacentes a Gênesis, isto é, 1:1-11:27, têm muito em comum com alguns que ocorrem em escritos sumérios e outros do Oriente Próximo, parece apenas legítimo e apropriado avaliá-los contra o que é agora conhecido da vida e da cultura nessa fase inicial da história humana.

Contexto Histórico

Gênesis é tipicamente dividido em duas seções principais (1–11, 12–50). O material de fundo mais útil para entender a primeira seção é a literatura mitológica do antigo Oriente Próximo. Tanto a mitologia mesopotâmica quanto a egípcia fornecem uma riqueza de materiais sobre as perspectivas contemporâneas sobre a criação do mundo e dos seres humanos. Esses trabalhos incluem o Enuma Elish e o Atrahasis Epic, assim como vários mitos sumérios da região da Mesopotâmia. Do Egito, há três principais textos de criação, um de Memphis, Heliopolis (nos Textos das Pirâmides) e Hermopolis (nos Textos de Caixão). Além disso, existem várias histórias de inundação disponíveis na região da Mesopotâmia, encontradas na Epopéia de Gilgamesh e na Epopéia de Atrahasis. O exame dessa literatura nos ajuda a observar muitas semelhanças e diferenças entre os antigos conceitos do Oriente Próximo e Israel. Semelhanças nos tornarão conscientes do terreno comum que existia entre Israel e seus vizinhos. Às vezes, a semelhança estará nos detalhes da narrativa (como enviar pássaros da arca) ou em aspectos do texto que talvez não tenhamos percebido antes (como a nomenclatura das coisas em conjunto com a criação delas). Algumas semelhanças podem nos levar a questionar se lemos muito significado teológico em certos elementos do texto (por exemplo, a criação de uma mulher a partir de uma costela), enquanto em outros casos podemos descobrir que não vimos o significado teológico suficiente (por exemplo, a vinda de Deus ao jardim no “frescor do dia”). Em geral, tais semelhanças nos ajudam a entender os relatos bíblicos em uma perspectiva mais ampla.

As diferenças entre o antigo Oriente Próximo e as literaturas bíblicas nos ajudarão a apreciar algumas das características da cultura israelita e da fé bíblica. Estes incluirão novamente detalhes específicos (forma da arca, duração do dilúvio), bem como conceitos fundamentais (o contraste entre a visão bíblica da criação pela palavra falada de Deus e a visão mesopotâmica de que a criação do mundo estava associada a o nascimento das divindades cósmicas). Em muitos casos, as diferenças estão relacionadas (direta ou indiretamente) com a fé monoteísta única de Israel.

Não é incomum que as semelhanças e as diferenças se juntem em um único elemento. Os conceitos de que a humanidade é criada (1) a partir do barro e (2) à imagem da divindade são ambos familiares no antigo Oriente Próximo, mas Israel dá uma virada única na idéia que a move para uma esfera totalmente diferente.

Nem sempre podemos explicar as semelhanças e as diferenças tão clara ou conclusivamente quanto desejarmos. Diferentes estudiosos terão opiniões variadas sobre as implicações baseadas em algumas de suas próprias pressuposições. As questões são frequentemente complexas e as conclusões de qualquer acadêmico individual podem ser altamente interpretativas. Por essa razão, é mais fácil oferecer informações do que oferecer respostas satisfatórias.

Finalmente, a literatura comparativa não apenas fornece relatos paralelos a alguns dos encontrados em Gênesis 1–11, mas também fornece um paralelo à estrutura geral desta seção. A Atrahasis Mesopotâmica Epopeia, como Gênesis 1–11, contém um resumo da criação, três ameaças e uma resolução. Tais observações podem nos ajudar a entender os aspectos literários de como essa porção da Bíblia é reunida. Além disso, se esse paralelo é legítimo, pode nos ajudar a ver as genealogias sob uma luz diferente, porque quando o texto bíblico tem genealogias reflete a bênção do Gênesis de ser frutífero e multiplicador, enquanto nas seções comparáveis de Atrahasis, os deuses são angustiados por causa do crescimento da população humana e tentar contê-lo.

Encontrar paralelos literários em Gênesis 12–50 apresenta mais um desafio. Embora os estudiosos tenham tentado anexar vários termos descritivos às narrativas patriarcais (como “sagas” ou “lendas”), qualquer terminologia moderna é inadequada para abranger a natureza da literatura antiga e está fadada a enganar tanto quanto a ajudar. Não há nada na literatura do antigo Oriente Próximo que seja paralelo às histórias sobre os patriarcas. O material mais próximo é encontrado no Egito em obras como a História de Sinuhe, mas esse relato cobre apenas a vida de um homem, em vez de seguir várias gerações, e não tem nada a ver com reassentamento ou relacionamento com Deus. Até mesmo a história de José, considerada por si só, é difícil de classificar e comparar. Mais uma vez comparações poderiam ser feitas com as histórias de Sinuhe, Wenamon ou Ahiqar (todas lidando com a vida e os tempos dos cortesões reais), mas as semelhanças são bastante superficiais.

As informações básicas para entender essas narrativas vêm de um conjunto diferente de materiais. Esses capítulos dizem respeito à vida dos patriarcas e de suas famílias quando se deslocam da Mesopotâmia para Canaã, para o Egito, no processo de formação da aliança. Vários arquivos (Nuzi, Mari, Emar, Alalakh) que foram descobertos na Síria e na Mesopotâmia forneceram informações sobre a história, cultura e costumes do antigo Oriente Próximo no segundo milênio. Muitas vezes, esses materiais podem esclarecer os acontecimentos políticos ou a história do assentamento da região. Eles também podem nos ajudar a ver como as famílias viviam e por que faziam algumas das coisas que parecem estranhas para nós. No processo, obtemos informações importantes que podem nos ajudar a processar os materiais bíblicos. Por exemplo, comumente buscamos orientação ética no comportamento de personagens bíblicos (embora isso nem sempre seja um procedimento produtivo). Para entender por que as pessoas fazem o que fazem e entendem as decisões que tomam, é importante se familiarizar com as normas da cultura. Podemos descobrir, então, que parte do comportamento dos patriarcas é impulsionado por normas que entendemos mal ou que poderíamos facilmente interpretar mal. Informações corretivas podem ser fornecidas pelos arquivos.

Uma das conclusões interessantes que podem ser tiradas desse tipo de análise é a compreensão de que não havia muito na visão de mundo dos patriarcas e de suas famílias que os diferenciasse da cultura antiga comum do Oriente Médio da época. Mais uma vez, então, uma compreensão da cultura geral pode nos ajudar a classificar quais elementos no texto têm significado teológico e quais elementos não. Por exemplo, uma compreensão da prática da circuncisão no antigo Oriente Próximo pode fornecer diretrizes úteis para nossa avaliação dela na Bíblia. Observações sobre o uso da tocha e do incensário nos antigos rituais do Oriente Próximo podem abrir o significado de Gênesis 15. Até mesmo o entendimento de Abraão sobre Deus pode ser iluminado por informações dos antigos documentos do Oriente Próximo.

Ao nos depararmos com toda essa informação, devemos ficar impressionados com a frequência com que Deus usa o familiar para construir pontes para seu povo. Como o que lhes era familiar se torna mais familiar para nós, podemos entender mais do texto. Por outro lado, é importante perceber que os propósitos do livro de Gênesis vão muito além de qualquer literatura disponível no antigo Oriente Próximo. A presença de semelhanças não sugere, de forma alguma, que a Bíblia seja simplesmente uma reembalagem de segunda classe, de segunda mão, da literatura antiga do Oriente Próximo. Em vez disso, o material de fundo nos ajuda a entender o Gênesis como um produto teológico único, vinculado a pessoas e eventos inseridos em um contexto cultural e histórico específico.

Características e Temas

Pelo estudo da estrutura literária de Gênesis, destacam-se os aspectos que seguem. Após o prólogo, Gênesis divide-se em dez partes, cujo início é caracterizado pela fórmula: “Esta é a genealogia (ou ‘história’) de”. Esse título é seguido por uma genealogia da pessoa referida na fórmula ou por episódios envolvendo os seus descendentes mais notáveis. Os primeiros três relatos pertencem ao mundo pré-diluviano e os sete últimos ao período posterior ao dilúvio. Os três primeiros relatos formam um paralelo com o quarto, quinto e sexto relatos: (a) narrativas sobre o desenvolvimento universal da humanidade na criação e na recriação após o dilúvio (relatos um e quatro, respectivamente); (b) genealogia das linhagens da redenção a partir de Sete e Sem (relatos dois e cinco); e (c) as narrativas sobre as alianças com Noé e Abraão (relatos três e seis). Os dois pares finais de narrativas expandem a linhagem abraâmica, contrastando os seus filhos rejeitados, Ismael e Esaú (relatos sete e nove), com as histórias sobre os descendentes eleitos, lsaque e Jacó, respectivamente (relatos oito e dez).

