2013/05/03

Comentário Sobre Mateus 27

Comentário Sobre Mateus Capítulo 27


MATEUS 27, COMENTÁRIO, EVANGELHO, ESTUDO

27.1, 2. Segundo julgamento diante do Sinédrio. Ao romper do dia. A lei judaica proibia julgamentos noturnos e especificava que os casos capitais deviam ter pelo menos dois julgamentos, em dias diferentes. Essa sessão ao despertar do dia foi um esforço para dar uma aparência de legalidade a todo aquele procedimento sórdido.

Pilatos. O procurador romano na Judeia, que estava em Jerusalém por ocasião da festa da Páscoa. Sua residência oficial era em Cesareia. Roma reservava-se a decisão final nos processos que envolviam a pena capital e a execução das sentenças de morte.

F. Remorso de Judas. 27:3-10.


27.3. Vendo que... fora condenado. Era evidente pelo fato de Jesus estar sendo levado a Pilatos. Tocado de remorso (metamelêtheis). Não a palavra costumeira do N.T, para indicar o arrependimento para a salvação. Indica aqui o remorso, sem qualquer aparente submissão a Deus. Sua "mudança de pensamento" era principalmente por causa do dinheiro, o qual ele passou a odiar. Encontrando-se com os principais sacerdotes e os anciãos (talvez ainda na casa de Caifás, ou a caminho da casa de Pilatos), tentou devolver a prata.

27.5. Sua recusa fê-lo (talvez depois de um intervalo de demorada reflexão) arremessá-lo para o santuário (naos) do templo. Foi enforcar-se. Este detalhe e os seguintes não contradizem Atos 1:18, 19. São possíveis diversos modos de harmonização.

27.6. Não é lícito. (Conf. Dt. 23:18). Esse dinheiro desonroso não podia entrar para o cofre das ofertas (korbanas), embora esses sacerdotes não sentissem a impropriedade de pagá-lo (26:15).

27.7,8. O campo do oleiro. Aparentemente um bem conhecido pedaço de terra. O uso desse “preço de sangue” deu-lhe o seu nome ao campo (conf. Atos 1:19 para outro detalhe que tornou o nome apropriado). Até ao dia de hoje. Uma indicação de que Mateus escreveu algum tempo depois do acontecimento, embora não depois de 70 A.D., quando os romanos eliminaram a maior parte desses limites.

27.9, 10. O profeta Jeremias. Esta referência de Mateus a uma profecia aparentemente pronunciada por Zacarias (11:12, 13) tem provocado uma coleção de explicações. Alguns defendem que Jeremias, o nome do primeiro livro dos Profetas do V.T, foi usado aqui representando toda a parte que contém inclusive Zacarias (exatamente como o nome “Salmos” se aplica a toda a parte dos Escritos porque é o seu primeiro livro; Lc. 24:44). Uma passagem do Talmude (baba Bathra 14b) defende esta ordem, colocando Jeremias em primeiro lugar, mas deve-se reconhecer que Isaías costuma ocupar esse lugar. Outra possibilidade é que Mateus amalgamou Zc. 11:12, 13 com Jr. 18:2-12 e 19:1-15, e simplesmente citou uma das fontes.

G. Acontecimentos nos Tribunais Romanos. 27:11-31.


Mateus seleciona certos aspectos do julgamento, mas para se obter uma sequência deve-se consultar as narrativas paralelas. Entretanto, só Mateus registra os interessantes detalhes de 27:19, 24.

27.11. Estava em pé ante o governador. Reatamento da narrativa interrompida em 27:2. És tu o Rei dos judeus? Uma pergunta provocada pelas acusações formais apresentadas a Pilatos pelos judeus (Lc. 23:2; Jo. 18:28-33). Tu o dizes. À resposta, que certamente indicava concordância, Jesus acrescentou uma explicação sobre a natureza do seu reino. (Jo. 18:34-38). Esta entrevista aconteceu dentro do Pretório, enquanto os judeus ficaram do lado de fora.

