2009/10/14

Estudo Bíblico: Perdão

PERDÃO, ESTUDO BIBLICOS, TEOLOGICOS
PERDÃO: Ato de perdoar a um ofensor; cessar de ter ressentimento dele por sua ofensa e renunciar a todas as reivindicações de compensação. O verbo hebraico saláhh (perdoar) é usado apenas com respeito a Deus perdoar a um pecador. O termo grego afíemi significa literalmente “deixar ir”.

Segundo a lei de Deus dada à nação de Israel, para que alguém que pecou contra Deus ou contra seu próximo tivesse seus pecados perdoados, ele primeiro tinha de retificar o erro, conforme a Lei prescrevia, e então, na maioria dos casos, apresentar uma oferta de sangue a Jahweh. (Le 5:5-6:7) Daí o princípio declarado por Paulo: “Sim, quase todas as coisas são purificadas com sangue, segundo a Lei, e a menos que se derrame sangue, não há perdão.” (He 9:22) Na realidade, porém, o sangue dos sacrifícios de animais não podia tirar pecados e dar à pessoa uma consciência perfeitamente limpa. (He 10:1-4; 9:9, 13, 14) Em contraste, o predito novo pacto tornou possível o verdadeiro perdão, baseado no sacrifício resgatador de Jesus Cristo. (Je 31:33, 34; Mt 26:28; 1Co 11:25; Ef 1:7) Jesus, mesmo enquanto na terra, por curar um paralítico, demonstrou que tinha autoridade para perdoar pecados. — Mt 9:2-7.

Jahweh perdoa “amplamente”, conforme indicado pelas ilustrações de Jesus a respeito do filho pródigo e do rei que perdoou a um escravo uma dívida de 10.000 talentos (60.000.000 de denários ou c. US$40.000.000), ao passo que aquele escravo não estava disposto a perdoar a outro escravo uma dívida de apenas cem denários (c. US$70). (Is 55:7; Lu 15:11-32; Mt 18:23-35) Não obstante, o perdão de Jahweh não é induzido por sentimentalismo, porque ele não deixa de punir atos maus. (Sal 99:8) Josué advertiu os israelitas de que Jahweh não perdoaria a apostasia deles. — Jos 24:19, 20; compare isso com Is 2:6-9.

Deus estipulou a maneira de se buscar e receber seu perdão. A pessoa tem de admitir seu pecado, reconhecer que este é uma ofensa contra Deus, confessá-lo incondicionalmente, ter um profundo pesar de ter feito o mal e ter a determinação de se desviar de tal proceder ou prática. (Sal 32:5; 51:4; 1Jo 1:8, 9; 2Co 7:8-11) Tem de fazer o que pode para retificar o mal ou o dano causado. (Mt 5:23, 24) Daí tem de orar a Deus, pedindo perdão à base do sacrifício resgatador de Cristo. — Ef 1:7.

Além disso, perdoar aos outros ofensas pessoais, não importa quantas vezes ocorram, é um requisito cristão. (Lu 17:3, 4; Ef 4:32; Col 3:13) Deus não perdoa aos que se negam a perdoar os outros. (Mt 6:14, 15) No entanto, mesmo quando uma grave transgressão resulta na expulsão do “iníquo” da congregação cristã, esta pessoa pode, no tempo devido, receber perdão, se provar que está deveras arrependida. Nesta ocasião, todos na congregação podem confirmar seu amor por ela. (1Co 5:13; 2Co 2:6-11) No entanto, não se requer dos cristãos perdoar aqueles que praticam pecados premeditada e deliberadamente, sem arrependimento. Esses tornam-se inimigos de Deus. — He 10:26-31; Sal 139:21, 22.

É correto orar a favor de outros pedindo o perdão de Deus, mesmo por uma congregação inteira. Moisés fez isso a respeito da nação de Israel, confessando o pecado nacional dela e pedindo perdão, e ele foi ouvido favoravelmente por Jahweh. (Núm 14:19, 20) Também Salomão, na dedicação do templo, orou para que Jahweh perdoasse ao seu povo quando este pecasse e então recuasse do proceder errado. (1Rs 8:30, 33-40, 46-52) Esdras atuou de forma representativa ao confessar publicamente os pecados dos judeus repatriados. Sua oração de coração e sua exortação teve como resultado que o povo agiu para obter o perdão de Jahweh. (Esd 9:13-10:4, 10-19, 44) Tiago incentivou o espiritualmente doente a chamar os anciãos da congregação para orarem por ele, e “se ele tiver cometido pecados, ser-lhe-á isso perdoado”. (Tg 5:14-16) No entanto, “há um pecado que incorre em morte”, o pecado contra o Espírito Santo, a prática deliberada de pecado, para o qual não há perdão. O cristão não deve orar a favor dos que pecam assim. — 1Jo 5:16; Mt 12:31; He 10:26, 27.

Nenhum comentário:

Postar um comentário