A chave para compreensão das narrativas é, geralmente, oferecida em uma revelação que serve de abertura às mesmas: por exemplo, a promessa a Abraão (12.1-3), o sinal pré-natal da rivalidade entre Jacó e Esaú (25.22-23). E os sonhos de José (37.1-11). Uma seção de transição encontra-se ao final dos relatos (p. ex.. 4.25-26; 6.1-8; 9.18-29; 11.10-26). A seção que conclui a última narrativa contém fortes vínculos com o Livro de Êxodo, terminando com um juramento que José obteve dos seus irmãos de que, quando Deus viesse em seu socorro e os reconduzisse a Canaã, levariam consigo o seu corpo embalsamado (50.24-25; Êx 13.19). O enfoque do livro nas origens de Israel desdobra-se diante de questões que afetam o mundo. Moisés nos diz que antes que Deus elegesse os patriarcas, os pais de Israel (caps. 12-50), a humanidade afirmou a sua independência de Deus buscando o conhecimento do bem e do mal à parte de Deus e em desafio ao seu mandamento (caps. 2; 3). Os seres humanos comprovaram a sua depravação pela religiosidade de fachada, fratricídio e vingança irrestrita (Caim, cap. 4); pela tirania, haréns e os contínuos maus desígnios (os reis pré-diluvinos, 6.1-8); e por erguerem um anti-reino contra o próprio Deus (Ninrode e a torre infame. 6 10.S-H:11 V.1). O veredito de Deus sobre a humanidade permanece: “é mau o desígnio íntimo do homem desde a sua mocidade” (8.21). Certamente de forma tão maravilhosa e soberana como Deus transformou a escuridão e o vazio por ocasião da criação da terra (1.2) em um habitat glorioso para a humanidade e lhe trouxera descanso (1.3-2.3), assim também Deus soberanamente elegeu em Cristo o seu povo da aliança para derrotar a Satanás (3.15) e para abençoar o mundo depravado (12.1-3). Ele elegeu incondicionalmente os patriarcas. Abraão, lsaque e Jacó, e prometeu fazer da sua descendência eleita a nação destinada a abençoar aterra, uma promessa que acarretava em uma semente, terra e rei eternos (1:21-3,7; 13:14-17; 171-8; 26.2-6; 28:10-15). Antes de Jacó nascer e ter praticado o bem ou o mal, Deus o escolheu, e não a Esaú, o seu irmão gêmeo mais velho (25.21-23). Ele escolheu Jacó, apesar deste ter trapaceado o seu irmão, enganado o seu pai e blasfemado contra Deus (cap. 27). Deus usou até mesmo os delitos escandalosos de Judá contra Tamar, além do ousado ardil a que ela recorreu para fazer continuar a linhagem messiânica (cap. 38). O Rei celeste demonstrou o seu governo glorioso preservando miraculosamente as matriarcas em haréns pagãos (12.10-20; cap. 20) e abrindo os seus ventres estéreis (17.15-22; 18.1-15; 21.1-7; 25.21; 29 31; 30.22). Ele não levou em conta os costumes e tradições quando escolheu o filho mais jovem (Jacó), não o mais velho (Esaú), para herdar a bênção (25.23, nota). Profecias flagrantes e tipos sutis são testemunhos incontestáveis de que Deus dirige a história. Por exemplo, Noé profetizou a submissão de Canaã a Sem (9.24-26), e o grande êxodo liderado por Moisés foi prefigurado quando Deus libertou Abraão e Sara com riquezas da opressão do Egito (12.10-20). Deus inclinou o coração dos seus eleitos a confiarem em suas promessas e a obedecerem aos seus mandamentos. Contra toda esperança. Abraão confiou que Deus lhe daria uma descendência incontável e o legislador diz que Deus lhe imputou isso como justiça (15.6). Confiante nas firmes promessas de Deus. Abraão renunciou aos seus direitos sobre a terra (cap. 13) e Jacó, agora chamado “Israel” apegando-se somente em Deus (cap. 22), devolveu simbolicamente o direito de primogenitura a Esaú (cap. 33). No começo da narrativa de José, Judá vendeu José como escravo (37.26-27). Mas, no fim, o ex-mercador de escravos dispôs-se a tornar-se um escravo em lugar de seu irmão (44.33-34). Firmado na verdade de que o desígnio gracioso de Deus trouxera o bem a partir de pecados tão atrozes como o assassinato e o tráfico de escravos. José perdoou seus irmãos sem recriminação (45.4-8; 50 24). O que começou em Gênesis cumpre-se em Cristo. A genealogia iniciada no cap. 5 prossegue no cap. 11 e termina com o nascimento de Jesus Cristo (Mt 1; Lc 3.23-27). Ele é, em última análise, o descendente prometido a Abraão (12.1-3; Gl 3.16). Os eleitos são abençoados nele porque somente ele, por sua obediência ativa e passiva, satisfez as exigências da lei e morreu em lugar deles. Todos os que são batizados em Cristo e unidos com ele pela fé são descendentes de Abraão (GI 3.26-29). As arrojadas profecias e as prefigurações sutis em Gênesis mostram que Deus está escrevendo uma história que conduz ao descanso em Cristo. No limiar da profecia bíblica, Noé predisse que os jafetitas encontrariam salvação através dos semitas, (uma profecia que se cumpriu no Novo Testamento 19.27), e Deus mesmo proclamou que o descendente da mulher destruiria Satanás (3.15). Este descendente é Cristo e sua Igreja (Rm 16.20). A apresentação da noiva para Adão prefigura a apresentação da Igreja a Cristo (2.18-25; Ef 5.22-32); o sacerdócio de Melquisedeque é como o do Filho de Deus (14.18-20; Hb 7); e assim como o Israel redimido da escravidão no Egito encontrou descanso, subsistência e refúgio na Terra Prometida, a Igreja redimida do mundo amaldiçoado encontra a vida em Cristo (13.15). O paraíso perdido pelo primeiro Adão é restaurado pelo último Adão. Esta história sagrada, unificada assim de forma tão maravilhosa, certifica que o enfoque de Gênesis é Cristo.


Característica Literária

Gênesis é um livro cuidadosamente estruturado; sua estrutura literária reforça sua mensagem explícita. A primeira seção, a história da criação (Gn 1:1–2:3), é montada em dois segmentos de três dias cada. As obras criativas do primeiro e do quarto dia são paralelas, visto que durante o primeiro dia, Deus criou a luz e as trevas, enquanto no quarto dia Ele criou o sol e a lua para governar os períodos de luz e escuridão. No segundo dia, o firmamento dividiu as águas; no quinto dia, os habitantes do céu e da água foram criados. O terceiro dia terra seca e vegetação apareceram; o sexto dia foi criado para consumir a vegetação. A estrutura enfatiza o plano e o controle de Deus sobre todos os aspectos da criação.

Após a seção introdutória, o livro é dividido pela frase recorrente “Estas são as gerações” (heb. Toledoth). Cada ocorrência dessa frase marca um novo estágio no desenvolvimento de Deus de um povo escolhido. A história da humanidade é apresentada como um todo (Gn 2:4–4:26). Após o julgamento da humanidade, a frase aparece repetidamente como um lembrete de que Deus escolhe um homem de cada família (por exemplo, Sete, Noé, Sem, Abraão, Isaque, Jacó) para liderar na preservação e continuação da linha divina. Também são claras as parcerias que os patriarcas tiveram com suas esposas - Abraão e Sara, Isaque e Rebeca, e Jacó e Raquel - que também faziam parte do plano de Deus. A passagem da promessa de Deus de uma geração para a seguinte é enfatizada pela estrutura paralela das próprias histórias. Abraão, Isaque e Jacó viajaram para o Egito; todos os três testes sofridos foram seguidos por renovações de convênios. Sara, Rebeca e Raquel sofreram de esterilidade, mas cada uma experimentou a graça de Deus em gerar filhos que desempenhariam um papel importante na construção de uma nação.

Aplicação Pessoal

Gênesis imediatamente questiona muitas visões de mundo seculares, de modo que os estudantes sérios de Gênesis devem se acostumar a pensar de maneira diferente. Precisamos perceber o mundo e sua história como os antigos autores bíblicos o revelam. Por exemplo, as narrativas dos capítulos 1-3 não devem ser entendidas alegoricamente, mas como história real. A Palavra de Deus deve sempre estar acima da palavra do homem; não devemos julgar a Sua Palavra, mas sim julgar-nos. Portanto, os antigos hebreus não devem ser considerados primitivos simplesmente porque relacionam a realidade de maneira diferente. O raciocínio grego racionalizado sobre as realidades do mundo pode ser nossa herança, mas nem sempre é verdade.

Gênesis também ensina muitas outras lições: Abraão é nosso exemplo de fé (15:6; Gálatas 3:7). A vida de José é um excelente sermão para todos os que sofrem injustamente e é um desafio à fidelidade nesta era de permissividade indisciplinada.

Finalmente, entendemos a natureza humana adequadamente apenas quando apreendemos a verdade do “pecado original”. Quando Adão pecou, todos nós não apenas pecamos, mas herdamos uma natureza pecaminosa residente (8:21; Romanos 5:19; 7:18). Somente um Salvador pode lidar efetivamente com essa corrupção natural herdada.


Gênesis e a Ciência

A relação de Gênesis com a Ciência é essencialmente uma questão de como se lê os relatos da criação e da queda (capítulos 1-3) e do dilúvio (capítulos 6-9). Que tipo de “dias” que Gênesis 1 descreve? Como há muito tempo é que isto deveria ter acontecido? Foram todas as espécies criadas como eles estão agora? Adão e Eva foram pessoas reais? São todas as pessoas descendentes deles? Como grande parte da terra foi coberta pelo dilúvio? Qual o impacto que isso teve sobre formações geológicas?

Intérpretes fiéis ofereceram argumentos para tomar a semana da criação de Gênesis 1 como uma semana regular com dias normais (o “dia de calendário” de leitura); ou como uma sequência de eras geológicas (a leitura de “dia-era”); ou como “dias úteis” de Deus, semelhante a uma semana de trabalho humano (a visão “analógico dias”); ou como um artifício literário para retratar a semana da criação como se fosse uma semana de trabalho, mas sem a preocupação de sequência temporal (a vista “quadro literário”). Alguns têm sugerido que Gênesis 1:2, “a terra era sem forma e vazia”, descreve uma condição que resultou da rebelião primitiva de Satanás, que antecedeu a semana da criação (a “teoria do intervalo”). Há outras leituras, mas estes cinco são os mais comuns.