27.12-14. Aos vociferantes judeus, entretanto, que o acusavam quando reapareceu diante deles, nada respondeu. Mas esse silêncio não foi reconhecido por Pilatos como admissão de culpa, achando seu comportamento fora do comum e provocando o seu empenho em soltar Jesus sem antagonizar o Sinédrio.

27.15. Costumava o governador soltar ao povo um preso. Não se sabe a origem desse costume, se é romano ou judeu.

27.16. Um preso muito conhecido, chamado Barrabás. Alguém que era culpado de insurreição, assaltos e homicídio (Jo. 18:40; Mc. 15:7). Broadus sugere que, considerando que os dois crucificados com Jesus eram salteadores, podem ter sido seguidores de Barrabás, e assim Jesus tomou literalmente o lugar de Barrabás (Comm. on Matt. págs. 562, 563). A exegese que brinca com a etimologia do nome Barrabás (“filho de um pai”), ou que adota a tradução muitíssimo inferior de “Jesus Barrabás” para fazer alegoria, ou com propósitos homiléticos, não tem justificativa.

27.18. Por inveja. O caráter ridículo das acusações era evidente a Pilatos, e as atitudes apaixonadas dos acusadores indicava que ressentimentos pessoais estavam envolvidos. Era óbvio que um mestre tão espiritual (Jo. 18:36, 37) recebesse a oposição desses religionistas materialistas e inescrupulosos.

27.19. Estando ele no tribunal. Enquanto pilatos esperava que os judeus respondessem as perguntas referentes a Barrabás, sua mulher enviou-lhe uma mensagem que interrompeu o processo. O presságio do sonho mencionado na mensagem perturbou pilatos e fê-lo atrasar o julgamento. Não sabemos se o sonho foi enviado diretamente por Deus, ou se deve ser explicado psicologicamente como a operação de uma mente perturbada por causa da conspiração contra Jesus. (Pilatos devia conhecer a conspiração, pois ele deu permissão a um quiliarca e aos soldados romanos que participassem dela, e sua esposa deve ter sido informada por ele; Jo. 18: 12.) O apócrifo Evangelho de Nicodemos cita os judeus respondendo: "Não lhe dissemos que ele é um feiticeiro? Eis que fez a sua esposa sonhar" (2:3).

27.20, 21. Durante esse intervalo os principais sacerdotes e os anciãos influenciaram o povo que exigisse a soltura de Barrabás em vez de Jesus. O grau de depravação moral e espiritual evidenciado com tal escolha é quase incrível.

27.22, 23. Seja crucificado. Isto é, executado à moda romana, ostensivamente como resultado das acusações que foram feitas contra ele, e assim substituindo Barrabás.

27.24. Mandando vir água. Um simbólico costume judeu (Dt. 21:6-9), cujo significado é natural e óbvio. Mas o uso que Pilatos fez dele não passou de simulacro, pois ele tinha de assumir a responsabilidade da ordem de execução. (O uso adequado do símbolo era para absolver inocentes de implicação em uma morte ilegal.) Sangue deste justo. Estaria Pilatos refletindo a influência da mensagem de sua esposa ao usar essa descrição de Jesus?

27.25. Caia sobre nós o seu sangue e sobre nossos filhos. A história subsequente de Israel revela as horríveis consequências desse grito. Essas palavras, tão impensadamente pronunciadas, pesaram muito sobre as cabeças dos líderes originais (conf. Atos 5:28), e dos seus descendentes.

27.26. Após haver açoitado a Jesus. Essa cruel tortura era aplicada sobre o corpo nu com um açoite de couro que tinha pedaços de osso ou metal afixado nas suas pontas. Os açoites precediam a entrega aos soldados para a crucificação. João indica que não foi realizado como o primeiro estágio da execução, mas foi outra tentativa de Pilatos de saciar a sede de sangue da multidão, a fim de levá-la a abandonar suas exigências de crucificação (Jo. 19:1-6).

