2016/09/18

Marcos 15 — Interpretação Bíblica

Marcos 15 — Interpretação Bíblica

Marcos 15 — Interpretação Bíblica




Marcos 15

Jesus diante de Pilatos 15.1-15
Depois de ser julgado e condenado pelo Conselho Superior dos judeus, Jesus é entregue a Pilatos, o governador romano. É a madrugada de sexta-feira, dia 15 de nisã.
15.1 Pilatos Nomeado pelo Imperador romano, Pilatos governou a Judéia, Samaria e Iduméia de 26 a 36 d.C.
15.7 numa revolta Pelo que parece, um acontecimento bem conhecido naquele tempo, mas do qual não temos nenhuma outra informação. Fica claro que Barrabás era um revolucionário.
15.15 querendo agradar o povo Pilatos não encontrou nenhuma razão para condenar Jesus (v. 14), mas, para não desagradar o povo, decidiu entregá-lo para ser crucificado.
Os soldados zombam de Jesus 15.16-20
Depois dos líderes judeus (14.65), agora é a vez dos soldados romanos maltratarem Jesus.
15.17 uma capa vermelha A capa de um soldado romano.
A crucificação de Jesus 15.21-32
A crucificação era uma das maneiras como os romanos executavam aqueles que tinham sido condenados à morte. Uma pessoa crucificada podia ficar vários dias pendurada na cruz até morrer. Como parte do castigo, o condenado era forçado a carregar a trave horizontal da cruz até o lugar onde ele seria crucificado.
15.21 Simão A maneira como o texto se refere a Simão dá a entender que ele era bem conhecido pelos leitores deste Evangelho. Em Rm 16.13, Paulo fala sobre um cristão chamado Rufo. Cirene A capital da Líbia, situada no Norte da África.
15.22 Lugar da Caveira Provavelmente, um lugar elevado que parecia uma caveira. A Bíblia não diz claramente que Jesus foi crucificado no alto de um monte.
15.24 repartiram as suas roupas... tirando a sorte com dados Sl 22.18.
15.25 nove horas da manhã Isso traduz “a terceira hora”. Naquele tempo, as horas do dia eram contadas a partir do nascimento do sol.
15.28 Este versículo não faz parte do texto original grego (Lc 22.37; Is 53.12).
15.29 balançavam a cabeça Sl 22.7; 109.25. destruir o Templo Ver Mc 14.58, n.
15.32 descer agora da cruz e então creremos nele! O pedido de um sinal espetacular que levasse as pessoas a acreditar em Jesus já tinha sido feito e recusado em Mc 8.11. Tal sinal, muito antes de ajudar as pessoas a acreditarem, tornaria impossível aquilo que a Bíblia entende por fé.
A morte de Jesus 15.33-41
Ao meio-dia, começa a escurecer e, três horas depois, Jesus morre. Aquela escuridão é o começo do juízo de Deus sobre um mundo que condena à morte aquele que traz o Reino de Deus (Am 8.9-14). Mas aquela é também a hora em que Jesus bebe o cálice a respeito do qual ele tinha falado anteriormente (Mc 10.38; 14.36). Assim, em meio ao julgamento, existe também salvação (Mc 10.45), que Deus coloca à disposição de todos que se arrependem (Mc 1.1,15).
15.33 meio-dia Tradução de “a sexta hora” (ver v. 25, n.). toda a terra O texto original também pode ser traduzido por “o mundo inteiro”.
15.34 três horas da tarde Tradução de “a nona hora” (ver v. 25, n.). Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? Jesus grita as palavras do Sl 22.1 em aramaico. Para que os leitores entendam as palavras, o evangelista as traduz para o grego (ver Mc 5.41, n.). No mais profundo abandono Jesus ainda se volta para meu Deus!
15.35 Elias Na época, pensava-se que Elias podia ajudar as pessoas que estavam passando por momentos difíceis. Entender as palavras de Jesus como um pedido por Elias era, pois, uma forma de zombar de Jesus.
15.36 vinho comum Sl 69.21. Esse era um vinho comum que os soldados romanos bebiam.
15.38 a cortina do Templo Provavelmente, a cortina que separava o Lugar Santo do Lugar Santíssimo (Êx 26.31-33). de cima até embaixo Isso indica que não foi uma pessoa que rasgou a cortina. Hb 9.12 e 10.19-20 explicam o que isso significa para o cristão.
15.39 O oficial Este “centurião” comandava as tropas encarregadas de crucificar os condenados à morte.
15.40 Madalena Este nome quer dizer “nascida em Magdala”, uma cidade que ficava na margem oeste do lago da Galiléia.
15.41 Essas mulheres Lc 8.2-3 fala sobre mulheres da Galiléia que acompanhavam Jesus e ajudavam no sustento dele e dos discípulos.
O sepultamento de Jesus 15.42-47
Jesus morreu às três horas da tarde daquela sexta-feira, e o seu corpo tinha que ser sepultado antes do pôr-do-sol, quando começava o sábado. José de Arimatéia agiu com rapidez e sepultou o corpo num túmulo que ficava ali perto. Mt 27.60 diz que o túmulo pertencia a José.
15.42-43 José... de Arimatéia José é mencionado também em Lc 23.50-54; Jo 19.38. Ele era de Arimatéia, um povoado que ficava, provavelmente, a uns 35 km a noroeste de Jerusalém.
15.46 túmulo cavado na rocha Uma cova grande cavada no lado de um monte, na qual havia compartimentos onde vários corpos podiam ser sepultados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário