2019/08/25

Estudo sobre Êxodo 10

Estudo sobre Êxodo 10

Estudo sobre Êxodo 10 

 Êxodo 10

As pragas dos gafanhotos e das trevas (10.1-29)
Eventos iminentes lançam suas sombras sobre esse capítulo. Testemunhamos aqui o desmoronamento dos princípios morais dos conselheiros do rei. Por um momento, eles até conseguem persuadir o seu senhor a rever suas decisões (v. 7,8). Há ecos não tão distantes — trevas (v. 15,21 ss) e morte (v. 17) — da fatal noite da Páscoa. O vento oriental cumpre uma tarefa preliminar como ferramenta para implementação dos planos de Deus (cf. 14.21). v. 2. Deus será honrado não somente no Egito, mas entre gerações futuras de israelitas, quando a história do êxodo for contada e recontada (cf. 12.26,27; Dt 6.7 etc.). A narração dos atos poderosos de Deus era uma característica essencial da adoração israelita (cf. Js 24.2-13; SL 78; At 7.2-53). v. 4. gafanhotos eram fonte de temor em virtude de seu potencial de destruição. O v. 5 dá um relato adequado do efeito danoso que teriam sobre a terra (cf. v. 15). que [...] restou da tempestade de granizo-, cf. 9.32. v. 7. A ameaça parece ter causado impacto sobre os conselheiros do faraó. A devastação causada por uma invasão de gafanhotos seria o golpe de misericórdia para um país já cambaleando sob essa grande quantidade de desgraças, v. 9. As palavras de Moisés têm um tom de provocação ”churchilleana”. Ele sabe que o rei não representa ameaça alguma e que o desenlace já não pode ser adiado por muito mais tempo, v. 10,11. Ao suspeitar de um propósito mais tenebroso, o faraó se nega a permitir que todo o povo de Israel vá ao deserto para adorar. As mulheres, crianças e posses vão ser a sua garantia contra o logro. A adoração em lugares sagrados era responsabilidade dos homens; por que então deveria ele permitir que mulheres e crianças também fossem? v. 13. vento oriental', a migração de gafanhotos é afetada pelo movimento e direção do vento. Esses enxames específicos provavelmente vinham da Arábia. Aqui temos um caso de racionalização, poderíamos dizer, no relato original da praga! v. 15. escureceu', a próxima praga é de intensa escuridão; 12.29 é prefigurado na oitava e nona pragas, v. 17. perdoem: está aí uma evidência da importância crescente de Moisés diante do rei. v. 21. A última das pragas “naturais” mostra o rei com a atitude mais conciliadora (v. 24), mas isso não é suficiente, e agora é tarde, trevas tais que poderão ser apalpadas: uma escuridão sobrenatural ou, provavelmente, uma escuridão causada pela tempestade hamsin que se levantou a um sinal de Moisés. As tempestades hamsin, que chegam a três dias de duração (v. 22), trazem grandes nuvens de areia suficientes para obscurecer a luz do sol. v. 25. A NVI traduz o versículo de tal forma que o significado claro é que o rei deve não só permitir que os israelitas levem os seus rebanhos e manadas, mas também fornecer ele mesmo os animais adequados para o sacrifício. Menos provável é o ponto de vista de Cole, segundo o qual está se exigindo do faraó simplesmente “conceder a Israel os meios para sacrificar a YHWH ao permitir que levem todos os seus rebanhos e manadas”, pois isso é o que vai dizer o versículo seguinte (v. 26). v. 29. A réplica de Moisés foi prematura (cf. 11.8; 12.31).


Índice: Êxodo 1 Êxodo 2 Êxodo 3 Êxodo 4 Êxodo 5 Êxodo 6 Êxodo 7 Êxodo 8 Êxodo 9 Êxodo 10 Êxodo 11 Êxodo 12 Êxodo 13 Êxodo 14 Êxodo 15 Êxodo 16 Êxodo 17 Êxodo 18 Êxodo 19 Êxodo 20 Êxodo 21 Êxodo 22 Êxodo 23 Êxodo 24 Êxodo 25 Êxodo 26 Êxodo 27 Êxodo 28 Êxodo 29 Êxodo 30 Êxodo 31 Êxodo 32 Êxodo 33 Êxodo 34 Êxodo 35 Êxodo 36 Êxodo 37 Êxodo 38 Êxodo 39 Êxodo 40

Nenhum comentário:

Postar um comentário