Entregou-o. Ordenou oficialmente aos soldados que o executassem.

27.27. O Pretório. Isto parece colocar o julgamento no Castelo de Antônia, uma vez que explica melhor a presença de toda a corte (600 homens, um décimo de uma legião), que se sabia estar designados para aquele posto. Outros identificam a audiência no palácio de Herodes.

27.28-31. Depois de receber a ordem de preparar Jesus para a execução, os calejados soldados alegraram o seu trabalho por meio da mais grosseira zombada. Arrancando as roupas de Jesus, vestiram-no com um manto escarlate, talvez pertencente a um soldado, à guisa de púrpura real (Mc. 15:17). Substituindo a coroa por espinhos, o cetro por uma cana, e cuspindo em lugar do beijo de homenagem, demonstraram seu desacato pelo Filho de Deus.

H. A Crucificação. 27:32-56.


27.32. Simão Cireneu. Seus filhos eram conhecidos dos leitores do Evangelho de Marcos (Mc. 15:21). A quem obrigaram. Ordenaram que fizesse o serviço (veja comentário sobre 5:41).

27.33. Gólgota. Palavra aramaica que quer dizer “caveira”, equivalente ao calvaria latino. Não se sabe se o nome deriva de um promontório com a forma de caveira, ou da sua reputação de local de execução. Do mesmo modo a localização também é incerta. A tradicional Igreja do Santo Sepulcro, ainda que dentro dos atuais muros de Jerusalém, ficava do lado de fora do velho muro setentrional do tempo de Jesus, que poderia muito bem ter sido o lugar. Outros defendem as reivindicações do Calvário de Gordon, mais ao norte.

27.34. Vinho com fel. (conf. Sl. 69:21). A intenção dessa poção misturada era de diminuir a dor tornando os prisioneiros mais fáceis de manejar, mas Jesus, depois de experimentar, recusou-se a bebê-la.

27.35. Depois de o crucificarem. Para os detalhes técnicos de crucificação, consulte dicionários bíblicos. Deve-se notar que os evangelistas esboçam a cena com simplicidade rematada, tanto mais eficiente por causa de sua reserva. Repartiram entre si as suas vestes, tirando sorte. João 19:23, 24 explica que os soldados dividiram os itens por quatro e jogaram dados para ver quem ficava com a túnica que não tinha costura. A cláusula final que começa com “para que se cumprisse”, (da ERC), é textualmente duvidosa, provavelmente uma interpolação de Jo. 19:24.

27.36. ...o guardavam. Parte da obrigação dos soldados era evitar a remoção prematura.

37. Por cima da sua cabeça puseram escrita a sua acusação. Durante o desfile até o Gólgota o letreiro preparado por Pilatos (Jo. 19:19) foi provavelmente exibido à frente ou pendurado no pescoço de Jesus, de acordo com o costume. ESTE É JESUS, O REI DOS JUDEUS. (Conf. Mc. 15:26; Lc. 23:38; Jo. 19:19.) As várias narrativas não são de modo algum contraditórias. O registro de João é o mais completo; os outros destacam os elementos essenciais. O fato de que o título apareceu nas três línguas pode ser a explicação das diversas variações nas narrativas (Jo. 19:20).

27.38. Dois ladrões. A mesma descrição foi aplicada a Barrabás (Jo. 18:40). Uma indicação de que Jesus tomou literalmente o lugar de Barrabás.

27.39. Meneando as cabeças (Sl. 22:17). Um gesto de desdém e zombaria.

27.40. A zombaria lançada sobre Jesus por ele ter declarado que poderia destruir o santuário e que era o Filho de Deus baseava-se nos acontecimentos do julgamento no Sinédrio (26:61, 63, 64).