Nenhum desses pontos de vista requer negar que Gênesis 1 é histórico, desde que a discussão na seção de Gênesis e História seja mantido em mente. Cada uma dessas leituras pode ser enquadrada com outras passagens bíblicas que refletem sobre a criação. O mais importante deles é Êxodo 20:11, “em seis dias o SENHOR fez os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e descansou no sétimo dia”. Uma vez que esta passagem ecoa Gênesis 1:1-2:3, a palavra “dia” aqui precisa significar apenas o que significa em Gênesis 1. Portanto, não exige uma interpretação-dia normal, nem impede uma interpretação-dia normal. Os argumentos a favor e contra essas diferentes visões envolvem tratamento detalhado do hebraico (que vai muito além da questão do significado de “dia”), e avaliar esses argumentos que vão além do objetivo desta discussão.

Uma outra questão envolve as genealogias: eles descrevem descendência direta de pai para filho, ou eles permitem lacunas? O termo hebraico “pai” pode ser usado de um ancestral distante, e “filho” pode se referir a um descendente distante. Da mesma forma, “o pai” pode significar “tornar-se o ancestral de”. Em outras palavras, as convenções para genealogias hebraicas permitem lacunas; genealogias não são dados para indicar um comprimento de tempo.

Essas considerações se tornam menos premente quando recorda-se que nenhuma passagem bíblica, nunca realmente, se propõe a contar-se o comprimento da semana da criação (fora de Ex. 20:11) e que nenhum autor bíblico acrescenta-se a expectativa de vida nas genealogias para calcular o tempo absoluto.

E se Gênesis 1 for chamado de uma “explicação científica”? Mais uma vez, é fundamental ter uma definição cuidadosa. Será que Gênesis 1 registra um verdadeiro relato da origem do universo material? Para essa pergunta, a resposta deve ser sim. Por outro lado, se Gênesis 1 fornece informações de uma forma que corresponde aos propósitos da ciência moderna? Para esta pergunta a resposta é não. Considere alguns dos desafios. Por exemplo, o termo “tipo” não corresponde à noção de “espécie”; ela simplesmente significa “categoria”, e pode se referir a uma espécie, ou uma família, ou um grupo ainda mais geral taxonômica. Com efeito, as plantas são colocadas em duas categorias gerais, pequenas plantas que produzem sementes e plantas lenhosas maiores. Os animais terrestres são classificados como animais domesticáveis de ações (“gado”); pequenas coisas, como ratos, lagartos e aranhas (“répteis”); e animais predadores (“feras da terra”). De fato, nenhuma espécie, outra que o homem, recebe o nome hebraico adequado. Nem mesmo o sol e a lua obter os seus nomes hebraicos comuns (1:16). O texto não diz nada sobre o processo pelo qual “a terra produziu vegetação” (1:12), ou como os vários tipos de animais apareceram, embora o fato de que foi em resposta à ordem de Deus indica que não foi devido a quaisquer poderes naturais inerentes ao próprio universo material.

Este relato está bem estabelecido para o seu principal objetivo, que era permitir que uma comunidade de pastores nômades no deserto do Sinai celebrasse a bondade criativa ilimitada do Criador; não diz por que, por exemplo, uma aranha é diferente de uma cobra, nem comenta sobre o relacionamento genético que pode haver entre as várias criaturas. Ao mesmo tempo, quando a passagem é recebida de acordo com a sua finalidade, ela molda uma visão de mundo em que a Ciência está em casa (provavelmente a única visão de mundo que realmente torna a Ciência possível). Este é um conceito de um mundo feito por um Deus bom e sábio, perfeitamente adequado para os seres humanos para desfrutar e para governar. As coisas no mundo têm naturezas que as pessoas podem conhecer, pelo menos em parte. Os sentidos humanos e inteligência são as ferramentas certas para compreender as coisas verdadeiras sobre a natureza do mundo. (Os efeitos do pecado, é claro, podem interferir com este processo.)

É claro que Adão e Eva são apresentados como pessoas reais. Seu papel na história, como o canal pelo qual o pecado entrou no mundo, implica que eles são vistos como as cabeceiras da raça humana. A imagem de Deus distingue de todos os animais, e é uma dádiva especial de Deus (isto é, não um desenvolvimento puramente “natural”). Não é à toa que há em todos os seres humanos as capacidades de para a linguagem, julgamento moral, racionalidade e valorização da beleza, ao contrário e para além das competências observadas nos animais; qualquer ciência que ignora este fato não descreve fielmente a realidade. A cosmovisão bíblica leva a esperar também que todos os seres humanos partilham agora a necessidade de Deus e uma inclinação para o pecado, bem como uma possibilidade para a fé no verdadeiro Deus.

É necessário tomar cuidado semelhante ao ler a história do dilúvio. Certamente, a descrição do dilúvio implica que foi generalizada e catastrófico, mas há dificuldades em fazer afirmações confiantes de que o relato é voltado para responder a pergunta de quão generalizada foi. Assim, seria imprudente atribuir ao dilúvio todas as formações geológicas observadas hoje, os estratos, os fósseis, as deformações, e assim por diante. Geólogos concordam que eventos catastróficos, tais como erupções vulcânicas e inundações em grande escala, têm tido grande impacto sobre a paisagem; é questionável, porém, se estes acontecimentos podem, de fato, alcançar tudo o que pode ser reivindicado por eles. Mais uma vez, essas questões não vêm dentro do escopo do próprio autor, que é de salientar o interesse que Deus tem em toda a humanidade.

Assim, mesmo que seja errado usar Gênesis como se estivesse fornecendo informações diretamente em forma científica moderna, não deixa de ser fundamental afirmar o seu relato histórico e sua visão de mundo centrada em Deus, a fim de fornecer uma base adequada para fazer boa ciência.

Lendo Gênesis no Século 20

O livro de Gênesis originou-se há milhares de anos, fato facilmente esquecido quando ele é lido em uma tradução moderna em português. Foi composto em uma época e cultura muito distante das experiências da maioria dos leitores modernos. Devido a isto, há uma distância entre o texto e o leitor. Enquanto modernas traduções portuguesas tentam colmatar esta lacuna, nem sempre é possível replicar as nuances e jogos de palavras do original hebraico. Além disso, Gênesis emprega técnicas literárias que normalmente não são usados hoje. Tecidas em histórias ambientadas em uma antiga cultura do Oriente Médio, esses recursos apresentam obstáculos que podem ser superados apenas através do estudo paciente do texto.

Interpretar Gênesis é ainda mais complicado pelo fato de que também é a Palavra inspirada de Deus. Isso leva alguns leitores a supor que este texto infalível será onisciente, como o seu autor divino. Eles, então, procuram respostas para as perguntas que Gênesis não está tentando responder. No entanto, como qualquer outra parte da Bíblia, Gênesis é limitado e seletivo na informação que transmite; não diz aos leitores tudo o que poderia querer saber. Frequentemente, os leitores podem fazer perguntas, em si mesmas legítimas, mas que não foram respondidas pelo texto. Gênesis não dizer, por exemplo, como a serpente veio a ser o inimigo de Deus, ou quando e como Caim encontrou uma esposa. Essas questões poderiam ser multiplicadas muitas vezes. Consequentemente, a curiosidade natural deve ser corretamente canalizada, pois o autor inspirado de Gênesis comunica intencionalmente apenas certas coisas. No entanto, o texto não deixa de ser a Palavra de Deus, simplesmente porque é limitado no que diz ao leitor; não precisa ser exaustiva, a fim de ser verdade.

Estas observações sobre as limitações do Gênesis como um texto literário são especialmente importantes quando se recorre aos seus capítulos iniciais. A seção sobre Gênesis e Ciência mostra por que é correto dizer que esses capítulos são destinados a transmitir uma história, e não verdades científicas. Ao mesmo tempo, este não é o mesmo que dizer que eles oferecem a sua mensagem uma forma que os leitores modernos estão acostumados a leitura. Para ler Gênesis bem, é útil ter algum conhecimento de formas literárias antigas. Assim, seria precipitado concluir que Gênesis entra em conflito com uma compreensão adequada da ciência ou historiografia (cujas conclusões padrões, em determinado momento, também estão sujeitos a revisão). Simplificando, o autor do Gênesis escreve para celebrar o fato de que Deus fez o mundo, não para explicar os detalhes de como ele fez isso.

Esta diferença de abordagem significa que Gênesis 1 não aborda a mecânica de criação. Em vez disso, ele simplesmente diz que Deus trouxe os céus e a terra à existência por meio de sua palavra falada (“E Deus disse:...”); e explica que Deus ordenou a terra em termos de tempo e espaço, revelando que as pessoas foram originalmente criadas por Deus e designadas por Deus para serem seus representantes na terra, para governá-la para a Sua glória e os benefícios de toda a criação. Na medida em que os cientistas negam que Deus é o Criador de todas as coisas, um conflito fundamental existirá entre a fundação e as conclusões desse trabalho científico e da Bíblia. Ao mesmo tempo, na medida em que o foco da ciência está em compreender e descrever o mundo que Deus criou, não há conflito entre a Bíblia e os trabalhos científicos. Entendido em termos do que o autor do Gênesis procura comunicar, a ciência, assim como a Bíblia, tem um lugar valioso e legítimo. Mas, como revelação divina, Gênesis fornece o conhecimento que não pode ser descoberto através de investigação humana. Se não fosse assim, não haveria necessidade de Gênesis ser uma parte da Bíblia.

