2019/08/15

Gênesis 46 — Estudo Bíblico

Estudo Bíblico sobre Gênesis



Gênesis 46 

O NOVO LAR NO EGITO (46.1-47.31)
Apesar da notícia de que José estava no Egito, não era fácil para Jacó sair de Canaã, pois era a Terra Prometida. Mas com a permissão divina, Jacó fez a mudança com todo o seu considerável séquito, recebeu acolhimento alegre de José e viu sua família ser instalada em região bem irrigada e produtiva do delta do Nilo. Era a conclusão feliz de uma vida repleta de enganos, aventuras, momentos de tensão, adversi­dades, tristezas e alegrias e, acima de tudo, uma vida recheada das misericórdias de Deus.

 Jacó Recebe Permissão para se Mudar (46.1-7)
Jacó e sua família habitavam em Hebrom (37.14; ver Mapa 2). Ao saber das espantosas notícias de que José estava vivo e era alto funcionário no Egito, Israel (1, Jacó) partiu imediatamente para o Egito. Enquanto viajava em direção a Berseba, Jacó provavelmente se lembrou de que o avô Abraão teve uma experiência desagradável no Egito (12.10ss.), e que Deus disse a Isaque para não ir ao Egito (26.2). Deve também ter se lembrado de que Deus falou a Abraão que seus descendentes iriam habitar naquele país por certo período (15.13-16).
Com pensamentos em ebulição, Jacó adorou, oferecendo sacrifícios ao Deus de Isaque, seu pai. Embora não haja registro, claro que fez orações por orientação e proteção. A resposta de Deus chegou somente ao anoitecer, mas a palavra foi positiva: Não temas descer ao Egito (3). A mensagem também continha promessas. A família de Jacó se tornaria uma grande nação; Deus faria Jacó tornar a subir (4) e estaria sempre com ele; e José poria a mão sobre os teus olhos, ou seja, estaria presente na hora da morte de Jacó.
Jacó levantou-se daquele lugar com todas as dúvidas dirimidas. Este não era outro Deus, mas o único Deus verdadeiro que apareceu a Isaque, seu pai. No hebraico, o artigo definido ha distingue este Deus que fala de todos os falsos deuses. Tudo e todos ligados a Jacó caminharam em direção ao Egito e logo chegaram na fronteira.
Uma significativa reviravolta de acontecimentos ocorreu na vida do patriarca e de sua família com o selo da aprovação de Deus. O propósito de Deus era preservar a famí­lia do patriarca como unidade, separando-a da putrefação espiritual e da imoralidade e idolatria dos cananeus. Alguns dos filhos mais velhos já tinham sido atingidos por essa putrefação. Os egípcios seriam suficientemente diferentes, de forma que o casamento inter-racial e a idolatria não teriam tão forte atração como em Canaã. Ao mesmo tempo, os descendentes de Jacó estariam associados de perto com as realizações positivas da cultura. Estariam vivendo ao lado das principais rotas comerciais internacionais daque­les tempos.

Um Registro dos Filhos de Jacó (46.8-27)
Nesta lista, a família de Jacó é separada de acordo com as mães; são somados o número de filhos, netos e bisnetos. Visto que os filhos de Judá, Er e Onã... morreram na terra de Canaã (12), presume-se que Diná e Jacó, ou uma segunda filha ou nora não mencionada, estejam incluídos no total de trinta e três (15).
Uma neta de Jacó e Leia (15) é mencionada com relação a Aser (17), filho de Zilpa (18), dando a soma total de dezesseis almas nesta linha familiar. Além dos dois filhos de José (20), são designados dez filhos a Benjamim (21), embora ainda fosse jovem. Talvez nascimentos múltiplos fosse característica desta família. A tra­dução grega dá a Benjamim três filhos, seis netos e um bisneto, situação improvável para alguém tão moço.
Os dois filhos de Bila são alistados como tendo cinco filhos. O total de todos os registrados aqui é de 70 pessoas, mas a verdadeira soma é de 66 menos Jacó, José e seus dois filhos. Não são contadas as esposas de nenhum dos homens, e só uma filha e uma neta são claramente incluídas no total.
A referência em Atos 7.14 à mudança de Jacó para o Egito menciona 75 pessoas; segue a tradução grega, que inclui mais cinco descendentes de José pelos filhos dele.

O Dramático Encontro entre Pai e Filho (46.28-34)
Jacó enviou à frente Judá (28), o novo líder dos irmãos, para acertar os detalhes da acomodação no Egito e combinar a melhor ocasião possível para a reunião de pai e filho.
Sendo alto funcionário, José tinha acesso aos melhores meios de transporte do Egito, um carro (29), com qual logo alcançou seu pai. Eles se abraçaram e choraram por longo tempo. Depois do abraço, o idoso Israel (30, Jacó) estava pronto para morrer, como se a meta de toda sua vida tivesse sido atingida. O filho que estava perdido foi achado.
José voltou a atenção à grande necessidade imediata diante de si: obter a aprova­ção formal de Gósen (34) como região do Egito na qual a família de Jacó residiria. Por ter conhecimento profundo dos procedimentos governamentais do Egito, José deu instruções detalhadas relativas a como abordar Faraó (33). A situação era delicada, porque os egípcios (34) consideravam os pastores de baixa posição social, e devia estar claro que a visita deles seria temporária. Os registros egípcios revelam que esta não foi a primeira vez que povos de Canaã tinham migrado para o Egito em anos de escassez. Provavelmente nenhum outro grupo teve tão alta representação diante de Faraó como a família de Jacó.

Índice: Gênesis 1 Gênesis 2 Gênesis 3 Gênesis 4 Gênesis 5 Gênesis 6 Gênesis 7 Gênesis 8 Gênesis 9 Gênesis 10 Gênesis 11 Gênesis 12 Gênesis 13 Gênesis 14 Gênesis 15 Gênesis 16 Gênesis 17 Gênesis 18 Gênesis 19 Gênesis 20 Gênesis 21 Gênesis 22 Gênesis 23 Gênesis 24 Gênesis 25 Gênesis 26 Gênesis 27 Gênesis 28 Gênesis 29 Gênesis 30 Gênesis 31 Gênesis 32 Gênesis 33 Gênesis 34 Gênesis 35 Gênesis 36 Gênesis 37 Gênesis 38 Gênesis 39 Gênesis 40 Gênesis 41 Gênesis 42 Gênesis 43 Gênesis 44 Gênesis 45 Gênesis 46 Gênesis 47 Gênesis 48 Gênesis 49 Gênesis 50

Nenhum comentário:

Postar um comentário