2019/09/19

Estudo sobre Jonas 4

Estudo sobre Jonas 4

Estudo sobre Jonas 4 




Jonas 4
IV. CAPÍTULO 4: O Senhor SALVA O DESAPONTADO JONAS DE ATITUDES ERRADAS
Jonas continuou tendo de aprender novas lições, isso porque havia se tornado obediente ao seu chamado. Jonas parece não ter entendido a sua própria aventura e já esqueceu a graça derramada generosamente sobre ele e também parece inconsciente do fato de que ela deveria ser compartilhada com outros. Jonas agora se comporta como o servo que não perdoa ou o irmão mais velho do filho pródigo. Isso não esgota o amor e a paciência de Deus, e ele novamente toma o seu servo rebelde pela mão.
Aí perguntamos: por que “a pomba” se transforma em falcão quando se trata de Nínive? Ele sente essa indignação patriótica porque, senão, os inimigos de Israel serão poupados e se tornarão a “vara da ira de Deus” (Is 10.5) contra Israel? E significativo observar que um dos resultados da missão bem-sucedida de Jonas a Nínive é desfazer toda a bênção trazida sobre Israel por meio da profecia anterior de Jonas. As fronteiras ampliadas de Israel sob Jeroboão II serão perdidas para os assírios. Não é de admirar que Jonas esteja irado.
v. 2. Ele orou: assim como havia feito no peixe. Mesmo com as atitudes erradas, mantemos a forma exterior. Senhor: Jonas usa a palavra, mas questiona o direito de Deus ao senhorio. “Ó Senhor Deus, eu não disse, antes de deixar a minha terra, que era isso mesmo que ias fazer?” (NTLH). Isso finalmente nos dá a razão da relutância inicial de Jonas, pois “a pomba” não queria sair para uma missão redentora de misericórdia para poupar o inimigo mais perigoso de Israel. Eu sabia: em virtude de sua experiência pessoal de graça, experimentada apesar da sua desobediência, ele sabe que Deus é um Deus per-doador que terá misericórdia do pecador, tu és Deus misericordioso e compassivo, muito paciente, cheio de amor e que prometes castigar mas depois te arrependes: Jonas está citando os “Treze Atributos” (Ex 34.6,7), também citados por Joel (2.13). Ele bem pode tê-los memorizado quando criança — mas não queria aceitá-los. v. 3. Jonas pede para morrer. Será que ele está irado pelo constrangimento pessoal de ser obrigado a profetizar algo que tanto o Senhor quanto ele sabiam que não aconteceria, assim fazendo-o parecer um tolo e, pior, um falso profeta (Dt 18.20-22)? Para o profeta até então popular e bem-sucedido, a perda da reputação é demais. Por que continuar vivendo? A sua atitude nos lembra Elias (1Rs 19.4). Ambos evidentemente tiveram de arriscar a vida por nada enquanto os inimigos de Israel continuavam poderosos. Ambos parecem ter chegado próximo a um colapso nervoso.
Nem sempre é fácil conciliar a vontade geral de Deus de salvar com a sua vontade particular de que Jonas fosse um profeta de destruição. Quando Deus escolheu Jonas, ele queria que o seu povo (a igreja) tivesse parte na salvação determinada para Nínive (Ellul). Se Jonas aceita o chamado, se ele é verdadeiramente salvo, é para os outros. Precisamos estar permeados da convicção de que, se a graça foi conferida a nós, é principalmente para os outros. O cristão não é somente a pessoa salva por Cristo; ele é a pessoa que Deus usa para a salvação de outros por meio de Cristo, v. 4. E mais fácil arrepender-se de pecados declarados e abertos que os ninivitas cometeram do que se arrepender de um ressentimento no coração como Jonas precisa fazer. “A melhor forma de tratar essas pessoas é com uma suavidade sarcástica, um pouco de humor, um empurrãozinho, deixá-las expostas aos elementos da natureza e pegá-las de surpresa nos seus próprios preconceitos declarados. Tudo isso — ouso pensar, inclusive o humor — estão presentes na forma de Deus tratar Jonas. Isso é natural e é belo. Duas vezes a voz divina diz com suave sarcasmo: ‘Você está muito zangado?. Jonas não responde — como o seu silêncio aqui é semelhante à vida!” (G. A. Smith, ad. loc.)