O leitor moderno recebe Gênesis melhor, então, quando ele ou ela coopera com o próprio propósito de Moisés ao escrever o livro. É a parte da frente da grande narrativa da Criação, Queda e Redenção, uma narrativa que chegou a um ponto glorioso na ressurreição de Jesus, o pagamento de sua consumação ainda mais gloriosa. A história é de um mundo bom feito por um Deus bom e papel do homem nesse mundo, a história de como a mancha do pecado afeta tudo, a história de como Deus pretende reverter esses efeitos. Assim, a vida que se vive no corpo, sua conexão com toda a humanidade, sua conexão e responsabilidade com o mundo criado, sua dependência da graça de Deus, todos são fundadas sobre a história que começa em Gênesis. A economia cristã, como a aliança feita no Sinai, envolve a necessidade de pureza moral, vivida no corpo; ordenanças físicas pelos quais Deus comunica a sua graça; uma comunidade à qual os fiéis são obrigados, todos afirmando a intenção da criação original de Deus. Além disso, Gênesis oferece um paradigma para a relação de Deus com sua criação, ou seja, o representante: Adão representava a humanidade e o mundo, e as consequências de sua queda a todos aqueles a quem ele representava foi relatado. Isto fornece o quadro para a compreensão cristã de que Jesus faz o seu trabalho representativo, o que terá consequências tanto para as pessoas que ele representa e para o resto da criação.

Confiabilidade de Gênesis

Como os eventos do Gênesis foram anteriores a Moisés, isso suscita uma pergunta: de onde ele obteve a sua informação? Durante a maior parte da era cristã, a principal explicação foi de que a revelação divina se combinava com a disponibilidade de registros escritos, como genealogias e histórias.

Gradualmente, no entanto, já no século XIX um novo consenso emergiu entre os estudiosos “críticos”. Eles acreditavam que o Pentateuco era o produto de uma série de editores judeus, não mencionados por nome, que progressivamente juntaram trechos de fontes pré-existentes, que datavam do século X a VI a.C. Em vez de ser autoria Moisaica, o pentateuco passou a ser considerado como um moisaico. Hoje em dia, esses estudiosos consideram as histórias dos cinco primeiros livros da Bíblia como invenções concebidas centenas de anos depois dos supostos eventos, talvez durante o exílio.

Contudo, há significativas evidências de que o livro de gênesis reflete o ambiente político e cultural do segundo milênio a.C. A estrutura do conteúdo dos capítulos 1-11, de modo geral, correspondem ao épico babilônico Atrahasis (aproximadamente 1600 a.C.). Práticas sociais e religiosas entre os patriarcas têm melhor relação com o período anterior do que com o primeiro milênio a.C. Por exemplo, o casamento de Abraão com sua meia-irmã, Sara, era proibido, de acordo com a Lei Mosaica (Gn 20.12; Lv 18.9). É improvável que os judeus do período do exílio tivessem inventado eventos ofensivos ou preservado esses tipos de histórias, a menos que já fosse tradições arraigadas. Também o uso predominante de compostos El para o nome de Deus (por exemplo, Deus todo-poderoso – El-shaddai, 17.1) no livro de Gênesis contrasta com a sua ausência praticamente total nos textos do primeiro milênio a.C. A atitude tolerante para com os gentios e as viagens irrestritas dos patriarcas não se enquadram no cenário posterior. A evidência, quando considerada como um todo, respalda a posição de que o livro de Gênesis relembra eventos autênticos.

Principal Mensagem

Gênesis, o livro dos primórdios, tem duas partes. A primeira parte (caps. 1–11) serve como um prólogo para a segunda parte (caps. 12–50), o principal evento do livro — o trabalho soberano de Deus na família de Abraão para realizar Sua boa vontade para todas as nações. Este prólogo (caps. 1–11) fornece chaves que destrancam o resto do livro e o resto da Bíblia também.

Quatro conceitos-chave apresentados em Gênesis 1 a 11 são cruciais para compreender o restante da Bíblia. Primeiro, o Deus que entrou na vida de Abrão e Sarai é o mesmo Deus que criou o universo inteiro. Ele é o único Deus verdadeiro e vivo – Yahweh, o Criador e Salvador do mundo. Segundo, todas as pessoas se rebelaram contra Deus, seu benevolente Criador e Sua boa vontade para com eles. A humanidade herdou um estado de pecado da rebelião de Adão e Eva no jardim do Éden. Terceiro, Deus julga e julgará as ações de todas as pessoas. Deus, enviando o Dilúvio, deixou claro para Noé e para todos que a maldade humana é totalmente inaceitável. Deus não pode deixar o mal reinar livremente em Sua criação. Quarto, o pecado continua a atormentar toda a humanidade – mesmo depois do Dilúvio. Embora o Dilúvio não tenha lavado o pecado, Deus, como a segunda metade de Gênesis (caps. 12–50) revela, tem um plano para salvar a humanidade de seus próprios atos malignos.

A primeira parte do Gênesis fornece o cenário para a história de Abrão e Sarai (caps. 12–50). Seu mundo é povoado por um amplo espectro de grupos de pessoas, cada um com sua própria linguagem, costumes, valores e crenças, e todos adotaram seus próprios deuses imaginários.

A história principal de Gênesis — o plano de Deus para abençoar todas as nações através dos descendentes de Abraão — começa no capítulo 12. Começa com o chamado de Deus a Abrão e Sarai (Abraão e Sara) para tornarem-se pais de um novo povo — uma nova nação. Esta nova nação se tornaria a ferramenta de Deus para abençoar todos os povos. Mesmo que Abrão e Sarai fossem apenas um casal de idosos com os meios para viajar, Deus escolheu começar seu plano de redenção para o mundo inteiro com eles. A descrição de Gênesis de suas experiências demonstra a irrupção (a quebra de fora) da bênção de Deus em suas vidas. Central para a bênção de Deus era Seu pacto com Abraão – o pacto abraâmico (ver 12:1–3; 15:1–21). Deus, o incrível Criador de todo o universo, escolheu livremente fazer promessas eternas a Abraão e seus descendentes. Essas promessas no convênio abraâmico eram o fundamento de todas as promessas e alianças subsequentes de Deus na Bíblia. Gênesis não é meramente um começo; fornece a base para o resto da narrativa bíblica.

Espírito Santo

“O Espírito de Deus pairava sobre a face das águas” (1:2). Assim, encontramos o Espírito envolvido na criação. O Espírito Santo também trabalhou em José, um fato óbvio para o Faraó: “Podemos encontrar um homem como este, em quem está o Espírito de Deus?” (41:38).

Embora o Espírito Santo não seja mencionado em Gênesis, vemos o Seu trabalho ao atrair os animais dos quatro cantos da Terra para a arca de Noé. Percebemos também que Ele operou durante toda a vida dos patriarcas ao protegê-los e às suas famílias e ao abençoá-los materialmente. Todos os tipos de dificuldades e situações impossíveis assediam a família escolhida, frustrando, se possível, o cumprimento das promessas de Deus a Abraão; mas o Espírito de Deus sobrenaturalmente resolveu todos os desafios.

Cristologia

O que começou em Gênesis é cumprido em Cristo. A genealogia inciada no cap. 5 prosseguiu no cap. 11 e termina com o nascimento de Cristo (Mt 1; Lc 3.23-38). Ele é o legítimo descendente prometido a Abraão (17.15-16; Gl 3.16). Os eleitos são abençoados nele porque somente ele, pela sua obediência ativa, satisfez as exigências da lei, e em sua posição de desistir de seus direitos de igualdade com Deus, morreu no lugar deles. Todos os que são batizados em Cristo são descendentes de Abraão (Gl. 3.26-29). As ousadas profecias e os sutis tipos de Gênesis mostra que Deus estava escrevendo uma história que se completaria com Jesus. No limiar da profecia bíblica, Noé predisse que os jafetitas encontrariam salvação por meio dos semitas (9.27), uma profecia que se cumpriu no Novo Testamento (Rm 11; 9.27) e o próprio Deus proclamou que o descendente da mulher destruiria Satanás (3.15). Esse descendente é Cristo e sua Igreja (Rm 16:20). A apresentação da noiva a Adão tipificou a apresentação da Igreja a Cristo. (2.18-25; Ef 5:22-32); o sacerdócio de Melquisedeque é semelhante ao filho do filho de Deus (14.18-20; Hb 7). O paraíso perdido pelo primeiro Adão é restaurado pelo último Adão. Essa história sagrada maravilhosamente unificada certifica de que o foco de Gênesis é, em última análise, Cristo.

Tema

O tema principal do Gênesis é a formação de Deus da nação e Sua proteção providencial de um povo especial para Si mesmo. Os métodos usados por Deus para chamar e moldar essa nação formam os temas menores do livro.

Soberania de Deus — Deus aparece primeiro como Criador e Governador soberano; Seu poder sobre a história e as ações de Seu povo reaparecem ao longo do livro em Sua preservação dos Seus escolhidos.

Aliança de Deus — Deus usa a “aliança” (hb. berith) continuamente para separar um homem do resto da humanidade. A primeira aliança é feita com Adão no Jardim do Éden (Gn 2:16, 17). Depois da Queda, Deus continua a fazer convênios com cada geração subsequente, selecionando um homem de cada família para continuar a semente divina para a próxima geração. Os convênios são feitos com Noé (Gn 9:9), Abraão (Gn 12:1–3), Isaque (Gn 26:2–5) e Jacó (Gn 28:13–15).

Redenção de Deus — A história da formação do povo escolhido é a história da redenção. A “semente da mulher”, a linha divina dos fiéis ao Senhor, acabará por esmagar a “semente da serpente”, os ímpios que vivem em rebelião contra Deus (Gn 3:14, 15). Esta profecia foi finalmente cumprida na vinda de Cristo. Como Israel era a nação escolhida por Deus, de quem o Messias viria, a história de Israel revela a ação redentora de Deus na história humana.

