2016/05/20

Interpretação de Lucas 1

Interpretação de Lucas 11

Interpretação de Lucas 1



Lucas 1
I. Introdução. 1:1-4.
O Evangelho de Lucas é o único que conta qual o método que o autor usou na sua composição. O conteúdo da introdução tem a intenção de fortalecer a confiança do leitor naquilo que o Evangelho contará a respeito de Cristo.
1. Houve. . . empreenderam. Uma tradução literal do verbo grego, quer dizer, “tentaram” ou “iniciaram”. A narração. A palavra implica em uma narrativa formal que é um sumário conciso dos fatos. Fatos que ... se realizaram tem o sentido de “as coisas que foram aceitas por certas ou verdadeiras”, ou “os reconhecidos fatos do caso”.
2. Transmitiram. Paulo usa esta mesma palavra com referência à transmissão oral do conteúdo do Evangelho (I Co. 11:23; 15:3). Os que ... foram deles testemunhas oculares ... e ministros da palavra. Os que ... foram deles testemunhas oculares, implica em que os informantes de Lucas viram Jesus em pessoa e por causa de seu compromisso com ele tornaram-se ministros da palavra. Ministros não tem um significado profissional no sentido atual da palavra; usava-se em relação aos que prestavam serviços na sinagoga (Lc. 4:20).
3. Também a mim. Lucas estava tão bem qualificado a escrever um Evangelho quanto qualquer outro. Acurada investigação. Paulo usa a mesma expressão para dizer que Timóteo “seguia de perto” as experiências da sua carreira (II Tm. 3:10). Esse conhecimento é a familiaridade que um homem tem com os fatos contemporâneos seus. Desde sua origem (gr., anothen). Em um outro lugar Lucas usa a mesma palavra (Atos 26:5). Lucas declara-se completamente familiarizado com a vida de Jesus. Excelentíssimo. Um título que Lucas usa em outros lugares apenas com referência à autoridades ou à nobreza (Atos 23:26; 24:3; 26:25).
4. Tenhas plena certeza. A palavra grega significa ter conhecimento perfeito. Instruído pode subentender-se informação oral geral ou instrução formal. Lucas estava escrevendo para confirmar o que Teófilo tinha aprendido através da palavra falada
II. A Anunciação do Salvador. 1: 5 – 2:52.
Os dois primeiros capítulos do Evangelho preocupam-se com as circunstâncias do nascimento de Jesus e indicam claramente que a vinda do Salvador foi uma intervenção direta de Deus nos negócios humanos.
A. A Anunciação a Zacarias. 1:5-25.
5. Herodes, rei. Herodes, o Grande, edomita pelo sangue e judeu de religião, era rei da Judeia desde 37 A.C. até 4 A.C. Era um governante capaz, mas cruel e corrupto. Turno de Abias. Havia vinte e quatro “ordens” ou divisões do sacerdócio, com base nas famílias dos descendentes de Arão, das quais a família de Abias era uma (I Cr. 24:10).
7. E não tinham filho. Uma calamidade numa família judia.
8. O sacerdócio. Cada membro da ordem tinha a sua vez de servir no altar do Templo durante um determinado período do ano.
9. Por sorte. A oportunidade de ministrar no altar era determinada tirando-se a sorte, e quase sempre acontecia só uma vez na vida.
10. Toda a multidão do povo permanecia orando. Quando a fumaça do incenso subia do altar, o povo unia-se em oração silenciosa.
11. Um anjo do Senhor. No N.T. não há descrição de anjos, mas eles deviam ter algum aspecto que os distinguia dos homens. Seu aparecimento costuma relacionar-se com alguma comunicação divina especial.
12. Zacarias turbou-se com o aparecimento inesperado de outra pessoa no Lugar Santo e ficou apreensivo com o que poderia anunciar.
13. Disse-lhe, porém, o anjo. Observe o paralelo entre a anunciação do nascimento de João e de Sansão (Juízes 13: 3-5). Nos dois casos os pais já não esperavam mais ter filhos, e o filho prometido recebeu poder desde o nascimento para uma tarefa especial.
17. No espírito e poder de Elias. Elias foi o severo profeta do arrependimento que repreendeu Acabe, o idólatra rei de Israel (I Reis 21:17-24). João convocou a nação, despertando-a e preparando-a para a vinda de Cristo (Ml. 4:5,6).
19. Eu sou Gabriel. O nome do anjo significa homem de Deus. Ele aparece aos homens para fazer avisos especiais sobre os propósitos divinos (cons. Dn. 8:16; 9:21; Lc. 1:26).
21. Admirara-se de que tanto se demorasse. Uma vez que o rito da oferta do incenso levava pouco tempo, a demora de Zacarias poderia ter causado alarme. O povo podia pensar que o sacerdote tinha morrido.
23. Os dias de seu ministério. Os sacerdotes serviam na sua vez por um tempo limitado e então ficavam livres para voltarem para sua casa. A casa de Zacarias ficava na região montanhosa, provavelmente não muito longe de Jerusalém (1:39). .
B. A Anunciação à Maria. 1:26-56.
27. A uma virgem desposada com certo homem . . . cujo nome era José. A lei judaica considerava o compromisso do noivado tão válido quanto o casamento. O noivado era completado depois de negociações realizadas pelo representante do noivo e depois de pago o dote ao pai da moça. Depois de assumido o noivado, o noivo podia reclamar a noiva a qualquer momento. O aspecto legal do casamento estava incluído no compromisso de casamento; o casamento propriamente dito era apenas um reconhecimento do compromisso que já fora estabelecido. José tinha todo o direito de viajar com Maria a Belém. Da casa de Davi. Pelos direitos de adoção, considerado como filho de José, Jesus podia reclamar a herança real da casa de Davi.
