2010/03/16

Os Valdenses — Hereges?

Os Valdenses — Hereges?

Os Valdenses — Hereges?


Quando? No século 12 E.C. — 200 anos antes de Wycliffe e Huss, e 300 anos antes de Lutero. Onde? No sul da França, nos vales alpinos desse país e no norte da Itália. Qual era a situação? O povo comum vivia na pobreza e era propositalmente mantido em ignorância pela rica e muitas vezes corrupta classe clerical. A Igreja Católica Romana exercia o poder supremo em toda a Europa, sendo poderosa, opulenta e mundana.

Com tal fundo histórico, encontramos um grupo de pessoas que se distinguiam em nítido contraste. Criam na Bíblia como sendo a Palavra de Deus e se esforçavam a viver em harmonia com os seus princípios justos. Subiam morros e desciam vales, aos pares, pregando e ensinando as verdades que puderam descobrir por meio da leitura das partes das Escrituras de que dispunham em sua língua. Por esse motivo eram perseguidos como hereges, e muitos deles pagaram com a própria vida. Quem eram eles?

Tornaram-se conhecidos na França como os vaudois. Seus perseguidores católicos chamavam-nos em latim de Valdenses, que deu origem à palavra em português.

PRECURSORES

Historiadores católicos e protestantes discordam quanto às origens dos Valdenses. Os primeiros querem fazer-nos crer que aquilo que qualificam de “seita herege” dos valdenses foi um fenômeno isolado, que surgiu repentinamente no fim do século 12, liderado por um francês procedente de Lião, chamado Valdès ou Valdo. Por outro lado, muitos protestantes afirmam que os valdenses foram um dos elos da corrente ininterrupta de dissidentes desde o tempo do Imperador Constantino (quarto século E.C.) até o tempo dos reformadores protestantes do século 16. Esses protestantes são da opinião de que o nome valdenses se deriva da palavra latina vallis, que significa “vale”, e se refere ao fato de que esses dissidentes, continuamente perseguidos como hereges, foram obrigados a se refugiar nos vales alpinos da França e da Itália.

Naturalmente, os historiadores católicos rejeitam tal explicação protestante como não histórica. Entretanto, ao afirmar que os valdenses surgiram no cenário da história medieval com Valdès ou Valdo, a Igreja Católica está menosprezando o fato histórico, patente, de que havia muitos outros dissidentes antes de Valdo começar a pregar no fim da década de 1170. A verdade parece ser que Valdo e seus associados tornaram-se um ponto de reunião para grupos similares de dissidentes, alguns dos quais já existiam há muito tempo.

A Igreja Católica gostaria de que esquecêssemos que muitos anos antes de Valdo já havia presentes no seu próprio meio as sementes de descontentamento. Por exemplo, o Bispo Agobard, de Lião, na França (779-840 E.C.), manifestou-se fortemente contra a adoração de imagens, as igrejas dedicadas a santos e a liturgia eclesiástica, que não estava em harmonia com as Escrituras Sagradas.

Do outro lado dos Alpes, em Turim, na Itália, o Bispo Cláudio, contemporâneo de Agobard, adotou uma posição similar. Condenou orações a santos, a veneração de relíquias e da cruz, e, em geral, rejeitou a tradição da igreja como sendo contrária às Escrituras. Cláudio de Turim tem sido chamado de “o primeiro reformador protestante”. Faleceu entre 827 e 839 E.C.

No século 11, o Arquidiácono Bérenger, ou Berengário, de Tours, na França, tido como um dos teólogos mais influentes do seu tempo, opôs-se ao dogma da transubstanciação, sustentando que o pão e o vinho usados para comemorar a morte de Cristo são emblemáticos e não milagrosamente transformados no corpo e no sangue de Cristo. Defendeu também a superioridade da Bíblia sobre as tradições. Bérenger foi excomungado como herege em 1050.

