2019/08/26

Interpretação de Josué 11

Interpretação de Josué 11

Interpretação de Josué 11



Josué 11
E. A Campanha do Norte. 11:1-15.
A notícia das vitórias israelitas no sul alarmaram os reis cananitas do norte. Convocados por Jabim, rei de Hazor (veia 11:10b), juntaram suas forças e acamparam junto às águas de Merom. Enquanto rito Josué e os soldados marchavam sem impedimentos para o oeste solitário do Vale do Jordão, Bete-Seã (17:16) devia ter apenas uma guarnição nessa ocasião (Cartas de Amarna, n.º 289). Outras cidades, mais ao norte, aliadas de Jabim, ficaram sem defesa. Assim a aguda investida de Josué apanhou os confederados completamente desprevenidos.
11:1. Jabim (o inteligente). Outro rei usando o mesmo nome dinástico ou titulo hereditário reinava sobre Hazor nos dias de Débora e Baraque (Juí. 4:2). É uma declaração temerária afirmar que as duas histórias são apenas variantes da narrativa do mesmo acontecimento. Hazor (Tell el-Quedá, cerca de 8kms a sudoeste do Lago Hulé) no período final da Idade de Bronze cobria mais de 69 hectares e tinha provavelmente 40.000 habitantes. Era a maior e a mais famosa cidade daquele tempo na Palestina. Sua última fase tem sido arqueologicamente datada do século treze A.C.; a destruição descoberta pelos escavadores deve ter sido àquela mencionada em Jz. 4:24. Uma vez que as ruínas revelam contínua ocupação cananita desde o século vinte até o treze, os cananitas devem tê-la reconstruído logo depois que Josué a incendiou (Jos. 11:11). Madom. Qarn Hattin (os chifres de Hattin) nos altos a oeste de Tiberias. Sinrom. Ou Sin'on (conforme a LXX, Carta de Amarna n.º 255 e ostraca egípcia), 6,5kms a oeste de Nazaré. Acasfe. Tel Keisan na Planície de Acco.
11:2. Leia-se: “E aos reis, que estavam ao norte na região montanhosa (isto é, a Galiléia Superior), e no .Arabá ao sul de (ou, perto de) Quinerete (isto é, a Planície de Genesaré, Mc. 6:53), e no Shefelá (isto é, nas vertentes entre a Samaria e o Carmelo, incluindo Megido e Taanach; cons. Js. 11:16), e na região de Hills-of-Dor até o oeste (colinas costeiras baixas parecidas com dunas destacam-se entre o Dor e Athlit')” - Baly, págs. 24, 132. Quinerete. Tell el-'Oreimeh, tomada por Tutmose II, 3,2kms a sudoeste de Cafarnaum.
11:3. E aos heveus ao pé de Hermom, na terra de Mispa. Colônias hurrianas a veste do Monte Hermom no Vale do Líbano (a parte sul do Beqa' libanês, contendo o Rio Leontes; cons, 11:17; Jz. 3:3). O vale de Mispa (11:8) contém os principais afluentes do curso superior do Nahr el-Hasbani, uma fonte do Jordão. Mispa e Baal-Gade (11:17) ficavam lado a lado, cerca de vinte e três milhas a leste do Sidom,
11:5. As águas de Merom. Não o Lago Huleh. A LXX dá Marron. Muito provavelmente ficava sobre a pequena planície, junto a copiosa fonte, entre as modernas cidades de Meirôn e Safed, cerca de 9,65kms a sudoeste de Hazor; um wadi brota na fonte e corre 14,5kms para o sul na direção do Mar da Galiléia e Quinerete.
11:6. Com quanta graça Deus encorajou Josué a atacar o inimigo aparentemente invencível por meio do Seu poder no dia seguinte! Os israelitas teriam acampado na Planície de Genesaré naquela noite. Deus ordenou que estropiassem os cavalos e queimassem os carros dos cananitas, para que Israel não colocasse a sua confiança em superiores armas militares em vez de confiar nEle (cons. Dt, 17:16; Sl. 20:7; Is. 31:1). Além disso, empregar tal equipamento exigiria um exército profissional como a classe do maryannu entre os cananitas (cons. I Sm. 8:11, 12). Mais tarde, o culto às divindades assírias em Jerusalém envolveram rituais idólatras comi cavalos e carros (II Reis 23:11).
