2019/09/19

Estudo sobre Êxodo 12

Estudo sobre Êxodo 12

Estudo sobre Êxodo 12




Êxodo 12

III. DO EGITO AO SINAI (12.1—18.27)
1) A instituição da Páscoa (12.1-28)
A libertação dos israelitas da escravidão no Egito passou a ser comemorada em dois festivais anuais. Visto que a Páscoa era seguida imediatamente da festa dos pães sem fermento, as duas festas foram às vezes tratadas como uma (e.g., Dt 16.1-8), mas eram de natureza bem distinta. A Páscoa era uma festa familiar, inicialmente celebrada sem referência a um altar, santuário ou sacerdócio (observe a ausência de regulamentações rituais no calendário levítico em Lv 23.5). A festa dos pães sem fermento, por outro lado, desde o seu início tinha o status de hag, i.e., era uma das grandes festas anuais de peregrinação que tinham de ser celebradas no santuário (23.14,15). Acerca do significado moral que Paulo atribuiu à justaposição da Páscoa e da festa dos pães sem fermento, v. ICo 5.7,8. E opinião de muitos estudiosos que a Páscoa era uma antiga festa pastoril que foi revestida de um significado completamente novo à luz do êxodo. Essa é uma hipótese razoável — a analogia da prática israelita da circuncisão sugere isso — mas não há evidências claras que a confirmem, v. 2. primeiro mês\ abibe (13.4; 23.15), mais tarde chamado nisã (Ne 2.1; Et 3.7), que corresponde a março-abril. Antes disso, os israelitas talvez tenham celebrado o ano-novo no outono (cf. 23.16; 34.22 e a lei do jubileu em Lv 25.8ss). Cassuto argumenta, com base na sintaxe, que o v. 2 não é um ajuste no calendário, mas uma constatação. (“Vocês estão agora começando a contar um novo ano; agora o novo ano vai trazer uma mudança de destino para vocês” é a paráfrase que ele faz do versículo.) Há aspectos a favor desse ponto de vista; cf. o uso que a NEB faz de ambos os tempos, presente e futuro, v. 3. cordeiro-, a palavra é menos específica; cf. o v. 5 (“pode ser cordeiro ou cabrito”), v. 4. Em épocas posteriores, foi estabelecido um mínimo de dez pessoas por família, v. 5. sem defeito-, cf. IPe 1.19. v. 6. Não é apresentada nenhuma razão para o intervalo entre a escolha (v. 3) e o sacrifício no décimo quarto dia do mês-, talvez fosse para confirmar que o animal era saudável. ao pôr-do-sok v. o comentário de Lv 23.5. v. 7. Com frequência, se tem pressuposto uma origem apotropaica desse ritual; aqui, certamente ele tinha a intenção de ser apotropaico no sentido de que o juízo de Deus devia ser evitado, v. 8. assada: Dt 16.7 permite o cozimento da carne do sacrifício pascal, em concordância com o costume posterior para os sacrifícios em geral (cf. ISm 2.15 etc.), pão sem fermento constava do ritual da Páscoa, como também da festa que vinha logo em seguida (v. 14-20). As ervas amargas mais tarde foram interpretadas como símbolos da experiência amarga que os israelitas tiveram na escravidão (cf. 1.14). v. 10. Cf. 23.18; 34.25. A carne não poderia ser disponibilizada para uso profano, v. 11. apressadamente também sugere uma medida de agitação. Is 52.12, ao falar do “segundo êxodo”, faz um contraste propositado com essa situação. Páscoa-. ”Cordeiro pascal”, como em ICo 5.7. A raiz também ocorre em Is 31.5 (q.v.), e essa é provavelmente a melhor chave para o seu significado em Ex 12; observe especialmente ”passarei adiante” (v. 13). Há pouca base para apoiarmos a sugestão de que a raiz da qual derivamos “Páscoa” esteja associada ao verbo homônimo “coxear”/”mancar”, e menos ainda para apoiar a ideia de que a Páscoa, a princípio, incluía algum tipo de “dança do coxeio”. v. 12. passarei traduz um verbo bem diferente de passarei adiante no v. 13. os deuses do Egito também seriam julgados. A sua ineficácia havia sido provada nas pragas anteriores, quando ficou provado que as forças da natureza que supostamente estavam sob sua jurisdição na verdade estavam sob o controle de um poder maior. v. 14. Este dia\ não há um antecedente óbvio, mas, com base nos v. 17,18, podemos relacionar com segurança esse versículo à observância da festa dos pães sem fermento. Em geral, temos de lembrar o método de contagem dos dias dos israelitas que ia de pôr-do-sol a pôr-do-sol e o fato de que o êxodo na verdade ocorreu na noite de 15 de nisã. Pensa-se que a festa dos pães sem fermento teve o seu início numa celebração agrícola; também é sugerido que os israelitas