Significado de Isaías 4

Significado do Livro de Isaías

Isaías 4

4.1 — A expressão naquele dia relaciona esse versículo com a unidade anterior (Is 3.16-26). As mulheres de Jerusalém, antes orgulhosas (Is 3.16-23), irão rebaixar-se a ponto de implorar a um homem que seja o pai de seus filhos, tirando assim o opróbrio delas — a vergonha de não terem filhos. Isso porque a maioria dos homens de Jerusalém morrerá defendendo a cidade (Is 3.25).

4.2-6 — A profecia acerca da restauração de Sião consiste de três partes:  

(1) o Renovo do Senhor será glorioso (v. 2);
(2) o remanescente será santificado (v. 3,4);
(3) o Senhor protegerá o monte Sião (v. 5,6).

4.2 — Aqui, a expressão naquele dia é uma referência à futura revelação da glória do Senhor na terra (Is 2.2-4). O termo renovo do Senhor tem duplo sentido: representa a terra dando seu fruto e também Cristo produzindo frutos espirituais (Is 11.1-5; Jr 23.5; Zc 3.8; Jo 15.1-8). Cristo humilhou-se, por isso será coroado em glória (Is 49.7; 52.13; 53.12; Fp 2.9-11).

De beleza e de glória. Juntas, as palavras significam beleza estonteante. O Reino de Jesus, Rei da criação, será notável pela abundância. A maldição que vigora sobre a terra será retirada, e haverá frutificação na quantidade determinada por Deus desde o começo (SI 65).

4.3 — Inscrito. Os registros de nascimentos de Jerusalém (SI 87.5,6) podem estar relacionados ao livro celestial, o Livro da vida (Ex 32.32; SI 69.28; Dn 7.10; Ap 20.12).

4.4 — Espírito aqui pode significar vento, mais especificamente o vento quente e seco do deserto, como também pode ser uma referência ao espírito humano ou ao Espírito Santo. Pode ser ainda que signifique os três (Is 11.2; 30.1; 42.1; 48.16; 59.21; 61.1; Lc 3.22). Espírito de justiça e de ardor significa um juízo como o fogo. Por meio do fogo purgador, que por fora consome os infiéis e por dentro purifica os fiéis, Deus produzirá uma cidade santa.

4.5 — Criará. O verbo indica algo que somente Deus pode fazer. A palavra também sugere uma reforma divina. A nuvem de dia e a fumaça recordam a presença protetora de Deus no mar Vermelho (Êx 13.20-22), no tabernáculo (Êx 40.34-38) e no deserto (Nm 9.15-23). Aqui, a expressão simboliza a proteção divina, que cobre o monte Sião recuperado e santificado. A glória do monte Sião, na era messiânica, será derramada pelo próprio Deus (Is 40.5; 60.2; Jo 17.10,22,24).