27.41-43. Os principais sacerdotes, os escribas e os anciãos juntaram-se à zombaria, não se dirigindo diretamente a Jesus, mas falando derrisoriamente dele à multidão.

Salvou os outros. Uma declaração que provavelmente não tinha a intenção de reconhecer os seus milagres, mas de jogar fortes suspeitas sobre tais fatos diante da sua incapacidade de salvar-se. Suas palavras eram bem mais verdadeiras do que eles sabiam; pois para salvar os outros no sentido espiritual, para o que veio, ele teve de entregar voluntariamente a sua própria vida. Doídos diante do insulto de Pilatos ao seu nacionalismo, os líderes desafiavam o título de Jesus, Rei de Israel, exigindo um sinal e uma promessa.

Creremos nele. Embora as atitudes e reações anteriores desses homens provassem a falsidade de sua promessa (Jo. 12:9, 10).

27.44. Também os ladrões. Mais tarde um deles mudou de atitude em relação a Jesus (Lc. 23:39-43).

27.45. Jesus foi colocado sobre a cruz às 9 horas (“hora terceira”, Mc. 15:25). Depois de passados três horas, trevas sobrenaturais envolveram desde a hora sexta até à hora nona (do meio-dia às 15 horas.)

Considerando que a Páscoa ocorria na lua cheia, essas trevas não poderiam ser devido a um eclipse solar. Foi claramente sobrenatural quanto ao momento preciso, embora Deus possa ter empregado um meio providencial para realizá-lo. É impossível determinar se toda a terra se restringe a uma área local, ou se devemos entender ao pé da letra (global).

27.46. Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? (Sl. 22:1) As únicas palavras da cruz registradas por Mateus e Marcos. O significado pleno desse grito não pode ser penetrado. Mas certamente sua base não se encontra primariamente no sofrimento físico, mas no fato de que Jesus, por um momento, foi feito pecado por nós (II Co. 5:21); e ao pagar a penalidade como substituto do pecador, foi amaldiçoado por Deus (Gl. 3:13). Deus, na qualidade de Pai, não o abandonou (Lc. 23:.46); mas, na qualidade de Juiz, tinha de separar-se dele para que experimentasse a morte espiritual no lugar do homem pecador.

27.47-49. Essa exclamação provocou a sugestão de que Jesus estava chamando por Elias, sem dúvida por causa de semelhança do som das palavras Eli (meu Deus) e Elias. Embora haja quem sugira que as trevas levaram os mais supersticiosos a realmente temerem que a figura do Messias profetizado tivesse vindo, as atitudes subsequentes tornam o fato duvidoso. Antes, foi um outro modo de expressar o seu desdém às reivindicações do Messias. Deixa. Esse sentimento foi expresso pela multidão, que queria que o soldado desistisse de servi-lo (Mt.); e também pelo próprio soldado, depois de lhe dar de beber, dizendo à multidão que parasse de interferir nos seus atos (Mc.)

27.50. Jesus, tendo a sua garganta refrescada pelo vinagre (não a poção drogada de 27:34), clamou outra vez com grande voz. Todos os sinóticos indicam que a morte de Cristo não foi devido à exaustão pela crucificação, mas uma entrega voluntária de sua vida.

27.51. O véu do santuário. A cortina separando o Lugar Santo do Santo dos Santos (Êx. 26:31). Este acontecimento, símbolo da abertura permanente da presença de Deus ao homem pela morte expiatória de Cristo (conf. Hb. 10:19-23), poderia ter sido contada pelos sacerdotes que mais tarde se converteram (Atos 6:7).