Bem no início do século 12, dois homens se distinguiram como notáveis dissidentes na França. Eram Pedro de Bruys e Henrique de Lausanne. O primeiro iniciou a vida adulta como sacerdote nos Alpes do sudeste da França. Logo desistiu do sacerdócio por discordar da igreja em doutrinas importantes tais como o batismo de crianças, a transubstanciação, orações em favor dos mortos, a adoração da cruz e a necessidade de edifícios de igreja. Banido das dioceses dos Alpes do sul, ele pregou diretamente às pessoas em toda a França meridional, fazendo muitos discípulos. Foi finalmente queimado na estaca em St. Gilles, perto de Arles, em 1140.

Henrique de Lausanne, também chamado de Henrique de Cluny, deu prosseguimento à obra de Pedro de Bruys. Foi um monge que já em 1101 começara a falar destemidamente contra a liturgia eclesiástica, o clero corrupto dos seus dias e o sistema da hierarquia religiosa. Afirmava que a Bíblia é a única norma de fé e adoração. Henrique de Lausanne começou a pregar em Le Mans, no oeste da França. Expulso de lá, continuou sua obra missionária por todo o sul da França, encontrando-se eventualmente com Pedro de Bruys. Foi preso em 1148 e condenado à prisão perpétua. Mas as idéias desses homens propagaram-se rapidamente desde os Alpes sulinos até o Mediterrâneo, e através do sul da França até o golfo de Biscaia.

VALDO E OS “POBRES DE LIÃO”

Foi neste cenário histórico que um leigo entrou em cena, em Lião, França. Nada se sabe sobre o nascimento desse homem, que supostamente ocorreu por volta de 1140 E.C. Até mesmo o seu nome é um tanto misterioso, sendo diversamente escrito como Valdès, Waldo ou Valdo. O primeiro nome Pierre, ou Pedro, não aparece em nenhum manuscrito com data anterior a 1368. Pensa-se que o nome foi atribuído a ele por seus seguidores posteriores, para indicar que ele foi um imitador mais digno do apóstolo Pedro do que os papas de Roma, que afirmam ser sucessores de Pedro.

Valdo era próspero negociante em Lião. Era casado e tinha duas filhas. Homem devoto e católico praticante, pediu a um amigo teólogo conselho bíblico quanto ao que deveria fazer para agradar a Deus. Em resposta, seu amigo citou Mateus 19:21, onde Jesus disse ao jovem rico: “Se queres ser perfeito, vai vender teus bens e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu, e vem, sê meu seguidor.”

Valdo tomou a peito este conselho. Após fazer provisão para sua esposa e internar suas duas filhas num convento, comissionou dois sacerdotes, Etienne d’Anse e Bernard Ydros, para traduzir os Evangelhos e outros livros da Bíblia para a língua vernácula falada nas provincias de Provença e Delfinado, no sudeste da França. Daí, distribuiu o restante de seus bens mundanos entre os pobres e começou a estudar a Palavra de Deus. Ademais, pregou nas ruas de Lião, convidando os habitantes a despertarem espiritualmente e retornarem ao cristianismo simples e bíblico.

Tendo sido bem conhecido como próspero negociante, Valdo conseguiu muitos ouvidos atentos e logo teve um grupo de seguidores. Eles se alegraram ao ouvir a mensagem consoladora da Bíblia em sua própria língua, pois até então a igreja impedira a tradução da Bíblia para qualquer outro idioma além do latim. Muitos concordaram em abandonar os seus bens e em se devotar ao ensino da Bíblia no idioma do povo comum. Tornaram-se conhecidos como os “Pobres de Lião”.

Essa pregação leiga suscitou a ira do clero. Em 1179, o Papa Alexandre III proibiu Valdo e seus seguidores de pregar sem a permissão do bispo local. Como era de se esperar, o Bispo Bellesmains, de Lião, negou-se a consentir nisso. Registros históricos indicam que Valdo, confrontado com essa proscrição, replicou à hierarquia com as palavras de Atos 5:29: “Temos de obedecer a Deus como governante antes que aos homens.”

