2019/08/15

Gênesis 38 — Estudo Bíblico

Estudo Bíblico sobre Gênesis




Gênesis 38

A FROUXIDÃO MORAL DE JUDÁ (38.1-30)
Esta história parece uma intrusão na história de José. Talvez foi inserida aqui para elucidar por que Judá, que mais tarde figurou significativamente na história, foi desqualificado para ser o líder da quarta geração no concerto com Deus. Revela notavel­mente as extremas tentações morais a que, por habitarem entre os cananeus, os filhos de Jacó estavam sujeitos.
Os acontecimentos da história cobrem um período de tempo paralelo às provações e triunfos de José no Egito, e oferecem explicação parcial para a mudança final para o Egito. Se a integridade do concerto precisava ser mantida, eles deviam, por certo tempo, estar afastados da corrupção da vida religiosa e social de Canaã.

Um Casamento fora das Normas do Concerto (38.1-5)
Em seu relacionamento com os vizinhos cananeus (2), Judá viu uma moça cananéia que o atraiu. Casou-se com a filha de Sua e, no devido tempo, ela deu à luz três filhos: Er (3), Onã (4) e Selá (5). Em sua criação, estes filhos estiveram sob a maciça influência dos relapsos padrões morais de sua mãe e parentes cananeus.

O Levirato que não Deu Certo (38.6-11)
Quando Er tinha idade para casar, o que era normalmente no meio da adolescência, Judá lhe deu como esposa uma moça cananéia chamada Tamar (6). Mas Er era mau (7) e morreu antes que o casal tivesse filhos. O texto indica que a morte do rapaz foi ato de julgamento divino.
O costume do levirato era praticado amplamente entre os povos do antigo Oriente Próximo, porque se dava muita importância na conservação do nome do filho primogênito por meio de um filho.' Se o filho mais velho morresse prematuramente sem deixar filhos, era responsabilidade do próximo filho mais velho tomar a viúva como esposa. Porém, os filhos nascidos por esta união pertenceriam legalmente ao irmão morto e não ao verda­deiro pai.
Neste caso, o próximo filho mais velho, Onã (8), recusou assumir sua responsabilida­de. Mostrou, de maneira vergonhosa, desdém por Er e desprezo por Tamar. Seu castigo foi a morte, ordenada pelo SENHOR (10). O terceiro rapaz era muito novo para casar, por isso Judá (11) disse a Tamar que esperasse na casa de seu pai. Mas Judá não conseguiu resistir à sugestão de que ela pode ter sido a culpada pela morte dos outros filhos.

A Evasão de Responsabilidade de Judá (38.12-23)
Depois do luto apropriado por sua esposa falecida, Judá estava ocupado tosquiando ovelhas com seu amigo e possivelmente sogro, Hira (cf. vv. 1,2). Tamar (13), cansada de esperar Selá (14), que já era adulto, decidiu forçar Judá a agir.
Ela estava muito mais preocupada com os aspectos legais da situação do que com a moral. A lei comum lhe dava o direito de ter filhos por um irmão, ou pelo menos por um parente do marido morto. Na realidade, sua obrigação era dar um filho ao falecido. Con­siderando que Judá parecia estar mantendo deliberadamente Selá longe dela, decidiu envolver o próprio Judá. Não havia recursos legais em tribunais, por isso ela dependia de um embuste inteligente.
Observando cuidadosamente os movimentos de Judá, ela viu que ele ia sozinho para Timna ou Enã (Js 15.34). A frase: Entrada das duas fontes (14), tradução do nome da cidade Enaim (cf. ARA), é mais corretamente traduzida por “um lugar aberto”. No mo­mento certo, ela mudou de vestes e pôs um véu, roupa de prostituta (15, zonah) comum. Postou-se à beira da estrada para atrair Judá, que reagiu exatamente como ela havia pensado. Tamar não se interessou pelo pagamento — um cabrito do rebanho (17) —, visto que ela estava obtendo algo de Judá que depois o identificaria indiscutivelmente. Sob sua insistência, ela ficou com o selo (18), que provavelmente tinha forma cilíndrica com um buraco longitudinal pelo centro, tendo por fora um desenho ou emblema talhado que o distinguia. O lenço, ou melhor, “cordão”, que era passado pelo selo para ser pendu­rado no pescoço. Também ficou com o cajado que o líder tribal ou de clã usava como símbolo de autoridade. Ninguém se equivocaria com a identificação do proprietário des­tes objetos.
Concluído o estratagema, Tamar voltou imediatamente para casa e vestiu as ves­tes da sua viuvez (19), e Judá voltou para cuidar dos seus rebanhos. Judá tinha escrú­pulos, talvez com um sentimento subjacente de culpa, em levar pessoalmente o cabrito (20) para a suposta prostituta, por isso o enviou por meio de um amigo. O amigo adulamita não perguntou sobre o local de uma prostituta comum (zonah), mas sobre uma prostituta cultual cananéia (qedeshah), a qual desfrutava de mais status nos círcu­los sociais cananeus. Todos disseram ignorar tal pessoa nas redondezas. O adulamita informou a Judá, que imediatamente percebeu que poderia cair em desprezo (23, ser chantageado) pela pessoa que possuía os objetos que o identificavam Judá pareceu frus­trado e confuso. Justificando-se a si mesmo, disse ao amigo: Eis que tenho enviado este cabrito, mas tu não a achaste.

