2019/08/15

Gênesis 20 — Estudo Bíblico

Estudo sobre o Livro de Gênesis





Gênesis 20

Fracasso em ser uma Bênção (20.1-18)
Abraão ficava extremamente apavorado sempre que tinha relação estreita com um poder político que era mais forte que o dele. A reputação dos vizinhos pagãos provavel­mente lhe dava razão para o medo. Aqui, como no relato da viagem de Abraão ao Egito (12.14-20), a desconfiança do patriarca nos regentes pagãos se concentra na luxúria que tinham por variedade de mulheres nos haréns. Nenhuma história nega que existisse tal cobiça. Ambas as histórias descrevem casualmente que Faraó e Abimeleque (2) leva­ram Sara para sua companhia, assim que descobriram que ela era irmã de Abraão. Foi o medo de Abraão pela própria vida que o motivou a não esclarecer a relação peculiar de irmã-esposa comum em sua pátria, mas não entendida na Palestina ou no Egito.
O resultado de Abraão não dizer toda a verdade sobre sua relação com Sara foi situação repleta de ironia. Deus interveio na questão, mas não primeiramente para seu servo. Deus se revelou em um sonho a Abimeleque (3) e lhe apresentou os verdadeiros fatos do caso, mostrando o perigo pessoal por cometer este pecado.
Abimeleque protestou dizendo que não sabia e afirmou que ele e seu povo, no que dizia respeito ao assunto, eram justos (4). Ele confiou na verdade das declarações feitas por Abraão e Sara, por isso reivindicou sinceridade (tam, basicamente a mesma pala­vra traduzida por “perfeito” em 17.1) e pureza de mãos (5). A primeira expressão diz respeito à motivação interior, a última, à ação em si.
No versículo 6, Deus estava propenso a aceitar a ignorância de Abimeleque como testemunho de sua sinceridade de coração, mas também acrescentou que foi a atividade providencial divina que impediu que Abimeleque cometesse pecado. Deus lhe deu uma ordem. Abimeleque tinha de devolver Sara a Abraão e buscar seu dom profético de inter­cessão para que a vida de Abimeleque fosse poupada (7). A alternativa era castigo severo.
A obediência imediata de Abimeleque foi seu mérito. Ele chamou todos os seus servos (8) e, tendo-lhes contado o sonho, mandou que Abraão se apresentasse para uma reunião pessoal. O monarca pagão censurou asperamente o patriarca pelo que ele fez e exigiu uma explicação. Abraão admitiu ter agido na presunção de que não há temor de Deus neste lugar (11) e que eles o matariam. Explicou também os costumes matrimo­niais incomuns de sua pátria. Uma mulher poderia ser irmã (12), neste caso meia-irmã, de um homem e esposa. Ele saíra de casa em obediência a Deus, mas com medo do mundo pagão pelo qual viajava. Assim, combinou com sua esposa que, em todos lugares que fossem, ela diria: É meu irmão (13).
Abimeleque não discutiu com Abraão, mas lhe devolveu a esposa junto com um pre­sente de gados e criados e lhe disse que peregrinasse por onde lhe agradasse. Depois advertiu (16) a mulher, indicando que nunca deveria se envergonhar de dizer que Abraão era seu marido: Eis que elas (mil moedas de prata) te sejam por véu dos olhos (16).”
Os versículos observam o fato de que Deus já havia castigado parcialmente Abimeleque e seu povo afligindo as mulheres com esterilidade. A função de Abraão como profeta é ser intercessor, um porta-voz para Abimeleque (17) na presença de Deus. Este foi o modo de ele ser uma bênção para estes vizinhos pagãos. Sua influência para o bem poderia ter sido bem maior. Deus respondeu misericordiosamente à oração e afastou a calamidade.

Índice: Gênesis 1 Gênesis 2 Gênesis 3 Gênesis 4 Gênesis 5 Gênesis 6 Gênesis 7 Gênesis 8 Gênesis 9 Gênesis 10 Gênesis 11 Gênesis 12 Gênesis 13 Gênesis 14 Gênesis 15 Gênesis 16 Gênesis 17 Gênesis 18 Gênesis 19 Gênesis 20 Gênesis 21 Gênesis 22 Gênesis 23 Gênesis 24 Gênesis 25 Gênesis 26 Gênesis 27 Gênesis 28 Gênesis 29 Gênesis 30 Gênesis 31 Gênesis 32 Gênesis 33 Gênesis 34 Gênesis 35 Gênesis 36 Gênesis 37 Gênesis 38 Gênesis 39 Gênesis 40 Gênesis 41 Gênesis 42 Gênesis 43 Gênesis 44 Gênesis 45 Gênesis 46 Gênesis 47 Gênesis 48 Gênesis 49 Gênesis 50

Nenhum comentário:

Postar um comentário