27.52-53. A morte de Cristo muitas sepulturas dos santos do V.T, abriram-se, e seus corpos foram ressuscitados depois da ressurreição de Jesus (conf. Atos 26:23; I Co. 15:20). Esta circunstância espantosa apenas mencionada por Mateus dá lugar a muitas perguntas mas não pode ser de algum modo negada. As seis ressurreições anteriores mencionadas nas Escrituras (I Reis 17; II Reis 4; 13; Mt. 9; Lc. 7; Jo. 11) foram todas restaurações à existência terrena. O que não se aplica necessariamente a Mateus 27. O fenômeno é claramente simbólico da vitória do Cristo sobre a morte no que afeta os crentes. Muitos vêem aqui uma demonstração visível de que a morte de Cristo e a sua ressurreição efetuaram a libertação dos justos mortos que se encontravam no Sheol-Hades (Ef. 4:8, 9). O que aconteceu depois a esses santos ressuscitados não foi declarado.

27.54. Verdadeiramente este era Filho de Deus. Embora seja atualmente popular explicar a declaração do centurião em termos de conceitos pagãos, deve-se notar que o seu comentário baseava-se na observação de alguns notáveis fenômenos. E deve-se notar a possibilidade de que o homem, tendo estado no meio dos judeus durante algum tempo, poderia ter começado a crer. Afinal, os pagãos podem se tornar cristãos.

27.55, 56. Maria Madalena. Primeira citação em Mateus. A tradição que lhe concede um passado desonroso não tem base bíblica.

Maria, mãe de Tiago e de José. Também chamada de esposa de Cleofas (Jo. 19:25).

Mulher de Zebedeu. A mesma Salomé (Mc. 15:40) e aparentemente irmã da Virgem Maria (Jo. 19:25).

I. Sepultamento 27:57-66.


27.57. Caindo a tarde. Entre as 15 e 18 hs. (Êx. 12:6)

Um homem rico. Conf. Is. 53:9. De Arimateia, chamado José pertencia ao Sinédrio (Lc. 23:50, 51), cuja riqueza dava-lhe o privilégio de possuir uma sepultura perto de Jerusalém, embora ele mesmo não morasse ali.

27.58. Lhe pediu o corpo. Uma atitude de bastante coragem, uma vez que, não sendo parente, teria de indubitavelmente que explicar seus motivos.

27.59, 60. Recebendo permissão, José mesmo tomando o corpo da cruz, envolveu-o no lençol de costume, com a ajuda de Nicodemos (Jo, 19: 39, 40).

27.61. Observando a cena estavam as duas Marias mencionadas em 27:56.

27.62. No dia seguinte, que é o dia depois da Preparação. Costuma ser explicado como sendo o sábado (conf. Mc, 15:42), considerando que Jesus ficou na sepultura da noite de sexta-feira até o domingo de manhã. Entretanto, este dia da preparação era o dia antes da Festa da Páscoa (Jo. 19:14, 31), a qual podia ocorrer na quarta-feira naquele ano. Talvez esse seja o motivo de Mateus não ter usado o termo “sábado” aqui, para não ser confundido com esse dia. De acordo com essa opinião, Jesus ficou na sepultura setenta e duas horas completas, desde o entardecer da quarta-feira até o entardecer do sábado. Tal ponto de vista explica melhor Mt. 12:40. Explica também “depois de três dias” e “ao terceiro dia” de maneira a não violentar nenhum dos dois.

27.63, 64. Como os membros do Sinédrio sabiam da profecia particular de Cristo não foi explicado (de Judas, talvez?). Os discípulos, deixando de compreender o seu significado, logo se esqueceram dela; mas esses inimigos não queriam se arriscar. Temiam que, espalhando-se a notícia de uma ressurreição (o último embuste) as consequências seriam mais desastrosas para eles do que o apoio que Jesus obtivera, durante algum tempo, como o Messias (o primeiro engano).

27.65, 66. Obtendo uma ordem de Pilatos, Tendes aí uma escolta, os membros do Sinédrio tomaram precauções, selando a pedra, provavelmente por meio de cordas e cera ou barro, para que qualquer tentativa de forçá-la fosse percebida.

5 comentários: