2019/09/19

Estudo sobre Êxodo 32

Estudo sobre Êxodo 32

Estudo sobre Êxodo 32



Êxodo 32
VI. REBELIÃO E RECONCILIAÇÃO (32.1—34.35)
O bezerro de ouro (32.1-10)
v. 1. A exigência do povo e o consentimento de Arão significam que já antes de as estipulações da aliança terem sido entregues a eles de forma escrita, já haviam quebrado o primeiro, o segundo e, provavelmente, o sétimo (cf. comentário do v. 6) mandamentos, e também agido contra o preâmbulo da aliança (cp. o v. 4 com 20.2). Como história de um povo que “muito depressa se [desviou]” (v. 8), ela tem o seu correlato no NT (v. G1 1.6). ao redor de Arão seria melhor traduzido por “contra Arão” (cf. NEB, “confrontaram”), v. 2,3. Assim como houve contribuições de posses pessoais para a construção e embelezamento do tabernáculo (25.1-7; cf. 38.8), agora foi feita uma coleta para um propósito bem diferente e totalmente indigno (cf. Jz 8.24-27). v. 4. modelou com uma ferramenta sugere que a imagem foi esculpida no ouro sólido. Por meio de uma pequena alteração vocálica, com uma ferramenta pode ser mudado para significar “em uma bolsa” e, por um pequeno salto de fé filológico, “dentro de um molde” (assim NTLH e BJ; v. também NEB). bezerro: é de esperar que os israelitas estivessem familiarizados com os cultos a touros dos egípcios e cananeus que floresciam na região do delta do Nilo.
O culto a Baal dos cananeus provou ser uma armadilha constante aos israelitas depois de se estabelecerem em Canaã. os seus deuses [...] que tiraram vocês do Egito: mas somente uma imagem foi feita (v. nota de rodapé na NVI). Muitos eruditos do AT consideram esse relato um protesto contra os santuários de touros erguidos por Jeroboão (lRs 12.28,29). Se esse é o caso, então temos aí uma explanação adequada da referência ao plural (mas v. ISm 4.7,8). Contudo, é tanto mais provável que Jeroboão tivesse adotado o chamado ao ajuntamento usado nessa ocasião; a menção da libertação do Egito originou-se mais provavelmente no Sinai do que na ocasião descrita em lRs 12. Por tudo isso, está claro que Israel “ainda está à espera de um deus que age, nem que seja um deus falso” (Cole), v. 5. uma festa dedicada ao Senhor: Arão, um idólatra relutante, provavelmente pensou que poderia conter e reprimir o erro ao associar a adoração a Javé com o bezerro de ouro. v. 6. No dia seguinte, os israelitas ofereceram holocaustos e sacrifícios de comunhão como o faria qualquer cananeu que não conhecesse nada acerca do Deus de Israel; os dois tipos de sacrifícios (com a mesma raiz semítica como o hebraico no caso de sacrifícios de comunhãoaparecem nos textos ugaríticos do segundo milênio a.C. o povo se assentou para comer, o ato comumente associado a ofertas de comunhão como está prescrito em Lv 7.11-18. para se entregar à farra pode ter uma conotação sexual (cf. a mesma palavra traduzida por “acariciando” em Gn 26.8). Normalmente, no entanto, o verbo é usado sem alusão a isso, como em Gn 21.9. Em lCo 10.8, outra situação bem diferente de imoralidade sexual por parte dos israelitas é citada (i.e., Nm 25.1-18), embora o pecado da idolatria tenha há pouco sido ilustrado com base na ocasião descrita nesses versículos de Ex 32. (Childs discorda nesse ponto, considerando os 23 mil de lCo 10.8 uma variação dos 3 mil do v. 28 desse capítulo.)
A licenciosidade sexual certamente era uma característica dos cultos nos santuários de touros dos cananeus. E difícil determinar se Arão e os israelitas consideravam o seu bezerro uma representação de Javé ou um trono em que repousava a sua presença invisível; de qualquer forma, o seu pecado era extremamente grave. v. 7. Como no v. 1, embora lá por outra razão, a associação do êxodo com a liderança de Moisés tem uma conotação negativa, o seu povo [de Moisés\ implica que Deus já não o reconhecia como povo dele. v. 8. curvaram-se diante dele, ofereceram-lhe sacrifícios: não importa que Arão tenha tentado sincretizar o culto da fertilidade animal com a adoração a Javé, a sua ”festa dedicada ao Senhor” (v. 5) é rejeitada como simples e pura adoração, v. 10. farei de você uma grande nação: cf. Gn 12.2. Para Moisés, havia sido um grande sacrifício colocar-se do lado dos israelitas (cf. Hb 11.24ss); agora ele estava ouvindo acerca da possível extinção do seu povo e recebendo a oferta de se tornar o segundo Abraão, v. 11. o teu povo é a resposta de Moisés a seu povo no v. 7. A libertação do povo da escravidão egípcia era a medida do compromisso de Deus com a causa deles. Por que Deus iria destruí-los agora?
v. 12. O que também estava em jogo era a reputação de Deus. Até mesmo os egípcios reconheciam a mão de Deus no êxodo; se Israel fosse destruído, os seus antigos escravizadores concluiriam que Deus prefere usar o seu poder para propósitos destruidores. v. 13. Em terceiro lugar, havia as promessas feitas aos patriarcas. Mas essas não poderiam ser cumpridas por meio de Moisés, que também era filho de Abraão? Nenhum desses pensamentos vem à mente de Moisés, quando ele lembra a Deus sua promessa inicial feita a Abraão; e essa promessa tinha sido reforçada por juramento (cf. Gn 22.16ss). Será que agora o cumprimento estava em jogo apesar da incondicionalidade da promessa? O judaísmo tem em alta consideração os méritos dos patriarcas na explanação da lealdade de Deus na sua aliança; a coerência de Deus é a sua verdadeira origem, v. 14. arrependeu-se: isso não implica que os propósitos de Deus são menos do que perfeitos (cf. Nm 23.19). E uma descrição da atitude de Deus vista do ângulo humano. João 6.6 ajuda a vermos todo o diálogo da perspectiva correta. As tábuas são quebradas (32.15-20) v. 15. escritas em ambos os lados: isso era algo bem comum em tábuas escritas. As tábuas devem ter sido bem pequenas e eram provavelmente iguais; sobre isso, v. M. G. Kline, 'Westminster Theological Journal (XXII, 1960, p. 133-46). v. 16. As expressões feitas por Deus e escrito por Deus podem significar que as tábuas e suas inscrições eram o produto direto da criatividade divina, ou, visto que o termo hebraico ’elõhim é usado com fre-quência com força de superlativo, que foram feitas de forma primorosa e perfeita. V. comentário de 31.17. v. 17. Josué havia acompanhado Moisés em parte do caminho como seu auxiliar (cf. 24.13). v. 18. A resposta de Moisés é dada em forma de verso; há aí certa medida de jogo de palavras, v. 19. Moisés quebrou as tábuas como uma expressão da sua ira, mas a sua ação teve um significado mais profundo no aspecto de que anunciou a anulação da aliança que acabara de ser feita, v. 20. destruiu no fogo sugere a alguns estudiosos que o bezerro de ouro tinha um núcleo de madeira. O verbo não é de todo inadequado para um objeto de metal sólido. Foi sugerido — com base num texto cananeu — que a colocação dos três verbos “destruir no fogo”, ”moer” e “espalhar” é uma forma convencional de expressar destruição completa, fez com que os israelitas a bebessem: esse elemento lembra o que aconteceu em Nm 5.11-31 e o julgamento e teste de uma mulher da qual se suspeitava que tivesse sido infiel ao marido. O v. 35 talvez tenha alguma relação com essa imposição. Deus é o marido ciumento de Israel (cp. Nm 5.14 com Êx 20.5).
v. 22. propenso para o mal é preferível a “profundamente atribulado” da NEB, embora a palavra em questão possa às vezes ter o significado de “tribulação”, v. 24. Moisés havia colocado a culpa pela aberração do povo de forma justa e clara em Arão. A defesa deste — o bezerro autógeno — pode ter sido um caso de “maneiras requintadas orientais” (Cole), mas são maneiras requintadas a ponto de virarem trapaça; isso não é nada melhor do que a resposta de Geazi (2Rs 5.25).

