2014/05/05

Judá — Teologia do Novo Testamento

Judá — Teologia do Novo Testamento
Judá (Hb Yehuda). (1) O quarto filho de Jacó por Leah (Gn. 29:35, onde o nome é explicado como significando “louvado”; cf. 49:8 que contém uma brincadeira com esse significado. Outras etimologias (→ Etimologia) também foram sugeridas). (2) Gênesis descreve como a tribo de Judá é descendente dele (Gn 38) e como ela é prometida com uma posição de liderança (49:8-12). Na → conquista de Canaã Judá foi atribuída com território no sul (Jos. 15). Depois da morte de Saul, Davi foi feito rei sobre Judá (2 Sam. 2:4), talvez reinando sobre um reino duplo que incluía o resto de → Israel (2 Sam. 5:1-5). (3) Após a morte de Salomão, as dez tribos do norte formaram o reino de Israel (1 Reis 12), deixando Judá, juntamente com Benjamin, como o reino do sul, com Jerusalém como sua capital e ponto focal de adoração. Judá sobreviveu aos avanços da Assíria, mas grande parte da sua população foi deportada pelos babilônios (2 Rs. 23-25; Jer. 52, c. 597- c. 538 a. C; → Cativeiro). O retorno do exílio trouxe uma restauração de Judá, mas sem a monarquia (cf. Ezr. - Ne.) . Judá, veio cada vez mais sob influência helenística, especialmente sob a pressão do império selêucida sírio. Embora este seja resistido sob os → Macabeus, a terra ficou sob o domínio dos romanos no século 1 a. C. que destruiu Jerusalém em 70 d. C., e com ele os últimos vestígios de independência. Com o esmagamento da revolta de Bar Kochba, em 135 d. C. Judá deixou de ser uma terra judaica. O nome permaneceu na forma de judeu como o título para os adeptos da lei mosaica, independentemente de qual tribo vieram. (4) Após o exílio na Babilônia, Judá tornou-se um nome favorito entre os judeus.


FONTE: BROWN, C. New International Dictionary of New Testament Theology, vol. 1, pp. 61-62. Grand Rapids, MI: Zondervan Publishing House. 1986.

Nenhum comentário:

Postar um comentário