11:8. Grande Sidom. A maior cidade continental de Sidom defronte das ilhotas com a cidade-ilha da Pequena Sidom (cons. Taylor Prism of Sennacherib). Misrefote-Maim, Khirbet el-Mushreifeh, exatamente ao sul do promontório conhecido como “a escada de Tiro”, Assim os inimigos fugiram para o norte, para o oeste e para o nordeste (veja comentário sobre 11:3).
11:11. Feriram à espada. Literalmente, enterraram a espada até a boca, isto é, até o punho, completamente. A pequena espada (hereb), arma principal dos israelitas. tinha uma lâmina de bronze de 25 a 30cms de comprimento que saia de um punho geralmente na forma de um leão com a boca aberta (cons, Ap. 19:15). O punho do hereb de Eúde tinha duas bocas, com um comprimento total de 45,72cms (Jz. 3:16. Veja BASOR, n.º 122, págs. 31 e segs.), O exército de Josué também usava cimitarras (Js. 8:18; veja comentários), arcos e flechas (24:12), e sem dúvida fundas com pedrinhas redondas (Jz. 20:16), espadas ou lanças (Nm. 25:7, 8) e dardos (I Sm. 18:10, 11).
F. Resumo da Conquista. 11:16-23.
“As batalhas de Bete-Horom e Merom foram decisivas, e a força dos cananitas para resistirem aos invasores foi arruinada. Toda resistência organizada foi destruída e a terra repousou da guerra (v. 23) no sentido de que não foram mais necessárias batalhas de campo” (Blair, NBC, pág. 232). Mas estas batalhas, mais as operações de guerrilhas levaram “muito tempo” (11:18), cerca de sete anos. de acordo com 14:7, 10. Coragem e perseverança. ambas foram essenciais na posse de toda a terra (cons, 13:1; 23:5-13), na tomada dos fortes isolados (cons. 15:63; 17:12, 16, 18; Jz. 1). Esta cansativa atividade tornou-se a responsabilidade muito negligenciada das tribos individuais.
11:16. A região montanhosa de Israel. A mais alta montanha de toda Canaã (portanto, em todo Israel) tem 1,208ms de altitude. É Jebel Jermaque, exatamente a oeste de Meirom. Este termo, portanto, não é necessariamente uma prova de Josué ter sido escrito durante a monarquia dividida.
11:17. Desde o monte Halaque, que sobe a Seir. Jebel Halaque (a montanha calva), cujo maciço o Maalé-Acrabim (Subida dos Escorpiões, “O Passo dos Escorpiões”; 15:3 ; Nm. 34:4) sobe zigue-zagueando desde o Wadi Fiqreh, 37kms a sudeste de Berseba, Seir, a terra natal dos idumeus antes da monarquia, ficava no Neguebe Central, a oeste do Arabá, entre Cades-Barnéia e o Passo dos Escorpiões (veja Js. 15:1, 21), Assim Israel tinha de ir para o sul partindo de Cades-Barnea e o Monte Hor até Eziom-Geber, a fim de circundar Seir, antes de marchar na direção norte subindo o Arabá até Moabe (Nm. 21:4; Dt. 2:1-4, 8).
11:20. O endurecimento dos seus corações. Uma expressão revelando a operação soberana de Deus na confirmação dos corações dos homens não arrependidos na sua obstinação antes de julgá-los (cons. Êx. 4:21; 7:13, 14; 9:12; 14:17; Is. 6:10; Jo. 12:40; II Ts. 2:10-12).
21,22. Os enaquins. Josué quase exterminou esse povo, que era formado de descendentes de uma raça de gigantes ('ãnaqîm, “os de pescoço comprido”, isto é, altos), ou imigrantes de Anaku, uma terra na região do Egeu mencionada em uma tabuinha de caracteres cuneiformes de Assur. Possivelmente os enaquins são mencionados em um texto egípcio de maldições (ANET, pág. 328). Habitaram o sul de Canaã, especialmente o Hebrom (Dt. 2:10, 11, 20, 21; Is,14:11,15; 15:13,14). Só em Gaza, Gade e Asdode ficaram alguns, os ancestrais de Golias, e outros (II Sm. 21:16-22). Talvez fossem especialmente mencionados aqui porque foram os homens que aterrorizaram os espias de Israel há quarenta anos atrás (Nm. 13:22-33). 

Índice: Josué 1 Josué 2 Josué 3 Josué 4 Josué 5 Josué 6 Josué 7 Josué 8 Josué 9 Josué 10 Josué 11 Josué 12 Josué 13 Josué 14 Josué 15 Josué 16 Josué 17 Josué 18 Josué 19 Josué 20 Josué 21 Josué 22 Josué 23 Josué 24

Nenhum comentário:

Postar um comentário