encamparam essa festa quando se estabeleceram em Canaã. Em Êxodo, no entanto, a festa dos pães sem fermento tem uma associação puramente histórica (cf. 12.39). Ao mesmo tempo, devemos observar que as regulamentações dos v. 14-20 são dirigidas a uma comunidade estabelecida na terra; cf. especialmente o versículo 17 (“tirei”) e o 19 (“seja estrangeiro, seja natural da terra”), v. 15. fermento passou a ser associado à decadência moral tanto no NT quanto nos escritos rabínicos (cf. ICo 5.6ss; G1 5.9 etc.), v. 17. os exércitos de vocês-, cf. comentário de 13.18. Nos v. 21-27, Moisés dá instruções acerca da Páscoa aos líderes do povo. v. 22. hissopo: é de difícil identificação; a NEB traz “manjerona”. A referência a hissopo no evangelho de João não está isenta de dificuldades, mas certamente está em harmonia com a apresentação que o evangelista faz da morte do Senhor no contexto pascal. O hissopo também era usado em alguns rituais de purificação (cf. Lv 14.4ss; Nm 19.6). Nenhum de vocês poderá sair claramente se aplica à observância posterior da Páscoa (cf. v. 31). v. 23. destruidor. 2Sm 24.16 fala, com referência a outra ocasião, do “anjo destruidor”. O destruidor, longe de ser adversário de Deus, é o agente do juízo divino. Os v. 26,27 destacam o elemento didático na celebração que Israel deve fazer desses eventos memoráveis (cf. 10.2). A observância judaica da Páscoa ainda hoje inclui uma série de perguntas e respostas formuladas de acordo com esses versículos.
2) O êxodo (12.29-51) v. 29. Tentativas de encontrar uma causa natural para essa última praga estão fadadas ao fracasso, se levarmos a sério a afirmação de que os primogênitos foram afetados e que tanto seres humanos quanto animais foram incluídos nisso. v. 32. O rei não tem alternativa, a não ser concordar com as condições estabelecidas por Moisés e Arão. A sua solicitação anterior a Moisés e Arão de interceder por ele diante de Deus (10.17), ele agora acrescenta o pedido da bênção deles. v. 35,36. Cf. 11.2. v. 37. Ramessés é a mesma Ramessés de 1.11 (q.v.). Sucote-. provavelmente a mesma que Tkw(t), nome de uma cidade ou região mencionada em textos egípcios. É possível que tenha sido o sítio de Tell El-Maskhuta; E. Naville afirmou que Sucote é Pitom (cf. comentário de 1.11), mas outros têm interpretado as evidências de maneira diferente. O papiro Anastasi V (final do século XIII a.C.) menciona Tkw(t) em conjunção com a fuga de um casal de escravos do Egito para a Palestina; isso não é de surpreender, em virtude da sua localização na fronteira nordeste do Egito, seiscentos mil homens: um número extraordinário que tem perturbado muito vários comentaristas; v. a introdução ao livro de Êxodo, particularmente p. 205. v. 38. Grande multidão de estrangeiros: chamado ”bando de estrangeiros” em Nm 11.4. A mulher cuxita (etíope) com quem Moisés casou (Nm 12.1) pode ter estado entre eles. v. 40. quatrocentos e trinta anos: v. a introdução ao livro de Êxodo [A contagem tem sido associada à “era de Tânis”; cf. Nm 13.22b]. O v. 42 fala de vigílias recíprocas. Posteriormente, os israelitas fariam vigílias na noite da Páscoa em gratidão pela proteção cuidadosa de Deus durante o julgamento do Egito. Os v. 43-49 determinam quem pode participar do sacrifício pascal; as orientações dadas aqui são dirigidas, em parte, à situação relatada no v. 38. v. 44,45. O residente temporário e o trabalhador contratado não podem ser considerados membros permanentes da família ou da comunidade. O escravo que foi comprado está numa situação diferente e pode participar, desde que tenha sido circuncidado. v. 46. nem quebrem nenhum dos ossos: mais um paralelo entre a morte do nosso Senhor e o sacrifício da Páscoa que é ressaltado no quarto Evangelho (Jo 19.36). v. 48. estrangeiro residente não é o mesmo que residente temporário no v. 45, e implica residência permanente. De novo a circuncisão é colocada como critério para inclusão ou exclusão.

Índice: Êxodo 1 Êxodo 2 Êxodo 3 Êxodo 4 Êxodo 5 Êxodo 6 Êxodo 7 Êxodo 8 Êxodo 9 Êxodo 10 Êxodo 11 Êxodo 12 Êxodo 13 Êxodo 14 Êxodo 15 Êxodo 16 Êxodo 17 Êxodo 18 Êxodo 19 Êxodo 20 Êxodo 21 Êxodo 22 Êxodo 23 Êxodo 24 Êxodo 25 Êxodo 26 Êxodo 27 Êxodo 28 Êxodo 29 Êxodo 30 Êxodo 31 Êxodo 32 Êxodo 33 Êxodo 34 Êxodo 35 Êxodo 36 Êxodo 37 Êxodo 38 Êxodo 39 Êxodo 40

Nenhum comentário:

Postar um comentário