A grande matança (32.25-29)
v. 25. fora de controle: ou: “desenfreado” (BJ). v. 26. os levitas eram companheiros de tribo de Moisés e haviam permanecido leais a Deus na ausência de Moisés, v. 28. três mih não temos indicação alguma do motivo de esses terem sido mortos à espada e os outros não. Talvez tenham sido pegos no ato da idolatria ou tenham sido os líderes na adoração do bezerro, v. 29. vocês se consagraram, o sentido necessário pode ser obtido do TM sem recorrer a emendas, com a permissão das notas de rodapé da RSV e da NEB; v. a explicação de Cassuto do TM. nenhum de vocês poupou o seu filho: os relacionamentos familiares estavam subordinados ao serviço a Deus (cf. Dt 33.8,9). A bênção consistia no direito de oficiar no tabernáculo (cf. Dt 33.10,11; Nm 25.10-13).

Moisés ora novamente (32.30-35)
v. 32. teu livro: cf. SL 69.28; 139.16. Os nomes dos vivos eram escritos no registro divino. A remoção do nome significava a perda da vida. No NT, a figura é aplicada à vida futura, como em Lc 10.20; Fp 4.3. v. 33. todo aquele que pecar reflete o princípio anunciado em Jr 31.29,30; Ez 18.1-4. v. 34,35. meu anjo: cf. 23.20,23; 33.2. eu os punirei: uma ameaça de julgamento no futuro distante, ao qual o v. 35 pode estar se referindo ou não. O v. 35 talvez tenha o propósito de resumir tudo que o precedeu: E o Senhor feriu o povo com uma praga {feriu com uma praga traduz uma única palavra em hebraico).

Índice: Êxodo 1 Êxodo 2 Êxodo 3 Êxodo 4 Êxodo 5 Êxodo 6 Êxodo 7 Êxodo 8 Êxodo 9 Êxodo 10 Êxodo 11 Êxodo 12 Êxodo 13 Êxodo 14 Êxodo 15 Êxodo 16 Êxodo 17 Êxodo 18 Êxodo 19 Êxodo 20 Êxodo 21 Êxodo 22 Êxodo 23 Êxodo 24 Êxodo 25 Êxodo 26 Êxodo 27 Êxodo 28 Êxodo 29 Êxodo 30 Êxodo 31 Êxodo 32 Êxodo 33 Êxodo 34 Êxodo 35 Êxodo 36 Êxodo 37 Êxodo 38 Êxodo 39 Êxodo 40

Nenhum comentário:

Postar um comentário