A Ameaça ao Plano de Deus — O quarto tema do Gênesis é a luta da serpente e sua semente para destruir a família escolhida. O pecado, a fome, a guerra e a ameaça de assimilação nacional na cultura cananeia circundante conspiraram para bloquear o cumprimento das promessas da aliança de Deus. Essas ameaças são continuamente desviadas pelo poder soberano e preservador de Deus.

Explicação

Gênesis explica o princípio de muitas realidades importantes: o universo, a terra, as pessoas, o pecado e o plano da salvação de Deus. Estamos sempre enfrentando grandes escolhas. A desobediência ocorre quando as pessoas escolhem não seguir a vontade de Deus. O pecado arruína a vida das pessoas. Isto ocorre quando elas desobedecem a Deus. Deus faz promessas de ajudar e proteger as pessoas. Esse tipo de promessa é chamado de “pacto”. O oposto ao pecado é a obediência. O ato de obedecer a Deus restaura o nosso relacionamento com Ele. Prosperidade é algo mais profundo que a simples riqueza material. A verdadeira prosperidade e satisfação são resultado da obediência a Deus. Deus criou a nação de Israel a fim de obter um povo dedicado para: (1) manter viva a vontade dEle para este mundo; (2) proclamar ao mundo como Ele realmente é; e (3) preparar o mundo para o nascimento de Cristo.


Teologia

Esta não é a teologia das várias assim chamadas fontes, mas a teologia do livro como um todo. Alguns diferentes pontos de vista emergem na doutrina concernente a Deus e alguns aspectos obviamente estão faltando. Um conceito completo de Deus dificilmente poderia ser transmitido por um livro conciso, especialmente uma vez que a doutrina de Deus também estava sujeita a uma revelação mais ampla no decorrer do tempo. O Deus que aparece neste livro é o único e supremo monarca do universo e do seu povo. Um monoteísmo latente está para ser revelado no livro. É um longo espaço até que declarações como Deuteronômio 6.4 possam aparecer, mas Gênesis prepara para elas. E igualmente óbvio que este Deus dos patriarcas é onipotente: ele pode criar o que lhe parecer bom, trazer à existência, e ele faz todo seu trabalho mediante o uso de sua potente Palavra. Ele conhece todas as coisas, ainda que este fato seja mais indireto que totalmente revelado. Ele sabia quando nossos primeiros pais se esconderam no jardim, e quando Sara sorriu secretamente na tenda. Ele também está presente longe do lar do ancestral Jacó, quando este teve a fantástica visão (Gn 28.16), ele é onipresente. Deus é supremamente sábio em seus propósitos, pois todas as coisas que ele cria traz o selo de ser a mais excelente adaptação para seu uso designado e propósito. Um universo integrado vem a existir de suas mãos.

Ao mesmo tempo, a preocupação com a perfeição de sua criatura o leva a dar abundante evidência de sua profunda misericórdia e amor, especialmente para com aquelas criaturas que são a coroa de sua criação, os filhos dos homens. Este Deus revela a si mesmo para seus filhos, e uma certa dose de mistério envolve a maneira pela qual ele faz isso. Os escritores sagrados não receberam a revelação concernente a “como” a revelação veio de Deus aos homens nos tempos antigos, pelo menos em se tratando da mecânica do método. Deus aparecia, às vezes (ninguém poderia dizer precisamente em qual forma), e nestas teofanias ele falava com clareza aos receptores escolhidos de suas revelações. Sua mensagem, algumas vezes, era transmitida aos homens, na quietude da noite, num sonho (31.11), outras vezes o agente misterioso, “o anjo do Senhor” agia em tais ocasiões (31.11). Estas experiências da parte dos patriarcas eram reais e não representam uma manifestação que fosse além da credulidade religiosa.

Um quadro mais claro acerca do homem começa a aparecer no contexto deste livro. O homem é uma criatura, feito segundo uma forma pré-concebida, com uma parte material bem como uma não material, para Deus. Ele é, desde o princípio, uma criatura que tem uma vontade livre, por isso ele pode consentir ou dizer “não” para a tentação. A imagem de Deus está estampada sobre o homem. De fato, tudo quanto a imagem de Deus abrange de forma precisa, está agora definido, mas é afirmado com ênfase que isto pertence à sua natureza (1.27). Igualmente misterioso é algo do caráter representativo do primeiro homem (“em Adão todos morremos”, ICo 15.22). Ele é o primeiro dos seres humanos não apenas no mero sentido da prioridade numérica. Novamente, este caráter representativo não é anunciado com muitas palavras. Este homem é representado, desde o princípio, como um ser superior, uma vez que ele vem do trabalho manual de Deus, livre da contaminação do pecado. Sendo levado pelo tentador, ele se permitiu aspirar ser como Deus e em sua desobediência orgulhosa se levantou contra a expressa vontade de seu Criador, comendo do fruto “cujo sabor mortal trouxe a morte ao mundo e toda sua aflição”. As consequências imediatas deste ato intencional são vistas por ser um corrupto temor a Deus, um desejo de evitar sua presença, e um sentimento de vergonha, juntamente com muitas outras distorções do que tinha sido um “bom” caráter.

A capacidade do rápido crescimento do pecado é indicada pelo registro que mostra como o primeiro filho de nossos primeiros pais matou seu próprio irmão a sangue frio. Na verdade, conforme o registro mostra, a ira do pecado aumenta ou diminui no mundo, isso é sentido com violência, até mesmo ao ponto em que o próprio Criador teve de usar medidas drásticas — o Dilúvio — para deter este mal monstruoso. Quando um novo desenvolvimento começa e os filhos dos homens crescem em número, logo eles desfiam as ordenanças básicas do Todo-poderoso e se reúnem para construir uma grande torre. É apresentado mais negativa do que positivamente que o homem continua precisando da ajuda do alto. Logo se toma óbvio que o pecado está alcançando dimensões horríveis novamente, quando o desenvolvimento anormal da depravação sexual cananita vem à luz, ou quando o incidente de Sodoma e Gomorra lança sua luz lúgubre nas páginas das Sagradas Escrituras. A poderosa graça salvadora também vem à luz bem cedo. Pois mal Adão tinha caído, mesmo antes que sua merecida punição fosse definida, quando forte evidência aparece de que Deus não lidará com os homens segundo seus pecados em justiça cruel, nem recompensará estritamente de acordo com suas iniquidades. Ele faz uma rica promessa como mostra Gênesis 3.15 corretamente interpretado. E prometeu que alguém capaz de quebrar o poder do mal aparecerá no devido tempo, nascido de uma mulher. Um traço incidental da graça imerecida que Deus fará operar deve ser encontrado também no fato de que o Criador provê peças de roupas para estes filhos, a quem ele teve de expulsar do abençoado jardim do Éden (3.23).

De maneira similar, a atitude de Deus para com o homem caído é indicada pelo arco-íris no céu, após o grande Dilúvio, o qual era um sinal da graça, indicando uma ordem mundial estável, que jamais teria outro Dilúvio. De fato, a imerecida bondade de Deus tem, finalmente, sua expressão mais sólida na aliança que ele livremente estabelece com Abraão, não devido a um mérito superior de Abraão, mas por causa do abundante favor do Senhor (Gn 15). Assim, são encontrados os elementos básicos da Redenção, mesmo nesta época mais primitiva: a graça da parte de Deus; a fé da parte do homem. Por isso que Gênesis 15.6 claramente declara que quando Abraão creu na promessa do Senhor, “isto lhe foi imputado como justiça”, uma passagem que se mostra proeminente na teologia de Paulo (Rm 4.3,9,22,23). Gênesis está perto de dizer que um homem é justificado pela fé à parte das obras da lei. Também pode ser notado que algumas ideias claras sobre a questão do julgamento estão estabelecidas neste registro primitivo. Abraão conhece Deus como o Deus que é o juiz íntegro e irrepreensível de toda a terra (Gn 18.25). Não é uma simples noção de um pai indulgente da humanidade, mas um senso da necessidade da justiça divina observando as consequências do pecado sobre culpado — pensamentos como este são fortemente grifados por incidentes como a destruição de Sodoma (19.1-28). O conceito de providência divina é mantido e exemplificado mais fortemente. Naquele alimento expressamente provido para a necessidade do homem na criação, a providência divina mostra sua face. A maneira única pela qual os patriarcas são guiados e guardados em seus caminhos transmite o mesmo pensamento. De fato, talvez neste local das Escrituras está a evidência da direção providencial, muito mais destacada que nas narrativas que se concentram em José.

Caráter General.

O livro de Gênesis tem um interesse e uma importância que nenhum outro documento da antiguidade pode fingir. Se não for absolutamente o livro mais antigo do mundo, é o mais antigo que afirma ser uma história confiável. Pode haver alguns rolos de papiros em nossos museus que foram escritos no Egito quase na mesma época em que as genealogias da raça Shemitica foram cuidadosamente coletadas nas tendas dos patriarcas. Mas esses rolos, na melhor das hipóteses, contêm registros estéreis de pouco serviço ao historiador. Diz-se que há fragmentos da literatura chinesa que, em sua forma atual, datam de 2200 anos a.C. e ainda mais (Gfrorer, Urgeschichte, 1: 215); mas são ou calendários contendo cálculos astronômicos ou registros de interesse meramente local e temporário. Gênesis, ao contrário, é rico em detalhes respeitando outras raças além da raça à qual pertence mais imediatamente; e os pedigrees judaicos ali preservados de forma tão estudiosa são apenas os andaimes em que se ergue um templo da história universal.

