2009/08/07

Comentário de John Gill: João 1:24-25

comentário do evangelho de joão 1:24 - E aqueles que foram enviados dos Fariseus. Que eram os mais estritos entre os religiosos Judeus; eram muito zelosos das tradições dos anciões, e professavam uma expectativa do Messias; e eram famosos na nação por seu conhecimento e erudição, bem como por sua devoção e santificação: e muitos deles eram do Sinédrio, como aparece em João 3:1; veja notas em Mateus 3:7.

1:25 - E eles o perguntaram, e disseram a ele,... Eles colocaram a pergunta, por dizer a eles...

Por que batizas, pois, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta? Visto que ele negou que ele era o Messias, ou Elias que havia de vir antes do Messias, de acordo com a expectativa dos judeus, ou aquele profeta, ou um profeta, eles exigem por qual autoridade que ele apresentou um rito novo e para ordenação entre eles, o qual eles nunca tinham sido acostumados a realizar; porque embora houvesse lavagens, mergulhos ou batismos entre eles, ordenados pela lei de Moisés em certos casos,[1] e outros que obtiveram através de tradição, como a imersão deles depois que eles tinham estado no mercado, e de copos, panelas, recipientes de bronze, e mesas, contudo nada deste tipo era parecido com o que João administrou: e como para o batismo de prosélitos, parece ser de uma data posterior a isto, e não tinha nenhuma maneira à semelhança com este. A ordenação que João administrou era tal, que eles afirmaram que ninguém deveria praticar, a menos que ele fosse o Messias, ou o precursor dele, ou algum profeta eminente; eles insistem então nisto, que visto que ele negou que ele era qualquer um destes, ele deveria mostrar quais as suas credenciais, e provar que a sua comissão vinha de Deus para batizar; ou eles sugerem que ele era responsável para ser chamado perante o Sinédrio, e ser condenado como um falso profeta, ou um inovador em negócios religiosos. Consequentemente, parece que os judeus esperaram que aquele batismo fosse administrado nos tempos do Messias e o seu precursor; mas de onde eles tiveram esta noção, não é fácil dizer, se de Zac. 13:1 como Grotius, ou de Eze 36:25 como Ágil; nem eles falam desprezivelmente disto, mas, ao contrário, consideram isto como um afazer muito solene, a apenas ser executado através de grandes personagens: e isto pode ensinar os modernos a pensar e falar mais respeitosamente desta ordenação que eles faziam, de que se deram grandes liberdades, e tratou isto com muito desprezo e virulência; chamando isto pelos nomes de impureza, abominação, água imunda, e uma dedicação de pessoas a Satanás:[2] igualmente, está consequentemente claro de que eles esperavam que esta ordenação fosse administrada primeiro por algumas pessoas de muito grande nota, qualquer um dos profetas muito famosos, como Elias a quem eles procuraram antes da vinda do Messias, ou então o próprio Messias, e não por um professor comum, ou qualquer pessoa simples; portanto, este rito, como executado por João, não poderia ter nenhuma semelhança com qualquer coisa que era de uso em comum entre eles: além disso, era expressamente determinado no nome do Messias, Atos 19:5, então eles concluem que, ou ele, ou o seu precursor, que havia de vir e realizá-lo; e esse João deve ser alguém, ou outro deles, caso contrário, por que ele administrou esse rito? E também é consequentemente evidente de que nenhuma prática tal tinha sido realizada até então entre eles, caso contrário, eles não teriam estado tão alarmados com isso, como estavam; nem eles teriam se dado o trabalho de enviar comissário até João, e indagar dele quem ele era, e o que ele fazia.

____________
Notas
[1] Cf. Hebreus 9:10. N do T.
[2] Vet. Nizzachon, p. 56, 62, 64, 70, 74, 77, 148, 191, 193.

Nenhum comentário:

Postar um comentário