2010/01/04

Comentário de Lenski: João 1:1

1.1 No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus. Este estava no princípio com Deus. Mesmo os primeiros leitores do Evangelho de João devem ter notado a semelhança entre a primeira frase εν αρχη, “no princípio”, com a qual Moisés começa Gênesis. Este paralelo com Moisés foi, sem dúvida, intencional por parte de João. A frase aponta para o instante em que pela primeira vez o tempo começou, e onde o primeiro ato criador de Deus ocorreu. Mas em vez de avançar do primeiro instante em que o tempo ocorreu, João dirige a atenção na direção oposta e olha de volta para a eternidade antes de o tempo existir. Podemos comparar João 17:5; 8:58 e, possivelmente, Ap. 3:14, mas dificilmente απ αρχη em Prov. 8:23, pois neste trecho “desde o princípio” se refere a Sabedoria, uma personificação, do qual v. 25 relata: “Eu fui trazida”, algo que está completamente excluído no que diz respeita à pessoa divina do Logos.

Em muitas frases em grego faltasse o artigo, que não é considerado necessário, [R. 791], por isso João escreve ει . Mas, na primeira frase a ênfase de João é sobre esta frase “no princípio” e não sobre o sujeito “a Palavra.” Isto significa que João não está respondendo à pergunta: “Quem estava no começo?” Cuja resposta seria, naturalmente, “Deus”, mas a pergunta, “Desde quando existia o Logos?” a resposta à pergunta é: “Desde toda a eternidade.” É por isso que João tem o verbo ην “era”, o imperfeito durativo, que remonta indefinidamente para além do início. O que R. 833 diz sobre um número de imperfeitos duvidosos, alguns dos quais, embora sejam imperfeitos na forma, são ainda utilizados como aoristos em certo sentido, que dificilmente pode ser aplicado neste caso. Nós, naturalmente, devomos dizer que a ideia de eternidade exclui todas as noções de tempo, presente, passado e futuro, pois a eternidade não é tempo, mesmo tempo vasto, em qualquer sentido, mas o oposto absoluto do tempo de atemporalidade. Assim, estritamente falando, não há nada antes do “início”, e não há duração, ou tempo durativo, na eternidade. Em outras palavras, a linguagem humana não tem formas de expressão que se enquadram nas condições do mundo eterno. Nossas mentes estão acorrentadas aos conceitos de tempo. De necessidade, então, quando tudo na eternidade nos é apresentado, deve ser por esse meio imperfeito como nossas mentes e nossa língua expressam. É por isso que a ideia durativa no imperfeito ην é superior à ideia pontuliar aoristica:[1] No início, o Logos “era,” ein ruhendes waehrendes und Sein (Zahn) – “era” na existência eterna. Tudo o mais teve um começo, “tornou-se”, εγενετο, foi criado, e não do Logos. Isto – podemos chamá-lo – ην intemporal na primeira frase de João, totalmente refutando doutrina de Ário, que ele resume na seguinte fórmula: ην οτε ουκ ην, “havia (um tempo) quando ele (o filho) não era.” A eternidade do Logos é co-igual com a do Pai.

Sem um modificador, nenhum sendo necessário para os leitores e ouvintes de João, ele escreve ο λογος, “a Palavra”. Este é “o Filho unigênito que está no seio do Pai”, v. 18. “O Logos” é um título para Cristo, que é peculiar de João e é usado por ele apenas. Em geral, este título se assemelha a muitos outros, alguns deles sendo usado também pelo próprio Cristo, como Luz, Vida, Caminho, Verdade, etc. Imaginar que o título Logos envolve um Logos peculiar, profundo e especulativo da doutrina sobre a parte de João é começar na estrada que em épocas antigas levou ao gnosticismo e nos tempos modernos aos pontos de vista estranhos da doutrina a respeito de Cristo. Temos de eliminar, antes de tudo, a velha ideia de que o título de “Logos” está em uma classe aparte dos outros títulos que as Escrituras outorgam sobre Cristo, que são de uma profundidade especial, e que devemos tentar penetrar nessas profundidades misteriosas. Isso já vai libertar-nos da hipótese de que João toma emprestado esse título a partir de fontes estranhas, nem com ele dar graça à sua própria doutrina sobre Cristo ou para corrigir o mau uso deste título entre as igrejas de sua época. Não há uma partícula de evidência existe para o efeito de que nos dias de João, o título Logos foi usado para Cristo nas igrejas cristãs em qualquer forma errada. E não há uma partícula de evidência existe para o efeito de que João tomou empregado este título, a fim de fazer as correções em seu uso na igreja. As perversões heréticas do título apareceram após a publicação do Evangelho de João.

A doutrina do Logos de Filo e a Judaico-alexandrina, perto da época de Cristo, não tem nada a ver com o Logos de João. O Logos de Filo é, em nenhum sentido, uma pessoa, mas a razão impessoal, ou “ideia”, de Deus, uma espécie de elo entre o Deus transcendente e o mundo, como um modelo mental que faz um artista em seu pensamento e então começa a trabalhar em algum tipo de material. Este Logos, formado na mente de Deus, é totalmente subordinado a ele, e embora seja personificado por vezes quando se fala dele, ele nunca é uma pessoa, como é o Filho de Deus, e não poderia tornar-se carne e nascer como um homem. Se João sabia dessa filosofia é impossível para nós dizer, ele não trai tal conhecimento.

Tanto como a prova legítima prossegue, foi João que deu origem a este título para Cristo e que o fez atual e bem compreendido na igreja de sua época. A observação também é correta de que este título expressa em uma palavra pesada que era conhecida na igreja desde o início. O Logos de João é aquele que é chamado de “Fiel e Verdadeiro”, em Ap. 19:11; v. 13: “e seu nome é chamado de a Palavra de Deus.” Ele é idêntico com o “Amém, a testemunha fiel e verdadeira,” em Ap 3:14; e o absoluto “Sim”, sem um único contraditório, o sim nas promessas de Deus em 2 Coríntios. 1:19, 20, a quem a Igreja responde com “Amém”. Este Logos revelou o “mistério” de Deus, da qual Paulo escreve Col. 1:27, 2:2, 1 Tm. 3:16; explicitamente que ele designa como “Cristo.” Estas denominações remontam as próprias palavras do Salvador em Mateus. 11:27, 16:17. Aqui já podemos definir o título Logos: o Logos é a revelação definitiva e absoluta de Deus, encarnado no próprio Filho de Deus, Jesus Cristo. Cristo é o Logos, porque nEle todos os fins, planos e promessas de Deus são levados a um foco final e uma realização absoluta.

Mas a tese não se pode afirmar que o título Logos, com sua origem e significado, é restrito ao Novo Testamento somente, em especial, ao Filho encarnado, e pertence a Ele apenas como Ele se fez carne. Quando João escreve que o Logos se fez carne, ele, evidentemente, significa que Ele era o Logos, muito antes de se fazer carne. Quanto tempo antes, nós já vimos, antes do início do tempo, em toda a eternidade. A negação da atividade do Filho como o Logos durante a Era do Velho Testamento deve, portanto, ser negado. Quando João chama o Filho de Logos na eternidade, é em vão insistir que o v.17 se refere apenas a Moisés no Velho Testamento e Cristo como o Logos apenas para o Novo. A Criação ocorreu por meio do Logos, v. 3, e este é o Logos eterno, vida e luz dos homens, v. 4, sem qualquer restrição quanto ao tempo (O tempo do Novo em oposição ao Velho Testamento). O argumento de que este Logos, ou Palavra, “é falado”, mas não “fala”, é ilusório. Isso exigiria que o Filho deve ser chamado ο λεγομενος em vez de ο λογος. O Logos é, de fato, falado, mas ele também fala. Quanto a ser enviado, dado, trazido até nós, podemos destacar a ideia passiva, como chegando, como revelando-se, como nos enchendo de luz e vida, a ideia ativa é tão verdadeira e tão forte.

Isto abre a riqueza das referências do Antigo Testamento ao Logos. “E disse Deus: Haja luz”, Gn 1:4. “E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”, Gn 1:26. “Pela fé entendemos que os mundos foram criados pela Palavra de Deus”, Hb. 11:3. “Pela palavra do Senhor foram feitos os céus. ... Porque falou, e isso foi feito, ele ordenou, e tudo passou a existir,” Ps. 33:6 e 9. “Enviou a sua palavra,” Ps. 107:20; 147:15. Estes não são meros sons que Jeová pronunciou como quando um homem dá uma ordem, e ouvimos o som de suas palavras. Com estas palavras e ordens, o Filho é revelado em Seu poder onipotente e criativo, assim como João diz no v. 3: “Todas as coisas foram feitas por ele.” Esta ativa e onipotente revelação “no começo”, revela-o como o Logos de toda a eternidade, um com o Pai e o Espírito Santo e ainda outro, a saber, o Filho.

Ele é o Anjo do Senhor, que nos encontra em todo o Antigo Testamento, de Gênesis a Malaquias, mesmo “o Anjo da Presença,” Isa. 63:9. Ele é “a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda criatura: Porque nele foram criadas todas as coisas que estão no céu, e que estão na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam domínios, sejam principados, ou potestades: tudo foi criado por ele e para ele, e ele era antes de tudo, e por ele todas as coisas consistem. E ele é a cabeça do corpo, a igreja: é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em todas as coisas ele possa ter a preeminência. Porque foi do agrado do Pai que nele habitasse toda a plenitude”, Col. 1:15-19. Esta é a revelação do Logos na graça. A ideia de que pelo Logos significa somente o Evangelho, ou o Evangelho de Cristo, cujo conteúdo é Ele, fica aquém da verdade. “Logos” é um nome pessoal, o nome dele “e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde a eternidade,” Miquéias 5:2. E, assim, define uma vez mais, nas palavras de Besser, “A Palavra é o Deus vivo, como Ele se revela,” Isa. 8:25, Heb. 1:1, 2. Usando uma analogia humana simples, podemos dizer: Assim como a palavra de um homem é o reflexo de sua alma mais profunda, do mesmo modo o Filho é “o brilho de Sua (do Pai) glória, e a expressa imagem de Sua pessoa”, Heb. 1:3. Apenas de Jesus como o Logos é a verdadeira palavra, “Aquele que vê a mim vê o Pai”, João 16:9; e ainda outra palavra: “Eu e o Pai somos um”, João 10:30.

E a Palavra estava com Deus, προς τον θεον. Aqui observamos o primeiro traço em hebraico do Evangelho de João em grego, uma simples coordenação com και “e”, seguido de um momento, por um segundo. Os três coordenam as declarações v. 1 permanece lado a lado, e cada um dos três repete o tema principal, “a Palavra”. Três vezes, também, João escreve os verbos idênticos ην, o seu sentido sendo tão constante quanto a do sujeito: o Logos “era” em toda a eternidade, “estava” em uma existência, imutável, atemporal. Na primeira instrução a frase “no princípio” é colocada na frente para ênfase; na segunda declaração a frase “com Deus” é colocada no final para dar ênfase.

No grego Θεος pode, ou não, ter o artigo, pois a palavra é muito parecida com um nome próprio, e no grego este pode ser articulado, um uso que o Inglês não tem. Os casos em que a presença ou a ausência do artigo tem um significado, nós notaremos como proceder. A preposição προς, como distinta de εν, παρα e συν, é de maior importância. R. 623 tenta verter a sua força literal, traduzindo: “face a face com Deus.” Ele acrescenta que em 625 vezes προς é empregado “para uma relacionamento vivo, conversa íntima”, que descreve bem o seu uso neste caso. A ideia é a presença e a comunhão com uma forte conotação de reciprocidade. O Logos, então, não é um atributo inerente a Deus, ou um poder que emana dEle, mas uma pessoa na presença de Deus e envolvendo-se em comunhão, com um amor inseparável em direção a Deus, e Deus igualmente em relação a Ele. Ele é ninguém mais do que o próprio Deus. Esta preposição πρός lança luz sobre Gn 1:26, “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança.”

Agora vem a terceira declaração: E a Palavra era Deus. Em Inglês, colocamos o predicado por último, enquanto em grego é colocado no início para receber maior ênfase. Aqui Θεος deve omitir o artigo, portanto, certificando-se da leitura no predicado, e não como sujeito, R. 791. “A Palavra estava com Deus.” Isto soa, falando de acordo com nossa razão, como se a Palavra fosse algo diferente de Deus. Assim, ele dá a volta e fecha o círculo dizendo: “E Deus era a Palavra.” Lutero diz: “Deus é a Palavra, o próprio Deus, totalmente, completamente, sem diminuição, em essência.” A primeira declaração implica necessariamente quando ele declara que já no princípio era a Palavra, o que a afirmação segunda envolve claramente quando se declara a eterna relação recíproca entre a Palavra e Deus, e que é declarado com franqueza simples na declaração terceira, quando a Palavra é pronunciada Deus sem modificador em fazer uma subtração ou limitação. E agora tudo está claro, agora vemos como esta Palavra que é Deus, “estava no início”, e como esta Palavra que é Deus estava em relação recíproca eterna com Deus. Essa clareza é perfeita quando os três ην são vistos como eterno, afastando absolutamente o passado de qualquer forma limitada. O Logos é uma das três pessoas divinas da Trindade eterna.

____________
Notas
[1]Termo gramatical usado pelo peritos em grego para se referir uma particularidade do tempo em grego.

Obs: A letra R no texto se refere a obra A Grammar of the Greek New Testament in the Light of Historical Research, de A. T. Robertson, Quarta Edição.


Fonte: The Interpretation of St. John’s Gospel de R. C. H. Lenski, publicado pela Augsburg Publishing House, Minneapolis, Minnesota. Copyright 1943. The Lutheran Book Concern

Nenhum comentário:

Postar um comentário