28. Favorecida. A palavra pode ser traduzida para cheia de graça, mas refere-se a quem é o recipiente da graça e não a fonte da mesma.
29. Que significaria esta saudação. Ser escolhida dentre todas as outras mulheres para receber uma bênção era perturbador. Maria não entendeu por que ela fora escolhida para esta honra.
31. A quem chamarás pelo nome de Jesus. Jesus é a forma grega para o Josué hebreu, que significa Jeová é salvação. Compare a narrativa de Mateus da anunciação feita a José (Mt. 1:21).
32. O trono de Davi, seu pai. Os descendentes de Davi reinaram sobre Judá desde o Reino Unido até o Exílio numa dinastia ininterrupta. O anjo predisse que Jesus completaria essa sucessão.
33. Reinará para sempre sobre a casa de Jacó. Esse reino será tanto temporal quanto espiritual.
34. Como será isto, pois não tenho relação com homem algum? A pergunta de Maria confirma a declaração de sua virgindade no versículo 27. José ainda não a tomara por mulher.
35. Descerá sobre ti o Espírito Santo. Em contraste com as lendas pagãs da antiguidade relacionadas com reputada descendência de deuses e homens, não houve nenhuma intervenção física. O Espírito Santo, por meio de um ato criador no corpo de Maria, providenciou os meios físicos para a Encarnação.
36. Isabel, tua parenta. Se Maria e Isabel eram primas em primeiro grau, Jesus e João Batista eram em segundo grau.
38. Aqui está a serva do Senhor. A pronta aceitação de Maria demonstrou seu caráter devoto e obediente. Ela estava pronta para se arriscar a cair em desgraça e divórcio para cumprir a ordem de Deus.
43. A mãe do meu Senhor. A saudação de Isabel mostra que ela estava pronta a reconhecer o Filho de Maria como o seu Senhor.
46. A minha alma engrandece ao Senhor. Os versículos de 46 a 56 são chamados O Magnificat, que tem origem na primeira palavra da tradução latina. Compare à oração de Ana (I Sm. 2:1-10).
47. Deus, meu Salvador. Maria não era sem pecado; ela reconhecia a sua necessidade de um Salvador.
48. Serva (gr. doulê). Literalmente, uma escrava.
49. Porque . . . me fez grandes coisas. Melhor: fez grandes coisas em meu favor.
51. No coração alimentam pensamentos soberbos. Pensamento (cons. I Cr. 29:18) tem o significado de “presunção” ou as perspectivas jactanciosas de que se orgulhavam.
C. O Nascimento de João. 1:57-80.
59. Circuncidar o menino. Os meninos judeus eram circundados oito dias após o nascimento, ocasião em que costumavam receber o seu nome.
60. Chamado João. João, do hebreu Yohanan, que significa “Deus é gracioso”.
61. Ninguém há na tua parentela que se chama por este nome. As crianças costumavam ter nomes de família. Neste caso a escolha de um nome diferente significa a expectativa de algo especial para a criança.
63. Pedindo ele uma tabuinha, escreveu. Tabuinhas recobertas de cera eram usadas nos tempos antigos para fazer anotações temporárias.
65. Foram divulgadas estas coisas. Talvez Lucas soubesse dos fatos conversando com algumas das pessoas que moravam na região montanhosa.
67. Cheio do Espírito Santo. Esta foi usada oito vezes nos escritos de Lucas incluindo duas ocorrências anteriores neste mesmo capítulo (1:15, 41). Em todos os oito exemplos está relacionada como capacidade de falar e pregar. Subentende-se um controle especial e preparação efetuada pelo Espírito para se transmitir uma mensagem vinda de Deus. Profetizou. Esta palavra não se aplica exclusivamente à predição do futuro, mas pode se referir também à transmissão da mensagem de Deus aos homens, quer se relacione com o passado, o presente, ou o futuro.
68. Bendito seja o Senhor Deus de Israel. Lucas, embora gentio, relaciona o ponto central da mensagem como Deus do V. T. Visitou e redimiu o seu povo. Zacarias reconheceu no nascimento de João o princípio do cumprimento da vinda do Messias.
69. Poderosa salvação (chifre da salvação). Os chifres do boi eram símbolo de poder. Muitas passagens do V. T, usam esta figura de linguagem, especialmente nos Salmos (cf. Sl. 18:2; 89:24; 132:17; 148:14).
70. Seus santos profetas. Deus tem os seus representantes em todas as épocas e em todos os lugares. Enoque, que foi mensageiro de Deus antes do Dilúvio, foi chamado de profeta (Judas 14).
73. Juramento. O Senhor jurou a Abraão que os seus descendentes seriam preservados através da escravidão no Egito, e que eles possuiriam a terra prometida (Gn. 15:13, 18). O sol nascente das alturas. Nascente, um termo que se refere ao nascer do sol e, neste caso, ao nascer do “Sol da Justiça” (veja Ml. 4:2). Toda esta passagem contém ecos do último capítulo das profecias de Malaquias. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário