2019/09/19

Estudo sobre Êxodo 14

Estudo sobre Êxodo 14

Estudo sobre Êxodo 14




Êxodo 14
Se havia uma guarnição egípcia no lugar, então a mudança de direção ordenada em 14.2,3 teria uma explicação adicional, v. 21,22. Manifestações da presença divina como as que marcaram a cerimônia de estabelecimento da aliança no Sinai (cf. 19.16ss) dariam a segurança ao povo de que ele estava indo na direção correta. A observação é apropriada, pois as circunstâncias imediatas (v. 14.1-18) poderiam sugerir outra coisa. 14.2. Nenhum dos lugares mencionados no versículo pode ser identificado com segurança. O primeiro nome é evidentemente egípcio, e os outros dois são semíticos; todos devem ter se situado próximo da fronteira nordeste do Egito. v. 3. Cf. comentário de 13.20. O faraó receberia informações que o levariam a supor que os israelitas estavam num impasse e, portanto, seriam presa fácil.

5) Cruzando o mar (14.5-31)
O dilema dos israelitas foi planejado para demonstrar mais uma vez o poder e a glória de Deus. As forças da natureza recebem ordem para dar passagem segura aos israelitas e a desabar com destruição sobre os destacamentos egípcios que os perseguiam. V. SL 77.16-20. v. 5. Foi a percepção de que haviam perdido uma proporção considerável da sua força de trabalho que levou os egípcios a começar a perseguição, v. 6. Geralmente se atribui aos hicsos a introdução da carruagem no Egito. Em comparação, as armas dos israelitas devem ter sido grosseiras e inadequadas. (Israel não possuiu carros de guerra em quantidade razoável antes do reinado de Salomão.) v. 11. Essa é somente a primeira queixa a soar nos ouvidos de Moisés durante a peregrinação no deserto (cf. 16.2,3; 17.2,3 etc.), v. 12. Algo acerca disso deve ter sido dito na ocasião descrita em 6.9. v. 20. Js 24.7 lembra que nessa ocasião Deus colocou “trevas entre vocês e os egípcios”. A última parte do versículo é de difícil tradução e geralmente é emendada para possibilitar um sentido razoável, v. 22. uma parede'. ”Essa metáfora não deve ser compreendida de forma literal, assim como Ed 9.9 também não deve ser compreendido de forma literal quando diz que Deus lhes deu um ‘muro’ (mesma palavra) em Israel. E uma metáfora poética para explicar por que os carros egípcios não podiam avançar pela direita ou pela esquerda para cortar a frente de Israel; eles tinham de atravessar pelo mesmo vau, diretamente atrás dos israelitas” (Cole), v. 24. no fim da madrugada-, algumas versões trazem ”na vigília da manhã”. A noite era dividida em três partes (cf. Jz 7.19), de forma que a vigília da manhã durava das 2 horas até às 6 horas da manhã. Saul também achou que essa era a hora ideal para atacar o inimigo (ISm 11.11). o pôs em confusão traduz uma palavra usada especificamente para situações em que Deus desbarata os inimigos de Israel (cf. 23.27; Js 10.10). v. 28. Nada no relato exige que pensemos que o rei encontrou o mesmo destino do seu exército, tampouco existem evidências históricas para fundamentar essa suposição. Levando em conta as frequentes menções do faraó nas narrativas das pragas, a ausência de referências específicas a ele nos caps. 14 e 15 necessariamente aponta na mesma direção.

Índice: Êxodo 1 Êxodo 2 Êxodo 3 Êxodo 4 Êxodo 5 Êxodo 6 Êxodo 7 Êxodo 8 Êxodo 9 Êxodo 10 Êxodo 11 Êxodo 12 Êxodo 13 Êxodo 14 Êxodo 15 Êxodo 16 Êxodo 17 Êxodo 18 Êxodo 19 Êxodo 20 Êxodo 21 Êxodo 22 Êxodo 23 Êxodo 24 Êxodo 25 Êxodo 26 Êxodo 27 Êxodo 28 Êxodo 29 Êxodo 30 Êxodo 31 Êxodo 32 Êxodo 33 Êxodo 34 Êxodo 35 Êxodo 36 Êxodo 37 Êxodo 38 Êxodo 39 Êxodo 40

Nenhum comentário:

Postar um comentário