2019/08/15

Gênesis 37 — Estudo Bíblico

 Estudo Bíblico sobre Gênesis




Gênesis 37 


JOSÉ, O HOMEM QUE DEUS PROTEGEU
Gênesis 37.1-50.26
A narrativa das provações e triunfos de José é uma das histórias mais bem apreciadas do Antigo Testamento. No capítulo 37, o foco do Livro de Gênesis passa de Jacó para seu filho preferido. A princípio, José aparece como típica criança mimada. Não tinha um relacionamento afável com os irmãos e eles o consideravam um delator insuportável, que contava tudo ao pai. E seus sonhos, os quais José contava com satisfação, eram eficientes em criar fortes sentimentos hostis contra ele. Em consequência disso, uma série de tragédias se abateu sobre José, levando-o a ir parar em uma prisão escura. Mas José era jovem de fé robusta, e Deus não o abandonou. Uma súbita reviravolta de acontecimentos levou-o ao poder de uma das maiores nações do antigo Oriente Próximo.
De sua posição de poder, José pôde ajudar sua família quando esta foi para o Egito em busca de alimento. Foi também capaz de castigar os irmãos e depois perdoá-los. Em resultado disso, um Jacó extremamente aflito encontrou nova esperança e nova alegria na vida; sua família também encontrou um novo lar na terra de Gósen no Egito.

VENDIDO COMO ESCRAVO (37.1-36)
O engano desempenhou papel repulsivo nos procedimentos imaturos de Jacó com Isaque e com Esaú, e também nas relações com Labão. Agora retornaria ao círculo fami­liar pela tensão que se formou entre os filhos mais velhos de Jacó e José. O sofrimento advindo dessa situação perseguiria Jacó por muitos anos, pelo fato de José ter sido cru­elmente vendido por seus irmãos para estrangeiros.

A Posição Vantajosa de José (37.1-4)
Isaque teve a fraqueza de preferir um dos filhos acima do outro (25.28). Agora o próprio Jacó (1) estava fazendo a mesma coisa, talvez porque José o fazia lembrar Raquel. O resultado foi uma divisão entre José (2), então com dezessete anos, e seus meio-irmãos. Parte do ressentimento era justificada, pois José era dado a tagarelar, sobretudo acerca dos filhos menos favorecidos de Bila e Zilpa. Além disso, Jacó presen­teou José com um traje especial que o destacava em relação aos outros.
Trata-se de um antigo problema como traduzir corretamente a expressão hebraica ketonet passim, túnica de várias cores (3). Não há dúvida acerca do termo ketonet, que significa “casaco, túnica ou roupa de baixo”. A outra palavra, passim, tem o significado de “extremidade ou pulso” e, talvez, “tornozelos”. Por conseguinte, há tradutores que preferem “casaco com mangas”. Em 2 Samuel 13.18, ocorre a mesma expressão hebraica na descrição das roupas especiais usadas por Tamar e pelas outras filhas do rei.
A expressão paralela em acádio, kitu (kutinnu) pisannu, designa roupão, enfeitado com ornamentos de ouro, sobre o qual eram colocadas imagens de deusas. Isto levou certos estudiosos a sugerir a tradução: “túnica ornamentada”.1 Em todo caso, a roupa destacava José em relação aos outros. Os meio-irmãos reconheceram o traje como marca de favoritismo, e aborreceram-no (4) por isso.

Os Sonhos Provocadores (37.5-11)
Talvez por ingenuidade ou por simples arrogância, José (5) gostava de contar a seus meio-irmãos os sonhos incomuns que tinha. Isso só servia para aumentar a raiva que sentiam dele.
Superficialmente, o primeiro sonho (5-8) que José contou era inofensivo. O sonho mos­trava uma cena de colheita, mas os molhos (7), representando seus meio-irmãos, prestavam homenagem ao molho de José. Os ouvintes imediatamente entenderam a insinuação e per­guntaram com raiva: Tu, pois, deveras reinarás sobre nós? (8). Para eles, a resposta só poderia ser um enfático Não! Nem imaginavam que se tornaria realidade.
O outro sonho (9) tinha a ver com os corpos celestes: O sol, e a lua, e onze estre­las se inclinavam a José. Ouvindo o relato do sonho, Jacó repreendeu (10) o rapaz, porque entendeu que o sol o simbolizava, a lua representava Raquel e as onze estrelas descreviam seus outros filhos. Mas o pai ficou pensativo com a história e guardava este negócio no seu coração (11), ou seja, mantinha-o na memória.

