2019/08/15

Gênesis 39 — Estudo Bíblico

Gênesis 39 — Estudo Bíblico

Estudo Bíblico sobre Gênesis 39




Gênesis 39 

As PROVAÇÕES DE JOSÉ NO EGITO (39.1-40.23)
As reações de José ao estresse e infortúnio foram notadamente diferentes das expres­sadas pelos seus irmãos quando enfrentaram situações difíceis. Eles tinham reagido com fortes sentimentos negativos, envolvendo ciúme, concupiscência e ódio que resultaram em assassinato (34.25), incesto (35.22), tramas de morte seguidas da venda à escravidão (37.20­28), empedernido logro de seu pai (37.31-33) e imoralidade irresponsável (38.15-26).
Em contraste com os irmãos, José era jovem de extraordinária força moral, que não se entregou à amargura, autopiedade ou desespero. Venceu as dificuldades com corajoso senso de responsabilidade e altos valores morais. Em toda a situação, demonstrou confi­ança em Deus, sabedoria bondosa em seus procedimentos com os outros e honestidade concernente a toda confiança nele depositada.

Aprisionado sob Falsa Acusação (39.1-20)
O novo senhor egípcio de José, Potifar (1), logo notou as qualidades incomuns do caráter do escravo e cada vez mais foi lhe confiando as tarefas domésticas. O testemunho do texto é que o SENHOR estava com José (2) e que até o senhor pagão percebia este fato. Em consequência disso, a Palavra diz que José achou graça a seus olhos (4). Esta expressão significa que Potifar reagiu com benevolência e bondade para com José e o elevou a uma relação serviçal mais pessoal nos afazeres da casa. Com a promoção houve aumento de responsabilidade, condição que José lidou com destreza, de forma que, por José, o SENHOR abençoou a casa do egípcio (5), ou seja, os negócios de Potifar prosperaram.
A frase José era formoso de aparência e formoso à vista (6), prepara o cenário para o incidente que vem a seguir. Ilustra perfeitamente os perigos de altos cargos em ambientes pagãos. A mulher de seu senhor (7) era pessoa mal acostumada e impulsi­va, sem ter o que fazer. Faltavam-lhe padrões morais, e quando o marido se ausentava procurava outros homens encantadores e atraentes. Logo José se tornou alvo de suas atenções e na primeira oportunidade fez uma proposta indecorosa.
Em contraste com Judá (38.16), José resistiu ao convite. Explicou racionalmente que sua posição, com a pertinente carga de responsabilidade, tornaria tal ato uma viola­ção de confiança (8). Acima de tudo, como faria José este tamanho mal e pecaria contra Deus? (9). A mulher não via as coisas desse modo, por isso continuou importu­nando e convidando-o. Por fim, num momento favorável, agiu com insistência: Ela lhe pegou pela sua veste (12) para o puxar para si. José se libertou e fugiu da casa, deixando para trás a sua veste, a qual ela usou eficazmente contra ele. Quando chamou os homens de sua casa (14), ela acusou o hebreu (servindo-se totalmente do preconceito racial) de investidas indecorosas e afirmou que ela resistiu gritando com grande voz. Repetiu a acusação ao marido que, por esta causa, mandou prender José. O fato de José não ter sido imediatamente executado sugere que o senhor (20), ainda que enfurecido, não estava plenamente convencido da inocência da esposa.

O Intérprete de Sonhos (39.21-40.23)
O controle que José mantinha de suas atitudes era importante. Mas o escritor desta história entendia que a boa harmonia com o carcereiro-mor (21) era por causa da benignidade (chesed) ou misericórdia do SENHOR. Esta palavra está estreitamente ligada com a relação do concerto e, assim, fica claro que José foi o escolhido por Deus como sucessor de Jacó na estrutura do concerto. Logo José estava a cargo de muitos detalhes dos procedimentos prisionais. Este fato se deu por que o SENHOR estava com ele; e tudo o que ele fazia o SENHOR prosperava (23). Havia mais que contro­le de atitude e trabalho eficiente. Na vida de José, existia mais uma importantíssima vantagem: a preocupação ativa e a benignidade de Deus.
Ser servo na corte do rei do Egito (1) era negócio arriscado. Dois dos servos do rei foram postos na prisão (3), devido a certas imprudências não mencionadas no texto. Ambos ficaram a cargo de José (4).
Certa noite, cada um dos dois prisioneiros teve um sonho (5) que os confundiu e os deprimiu. Cada um conforme a interpretação do seu sonho fica melhor como “cada sonho com a sua própria significação” (ARA). Contaram o sonho a José que, por sua vez, ofereceu ajuda, dizendo: Não são de Deus as interpretações? (8). Diante desta oferta, cada um contou-lhe o sonho.
O copeiro-mor (9) disse que sonhou com uma vide que tinha três sarmentos (10), ou ramos, cujos cachos amadureciam em uvas. O chefe dos copeiros pegou o copo de Faraó (11), espremeu o suco das uvas no copo e o pôs na mão de Faraó. A interpreta­ção de José foi que os três sarmentos seriam três dias (12), e que dentro desse prazo o copeiro seria restaurado ao seu antigo trabalho. Levantará a tua cabeça (13) é melhor “te libertará” (Moffatt) ou “te chamará” (Smith-Goodspeed).
José se aproveitou do momento para fazer um apelo pessoal, dizendo que, quando fosse restaurado, o copeiro usasse de compaixão (14) e mencionasse a Faraó as injusti­ças que tinham posto José na prisão do Egito. Ele esperava que isto o levasse à libertação.
Em seguida, o padeiro-mor (16) contou seu sonho, no qual ele estava levando três cestos brancos (16, salley hori). Brancos é boa tradução deste termo se entendermos que se refere a pães brancos, mas a mesma frase pode significar “cestos de vime”. Nova­mente o número três designava três dias (18). Mas este homem não seria restaurado ao cargo. Também seria chamado por Faraó (Faraó levantará a tua cabeça sobre ti), mas como diz a ARA: “Faraó te tirará fora a cabeça”. As aves (17) bicando os pães assa­dos deu este mau agouro, porque elas comeriam a carne (19) do padeiro, enquanto o corpo estivesse pendurado num madeiro. A expressão levantou a cabeça (20) é em­pregada pela terceira vez para denotar libertação da prisão. O destino de cada homem foi como José havia predito. Porém, para desapontamento de José, o homem cuja vida foi poupada não se lembrou de José (23).

Índice: Gênesis 1 Gênesis 2 Gênesis 3 Gênesis 4 Gênesis 5 Gênesis 6 Gênesis 7 Gênesis 8 Gênesis 9 Gênesis 10 Gênesis 11 Gênesis 12 Gênesis 13 Gênesis 14 Gênesis 15 Gênesis 16 Gênesis 17 Gênesis 18 Gênesis 19 Gênesis 20 Gênesis 21 Gênesis 22 Gênesis 23 Gênesis 24 Gênesis 25 Gênesis 26 Gênesis 27 Gênesis 28 Gênesis 29 Gênesis 30 Gênesis 31 Gênesis 32 Gênesis 33 Gênesis 34 Gênesis 35 Gênesis 36 Gênesis 37 Gênesis 38 Gênesis 39 Gênesis 40 Gênesis 41 Gênesis 42 Gênesis 43 Gênesis 44 Gênesis 45 Gênesis 46 Gênesis 47 Gênesis 48 Gênesis 49 Gênesis 50

Nenhum comentário:

Postar um comentário