A Armadilha é Acionada (38.24-26)
Quase três meses depois (24) deste incidente, chegou a Judá o rumor que Tamar estava grávida. Obviamente ela havia sido infiel às suas obrigações com o filho de Judá. Esta notícia enfureceu Judá, que exigiu que ela fosse publicamente queimada viva (cf. Lv 21.9; Dt 22.20-24).
Quando Tamar foi levada para a execução, pediu apenas um privilégio: a identifica­ção do homem a quem pertencia certos objetos que estavam com ela. Assim que Judá (26) os viu, percebeu o que Tamar havia feito e como sua falta de firmeza moral o havia tornado vulnerável à trama dela. Confessou que ele era o homem responsável pela condi­ção dela.
A observação de Judá: Mais justa é ela do que eu (26), fornece interessante luz lateral ao significado do termo hebraico tsedeqah. Tem, basicamente, a conotação legal de “estar no direito ou ter uma causa justa”. Para nós, Tatuar cometeu ato moralmente condenável, mas em sentido técnico, na lei do levirato, ela estava em seu direito. Ela conseguiu um filho através do homem responsável em providenciar que um parente do seu marido lhe fosse dado como marido substituto. Diante de todos ficou comprovado que Judá foi negligente em seu dever de dar Sela a Tamar, e que era o responsável por engravidar a mulher a quem tinha condenado furiosamente à morte. Logicamente que nenhum dos dois está à altura dos mais sublimes conceitos de justiça na Bíblia, mas Judá estava mais errado que Tamar.

Os Gêmeos de Tamar (38.27-30)
O relato do nascimento dos filhos descreve um incidente incomum que deu origem aos nomes dos filhos gêmeos de Judá. A mão de um gêmeo apareceu e foi marcada com um fio roxo (28), mas a mão se recolheu e a outra criança nasceu primeiro. O nome Perez (29) significa “fazer brecha ou forjar por”, designando assim seu caráter agressi­vo. O significado do outro nome, Zerá (30), é incerto. Foi por Perez que a linhagem de descendentes passou a Boaz, depois a Davi, até chegar a Jesus Cristo (1 Cr 2.3-15; Mt 1.3-16; Lc 3.23-33).

Índice: Gênesis 1 Gênesis 2 Gênesis 3 Gênesis 4 Gênesis 5 Gênesis 6 Gênesis 7 Gênesis 8 Gênesis 9 Gênesis 10 Gênesis 11 Gênesis 12 Gênesis 13 Gênesis 14 Gênesis 15 Gênesis 16 Gênesis 17 Gênesis 18 Gênesis 19 Gênesis 20 Gênesis 21 Gênesis 22 Gênesis 23 Gênesis 24 Gênesis 25 Gênesis 26 Gênesis 27 Gênesis 28 Gênesis 29 Gênesis 30 Gênesis 31 Gênesis 32 Gênesis 33 Gênesis 34 Gênesis 35 Gênesis 36 Gênesis 37 Gênesis 38 Gênesis 39 Gênesis 40 Gênesis 41 Gênesis 42 Gênesis 43 Gênesis 44 Gênesis 45 Gênesis 46 Gênesis 47 Gênesis 48 Gênesis 49 Gênesis 50

Um comentário:

Postar um comentário