2019/09/19

Estudo sobre Êxodo 22

Estudo sobre Êxodo 22

Estudo sobre Êxodo 22




Êxodo 22
Leis acerca da proteção da propriedade (22.1-17)
v. 1,3b,4. O ajuste do texto como o faz a RSV certamente é necessário. (A RSV omite o v. 3b do texto.) Senão, teríamos no v. 3 a situação pouco provável de um ladrão morto sendo vendido em virtude de não ter tido condições de restituir pelo roubo (cf. VA). A NVI evita isso ao introduzir um novo sujeito no v. 3b. Um ladrão que não pudesse fazer restituição estaria sujeito à escravidão (cf. 21.2-6). v. 4. Uma pena mais branda porque o delito não foi agravado pelo abate ou pela venda do animal, v. 2. arrombando', ao cavar e abrir buraco no muro de tijolos de barro; cf. a parábola representada por Ezequiel (Ez 12.1-7). Não se tratava de homicídio, visto que o proprietário da casa teria dificuldade em saber se estava sendo confrontado por um mero ladrão ou intruso homicida, v. 5. pastar. o significado tem sido debatido desde tempos antigos; o verbo pode significar “pastar” ou “queimar” (cf. a tradução que iniciou o incêndio, v. 6). A NEB opta por essa tradução: ”Quando um homem queima um campo...”. Independentemente da causa do dano, a parte responsável fará restituição-, o meio de vida de uma família podia estar em jogo.
v. 7. em dobro, cf. o v. 4. v. 8. os juízes: cf. 21.6. O dono da casa podia se absolver de qualquer suspeita de apropriação indevida ao invocar uma maldição sobre Sl mesmo (cf. v. 11). Se ele não dissesse a verdade, esperava-se que Deus fizesse a maldição valer na vida dele. De Nuzi, vem uma bela ilustração de como o medo do juramento podia servir à causa da honestidade. Em um caso de designação da propriedade de uma escrava, dois dos litigantes receberam ordem dos juízes de fundamentar suas evidências: “ ‘Vão e façam o juramento dos deuses contra as testemunhas de Tarmiya’. Shukriya e Kula-hupi se encolheram diante dos deuses, e assim Tarmiya prevaleceu no julgamento, e os juízes designaram a escrava, Sululi-Ishtar, a Tarmiya” (v. ANET, 3. ed., p. 220). v. 9. Sempre que alguém constata que um bem se perdeu e vê esse bem em posse de outra pessoa, o caso deve ser decidido no santuário. Aquele a quem os juízes declararem culpado: cf. comentário do v. 8. As sentenças talvez também fossem obtidas por meio do Urim e do Tumim. v. 11. Cf. comentário do v. 8. v. 12. Perda por meio de roubo era interpretada como negligência, v. 14. animal, a palavra falta no TM, mas a NVI tem o apoio de um texto de Gunrã e de algumas versões antigas. A responsabilidade pelo ferimento ou morte dependia de se o dono havia estado presente ou não quando o sinistro ocorreu, v. 15. se o animal [...] a perda: talvez melhor: “se ele é homem contratado, virá no seu salário [i.e., será descontado]”; o homem contratado terá o valor descontado do seu salário.
A NVI dá a entender que o que emprestou (arrendou) o animal assumiu um risco logo no início e, por isso, não vai receber nada mais do que o aluguel inicial. Os v. 16,17 estão agrupados ao trecho anterior porque a moça era, enquanto não tivesse casamento contratado, propriedade do seu pai (cf. Dt 22.28,29). Mesmo que o pai não aprovasse o homem como seu genro, o preço do seu dote teria de ser pago; a ação do homem tinha diminuído a possibilidade de o pai receber o dote de um pretendente aceitável, v. 17. terá fwepagar. Dt 22.29, ao tratar de estupro, estabelece “cinquenta peças de prata”.