O Menino de Recados (37.12-22)
Nos planaltos da Palestina central, os rebanhos se espalhavam em vasta extensão territorial para encontrar pastagem. Já fazia certo tempo que os filhos de Jacó tinham ido apascentar os rebanhos perto de Siquém (13) e ele desejava informações sobre o bem-estar dos filhos. Lembrou-se indubitavelmente do perigo de vingança devido ao ata­que dos filhos ao povo da terra (cf. 34.24-30). Jacó enviou José (13) em viagem a Siquém ( 14), que distava aproximadamente 96 quilômetros de Hebrom (ver Mapa 2). De um homem amigável em Siquém, José descobriu que os rebanhos tinham ido a Dotã (17), cerca de 32 quilômetros mais ao noroeste.
Quando José apareceu no horizonte, os irmãos logo conspiraram contra ele (18). Tiveram intenção assassina, mas tramaram de forma que ninguém descobrisse o  envolvimento deles. O álibi seria uma besta-fera o comeu (20). Esperavam anular a força preditiva dos sonhos de José. Mas um dos irmãos discordou. Rúben (21) não apoiaria planos para derramar sangue, e os persuadiu a prender o menino numa cova (22), ou cisterna, ali perto. Sua intenção era libertar José secretamente, para então voltar para o pai.

A Terrível Venda (37.23-28)
José deve ter ficado surpreso e chocado ao ser tratado com tanta brutalidade pelos meio-irmãos. Em questão de segundos, lhe tiraram a túnica (23) e o desceram em uma cisterna vazia (24).
Enquanto os irmãos comiam, uma companhia de ismaelitas (25) se aproximou Transportavam mercadorias de Gileade, que fica a leste dos planaltos do rio Jordão (ver Mapa 2). A carga era de especiarias (tragacanto, arbusto baixo de cujo tronco se extrai uma goma; goma de alcantira); bálsamo, que é colhido fazendo-se incisões na casca do tronco do lentisco ou aroeira-da-praia; e mirra, outra goma que exsuda das folhas da roselha.2 Os egípcios compravam estes materiais para a indústria de embalsamento e para medicamento.
Judá (26), que não tinha estômago para os planos dos irmãos, persuadiu-os a ven­der José aos mercadores (28). Muitos leitores ficam confusos com o fato de que aqui e no versículo 36 aparece o nome midianitas, ao passo que no versículo 25 e na última parte do versículo 28 ocorre o nome ismaelitas. Os estudiosos presumem que haja duas histórias do incidente entrelaçadas aqui. Mas são apenas dois nomes para se referir aos mesmos homens — descendentes de Abraão e dos hábitos nômades e comerciantes. Os midianitas são novamente identificados por ismaelitas em Juízes 8.22-24.
Quando a caravana chegou ao acampamento, os irmãos (não os midianitas) tiraram o rapaz da cova e o venderam por vinte moedas de prata (28; “vinte siclos de prata”, ARA). Não eram moedas, mas peças de metal pesadas em balanças. Compare este preço com os valores expressos em Levítico 27.3-7. O preço normal de um escravo no tempo de Moisés era de 30 siclos de prata (Êx 21.32; Zc 11.12; cf. Mt 26.15). A caravana levou José ao Egito.

A Mentira e a Agonia (37.29-36)
Enquanto os irmãos comiam, Rúben (29) estava apascentando os rebanhos como artifício para que, secretamente, pudesse libertar José. Mas quando chegou à cova, ficou chocado por não encontrar José. Extremamente aflito, rasgou as suas vestes. Expressou sua aflição aos outros (30) e estes o ignoraram. Para encobrir a ação, mataram um cabrito e tingiram de sangue (31) a túnica que pertencia a José. Levaram a peça de roupa ao pai, sabendo que ele presumiria que José havia sido morto por uma besta-fera (33).
A reação de Jacó foi imediata e dolorosa. Conforme o costume dos seus dias, como fez Rúben (29), Jacó rasgou as suas vestes, e pôs pano de saco sobre os seus lombos (34). Suas expressões de tristeza prolongada alarmaram a família e esta procurou consolá-lo (35). Ironicamente, poderiam ter-lhe acalmado a tristeza, contando-lhe a verdade, mas Rúben não revelou o segredo. Enquanto isso, José era vendido a um oficial egípcio chamado Potifar (36).

Índice: Gênesis 1 Gênesis 2 Gênesis 3 Gênesis 4 Gênesis 5 Gênesis 6 Gênesis 7 Gênesis 8 Gênesis 9 Gênesis 10 Gênesis 11 Gênesis 12 Gênesis 13 Gênesis 14 Gênesis 15 Gênesis 16 Gênesis 17 Gênesis 18 Gênesis 19 Gênesis 20 Gênesis 21 Gênesis 22 Gênesis 23 Gênesis 24 Gênesis 25 Gênesis 26 Gênesis 27 Gênesis 28 Gênesis 29 Gênesis 30 Gênesis 31 Gênesis 32 Gênesis 33 Gênesis 34 Gênesis 35 Gênesis 36 Gênesis 37 Gênesis 38 Gênesis 39 Gênesis 40 Gênesis 41 Gênesis 42 Gênesis 43 Gênesis 44 Gênesis 45 Gênesis 46 Gênesis 47 Gênesis 48 Gênesis 49 Gênesis 50

Nenhum comentário:

Postar um comentário