2016/06/29

Estudo sobre Apocalipse 13

Estudo sobre Apocalipse 13

Estudo sobre Apocalipse 13



II. AS DUAS BESTAS (13.1-18)
1) A besta do mar (13.1-10)
v. 1. Vi uma besta que saía do mar. Essa besta é o Império Romano perseguidor da igreja. Podemos imaginá-lo surgindo em sua casa, na cidade de Roma, longe de Patmos, do outro lado do mar Mediterrâneo; mas mar significa mais do que isso. A “besta do Abismo”, como é chamada em 11.7, é vomitada, como as outras forças caóticas do mal, pela profundeza cósmica (cf. Dn 7.2,3). Tinha dez chifres e sete cabeças: Os dez chifres (cf. 12.3) são extraídos de Dn 7.7, em que o quarto animal da visão de Daniel é assim caracterizado. Os chifres do quarto animal de Daniel (Dn 7.24) são dez governantes helenísticos, entre Alexandre, o Grande (332-323 a.C.), e An tio co IV (175-163 a.C.); acerca do seu significado em Apocalipse, cf. 17.12-14. As sete cabeças são derivadas do dragão (12.3), significando que a autoridade da besta provém dele (v. 2); mas são explicadas mais detalhadamente em termos das sete colinas de Roma (17.9) e dos sete imperadores romanos (17.10). com dez coroas, uma sobre cada chifre: Indicando as reivindicações de honras divinas feitas pelos imperadores romanos ou a favor deles. v. 2. A besta que vi era semelhante a um leopardo-. Como o terceiro animal de Dn 7.6. mas tinha pés como os de urso: O segundo animal de Dn
7.5 “tinha a aparência de um urso”, boca como a de leão: O primeiro animal de Dn 7.4 “parecia um leão”. Assim, a besta de João, enquanto é principalmente uma representação do quarto animal de Daniel, tem características extraídas dos três primeiros animais de Daniel, v. 3. Uma das cabeças [...] parecia ter sofrido um ferimento: Provavelmente uma referência a Nero, que cometeu suicídio em 9 de junho de 68 d.G. o ferimento mortal foi curado: Quando Nero, deposto pelo senado em 68 d.C., cometeu suicídio para escapar da morte ignominiosa à qual aquele grupo o tinha condenado, muitos dos seus súditos orientais (entre os quais desfrutava de grande popularidade) se negaram a crer que ele estivesse realmente morto. Durante uns vinte anos após a sua morte, portanto, persistiu a crença de que ele não havia realmente morrido mas fugido para seu esconderijo além do Eufrates, e que voltaria um dia à frente de um exército de partos para recuperar o seu domínio e governar mais uma vez como imperador. Diversos oportunistas se beneficiaram dessa crença muito difundida para se levantar como supostos Neros. Depois de 88 d.G., o último ano de que se tem notícia de ter se levantado um desses embusteiros, a crença de que Nero ainda estivesse vivo tinha sido em geral abandonada; mas foi substituída pela crença de que um dia Nero voltaria dos mortos e recuperaria o poder. Essa crença posterior num Nero redivivus, que pode ser seguida até quase o final do século II, era não somente um elemento de esperança para os pagãos no império do oriente, mas também um elemento de ameaça para os cristãos, que identificavam o Nero redivivus com o último anticristo. O ódio perseguidor do império já tinha sido experimentado por João e seus irmãos cristãos, mas, quando a besta imperial for incorporada no governante ressuscitado que anteriormente sofreu um ferimento mortal — uma incorporação ainda futura para o vidente —, esse ódio perseguidor vai atingir uma intensidade sem precedentes. v. 5. uma boca para falar palavras arrogantes e blasfemas: Cf. Dn 7.8; 11.36. quarenta e dois meses: A duração da autoridade do “pequeno chifre” de Dn 7.25. v. 7. Foi-lhe dado poder para guerrear contra os santos e vencê-los: Um eco de Dn 7.21 (cf. Ap 11.7); essa vitória consiste na inflicção da morte física a eles, mas a vitória final será deles (15.2). Poder mundial é exercido pela besta, e adoração mundial lhe é oferecida. Cf. 2Ts 2.3,4, em que o “homem do pecado [...] se opõe e se exalta acima de tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração (cf. Dn 11.37), chegando até a assentar-se no santuário de Deus, proclamando que ele mesmo é Deus”, v. 8. Todos os habitantes da terra (cf. 3.10) são identificados aqui como todos aqueles que não tiveram seus nomes escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a criação do mundo. E melhor seguir a leitura da nota textual (NVI) em que desde a criação do mundo é uma referência a escritos, e não a foi morto (cf. 17.8; tb. 3.5; 20.12,15). v. 10. K perseverança e a fidelidade dos santos estão arraigadas no seu reconhecimento da soberania de Deus sobre o mundo da humanidade; sua justa retribuição e recompensa certamente vão ser manifestas no devido tempo (cf. Hc 2.3,4; tb. Mt 26.52).

2) A besta da terra (13.11-18) 
v. 11. Então vi outra besta: Assim, a trindade perversa do dragão, da besta e do falso profeta é completada. Assim como o verdadeiro Cristo recebeu a sua autoridade do Pai (Mt 11.27; 28.18; Jo 13.3), o anticristo recebe autoridade do dragão (v. 4); assim como o Espírito Santo glorifica o verdadeiro Cristo (Jo 16.14), o falso profeta glorifica o anticristo (v. 12). que saía da terra: Em Patmos, João pode ter em vista a terra firme próxima da Ásia Menor, onde florescia o culto a Roma e Augusto (cf. 2.13). A segunda besta é a encarnação desse culto, ou do seu sacerdócio, no seu desenvolvimento final. Parece tão inofensiva como cordeiro, mas sua verdadeira natureza é revelada quando abre sua boca, pois fala como dragão. A adoração imperial que já era fomentada na província da Ásia se espalharia pelo mundo, e a intensificação final da perseguição imperial seria acompanhada de pressão mundial de todo tipo, psicológica e econômica, para que se adorasse a César. As obras poderosas e “os sinais e [...] maravilhas enganadoras” que, de acordo com Paulo, acompanham a parousia do anticristo e seduzem os crentes (2Ts 2.9,10) são manipulados por essa segunda besta, que age como o ministro de propaganda do anticristo. A imagem em honra à besta (v. 14,15) lembra o “sacrilégio terrível no lugar onde não deve estar” (Mc 13.14). O boicote econômico dos não-conformistas (v. 16,17) é quase assustador na sua clareza profética. A marca, estampada na mão direita ou na testa, lugar em que os judeus usavam seus fílactérios (cf. Dt 6.8), é o nome da besta adorada por aqueles que recebem a marca — uma imitação burlesca e perversa do selo estampado na testa dos servos de Deus (7.3; 14.1; cf. 22.4). v. 18. Aqui há sabedoria-. As profecias de Daniel foram transmitidas de forma semelhante em termos simbólicos que exigiam elucidação divina: “Nenhum dos ímpios levará isto em consideração, mas os sábios [os maskilim] sim” (Dn 12.10). Aquele que tem entendimento calcule o número da besta-. A besta é personificada no imperador, e é um dos imperadores cujo “número” deve ser calculado, pois é número de homem-. Lit. “o número de um homem”, i.e., o valor numérico total das letras do nome de uma pessoa, soletrado no alfabeto grego, ou talvez no hebraico. Esse cálculo do valor numérico de palavras e nomes era um jogo de enigmas entre os gregos e romanos (como na inscrição muito citada de Pompeia: “Eu amo a moça cujo número é 545”); entre os judeus (que o chamavam de “gematria”) e alguns dos primeiros cristãos, era tratado como uma questão de significado místico — como nos Oráculos Sibilinos (i.328), em que a conveniência de 888 como o valor numérico do nome de Jesus em grego é destacada. Não há nada de místico acerca do presente trecho; o uso da gematria por parte do vidente poderia ser uma precaução contra a acusação de incitação à revolta se o nome do indivíduo fosse soletrado completamente. Seu número é seiscentos e sessenta e seis-. Tão bem-sucedida foi a precaução do vidente que a solução do enigma já tinha sido esquecida na época de Ireneu (180 d.C.) e permanece incerta até os dias de hoje.

Devemos imaginar que os primeiros leitores de Apocalipse entenderam a alusão. Para complicar a questão, há aqui uma leitura variante de 666, mas isso pode ter sido uma modificação intencional para identificar a “besta” com Caio César (soletrado em grego). A tentativa de Caio de erigir sua imagem no templo de Jerusalém em 40 d.C. o caracterizou como pertencendo à autêntica sucessão do anticristo. Uma explicação popular da verdadeira leitura, 666, considera o número como o total das letras de “Nero César”, soletrado em hebraico ou aramaico (a soletração exata e requerida aparece num documento aramaico do reinado de Nero encontrado no Uádi Murabba‘at, no Jordão). Outra sugestão atraente é que João tinha em mente um tipo de moeda que circulava na província da Ásia, na qual o título abreviado de Domidano em grego (“Imperador César Domidano Germanicus) resulta no total 666. Mas a certeza completa é inatingível. As “três regras” de George Salmon para fazer qualquer nome fornecer o total exigido ainda são usadas com muita seriedade por leitores bíblicos dedicados que imaginam que João estava na verdade se referindo aos acontecimentos, até os mais triviais, da política mundial do século XXL As três regras são: “Em primeiro lugar, se o nome próprio em si não fornecer o número, acrescente um título; em segundo lugar, se o total não pode ser encontrado em grego, tente hebraico, ou até mesmo latim; em terceiro lugar, não seja tão detalhista na soletração” (Introduction to the NT, 1889, p. 253).

Índice: Apocalipse 1 Apocalipse 2 Apocalipse 3 Apocalipse 4 Apocalipse 5 Apocalipse 6 Apocalipse 7 Apocalipse 8 Apocalipse 9 Apocalipse 10 Apocalipse 11 Apocalipse 12 Apocalipse 13 Apocalipse 14 Apocalipse 15 Apocalipse 16 Apocalipse 17 Apocalipse 18 Apocalipse 19 Apocalipse 20 Apocalipse 21 Apocalipse 22


Nenhum comentário:

Postar um comentário