Valdo e seus associados continuaram a pregar. Portanto, em 1184, o Papa Lúcio III excomungou-os, e o bispo de Lião baniu-os de sua diocese. O resultado foi similar ao ocorrido quando os primitivos cristãos foram perseguidos em Jerusalém, a ponto de terem de fugir. Sobre estes, a Bíblia diz: “Os que tinham sido espalhados iam pelo país declarando as boas novas da palavra” — Atos 8:1-4.

Esses dissidentes do século 12 se refugiaram nos Alpes e em todo o sul da França, ensinando a Bíblia ao passo que iam de lugar em lugar. Sem dúvida, encontraram-se com outros grupos dissidentes, tais como os seguidores de Pedro de Bruys e Henrique de Lausanne. Do outro lado dos passos alpinos, que levam ao norte da Itália, encontraram-se com grupos dissidentes já existentes nos vales do Piemonte e da Lombardia. Esses grupos dissidentes, orientados pela Bíblia, que ficaram mais tarde conhecidos em toda a Europa como os valdenses, devem ser distinguidos de grupos “hereges” contemporâneos, tais como os cátaros e os albigenses, cujas doutrinas se baseavam mais na filosofia persa do que na Bíblia. Registros históricos mostram que por volta do início do século 13 os valdenses podiam ser encontrados não só no sul da França e no norte da Itália, mas também no leste e no norte da Franca, em Flandres, na Alemanha, na Áustria e até mesmo na Boêmia, onde se diz que Valdo morreu em 1217.

A BUSCA DA VERDADE DA BÍBLIA

Quer Valdo seja o verdadeiro fundador dos valdenses, quer não, a ele se deve o mérito de tomar a iniciativa de fazer com que a Bíblia fosse traduzida do latim para as línguas vernáculas faladas naquele tempo pelo povo comum a quem ele e seus associados pregavam. Lembre-se também de que isso ocorreu uns 200 anos antes de Wycliffe traduzir a Bíblia para os dissidentes de língua inglesa.

A posição básica dos primitivos valdenses era a de que a Bíblia é a única fonte de verdade religiosa. Num mundo que começava a emergir do que se tem chamado de a “Idade do Obscurantismo”, saíram tateando à procura da verdade cristã. Pelo que parece, fizeram o melhor que podiam com os poucos livros das Escrituras Hebraicas e Gregas que possuíam numa língua que conseguiam ler e entender.

Não obstante, estes primitivos valdenses compreendiam o bastante da Bíblia para rejeitar a adoração de imagens, a transubstanciação, o batismo de crianças, o purgatório, a mariolatria, as orações feitas a santos, a veneração da cruz e de relíquias, o arrependimento no leito de morte, a confissão perante sacerdotes, missas para os mortos, perdões e indulgências papais, o celibato sacerdotal e o uso de armas carnais. Rejeitavam também os imponentes e suntuosos edifícios de igrejas e consideravam que “Babilônia, a Grande, a mãe das meretrizes” era a Igreja de Roma, da qual convidavam seus ouvintes a fugir. (Rev. 17:5; 18:4) Tudo isso no fim do século 12 e no início do século 13!

Na sua obra de pregação, os primitivos valdenses ensinavam a Bíblia, enfatizando muito o Sermão do Monte e a Oração do “Pai-Nosso”, que destacam o reino de Deus como a coisa pela qual devemos orar e buscar em primeiro lugar. (Mat. 6:10, 33) Sustentavam que qualquer cristão ou cristã que tivesse suficiente conhecimento da Bíblia estava autorizado a pregar as “boas novas”. Além disso, acreditavam ser Jesus o único mediador entre Deus e o homem. Visto que Jesus morrera uma vez para sempre, afirmavam que seu sacrifício não podia ser renovado pela missa celebrada por um sacerdote. Os primitivos valdenses celebravam a morte de Cristo uma vez por ano, usando pão e vinho como símbolos.

A PREGAÇÃO RESULTA EM PERSEGUIÇÃO

Os primitivos valdenses argumentavam que não é necessário ir ao edifício duma igreja para adorar a Deus. Realizavam reuniões clandestinas em celeiros, em lares particulares ou onde quer que pudessem realizá-las. Ali eles estudavam a Bíblia e treinavam novos pregadores, que eram enviados junto com outros mais experientes. Viajavam aos pares de fazenda em fazenda, e, nas cidades e aldeias, de casa em casa. O conceituado Dicionário de Teologia Católica (Vol. 15, coluna 2591, em francês) declara o seguinte num artigo que, no demais, desfavorece os valdenses: “Desde os primeiros anos, seus filhos já começavam a aprender os Evangelhos e as Epístolas. A pregação de seus diáconos, sacerdotes e bispos consistia principalmente em citações tiradas da Bíblia.”

Outras obras informam-nos que os valdenses tinham excelente reputação pelo trabalho árduo, pelo elevado padrão de moral e pela honestidade no pagamento de seus impostos. Eles desassociavam os pecadores impenitentes. Ademais, têm sido chamados de “a mais antiga e a mais evangélica das seitas medievais”.

Assim eram estes tementes a Deus que foram caçados por seus perseguidores religiosos, sendo muitos deles queimados na estaca. Um grande número deles foi vítima da terrível cruzada ordenada em 1209 pelo Papa Inocêncio III contra os cátaros e os albigenses, no sul da França. Outros foram torturados e mortos na temida Inquisição, que começou no sul da França em 1229. Alguns dos valdenses conseguiram fugir para outros países, e muitos outros se refugiaram nos elevados vales das montanhas dos Alpes da França e da Itália, onde as comunidades valdenses sobreviveram durante séculos.

Entretanto, com o passar do tempo, muitas das doutrinas bíblicas descobertas por Valdo e outros, pela leitura da Bíblia, foram abandonadas. 

No início do século 16, os valdenses foram absorvidos pela Reforma Protestante. Perto do fim do século 17, eles até mesmo pegavam em armas. Mas os primitivos valdenses, embora acusados de serem “hereges”, eram realmente pessoas que buscavam sinceramente a verdade e foram pioneiros na tradução da Bíblia, no ensino dela e no modo de vida cristão, simples. É verdade que não se libertaram de todas as doutrinas da religião falsa, babilônica. Mas, pelo visto, viveram à altura do conhecimento que tinham da Palavra de Deus. Muitos, pelo que parece, estavam dispostos a morrer em vez de renunciarem à sua fé. Naturalmente, apenas “Jahweh conhece os que lhe pertencem”. Portanto, podemos seguramente deixar qualquer recompensa de vida futura nas mãos dele. — 2 Tim. 2:19.

6 comentários:

Renato Silva disse...

Graça e Paz

Muito bom este comentário, aliás pouco realmente sabemos sobre estes Valdenses.

Parabéns pela postagem.


Pb. Renato Silva

Anônimo disse...

Parabens pela pesquisa!o exemplo dos Valdenses deve nos ensinar algo:quem hoje esta examinando a Biblia e vivendo em harmonia com ela?vc sabe?afinal assim como os valdenses tal grupo d pessoas hoje tambem sao perseguidas por expor a hipocrisia religiosa.

Anônimo disse...

Só faltou comentar também que eles exaltavam a lei de Deus, inclusive a guarda do sábado, ficou parecendo omissão, ou não?!

Ailton disse...

Já tinha lido sobre os Valdenses, mas este resumo é bem prático. Espero que independente de opção religiosa nós tementes à Deus, deixemos de lado nossos conceitos, doutrinas de homens, religiosidade, ortopraxia e venhamos conhecer a Escritura Sagrada de fato como ela é...! (Palavra de Deus, instrução e normas para as nossas vidas em sua totalidade). O Amor, a Graça e a Paz de Cristo seja com todos agora e para todo o sempre, Amém....

Anônimo disse...

Hoje fica fácil de entender como a religião quando permanece vinculada ao poder estatal ou imperial é capaz de cruéis injustiças para manter sua unidade no controle dos povos e de seus interesses...

Unknown disse...

Quanto a isso não há comprovação histórica
A tal da "profetiza" Ellen White alegou que Deus revelou-lhe que eles guardavam o sábado, da mesma forma que muitos charlatães torcem evidências para apoiar suas ideias

Postar um comentário