Pão da Vida — Significado do Novo Testamento

Pão da Vida — Significado do Novo Testamento

Pão da Vida
Expressão Grega: artos tes zoes

Um dos mais simples, porém, mais profundas das declarações que Jesus já fez foi: “Eu sou o pão da vida” (João 6:35). As palavras gregas que Jesus usou eram bastante simples. Artos simplesmente se refere ao pão em contraste com a carne, e também pode designar os pães da proposição, o pão consagrado no templo (Mt 12:4). Jesus disse isso a uma multidão de pessoas que estavam seguindo Ele, depois que milagrosamente alimentou-os com cinco pães e dois peixes. Eles seguiram a Jesus porque Ele tinha saciado os seus apetites, e não porque tinham visto um sinal de Deus (João 6:26). Para aqueles que estão presos na labuta da manutenção da vida, Jesus disse: “Não trabalhem pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, que o Filho do Homem vos dará” (João 6:27). Em outras palavras, Jesus disse ao povo que os alimentos pelos quais eles estavam lutando e trabalhando não lhes davam a vida eterna. Mas, se elas acreditassem em Deus, eles teriam a vida eterna. As pessoas não iria acreditar nEle, porém, até que vissem um sinal. Eles ainda citaram as Escrituras para Jesus: “Deu-lhes pão do céu para comer” (João 6:31; comparar Sl. 78:24, 105:40). Mas Jesus disse-lhes: “Moisés não vos deu o pão do céu, mas é meu Pai, lhes dá o verdadeiro pão do céu. Porque o pão de Deus é Aquele que desce do céu e dá vida ao mundo” (João 6:32-33). O maná que tinha sido dado aos israelitas no deserto, não teve nenhum efeito presente aos judeus da época de Jesus. Sua glória no milagre antigo não podia dar-lhes vida. Jesus era o “pão real de Deus”, que veio a ser o sempre presente maná dador da vida.

Versículos chave
João 6:35, 48

Os ouvintes de Jesus, é claro, queriam este pão. Mas quando Jesus dizia-lhes que Ele mesmo era o “pão da vida”, mesmo o pão que desceu do céu, eles se tornaram cada vez mais ofendidos. Como poderia Jesus, um homem simples, ser o pão de Deus? Como poderia Jesus, filho de José e Maria, pessoas a quem os judeus conheciam bem, ter descido do céu? A ofensa aumentou ainda mais quando Jesus disse às pessoas que Ele veio dar a sua carne para a vida do mundo, isto é, Ele viera para sacrificar Sua vida para que o mundo pudesse ter a vida eterna (João 6:51). Ele instruiu que as pessoas comessem Sua carne e bebessem Seu sangue. Se não, eles não teriam vida em si mesmos. Este era um pensamento repugnante para os judeus. A Lei mosaica proibia o consumo de sangue (cf. Lv. 3:17, 7:26, 27; 17:10-14). Mas Sua morte, o derramamento de Seu sangue, permitia que as pessoas tivessem vida eterna. Comer Sua carne e beber o Seu sangue significa se apropriar, pela fé, da morte de Jesus. O sangue separado da carne evidencia uma morte, e que morte gloriosa, uma morte que permitiu que milhões de pessoas viessem a receber a vida eterna. Para todos os que creem nele, e O recebem, Ele é o pão da vida.


Fonte: Holman Treasury of Key Bible Words de Eugene E. Carpenter e Philip W. Comfort.