Se os livros religiosos de outras nações fazem qualquer pretensão de competir na antiguidade, em todos os outros aspectos eles são imensamente inferiores. Os Mantras, as partes mais antigas dos Vedas, são, ao que parece, tão antigos quanto o século XIV a.C. (ver Colebroke, Asiat. Res. 7:283, e o prefácio do professor Wilson à sua tradução do Rig-Veda). O Zendavesta, na opinião de estudiosos competentes, é de data muito mais moderna. Dos livros sagrados chineses, o mais antigo, o Yihking, é, sem dúvida, de uma antiguidade venerável, mas não é certo que fosse um livro religioso; enquanto os escritos atribuídos a Confúcio certamente não são anteriores ao século 6 a.C. (Gfrörer, 1:270).

Mas Gênesis não é como os Vedas, uma coleção de hinos mais ou menos sublimes; nem como a Zendavesta, uma especulação filosófica sobre a origem de todas as coisas; nem como o Yih-rei, uma confusão ininteligível cujos expositores poderiam transformá-lo de um ensaio cosmológico em um tratado padrão sobre filosofia ética (Hardwick, Christ and other Masters, III, 1:16). É uma história e é uma história religiosa. A parte anterior do livro, até o final do décimo primeiro capítulo, pode ser apropriadamente denominada história do mundo; a segunda é uma história dos pais da raça judaica. Mas do começo ao fim é uma história religiosa: começa com a criação do mundo e do homem; fala da felicidade inicial de um paraíso em que Deus falou com o homem; do primeiro pecado e suas consequências; da promessa de redenção; do crescimento gigantesco do pecado e do julgamento do Dilúvio; de uma nova terra e uma nova aliança com o homem, sua imutabilidade tipificada pelo arco nos céus; da dispersão da raça humana sobre o mundo. Em seguida, passa para a história da redenção; à promessa dada a Abraão, e renovada a Isaque e Jacó, e a toda aquela cadeia de circunstâncias que preparou o caminho para o grande ato simbólico da Redenção, quando com uma mão poderosa e um braço estendido Jeová tirou seu povo do Egito.

É muito importante ter em mente esse aspecto religioso da história se nos colocássemos em uma posição correta para entendê-lo. É claro que os fatos devem ser tratados como quaisquer outros fatos históricos, peneirados da mesma maneira e submetidos às mesmas leis de evidência. Mas se julgarmos o trabalho como um todo, não devemos esquecer o objetivo evidente do escritor. É somente assim que podemos entender, por exemplo, por que a história da Queda é dada com tanta minúcia de detalhes, ao passo que, de gerações inteiras de homens, não temos nada além de um catálogo. Só assim também podemos explicar o fato de que, de longe, a maior parte do livro está ocupada, não com a sorte das nações, mas com as biografias dos três patriarcas, ou foi para Abraão, para Isaque e para Jacób que Deus se revelou. Foi para eles que a promessa foi dada, que era para ser a esperança de Israel até que “a plenitude do tempo” viesse. Por isso, esses xeques errantes atribuem uma grandeza e um interesse maior do que o dos Babels e Nimrods do mundo. As circunstâncias mínimas de suas vidas são mais dignas de serem narradas do que a ascensão e queda de impérios. Isto não é meramente do sentimento patriótico do escritor como um judeu, mas do seu sentimento religioso como uma das raças escolhidas. Ele viveu na terra dada aos pais; ele procurou a semente prometida aos pais, na qual ele e todas as famílias da terra seriam abençoados.

Unidade de Design

Este monumento venerável, com o qual a literatura sagrada das cominências hebraicas, e que forma sua base real, é dividido em duas partes principais; um universal e um especial. A história mais antiga de toda a raça humana está contida nos capítulos 1-11 e na história dos antepassados de Israel, os patriarcas, nos capítulos 12-50. Essas duas partes estão, no entanto, tão intimamente ligadas entre si que seria errado atribuir ao primeiro apenas o objetivo de fornecer uma história universal. Que um plano e método distintos caracterizem o trabalho é agora geralmente admitido. Isto é reconhecido, de fato, tanto por aqueles que defendem, como por aqueles que negam a existência de diferentes documentos no livro. Ewald e Tuch não são defensores menos decididos da unidade do Gênesis, no que diz respeito ao seu plano, do que Ranke ou Hengstenberg. Ewald, na verdade (em sua Composition der Genesis), foi o primeiro que a estabeleceu satisfatoriamente, e apontou claramente o princípio sobre o qual ela se baseia.

Qual é então o plano do escritor? Primeiro, devemos ter em mente que Gênesis é, afinal, apenas uma parte de uma obra maior. Os cinco livros do Pentateuco formam um todo consecutivo: eles não são apenas uma coleção de fragmentos antigos frouxamente amarrados juntos, mas, como mostraremos em outro lugar, uma composição bem digerida e conectada.

O grande assunto desta história é o estabelecimento da teocracia. Seu ponto central é a concessão da lei sobre o Sinai, e a solene aliança ali ratificada, pela qual a nação judaica foi constituída “um reino de sacerdotes e uma nação sagrada para Jeová”. Com referência a este grande fato central, todo o restante do narrativa é agrupada.

Israel é o povo de Deus. Deus governa no meio deles, tendo-os escolhido para si mesmo. Mas uma nação deve ter leis, portanto, ele lhes dá uma lei; e, em virtude de sua relação peculiar com Deus, esse conjunto de leis é tanto religioso quanto político, definindo seu dever para com Deus, bem como seu dever para com o próximo. Além disso, uma nação deve ter uma terra, e a promessa da terra e a preparação para a sua posse estão todas ao longo do tempo mantidas em vista. O livro de Gênesis então (com os primeiros capítulos de Êxodo) descreve os passos que levaram ao estabelecimento da teocracia. Ao lê-lo, devemos lembrar que é apenas uma parte de um trabalho mais extenso; e devemos também ter em mente essas duas idéias proeminentes, que dão uma unidade característica a toda a composição, viz. o povo de Deus e a terra prometida.

Observaremos então que a história de Abraão mantém a mesma relação com as outras partes do Gênesis que a doação da lei faz a todo o Pentateuco. Abraão é o pai das nações judaicas para Abraão, a terra de Canaã é dada pela primeira vez em promessa. Isaac e Jacó, embora também figuras proeminentes na narrativa, ainda assim herdam a promessa como filhos de Abraão, e Jacó é o principal elo de ligação na cadeia de eventos que leva finalmente à posse da terra de Canaã. De maneira semelhante, a seção anterior do livro é escrita com o mesmo propósito óbvio. É parte do plano do escritor nos dizer qual foi a preparação divina do mundo, para mostrar, primeiro, o significado do chamado de Abraão e, em seguida, a verdadeira natureza da teocracia judaica. Ele não (como Tuch afirma) trabalha para trás de Abraão até que ele venha, apesar de si mesmo, para o começo de todas as coisas. Ele não pergunta: Quem foi Abraão? respondendo, da posteridade de Shemn; e quem era Shem? um filho de Noé; e quem foi Noé, etc. Mas ele começa com a criação do mundo, porque o Deus que criou o mundo e o Deus que se revelou aos pais é o mesmo Deus. Jeová, que ordenou a seu povo que permanecesse santo no sétimo dia, era o mesmo Deus que, em seis dias, criou os céus e a terra e descansou no sétimo dia de toda a sua obra. O Deus que, quando o homem havia caído, visitou-o em misericórdia e lhe deu uma promessa de redenção e vitória, é o Deus que enviou Moisés para libertar seu povo do Egito. Aquele que fez aliança com Noé, e por meio dele com “todas as famílias da terra”, é o Deus que também se fez conhecer como o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó. Em uma palavra, criação e redenção estão eternamente ligadas. Essa é a idéia que, de fato, dá forma à história, embora sua enunciação distinta seja reservada para o N.T. Ali aprendemos que todas as coisas foram criadas por e para Cristo, e que nele todas as coisas consistem (Cl 1:16-17); e que pela Igreja é dado a conhecer aos principados e poderes a sabedoria manifesta de Deus. Seria impossível, portanto, para um livro que nos fala do começo da Igreja, não nos falar também do começo do mundo. O livro de Gênesis tem, portanto, um caráter ao mesmo tempo especial e universal. Ela abraça o mundo; fala de Deus como o Deus de toda a raça humana. Mas, como introdução à história judaica, torna o interesse universal subordinado ao nacional. Seu desígnio é mostrar como Deus se revelou aos primeiros pais da raça judaica, a fim de que ele pudesse fazer para si mesmo uma nação que deveria ser sua testemunha no meio da terra. Este é o princípio interno da unidade que permeia o livro. Sua estrutura externa agora estamos a examinar. Cinco pessoas principais são os pilares, por assim dizer, dos quais repousa toda a superestrutura: Adão, Noé, Abraão, Isaque e Jacó.

Construção Literária

É claro que Moisés deve ter derivado seu conhecimento dos eventos que ele registra no Gênesis, tanto da revelação divina imediata quanto da tradição oral ou documentos escritos. A natureza de muitos dos fatos relatados e a minúcia da narração tornam extremamente improvável que a revelação imediata tenha sido a fonte de onde foram extraídos.

Que seu conhecimento deveria ter sido derivado da tradição oral parece moralmente impossível quando consideramos o grande número de nomes, idades, datas e minutos que são registrados. A conclusão então, parece justo que ele deve ter obtido suas informações a partir de documentos escritos coevos, ou quase, com os eventos que eles gravaram, e composto por pessoas intimamente familiarizadas com os assuntos a que se referem. Ele pode ter coletado estes, com acréscimos de tradição autêntica ou monumentos existentes sob a orientação do Espírito Santo, em um único livro.