Leis acerca de responsabilidades sociais (22.18-31)
A maioria dessas leis são motivadas por considerações humanitárias, mas primeiramente são registrados três crimes capitais tv. 18ss). v. 18. Cf. Lv 19.26; Dt 18.10-14; lSm 28.9. O v. sugere que especialmente as mulheres estavam envolvidas com feitiçaria: alguns estudiosos citam Pughat na lenda cananeia de Aqhat (mas v. NBD, p. 726). A magia era amplamente praticada na Mesopo-tâmia e condenada na lei babilónica e assíria, v. 19. O imaginário da bestialidade permeia grande parte da literatura épica dos cananeus; cf. Lv 18.23ss v. 20. será destruído-, seria colocado sob anátema (cf. NEB); cf. comentário de Lv 27.20,21. Outros eruditos, com um apoio razoável das versões antigas, reconstroem o hebraico da seguinte forma: “Todo aquele que sacrificar a outros deuses (a não ser ao Senhor) será morto”, v. 21. vocês foram tstrangeiros: cf. Dt 5.14,15. A maioria das leis nos v. 21-31 são do tipo apodíctico; v. a introdução ao cap. 20. v. 25ss. Adquirir riquezas à custa dos pobres e insolventes é estranho ao espírito da verdadeira religião. Lc 6.34,35 coloca um padrão ainda mais elevado, v. 26. Visto que a presente lei está relacionada somente aos pobres em Israel (v. 25; contraste com Dt 23.20), um manto seria o bem mais comum a ser dado em garantia. “Mas se esse manto tinha de ser devolvido todas as noites quando o seu uso era necessidade, e não luxo), o seu valor como garantia era mínimo; tomou-se um mero lembrete vexatório da dívida” (Cole). Cobrar juros fazia parte da vida de negócios da Mesopotâmia e logo se tornou usura, no sentido moderno da palavra (cobrança de juros abusivos). Durante o período persa, a família Murashu de Nippur adquiriu fabulosa riqueza ao emprestar dinheiro a proprietários de terras que precisavam dele para pagar seus impostos. O nome deles se tornou saoóoimo de uma forma de amealhar lucros surgida na Babilônia durante outros períodos, quando o dinheiro era curto. v. 28. Cf. lRs 21.10; At 23.5. Lv 19.32 também associa respeito pela autoridade divina com consideração pela autoridade humana, autoridade na era pré-monárquica em Israel denota o chefe de uma tribo (cf. Nm 7). O v. 29ss tratam das obrigações de Israel para com Deus. v. 29. de suas colheitas é um acréscimo explicativo da NVI; ofertas (lit. “plenitude”) em Nm 18.27 é usado em associação com vinho (cf. Dt 22.9). Algumas versões expandem essa primeira parte mais um pouco para “colheitas do trigo, do vinho e do azeite” (nota de rodapé da NVI); ou “oferta de cereais, de vinho e de azeite” (NTLH). O hebraico lit. diz “suas lágrimas” (v. novamente nota de rodapé da NVI), obviamente em referência a algum tipo de suco ou azeite natural. A palavra aparece somente aqui no AT com esse tipo de significado, mas é usada cinco vezes no “rolo de cobre” do mar Morto (3Q15) de forma semelhante, com o possível significado de “resina”. primeira cria: cf. comentário de 13.13. v. 31. Cf. Lv 7.24 e, para ver a argumentação, Lv 11.41-45.

Índice: Êxodo 1 Êxodo 2 Êxodo 3 Êxodo 4 Êxodo 5 Êxodo 6 Êxodo 7 Êxodo 8 Êxodo 9 Êxodo 10 Êxodo 11 Êxodo 12 Êxodo 13 Êxodo 14 Êxodo 15 Êxodo 16 Êxodo 17 Êxodo 18 Êxodo 19 Êxodo 20 Êxodo 21 Êxodo 22 Êxodo 23 Êxodo 24 Êxodo 25 Êxodo 26 Êxodo 27 Êxodo 28 Êxodo 29 Êxodo 30 Êxodo 31 Êxodo 32 Êxodo 33 Êxodo 34 Êxodo 35 Êxodo 36 Êxodo 37 Êxodo 38 Êxodo 39 Êxodo 40

Nenhum comentário:

Postar um comentário