A atitude de Jonas aqui certamente é um retrato da atitude de Israel para com os gentios. Assim, o comentarista judeu J. H. Hertz (Pentateuch and Haftorahs, Soncino, 1968) escreve: “Tampouco pode ser apenas a lição de que os gentios também são criaturas de Deus e dignos de perdão se sinceramente se arrependerem [...] o ensino essencial é que o amor de Deus, o seu cuidado e seu perdão devem ser concedidos aos gentios, e isso não de má vontade". O conhecimento de que Deus era infinitamente bondoso perseguia o orgulho dos judeus; surgiu o temor e o ciúme de que Deus iria demonstrar a sua graça a outros, e não só a eles. Deus havia sido tão bondoso e paciente com eles que eles não conseguiam confiar nele para que mostrasse essas misericórdias aos outros, nem a seus piores opressores. Nesse caso, qual era o sentido da singularidade e dos privilégios deles? (Que os eleitos do Senhor em qualquer época considerem isso!).
v. 5. Jonas senta e observa. Deus tinha de fato falado com ele? Ou tinha sido somente uma ilusão dos seus sentidos? Teria ele compreendido mal o chamado de Deus? A forma extraordinária em que ele primeiro rejeitou o chamado de Deus e foi então conduzido a enxergar a necessidade para aí aceitá-lo significava que Jonas não poderia duvidar do seu chamado, somente aceito após o segundo convite. Então ele ainda espera que Nínive seja destruída com fogo e os seus habitantes sejam “grelhados”? Teria ele compreendido mal a misericórdia de Deus? v. 6. o Senhor Deus\ essa expressão composta Yahweh-’Elõhim é uma característica de Gn 2 e 3, “possivelmente relevante para a provisão miraculosa da planta que lhe deu abrigo” (Kidner). Em geral, “o Senhor” é usado num contexto israelita, em que Jonas está envolvido, e “Deus”, no contexto dos marinheiros pagãos e dos ninivitas, embora esse padrão seja deixado de lado depois desse versículo, e ’Elõhim trata com Jonas nos v. 7-9. uma planta (ARC e ACF: “aboboreira”): talvez o mamoneiro (Ricinus communis L.), com folhas em forma de palma da mão, e notável pelo seu crescimento rápido. Em países tropicais, plantas como o bambu normalmente brotam rapidamente, e não precisamos pensar necessariamente nesse suprimento como miraculoso, mas como providencial (cf. R. K. Harrison, Introduction to the OT, p. 910-1). v. 7. uma lagarta-, tudo, a não ser Jonas, obedece à ordem direta de Deus (1.4; 2.10; 4.6, 7,8), até uma peste de inseto, v. 8. um vento oriental muito quente-, o siroco (cf. Jr 18.17; Os 13.15), um vento seco, sufocante, quente e poeirento vindo do deserto, agravando o desconforto da vigília de Jonas. O fato de o Senhor preparar a planta, a lagarta e o vento para abençoar Jonas num dia e arruiná-lo no outro certamente é uma demonstração da sua soberania na sua forma de lidar com as nações como Israel e Nínive, e nos lembra do fato de que da sua soberania recebemos a prosperidade ou o infortúnio, a saúde ou a enfermidade, v. 9,10. Tanto a planta quanto os ninivitas eram obra das mãos de Deus, e ele se importa com o que criou. v. 11. Não deveria eu ter pena...? Essa é a grande questão, pois Jonas está indignado porque Deus concedeu o perdão aos inimigos arrependidos de Israel, cento e vinte mil pessoas que não sabem nem distinguir a mão direita da esquerda', uma expressão singular, e assim não temos base bíblica para decidir se estavam incluídas as crianças que não alcançaram ainda a idade da prestação de contas, ou que era mais provavelmente toda a população ignorante. Cálculos baseados em dimensões de uma cidade assíria comparável, Ninrode em 879 a.C. com uma população de 69.674 pessoas, mas consistindo geograficamente em somente a metade do tamanho (NBD), sugere que é mais provável que esse número seja o de toda a população, muitos rebanhos', é totalmente apropriado que num livro em que um monstro marinho, uma lagarta e uma planta, como também os elementos da natureza, obedecem à vontade de Deus, ele também tenha misericórdia de animais irracionais.
Assim, Deus tem compaixão e adia o juízo sobre Nínive por causa do seu povo ignorante e dos animais. O juízo final sobre Nínive foi declarado por Naum e cumprido em 612 a.C. Por que Deus poupou Nínive e permitiu que se tornasse mais tarde a “vara da sua ira” (Is 10.5) contra Israel? Israel precisava saber que Deus era Senhor da Assíria também, e que se agora ele não trazia juízo sobre eles, isso não significava que não era soberano. Deus é soberano para trazer tanto juízo quanto misericórdia sobre quem ele quiser.


Índice: Jonas 1 Jonas 2 Jonas 3 Jonas 4 

Nenhum comentário:

Postar um comentário