Certo é que vários dos primeiros capítulos de Gênesis têm o ar de serem feitos de seleções de documentos muito antigos, escritos por diferentes autores em diferentes períodos. A variedade que é observável nos nomes e títulos do Ser Supremo é apelada entre as provas mais marcantes desse fato. Isso é óbvio na tradução em inglês, mas ainda mais no original em hebraico.

Em Gênesis 1 a Gênesis 2:3, que é realmente uma peça de composição, como o título, Gn 1:4, “Estas são as gerações”, mostra, o nome do Altíssimo é uniformemente Elohim, Deus. Em Gênesis 2:4 a Gênesis 3, que pode ser considerado o segundo documento, o título é uniformemente Jeová Elohim, Senhor Deus; e no terceiro, incluindo Gênesis 5, é somente Jeová; enquanto em Gênesis 5, é Elohim, somente Deus, exceto em Gênesis 5:29, onde uma citação é feita e Yehová usado.

É dificilmente concebível que tudo isso seja resultado de um mero acidente. As mudanças do nome correspondem exatamente às mudanças nas narrativas e aos títulos das várias peças. “Agora, todas essas citações precisas,” diz o Professor Stowe, “prejudicam o crédito dos livros Mosaicos, ou aumentam isso? A Vida de Washington, de Marshall, é considerada indigna de crédito, porque contém copiosos extratos da correspondência de Washington e citações literais de importantes documentos públicos? O seu valor não é grandemente aumentado por esta circunstância? A objeção é totalmente fútil. Nas edições comuns da Bíblia, o Pentateuco ocupa cerca de cento e cinquenta páginas, das quais talvez dez sejam citadas como citações. Esta certamente não é uma proporção muito grande para um trabalho histórico que se estende por um período tão longo.” - Bush.

Na suposição de que a escrita era conhecida por Adão, Gênesis 1-4, contendo os primeiros dois desses documentos, formou a Bíblia dos descendentes de Adão, ou os antediluvianos. Gênesis 1 a Gên 11:9, sendo a soma destes dois e dos três seguintes, constitui a Bíblia dos descendentes de Noé. Todo o Gênesis pode ser chamado a Bíblia da posteridade de Jacó; e os cinco Livros da Lei foram a primeira Bíblia de Israel como nação. - Canon Cook.

Conexão com Êxodo

Pelas declarações que acabamos de fazer, já foi indicado em que conexão estreita Gênesis se encontra com os livros subsequentes das Escrituras Sagradas. A história do povo escolhido, que começa com Ex 1ff, logo no começo e com um propósito claro, remete à história como encontrada em Gênesis (compare Êxodo 1:1-6, Êxodo 1:8 com Gn 46:27 Gênesis 50:24 e veja ÊXODO, I, 3), embora centenas de anos tivessem se apegado a esses eventos; que anos são ignorados, porque eles estavam em seus detalhes de nenhuma importância para a história religiosa do povo de Deus. Mas para Abraão em Gn 12.1-3 a promessa havia sido dada, não apenas para que ele fosse o pai de uma nação poderosa que o reconheceria como seu fundador, e a história mais antiga da qual é relatada em Êxodo e a seguinte livros do Pentateuco, mas também que a Terra Santa lhe tinha sido prometida. A este respeito, o Livro de Josué, que dá a história da captura desta terra, é também uma continuação do desenvolvimento histórico iniciado em Gênesis. A bênção de Deus pronunciada sobre Abraão, no entanto, continuou a ser eficaz também nos últimos tempos entre as pessoas que descendiam dele. Desta forma, Gênesis é uma introdução a todos os livros do Antigo Testamento que se seguem, que de qualquer forma têm a ver com o destino deste povo, e se originou em seu meio como o resultado da relação especial entre Deus e este pessoas. Mas na medida em que esta bênção de Deus se estender a todas as nações da terra (Gênesis 12:3), as promessas dadas só podem ser cumpridas inteiramente em Cristo, e só podem se expandir no trabalho e sucesso das missões cristãs e nas bênçãos que são encontradas no cristianismo. Assim, este livro trata primeiro de começos e origens, no qual, como em um núcleo, todo o desenvolvimento do reino de Deus até sua consumação está contido (compare VI abaixo).

Esboço do Gênesis

Esboço
      I. I. A História Primitiva (1:1-11:26)
           A.A. Deus e o responsável pela criação dos céus e da terra (1:1-2:3)
      B.     B. Primeiros povos da Terra (2:4-4:26)
                  1. 1. O homem e a mulher no santuário do Éden (2:4-25)
      2.            2. O casal se rebela contra Deus (3:1-24)
      3.            3. Os filhos de Adão e Eva (4:1-26)
      C.     C. Descendentes de Adão (5:1 - 6:8)
      1.             1. A linha da família de Adão a Noé (5:1-32)
      2.             2. A maldade da humanidade (6:1-8)
      D.     D. Descendentes de Noé (6:9 - 9:29)
      1.             1. Noé  e o dilúvio (6:9-9:19)
      2.             2. A maldição de Canaã (9:20-29)
      E.     E. Os descendentes dos filhos de Noé (10:1-11:9)
      1.           1. Os clãs, línguas, terras e nações (10:1-32)
      2.           2. A Torre de Babel (11:1-9)
      F.    F. Descendentes de Sem (11:10-26)
      II. II. História Patriarcal (11:27-50:26)
         A.    A. Os descendentes de Tera (11:27-25:18)
                1. 1. Uma breve introdução à família de Tera (11:27-32)
      2.          2. Migração de Abrão para Canaã (12:1-9)
      3.          3. Abrão no Egito (12:10-20)
      4.          4. Abrão e Ló se separam (13:1-18)
                5. 5. Resgate de Abrão de Ló (14:1-24)
      6.          6. A aliança de Deus com Abraão (15:1-21)
               7. 7. O nascimento de Ismael (16:1-16)
      8.          8. O pacto da circuncisão (17:1-27)
      9.          9. A destruição de Sodoma (18:1-19:29)
      10.         10. Relacionamento de Ló com suas filhas (19:30-38)
               11.11. Abimeleque leva Sara para seu harém (20:1-18)
      12.         12. O nascimento de Isaque (21:1-21)
      13.         13. Abimeleque faz um tratado com Abraão (21:22-34)
      14.         14. O teste de Abraão (22:1-19)
      15.         15. Filhos de Naor (22:20-24)
      16.         16. A morte e sepultamento de Sara (23:1-20)
      17.         17. Uma esposa para Isaque (24:1-67)
      18.         18. A morte de Abraão (25:1-11)
      19.         19. A genealogia de Ismael (25:12-18)
      B.      B. Descendentes de Isaque (25:19-37:1)
      1.           1. O nascimento de Esaú e Jacó (25:19-26)
      2.           2. Esaú vende seu direito de primogenitura (25:27-34)
      3.           3. Isaque em Gerar (26:1-35)
                 4.4. Isaque abençoa Jacó (27:1-45)
      5.           5. Jacó é enviado para encontrar uma esposa (27:46-28:9)
      6.           6. Jacó em Betel (28:10-22)
      7.           7. Jacó encontra Rachel e Labão (29:1-14)
      8.           8. Jacó se casa com Lia e Raquel (29:15-30)
      9.           9. Filhos de Jacó (29:31-30:24)
      10.         10. Jacó se prepara para voltar a Canaã (30:25-31:18)
      11.         11. Labão acusa Jacó em Gileade (31:19-55)
      12.         12. Jacó se prepara para encontrar Esaú novamente (32:1-21)
              13. 13. Jacó encontra Deus em Peniel (32:22-32)
      14.        14. Jacó se reconcilia com Esaú (33:1-20)
      15.        15. O estupro de Diná (34:1-31)
      16.        16. Prosseguimento da viagem de Jacó para Hebron (35:1-29)
              17. 17. Os descendentes de Esaú em Edom (36:1-37:1)
 C.           C. Descendentes de Jacó (37:2-50:26)
      1.           1. José é vendido como escravo (37:2-36)
      2.           2. Judá e Tamar (38:1-30)
      3.           3. José no Egito (39:1-23)
               4.  4. José e os presos do rei (40:1-23)
      5.           5. José interpreta os sonhos do Faraó (41:1-57)
      6.           6. Primeira viagem dos irmãos para o Egito (42:1-38)
                 7.7. Os irmãos de José voltar para o Egito (43:1-34)
                 8.8. Benjamin é acusado de roubar (44:1-34)
      9.           9. Jose revela a sua identidade (45:1-28)
      10.          10. A família de Jacó muda para o Egito (46:1-27)
      11.          11. A família de Jacó se instala no Egito (46:28-47:12)
      12.          12. Jose supervisiona a resposta fome no Egito (47:13-26)
                13.13. Solicitações de Jacó para ser enterrado em Canaã (47:27-31)
      14.          14. A bênção de Jacó de José, Efraim e Manassés (48:1-22)
      15.          15. Jacó abençoa seus 12 filhos (49:1-28)
      16.          16. A morte e sepultamento de Jacó (49:29-50:14)
      17.          17. Jose tranquiliza seus irmãos (50:15-21)
      18.             18. A morte de José (50:22-26)


Bibliografia
Aalders, G. C. Genesis. 2 vols. Grand Rapids: Regency Reference Library, 1981.
Alexander, T. D. “Genesis 22 and the Covenant of Circumcision.” JSOT 25 (1983): 17–22.
———. “From Adam to Judah: The Significance of the Family Tree.” EvQ 61 (1989): 5–19.
———. Abraham in the Negev: A Source-Critical Investigation of Genesis 20:1–22:19. Carlisle: Paternoster, 1997.
Andersen, F. I. “Genesis IV: An Enigma.” Pages 497–507 em Pomegranates and Golden Bells: Studies in Biblical, Jewish, and Near Eastern Ritual, Law, and Literature in Honor of Jacob Milgrom. Winona Lake: Eisenbrauns, 1995.
Biddle, M. E. “The ‘Endangered Ancestress’ and Blessing for the Nations.” JBL 109 (1990): 599–611.
Blenkinsopp, J. “Abraham and the Righteous of Sodom.” JJS 33 (1982): 119–32.
Brown, W. P. Structure, Role and Ideology in the Hebrew and Greek Texts of Genesis 1:1–2:3. Atlanta: Scholars, 1993.
Bruce, F. F. “The Bible and the Environment.” Páginas 15–30 em The Living and Active Word of God: Studies in Honor of Samuel J. Schultz. Winona Lake: Eisenbrauns, 1983.
Bruckner, J. K. Implied Law in the Abraham Narrative. JSOTSup 335. Sheffield: Sheffield Academic Press, 2001.
Calvin, J. Commentaries on the First Book of Moses, Called Genesis. 2 vols. Grand Rapids: Eerdmans, 1948.
Carr, D. M. Reading the Fractures of Genesis: Historical and Literary Approaches. Louisville: Westminster John Knox, 1996.
Cassuto, U. A Commentary on the Book of Genesis. 2 vols. Jerusalem: Magnes/Hebrew University, 1961–1964.
Chavalas M. W., and M. R. Adamthwaite. “Archaeological Light on the Old Testament.” Páginas 59–96 em The Face of Old Testament Studies: A Survey of Contemporary Approaches. Grand Rapids: Baker/Apollos, 1999.
Clines, D. J. A. The Theme of the Pentateuch. Sheffield: Sheffield Academic Press, 1997.
Coats, G. W. Genesis with an Introduction to Narrative Literature. FOTL. Grand Rapids: Eerdmans, 1983.
Delitzsch, F. A New Commentary on Genesis. 2 vols. 1888 repr. Edinburgh: T&T Clark, 2001.
De Vaux, R. The Early History of Israel. Philadelphia: Westminster, 1978.
Fokkelman, J. P. Narrative Art in Genesis: Specimens of Stylistic and Structural Analysis. Assen e Amsterdam: Van Gorcum, 1975.
Frymer-Kensky, T. “Patriarchal Family Relationship and Near Eastern Law.” BA 44 (1981): 209–14.
Garrett, D. A. Rethinking Genesis: The Sources and Authorship of the First Book of the Pentateuch. Grand Rapids: Baker, 1991.
Gunkel, H. Genesis. Macon: Mercer University Press, 1997.
Hamilton, V. P. The Book of Genesis Chapters 1–17. NICOT. Grand Rapids: Eerdmans, 1990.
Hess, R. S. Studies in the Personal Names of Genesis 1–11. AOAT 234. Neukirchener-Vluyn: Neukirchener Verlag, 1993.
Hess, R. S., and D. T. Tsumura. I Studied Inscriptions from Before the Flood: Ancient Near Eastern, Literary, and Linguistic Approaches to Genesis 1–11. Winona Lake: Eisenbrauns, 1994.
Hoerth, A. J., G. L. Mattingly, and E. M. Yamauchi, eds. Peoples of the Old Testament World. Grand Rapids: Baker, 1994.
House, P. R. Old Testament Theology. Downers Grove: InterVarsity, 1998.
Hughes, R. Kent. Genesis. Wheaton: Crossway Books, 2004.
Humphreys, W. L. The Character of God in the Book of Genesis: A Narrative Appraisal. Louisville: Westminster John Knox, 2001.
Kidner, D. Genesis. TOTC. Chicago: InterVarsity, 1967.
Kikawada, I. M. Before Abraham Was: The Unity of Genesis 1–11. Nashville: Abingdon, 1985.
Kitchen, K. A. Ancient Orient and the Old Testament. Chicago: InterVarsity, 1966.
———. On the Reliability of the Old Testament. Grand Rapids: Eerdmans, 2003.
Lambert, W. G., and A. R. Millard, eds. Atrahasis: The Babylonian Story of the Flood. Winona Lake: Eisenbrauns, 1999.
Longacre, R. Joseph: A Story of Divine Providence—A Text Theoretical and Textlinguistic Analysis of Genesis 37 and 39–40. Winona Lake: Eisenbrauns, 1989.
Malamat, A. Mari and the Early Israelite Experience. Oxford: British Academy, 1989.
Mathews, K. “Genesis.” Páginas 140–46 em New Dictionary of Biblical Theology. Downers Grove: InterVarsity, 2000.
———. “The Table of Nations: The ‘Also Peoples.’ ” SBJT 5 (2001): 42–56.
McCarter, P. K. “The Historical Abraham.” Int 42 (1988): 341–52.
McComiskey, T. E. “The Religion of the Patriarchs.” Páginas 195–206 em Law and the Prophets. Nutley, N.J.: Presbyterian and Reformed, 1974.
McConville, J. G. “Yahweh and the Gods in the Old Testament.” EuroJTh 2 (1993): 107–17.
McNamara, M., ed. Targum Neofiti 1, Genesis. Collegeville, Minn.: Liturgical Press, 1992.
Merrill, E. Kingdom of Priests: A History of Old Testament Israel. Grand Rapids: Baker, 1987.
Millard, A. R. and D. J. Wiseman, eds. Essays on the Patriarchal Narratives. Winona Lake: Eisenbrauns, 1983.
Millard, A. R., J. K. Hoffmeier, and D. W. Baker, eds. Faith Tradition and History: Old Testament Historiography in Its Near Eastern Context. Winona Lake: Eisenbrauns, 1994.
Millard, A. R. “A New Babylonian ‘Genesis Story.’ ” TynBul 18 (1967): 12–18.
Neusner, J., ed. Genesis Rabbah: The Judaic Commentary to the Book of Genesis. Atlanta: Scholars Press, 1985.
Pagolu, A. The Religion of the Patriarchs. JSOTSup 277. Sheffield: Sheffield Academic Press, 1998.
Pritchard, J. B., ed. Ancient Near Eastern Texts Relating to the Old Testament. Princeton: Princeton University Press, 1969.
Provan, I. W., V. P. Long, and T. Longman. A Biblical History of Israel. Louisville: Westminster John Knox, 2003.
Rashi. The Torah with Rashi’s Commentary. Genesis. Vol. 1. Brooklyn: Mesorah Publications, 1999–2001.
Rendsburg, G. A. The Redaction of Genesis. Winona Lake: Eisenbrauns, 1986.
Rendtorff, R. The Problem of the Process of Transmission of the Pentateuch. Sheffield: JSOT Press, 1990.
Rooker, M. “Genesis 1:1–3: Creation or Re-Creation?” BSac 149 (1992): 316–23 (Part One) and 411–27 (Part Two).
Ross, A. P. Creation and Blessing: A Guide to the Study and Exposition of Genesis. Grand Rapids: Baker, 1988.
Selman, M. J. “The Social Environment of the Patriarchs.” TynBul 27 (1976): 114–36.
Skinner, J. A Critical and Exegetical Commentary on Genesis. ICC. 2d ed. Edinburgh: T&T Clark, 1910.
Speiser, E. A. Genesis. AB. Garden City: Doubleday, 1960.
Sternberg, M. The Poetics of Biblical Narrative: Ideological Literature and the Drama of Reading. Bloomington: Indiana University Press, 1985.
Thompson, T. L. The Historicity of the Patriarchal Narratives: The Quest for the Historical Abraham. BZAW 133. Berlin: de Gruyter, 1974.
Tsumura, D. T. The Earth and the Waters in Genesis 1 and 2: A Linguistic Investigation. Sheffield: JSOT Press, 1989.
Van Seters, J. Abraham in History and Tradition. New Haven: Yale University Press, 1975.
———. Prologue to History: The Yahwist as Historian in Genesis. Louisville: Westminster John Knox, 1992.
van Wolde, E. J. Words Become Worlds: Semantic Studies of Genesis 1–11. Leiden: Brill 1994.
Vawter, B. On Genesis, A New Reading. Garden City: Doubleday, 1977.
von Rad, G. Genesis. OTL. Philadelphia: Westminster, 1961.
Waltke, B. K. Genesis: A Commentary. Grand Rapids: Zondervan, 2001.
Wenham, G. J. Genesis 1–15. WBC. Waco: Word, 1987.
———. “Pondering the Pentateuch: The Search for a New Paradigm.” Páginas 116–44 em The Face of Old Testament Studies: A Survey of Contemporary Approaches. Grand Rapids: Baker, 1999.
Westbrook, R. “The Purchase of the Cave of Machpelah.” Israel Law Review 6 (1971): 29–38.
Westermann, C. Genesis 1–11, A Commentary. Minneapolis: Augsburg, 1984.
Wevers, J. W. Notes on the Greek Text of Genesis. Septuagint and Cognate Studies 35. Atlanta: Scholars Press, 1993.
White, H. C. “Reuben and Judah: Duplicates or Complements?” Páginas 73–97 em Understanding the Word. Sheffield: JSOT Press, 1985.
Whybray, R. The Making of the Pentateuch. JSOTSup 53. Sheffield: JSOT Press, 1987.
Wilson, R. R. Genealogy and History in the Biblical World. New Haven: Yale University Press, 1977.
Winnett, F. V. “The Arabian Genealogies in the Book of Genesis.” Páginas 171–96 em Translating and Understanding the Old Testament. Nashville: Abingdon, 1970.
Wright, G. R. H. “The Positioning of Genesis 38.” ZAW 94 (1982): 523–34.
Wyatt, N. “The Story of Dinah and Shechem.” UF 22 (1990): 433–58.
Youngblood, R., ed. The Genesis Debate: Persistent Questions about Creation and the Flood. Grand Rapids: Baker, 1990.

Nenhum comentário:

Postar um comentário